You are on page 1of 72

Teoria Geral do Crime: Infrações Penais

Generalidades
1. Classificação Bipartida das Infrações Penais: 1.1. Crime ou Delito; 1.2. Contravenção (Penal). 2. Crimes versus Contravenções: A distinção reside somente nas penas:

Crime versus Contravenção
2.1. Penas Privativas de Liberdade: a) Crimes: — Reclusão; — Detenção.

Crime versus Contravenção
b) 2.2. Contravenções: Prisão Simples. Pena de Multa: a) Crimes: Nunca a multa é a única pena cominada; Contravenções: A multa pode ser a única pena cominada.

b)

Art. 28 da Lei n.º 11.343/2006
1. Penas Cominadas: Advertência, Prestação de Serviços à Comunidade & Comparecimento a Programa ou Curso Educativo; Abolitio Criminis, Infração Sui Generis ou Despenalização?: A Posição do STF (RE-QO n.º 430.105/RJ, em 13/02/2007; Relator: Sepúlveda Pertence).

2.

Classificações dos Crimes
4. Classificações dos Crimes: 4.1. Comuns (maioria), Próprios (exs.: CP, arts. 123, 124, 136, 213, 215, 216-A, 312 a 321, 355) & de Mão Própria (exs.: CP, arts. 213 a 218, 319 e 342);

Classificações dos Crimes
4.2. Dolosos (maioria), Culposos (CP, arts. 121, § 3º, 129, § 6º, 250, § 2º, 251, § 3º, 312, § 2º) & Preterdolosos (CP, arts. 127, 129, § 3º, 223); 4.3. Mera Conduta (CP, art. 150), Materiais (maioria) & Formais (CP, arts. 138, 139, 140, 158, 159, 329, 331);

Classificações dos Crimes
4.4. Comissivos & Omissivos (CP, arts. 13, § 2º, 135, 168-A, 244, 246, 248, in fine, 269, 320, 359-F); 4.5. Instantâneos (maioria), Permanentes (CP, arts. 148 e 159) & Instantâneos de Efeitos Permanentes (CP, art. 171, § 3º);

Classificações dos Crimes
4.6. Principais (maioria) & Acessórios (CP, arts. 180, 348 e 349; Lei n.º 9.613/98, art. 1º); 4.7. Simples (maioria) & Complexos (CP, arts. 157 e 159; crimes com resultado lesão grave ou morte);

Classificações dos Crimes
4.8. Multitudinários (CP, art. 65, III, e);

4.9. Vagos (exs.: crimes contra a paz e a saúde públicas; Leis ns. 9.605/98 & 11.343/2006); 4.10. Militares (CPM, arts. 9º e 10): a) Próprios; b) Impróprios.

Classificações dos Crimes
4.11. Eleitorais (Cód. Eleitoral, arts. 289 a 354); 4.12. Bagatela (CPM, arts. 209, § 6º, 240, § 1º); 4.13. Infrações Penais de Menor Potencial Ofensivo (Lei n.º 9.099/95, art. 61, c/c Lei n.º 10.259/2001, art. 2º, § único);

Classificações dos Crimes
4.14. Crimes de Concurso: a) Material (CP, art. 69); b) Formal (CP, art. 70). 4.15. Crime Continuado (CP, art. 71).

Teoria Geral do Crime: Do Crime

Do Crime: Conceito & Objetos
1. 2. Conceitos Analíticos de Crime; Objetos do Crime: 2.1. Objeto Jurídico (Bem Jurídico); 2.2. Objeto Material.

Do Crime: Sujeitos do Crime
3. Sujeitos: 3.1. Ativo: Conceito & Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica (Legislação Brasileira: CF/88, art. 225, § 3º, c/c Lei n.º 9.605/98, arts. 3º e 21 a 24); 3.2. Passivo.

Teoria Geral do Crime: Fato Típico

Elementos do Fato Típico
1. 2. 3. Conduta ou Ação (em sentido amplo); Resultado, Evento ou Efeito; Nexo Causal ou Relação de Causalidade; Tipicidade.

4.

Conduta: Generalidades
1. Elementos da Conduta: 1.1. Cognitivo: Consciência da prática da conduta. 1.2. Volitivo: Vontade de realizar a conduta.

