You are on page 1of 18

O ALUNO SURDO

SEED/DEE 07 a 11/03/2005

MARCAS... SURDAS?

A surdez não acarreta “marcas físicas”, facilmente identificáveis no aluno, mas implica diferenças em

aspectos

de

seu

comportamento

pessoal

e

relacionamento social.

QUAL TERMINOLOGIA USAR?

DEFICIENTES AUDITIVOS • SURDO-MUDO • SURDOS

VISÃO NEGATIVA Déficit, Falta da audição

DEFICIENTES AUDITIVOS

VISÃO POSITIVA
Diferença língüística e cutural, experiência visual

SURDEZ

As representações sociais da surdez e as políticas educacionais
Décadas de 50/60 Surdez como doença Décadas de 70/80 Surdez como deficiência Décadas de 90/00 Surdez como diferença/ experiência visual Educação bilíngüe Assistencialismo/filantropia

Reabilitação da audição e da fala

LÍNGUA DE SINAIS
• Língua natural dos surdos. • Modalidade viso-espacial.

• Estrutura gramatical própria.
• Variações lingüísticas.

• Libras - Língua Brasileira de Sinais.

SURDEZ
• Língua natural dos surdos. • Estrutura gramatical própria.

• Variações lingüísticas.
• Libras - Língua Brasileira de Sinais.

LÍNGUA NATURAL E LÍNGUA MATERNA
A língua materna é a que se fala no ambiente da criança, desde o seu nascimento. Para as crianças surdas, a língua materna será aquela falada por seus pais. A língua natural é a língua que se fala na comunidade a que pertence a criança e com a qual identifica-se culturalmente. É aquela que não oferece barreira/impedimento para aquisição.

Em geral, a língua materna e a língua natural coincidem. CRIANÇAS SURDAS FILHAS DE PAIS OUVINTES 90% dos casos
A língua materna é o português.

CRIANÇAS SURDAS FILHAS DE PAIS SURDOS 10% dos casos
A língua materna é a língua de sinais (Libras).

ALGUMAS IDÉIAS EQUIVOCADAS SOBRE A LÍNGUA DE SINAIS  “ A língua de sinais é uma mistura de mímica e gestos naturais.”  “ A língua de sinais é igual em qualquer lugar.”  “ A língua de sinais é pobre e não transmite idéias abstratas.”  “ Os surdos utilizam apenas o alfabeto manual para se comunicar.”  “ Todos os surdos usam a língua de sinais.”

Você sabia que crianças surdas, filhas de pais surdos, que desde o nascimento estiveram expostas à língua de sinais, têm um

desenvolvimento lingüístico, cognitivo, afetivo
e social adequados, demonstrando melhores resultados acadêmicos, em relação àquelas que não tiveram acesso à língua de sinais na infância?

LEGISLAÇÃO
• Lei Federal Nº 10.436/02 • Lei Estadual Nº 12.095/98 • Decreto Federal Nº 5.626/05

O Decreto dispõe sobre:
 a inclusão da Libras como disciplina curricular;  a formação e a certificação de professor,

instrutor e tradutor/ intérprete de Libras;
 o ensino da Língua Portuguesa como segunda

língua para alunos surdos e;  a organização da educação bilíngüe no ensino regular.

POLