You are on page 1of 18

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA – UNAMA

Prevenção de obesidade em escolares
Projeto de Pesquisa apresentado para a disciplina Educação Nutricional, para efeito de avaliação da 2º NI do curso de Nutrição da turma 3NUTV11. ORIENTADOR: Daniela Gomes.

BELÉM 2010

1

EQUIPE • Natália do Vale Moura • Nilda Fonseca Saldanha • Rafaella Lago Pompeu 2 .

”. mais do que isso.3 1 INTRODUÇÃO A alimentação e nutrição adequada são requisitos essenciais para o crescimento e desenvolvimento da criança. visto que os hábitos alimentares modernos representados por fast food e pouca atividade física tem contribuído diretamente para o aumento da população obesa. A escola possui o importante papel no desenvolvimento da criança como um agente de promoção de hábitos alimentares e estilos de vida saudáveis. ou endógena. pois representam a base da própria vida (CARDOSO. abrangendo 95 % a 98 % dos casos. A obesidade exógena origina-se do desequilíbrio entre a ingestão e o gasto calóricos. Em geral as crianças ganham peso com facilidade devido a vários fatores. O problema nutricional de maior crescimento em todo o mundo é a obesidade. devido à dimensão que vem adquirindo nas últimas décadas tem sido referendada como uma epidemia. são direitos humanos fundamentais. “A obesidade pode ser de origem exógena. tais como: . 2006). Segundo Melo (2004). pois é o local onde as crianças passam a maior parte do tempo. no mundo inteiro.

Introdução 4 .

5 2 JUSTIFICATIVA A estimativa mundial é de que 10% das crianças em idade escolar tenham excesso de peso. Prevenir a obesidade infantil significa diminuir. de uma forma racional e menos onerosa. . pode produzir hábitos mais saudáveis na população escolar. o trabalho de educação nutricional. reduzindo o risco para a obesidade (SAHOTA et al. além de adquirirem novos hábitos e comportamentos. aliado à promoção da atividade física. a incidência de doenças crônico-degenerativas. A escola é um local importante onde esse trabalho de prevenção pode ser realizado.. Neste contexto. 2001). pois nela as crianças fazem pelo menos uma refeição diária.

Observar qual o tipo de lanche que os alunos levam para a escola.1 Objetivo geral: • Prevenir a obesidade infantil. Informar os riscos de saúde decorrente as alimentação inadequada para os pais. 3.6 3 OBJETIVOS 3. Estimular práticas alimentares saudáveis. . Verificar como é feito o incentivo na escola para o consumo de alimentos saudáveis.2 Objetivo específico: • • • • • • • Fazer o levantamento do total de crianças de 1ª a 4ª. Verificar a quantidade de crianças em processo de sobrepeso ou com obesidade. promovendo a educação nutricional em escolares de 1ª a 4ª série em uma escola no município de Belém. Analisar o consumo alimentar em relação às necessidades nutricionais.

” (CHAVES et al. por fazer da obesidade infantil uma via para a obesidade na vida adulta. que se adquire a maior parte das células adiposas. Sendo assim. baixo gasto energético ocasionado pelo baixo encorajamento para a realização de atividade física na sociedade moderna. pessoas que apresentam excesso de peso na infância tendem a ser mais obesas na vida adulta em relação aquelas que se tornaram obesa posteriormente.. reduzem mais a severidade da doença do que quando as mesmas intervenções são realizadas na idade adulta. baratos.. principalmente antes dos 10 anos de idade ou na adolescência. visto que mudanças na dieta e na atividade física podem ser influenciadas pelos pais e educadores e poucas modificações no balanço calórico são necessárias para causar alterações substanciais no grau de obesidade. 2004). Entre os fatores que tem sido associado ao aumento de sobrepeso/obesidade é a ampla disponibilidade e variedade de produtos gostoso. pois é nessa fase. (NUNES et al.7 4 REFERENCIAL TEÓRICO A obesidade infantil é caracterizada pelo excesso de gordura acumulada nos tecidos adiposos. 2006) “Intervenções em crianças. porem ricos em energia e servida em largas porções. (SALIM & BICALHO. Está diretamente ligada a infância. 2008) .