Conduta: Generalidades
2. Espécies de Conduta: 2.1. Ação: Crimes Comissivos (Facere); 2.2. Omissão – Crimes Omissivos (Non Facere: Nihil Facere e Aliud Facere):

Conduta: Generalidades
a) Puros ou Próprios: — Omissão, em regra, é expressa no tipo; — Crimes de mera conduta. Impuros, Impróprios ou Comissivos por Omissão (CP, art. 13, § 2º, a, b e c): — Omissão não é expressa no tipo; — Crimes materiais.

b)

Conduta Dolosa
3.Dolo (CP, art. 18, I, e § único): 3.1. Dolo Natural ou Psicológico:

a) Elemento Cognitivo; b) Elemento Volitivo.

Conduta Dolosa
3.2. Dolo Normativo: a) b) c) 3.3. Elemento Cognitivo; Elemento Volitivo; Elemento Normativo.

Dolo Direto: a) De Primeiro Grau;

Conduta Dolosa
b) De Segundo Grau.

3.4. Dolo Eventual; 3.5. “Dolo Alternativo”; 3.6. Dolo & Pena.

Conduta Culposa
4. Culpa (CP, art. 18, II): 4.1. Conceito: Violação ao dever de cuidado objetivo. Não se presume. Geralmente os crimes culposos são comissivos e materiais; nunca, porém, admitem a tentativa. 4.2. Elementos do Fato Típico Culposo:

Conduta Culposa
a) Conduta: Imprudência, Negligência ou Imperícia; b) Resultado: Os crimes culposos são materiais (raramente de mera conduta); c) Nexo Causal; d) Previsibilidade (não se confunde com previsão); e) Tipicidade.

Conduta Culposa
4.3. Espécies de Culpa: a) Culpa Inconsciente: Sem previsão do resultado; Culpa Consciente: Com previsão do resultado, mas o agente espera sinceramente que não ocorra.

b)

Conduta Culposa
4.4. Dolo Eventual versus Culpa Consciente: a) Ponto em Comum: Em ambos existe a previsão do resultado; Diferencial: Na culpa consciente o agente espera sinceramente que o resultado não ocorra; no dolo eventual o agente, egoisticamente, não envida esforço algum para impedir o resultado.

b)

Conduta Preterdolosa
5. Preterdolo (CP, art. 19): 5.1. Dolo antecedente + Culpa conseqüente; 5.2. Crimes qualificados pelo resultado (exs.: CP, arts. 127, 129, § 3º, 135, § único, 157, § 3º, 223).

Conduta: Causas de Exclusão
6. Excludentes de Conduta: 6.1. 6.2. 6.3. 6.4. Sonambulismo; Hipnotismo; Atos/Movimentos Reflexos; Coação Física/Material Irresistível.

Resultado
1.
Crimes Previsão Típica do Resultado NÃO SIM SIM Resultado tem de ocorrer para só assim o crime se consumar? NÃO SIM NÃO

Mera Conduta Materiais Formais

Nexo Causal (CP, art. 13, caput)
1. Generalidades: 1.1. Conceito & Alcance; 1.2. Teoria da Equivalência dos Antecedentes Causais (Teoria da conditio sine qua non) & Processo de Eliminação Hipotética.

Nexo Causal (CP, art. 13, caput)
2.
Causas Exclusão do Efeito Prático Absolutamente Nexo Causal? Independentes Preexistentes SIM Agente não responde pelo resultado Agente não responde pelo resultado Agente não responde pelo resultado

Concomitantes

SIM

Supervenientes

SIM

Nexo Causal (art. 13, caput, e § 1º)
3.
Causas Relativamente Independentes Preexistentes Exclusão do Efeito Prático Nexo Causal? NÃO Agente responde pelo resultado Agente responde pelo resultado Depende

Concomitantes

NÃO

Supervenientes

DEPENDE

Tipicidade: Generalidades
1. Tipicidade Penal: 1.1. Tipicidade Formal: Legalidade (Nullum crimen sine typum); 1.2. Tipicidade Material: Lesão ou Ameaça ao Bem Jurídico justificadora da intervenção penal.

Tipicidade: Causas de Exclusão
2. Excludentes de Tipicidade: 2.1. Princípio da Insignificância; 2.2. Princípio da Adequação Social; 2.3. Princípio da Culpabilidade;

Tipicidade: Causas de Exclusão
2.4. Erro de Tipo Essencial (CP, art. 20, caput); 2.5. Crime Impossível (CP, art. 17); 2.6. Desistência Voluntária & Arrependimento Eficaz (CP, art. 15).

