You are on page 1of 29

AUTOMAÇÃO DE POÇOS

AUTOMAÇÃO DE POÇOS
• EQUIPE
– André Laurindo Maitelli (Coordenador do Projeto - UFRN)
– Pablo Javier Alsina (UFRN)
– Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (UFRN)
– Andrés Ortiz Salazar (UFRN)
– Luiz Sérgio Saboia Moura (Coordenador Petrobras)
– Benno Waldemar Assmann (Petrobras)
– Édson Henrique Bolonhini (Petrobras)
– Rafael Barbosa Spíndola (Petrobras)
– Jaime Barros Filho (Petrobras)
AUTOMAÇÃO DE POÇOS
• EQUIPE (CONTINUAÇÃO)
– Ewerton Alexandre Pinheiro de Moura (Bolsista DTI)
– João Maria Araújo do Nascimento (Bolsista DTI)
– Rodrigo Barbosa de Souza (Bolsista DTI)
– Francisco José Targino Vidal (Bolsista ITI)
– Rafael Guerreiro da Cunha Magalhães (Bolsista ITI)
OBJETIVOS
• Controle automático do gerenciamento da injeção
de gás em poços com gás-lift contínuo;

• Otimização e monitoramento remoto do Idle Time e


Run Time de unidades de Bombeio Mecânico;

• Desenvolvimento de um sistema supervisório para


os Métodos de Bombeio Mecânico e Gás-Lift.
ELEVAÇÃO
Separador
Gás
Fluxo na Superfície
Líquido

Revestimento

Coluna de Produção
TIPOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL

• BCP – Bombeio por Cavidades Progressivas;


• Gás Lift Contínuo e intermitente;
• Bombeio Mecânico com hastes;
• BCS – Bombeio centrífugo submerso;
• Plunger lift;
GÁS-LIFT
Linha de produção

Linha de Injeção de gás

Coluna de
produção

Revestimento

Válvula de injeção
Packer

Reservatório
GÁS-LIFT CONTROLE

• A injeção de gás-lift deve ser feita de modo a


obter a maior produção:

• Através de um conjunto de regras,


implementadas em um CLP, decisões são
tomadas para busca do ponto ótimo.

• Simulando o comportamento do poço,


determina-se o seu comportamento.
GÁS-LIFT CONTROLE

Linha de produção
Aguarda
Resposta
do Poço
Linha de Injeção de gás

Mudança na Pressão de
Pressão no Fluxo no Fundo Coluna de
Revestimento do Poço produção

Revestimento

Válvula de injeção
Packer

Algoritmo
de Controle
Reservatório
GÁS-LIFT - SIMULADOR

• OBJETIVOS
• Simular comportamento através de
variação de parâmetros;
• Testar e validar algoritmos de controle;
• Utilizar didaticamente em treinamentos de
formação e reciclagem;
• Testar supervisórios.
GÁS-LIFT - SIMULADOR
GÁS-LIFT - SIMULADOR
GÁS-LIFT - SIMULADOR
Pressão no Revestimento

Pressão de Fluxo no Fundo do Poço


BOMBEIO MECÂNICO
BOMBEIO MECÂNICO

• O que é:
– O Sistema de Bombeio Mecânico é o método de elevação artificial
mais usado na indústria de petróleo. É empregado apenas nos
campos de produção terrestres e, no Brasil, responde por cerca de
15% da produção diária de óleo, algo em torno de 60% dos poços
produtores;
• Características:
– Caracteriza-se por envolver grande quantidade de informações,
apresentar comportamentos diferentes em função das
peculiaridades do poço, envolver elevado grau de empirismo e
exigir um acompanhamento operacional rigoroso;
BOMBEIO MECÂNICO
BOMBA DE FUNDO
LINHA DE PRODUÇÃO

COLUNA DE HASTES

COLUNA DE PRODUÇÃO

RESERVATÓRIO

BOMBA DE FUNDO
PISTÃO
VÁLVULA DE PASSEIO
VÁLVULA DE PÉ
BOMBEIO MECÂNICO
ENCHIMENTO PARCIAL E GOLPE DE FLUÍDO
BOMBEIO MECÂNICO
CARTA DINAMOMÉTRICA
BOMBEIO MECÂNICO
AJUSTE DO IDLE TIME

• Descrição do algoritmo de ajuste do Idle


Time em um fluxograma:

• Implementação e configuração em software de


controle, sistemas supervisórios ou em campo por
operadores.

• A simulação de poços de bombeio mecânico


permite validação destas regras.
BOMBEIO MECÂNICO
AJUSTE DO IDLE TIME

Run Time

Idle Time ótimo

Supervisório
Controlador de
Bombeio Mecânico (Regras para Idle
Time ótimo)
BOMBEIO MECÂNICO - SIMULADOR

• OBJETIVOS
• Simular poços hipotéticos;
• Treinar operadores em automação de
poços com unidade de bombeio;
• Possibilitar testes com controladores
comerciais;
• Definir set points;
• Testar algoritmos e supervisórios.
BOMBEIO MECÂNICO - SIMULADOR
BOMBEIO MECÂNICO - SIMULADOR
BOMBEIO MECÂNICO - SIMULADOR

Carga, posição e CPM

Run Time Liga Emulação da célula


de carga e sensor de
Idle Time Desliga posição

Status do Relé de Controle


(Run Time ou Idle Time)
SUPERVISÓRIO
• OBJETIVOS
• Monitorar, através de um enlace de rádio, o
comportamento dos poços automatizados;
• Supervisionar e alterar parâmetros de controle nos
CLP’s;
• Gerar históricos a partir dos dados coletados
remotamente;
• Gerar alarmes de acordo com a detecção de
eventos;
• Configurar e controlar, remotamente, o
funcionamento das unidades de produção.
SUPERVISÓRIO
SUPERVISÓRIO
SUPERVISÓRIO
Contato

E-mail: joao@dca.ufrn.br