A alimentação tem função direta no rendimento escolar. Pais Equipe multidisciplinar Escola Alimentação saudável . o nutricionista prescreve uma dieta para adequação da quantidade de energia a ser ingerida e da proporção dos macronutrientes. essas são algumas das causas mais freqüentes em crianças que apresentam obesidade. alem de adequar também os micronutrientes. com isso aprendem mal refletindo nas suas notas e até na repetência de série. para auxiliar no melhor desenvolvimento da criança. especialmente ferro e cálcio. Dentro de um plano de alimentação saudável para crianças. crianças que não se alimentam adequadamente ficam indispostas.Referencial teórico 8 O objetivo desse processo é. a longo prazo estimulando a mudança de hábitos. desatentas e agressivas.

isso ainda é muito difícil de ser implantado. A escola também deveria contratar um nutricionista para ajudar nesse problema da alimentação escolar assegurando uma alimentação de qualidade começando pelos lanches vendidos nas cantinas. porém basta o primeiro passo para começar e paulatinamente os hábitos alimentares dos alunos passarão a se tornar a cada dia melhores. . a falta de incentivo para o consumo de alimentos frescos e naturais que nesse caso deveria ser proposto pelos seus próprios pais.9 5 HIPÓTESE Entre vários e acentuados problemas encontrados na alimentação do escolar. para suprir as necessidades nutricionais dos seus filhos.

será feita duas intervenções. Deverão ao final de cada mês retornar para compor uma mesa redonda. em seguida. • Educação dietética através de palestras uma vez por semana com duração de 40 minutos e filmes educativos para esclarecimento sobre o teor dos alimentos. onde se procurará. através das leituras. E.10 6 METODOLOGIA Coleta de dados Pais e professores Escolares • Primeiramente será objetivada uma pesquisa bibliográfica. informações sobre o programa e quais os objetivos. a pesquisa de campo. uma nutricional e outra na atividade física. auxílio para a análise dos dados obtidos. tendo como método de abordagem uma entrevista informal e aplicação de questionário. . • Com o auxilio de uma equipe multidisciplinar. terá a duração de 6 (seis) meses (agosto/janeiro). que será realizada nas dependências de uma determinada escola de Belém. alimentação saudável e conseqüências da alimentação incorreta dos filhos.

Em sala de aula terão 5 árvores feita de e. criando brincadeiras como o dia da fruta voltadas para a conscientização de uma alimentação saudável.a desde a semente até a arvore grande formando uma escala e ao lado o nome de cada aluno por serie acompanhando os alimentos “bons” e “ruins” que consumiram. e para cada alimento ruim que for consumido o nome desce. aplicando tarefas relacionadas ao tema em sala de aula. O programa consta de atividades para desenvolvimento de habilidades motoras e musculares. como também individualmente.: Suco de laranja. . Psicólogo • Ao psicólogo cabe a função de orientar os pais e os filhos sobre os aspectos psicológicos que contribuem para a causa da obesidade infantil e as conseqüências. ciclismo. uma maçã) com uma pontuação para cada alimento do dia que for comprado ou que a criança trouxer de casa. O 1º aluno que chegar no final da semana a arvore grande ganha o premio de poder escolher que semente plantar na horta que será desenvolvida na escola. esses pontos somados ao final de cada 2 meses dá o direito a 10 crianças de ter um passeio recreativo com um acompanhante. natação. três vezes por semana por 60 minutos com a orientação de 2 professores de educação física. • Os alunos participarão de atividades físicas extra-classe. alem de utilizar filmes e jogos relacionados à alimentação. após o horário escolar. • No ambiente escolar próximo a cantina será elaborado o cardápio do dia (ex. incluindo atividades que podem ser feitas não só em grupo. pão com queijo e presunto.Metodologia 11 Equipe multidisciplinar Professor Profissional de Educação física Nutricionista •Os professores devem dar continuidade durante a semana. onde aprenderam receitas nutritivas de como elaborar um prato saudável e divertido. • . Para cada alimento bom que for consumido o nome sobe até chegar na arvore grande.v. de modo que possam ser estendidas para a vida. O projeto de intervenção será dividido em módulos de 2 meses cada. Aos alunos será proposto um mini curso denominado “O jovem mestre cuca”. tais como corrida.

o Fita métrica. o Papel A-4. o Eva. . o Tesoura.Metodologia 12 Materiais e equipamentos: o Balança. o Filmes sobre alimentação. o Pistola de cola quente. o Lápis e canetas. o Bastões para a pistola.

/2010 Nov.13 7 CRONOGRAMA ATIVIDADES Ago./2010 Jan./2011 Elaboração do projeto Elaboração do instrumento de pesquisa Início da coleta dos dados Prática do projeto Análise e interpretação dos dados de campo Construção do Relatório da Pesquisa por etapa Entrega do Relatório Final da pesquisa ./2010 Dez./2010 PERÍODO / MESES Set./2010 Out.

Qual o lanche que seu filho costuma comer ou levar para a escola? 3.Quantas vezes por semana você oferece doces (bombons.O seu filho em algum momento do dia reserva um tempo para o lazer ou realizar atividades físicas? 5.Qual o tipo de alimentação seu filho consome no dia-a-dia? 2. cremes.Você estipula um horário para seu filho assistir televisão ou acessar o computador? . etc) para seu filho? 4. sorvetes.14 APÊNDICE Questionário I 1.