Teoria Geral do Crime: Causas de Justificação

Causas de Justificação
1. Legais (CP, arts. 23 a 25, 128, 146, § 3º; Lei n.º 9.605/98, art. 37): 1.1. Estado de Necessidade; 1.2. Legítima Defesa;

Causas de Justificação
1.3. Estrito Cumprimento do Dever Legal; 1.4. Exercício Regular de um Direito. 2. Consentimento do Ofendido: 2.1. 2.2. Excludente de Tipicidade; Excludente Supralegal de Ilicitude.

Estado de Necessidade (CP, arts. 23, I, e 24)
1. Conceito Legal (CP, art. 24, caput):
“Art. 24. Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.”

Estado de Necessidade (CP, arts. 23, I, e 24)
2. Requisitos: 2.1. Perigo atual; 2.2. Não-provocação dolosa do perigo; 2.3. Inevitabilidade da ofensa a bem jurídico para tutelar outro;

Estado de Necessidade (CP, arts. 23, I, e 24)
2.4. Bem jurídico a ser tutelado pode ser próprio ou alheio de quem age em estado de necessidade; 2.5. Inexigibilidade do sacrifício do bem jurídico ameaçado: a) Generalidades;

Estado de Necessidade (CP, arts. 23, I, e 24)
b) Teorias do Estado de Necessidade: — Teoria Unitária (adotada pelo CP): Bem jur. tutelado ≥ Bem jur. lesado (Estado de Necessidade Justificante)

Estado de Necessidade (CP, arts. 23, I, e 24)
— Teoria Diferenciadora (adotada pelo CPM, arts. 39 e 43): Bem jur. tutelado > Bem jur. lesado (Estado de Necessidade Justificante) Bem jur. tutelado ≤ Bem jur. lesado (Estado de Necessidade Exculpante)

-

Estado de Necessidade (CP, arts. 23, I, e 24)
2.6. Inexistência de dever legal de arrostar o perigo (CP, art. 24, § 1º): a) b) Generalidades; Questões diversas.

2.7. Requisito Subjetivo: Conhecimento da situação de fato justificante.

Legítima Defesa (CP, arts. 23, II, e 25)
1. Conceito Legal (CP, art. 25): “Art. 25. Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem.”

Legítima Defesa (CP, arts. 23, II, e 25)
2. Requisitos: 2.1. Agressão injusta, atual ou iminente; 2.2. Bem jurídico a ser tutelado pode ser próprio ou alheio de quem age em legítima defesa;

Legítima Defesa (CP, arts. 23, II, e 25)
2.3. Reação: a) b) Meios Necessários; Moderação.

2.4. Requisito Subjetivo: Conhecimento da situação de fato justificante.

Estrito Cumprimento do Dever Legal (CP, art. 23, III, 1ª parte)
1. Requisitos Objetivos: 1.1. Dever imposto por Lei; 1.2. Conduta conforme a Lei. 2. Requisito Subjetivo: Conhecimento da situação de fato justificante.

Exercício Regular de um Direito (CP, art. 23, III, in fine)
1. Requisitos Objetivos: 1.1. Direito previsto em Lei ou nos Costumes; Conduta conforme a Lei.

1.2. 2.

Requisito Subjetivo: Conhecimento da situação de fato justificante.

Consentimento do Ofendido
1. 2. Generalidades; Natureza Jurídica: 2.1. Excludente de Tipicidade: Dar-seá todas as vezes em que o dissenso do ofendido for elementar do tipo.

Consentimento do Ofendido
2.2. Excludente de Antijuridicidade: a) Validade do Consentimento (de acordo com a lei civil); Disponibilidade do bem jurídico (exs.: honra, patrimônio e integridade física nas lesões leves).

b)

Excesso (CP, art. 23, parágrafo único)
1. Conceito Legal: “Art. 23. (...) Parágrafo único. O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou culposo.”

Excesso (CP, art. 23, parágrafo único)
2. Espécies de Excesso: 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. Excesso Doloso; Excesso Culposo; Excesso Intensivo (Erro Escusável); Excesso Acidental.

Teoria Geral do Crime: Culpabilidade

Culpabilidade: Generalidades
1. 2. Conceito & Localização na Estrutura Jurídica do Crime; Teoria Finalista ou Normativa (Pura): 2.1. 2.2. 2.3. Imputabilidade Penal; Consciência Potencial da Ilicitude; Exigibilidade de Conduta Diversa.

Excludentes de Culpabilidade
1. Inimputabilidade Penal (Exclui a Imputabilidade Penal); Erro de Proibição (Exclui a Consciência Potencial da Ilicitude); Inexigibilidade de Conduta Diversa (Exclui a Exigibilidade de Conduta Diversa).

2.

3.

Inimputabilidade Penal
1. 2. Generalidades; Sistemas ou Critérios de Aferição: 2.1. Biológico (exceção – CF/88, art. 228, c/c CP, art. 27, c/c ECA, art. 104);

Inimputabilidade Penal
2.2. Psicológico (nunca aplicável no Brasil);

2.3. Biopsicológico ou Biopsíquico (regra – CP, arts. 26, caput, e 28, § 1º; Lei n.º 11.343/2006, art. 45): a) b) c) Requisito Circunstancial; Requisito Temporal; Requisito Conseqüencial.

Inimputabilidade Penal
3. Hipóteses de Inimputabilidade: 3.1. Doença Mental (CP, art. 26, caput); 3.2. Desenvolvimento Mental Incompleto (CP, art. 26, caput); 3.3. Desenvolvimento Mental Retardado (CP, art. 26, caput);

Inimputabilidade Penal
3.4. Embriaguez Completa Fortuita (CP, art. 28, § 1º, e Lei n.º 11.343/2006, art. 45). 4. Imputabilidade (CP, art. 28): 4.1. 4.2. Emoção & Paixão (inciso I); Ebriezes Voluntária & Culposa (inciso II).

Semi-Imputabilidade Penal
1. Requisitos Circunstancial, Conseqüencial & Temporal; Hipóteses de Semi-imputabilidade: 2.1. CP, arts. 26, parágrafo único, e 28, § 2º; Lei n.º 11.343/2006, art. 46.

2.

2.2.

Erro de Proibição (CP, art. 21)
1. 2. Generalidades; Escusabilidade & Inescusabilidade: 2.1. Escusável, Inevitável, Invencível: Exclui a consciência potencial da ilicitude e, logo, exclui a culpabilidade, isentando o agente de pena;

Erro de Proibição (CP, art. 21)
2.2. Inescusável, Evitável, Vencível: Reduz a consciência potencial da ilicitude e, logo, reduz a culpabilidade, reduzindo a pena do agente, de 1/6 a 1/3.
3. Delito Putativo por Erro de Proibição: Falsa suposição de que um fato constitui infração penal, mas é atípico.

Inexigibilidade de Conduta Diversa
1. Causas Legais (CP, art. 22): 1.1. Coação Moral Irresistível (Vis Compulsiva): a) b) Coagido ou Coacto; Responsabilidade Penal do Coator.

Inexigibilidade de Conduta Diversa
1.2. Obediência Hierárquica: a) b) c) d) Relação hierárquica de Direito Público; Competência de quem ordena e de quem executa a ordem; Forma legal; Ordem não pode ser manifestamente ilegal.

Inexigibilidade de Conduta Diversa
2. Causas Supralegais: 2.1. Estado de Necessidade Exculpante; 2.2. Excesso Intensivo ou Erro Escusável; 2.3. Outras Exculpantes.

Teoria Geral do Crime: Erro de Tipo

Erro de Tipo: Espécies
1. Essencial (CP, art. 20, caput): 1.1. Escusável, Inevitável, Invencível, Inculpável: Exclui a Culpa; 1.2. Inescusável, Evitável, Vencível, Culpável: Não exclui a Culpa.

Erro de Tipo: Espécies
2. Acidental: 2.1. Erro sobre a Pessoa (Error in Persona – CP, art. 20, § 3º): Não se consideram, neste caso, as condições ou qualidades da vítima, senão as da pessoa contra quem o agente queria praticar o crime;

Erro de Tipo: Espécies
2.2. Aberratio (Erro sobre a Execução): a) b) Ictus (CP, arts. 73 c/c 20, § 3º); Delicti ou Criminis (CP, arts. 74 c/c 70); Causæ.

c)

Descriminantes Putativas por Erro de Tipo Permissivo (CP, art. 20, § 1º)
1. Conceito & Espécies: 1.1. Escusável, Invencível, Inevitável: Isenção de pena; 1.2. Inescusável, Vencível, Evitável: Responsabilidade a título de culpa, se prevista em lei a modalidade culposa.