Apêndice 15 Questionário II 1.3 Suco de frutas naturais? ( ) 4.O que você costuma comer com mais freqüência? E o que gosta mais? 4.4 Refrigerantes e sucos artificiais? ( ) .2 Hambúrguer. pizza.1 Verduras. chocolate e salgados? ( ) 4. frutas e grãos? ( ) 4. saladas verdes.O que você come quando está na escola no intervalo das aulas? 3.Os seus pais acompanham diariamente as suas refeições? Sim ( ) Não ( ) 2.Quantas vezes você come ao dia? 1a2( ) 2 a3( )3a4( )4a5( )5a6( ) 4.

junte com a manteiga.Apêndice 16 Receita 1: Docinho de cenoura Ingredientes: • • • • • • • 1 lata de leite condensado ½ de (chá) de açúcar 2 colheres de (sobremesa) de manteiga 100g de coco ralado fresco 200g de cenoura picada 2 colheres de açúcar cristal para confeitar Calorias: 258 kcal Modo de fazer: Bata a cenoura no liquidificador com o leite condensado até ficar homogêneo. . Modele bolinhas com as mãos untadas passe-as no açúcar cristal e coloque em forminhas. Passe para uma panela. até soltar do fundo. o coco e a açúcar. Despeje a massa em um prato untado com manteiga e espere esfriar. e leve ao fogo baixo mexendo sempre.

utiliza em uma determinada escola de Belém.Apêndice 17 Receita 2: Brigadeiro de soja Ingredientes: • • • • • • 1 ½ de xícara (chá) de massa de soja 2 colheres (sopa) de margarina 10 colheres (sopa) de açúcar 1 xícara (chá) de leite em pó 3 colheres (sopa) de chocolate em pó Chocolates granulados ou confeitos coloridos Modo de fazer: Em uma panela grande coloque todos os ingredientes e cozinhe mexendo em fogo baixo. • Calorias: 188. Em seguida enrole os brigadeiros. até aparecer o fundo da panela. . Barriga (CRN 317).01 Essas receitas a nutricionista Regina M. quando o brigadeiro estiver no ponto. envolva em chocolate granulado ou confeito colorido e coloque-os nas forminhas.

265-272.. L. de. n. 2001a. Porto Alegre: Artmed. • ------------------. Projeto de extensão. In: DUNCAN. J.. Etiologia da obesidade. jul.283-287 • NUNES. M. 2006. C. Porto Alegre: Artmed.. G. G. B. 2008. de N. D. 191-197... Evaluation of implementation and effect of primary school based intervention to reduce risk factors for obesity.18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • CARDOSO. A. In: COUTINHO. L. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? Jornal de Pediatria. DIXEY R. I.80. Transtornos alimentares e obesidade. p. Elza D. das G. In: BRESSAN. de. RODRIGUES. Porto Alegre: Artes Médicas. HU Revista.. CARVALHO. 34.. 2004.. In: HALPERN.P. CARVALHO. 3. • -----------------. O. Estudo da relação entre a alimentação escolar e a obesidade.D. DALPRA. RUDOLF. 12f. 149-152p. p. Porto Alegre Maio/Junho de 2004. M.H. J. London. J. p. 2006. Porto Alegre: Artmed. F. MARQUES. 2010 . 251-264. G. SÁ. Disponível em: http://bmj. A. p. M. São Paulo: M. British Journal of Medicine. Medicina ambulatorial: condutas em atenção primária baseadas em evidências. S. • MELLO. J. Z.A.. Vol. 2006. v. 3. D. Tratamento nutricional da obesidade. de. Transtornos alimentares e obesidade. Juiz de Fora. M.M. W.2008. Nutrição Conceitos e Aplicações: alimentação do escolar. P. Obesidade infantil. Acesso em: 28 abr../set. M. M.. Transtornos alimentares e obesidade.. Rio Janeiro. Belo Horizonte. M. Bruce D. 2006. 2006. 315-326. et al. Obesidade infantil.B. BARTH. Programa de vigilância alimentar e nutricional infantil (PVANI).. • GALISA.F. p. M. A. de R.C de. 283-288. p.com/cgi/content/full/323/7320/1027 . 2006.. DUALIB. SOUZA. RODRIGUES. CADE. H. COSTA.. E. V. Books. Epidemiologia da obesidade. Porto Alegre: Artmed. P. Transtornos alimentares e obesidade. R. R. p. A. J. J.. ESPERANÇA. • CHAVES. • SAHOTA. HILL. A. QUEIROZ. In: SICHIERI. • -------------------. • MELLO.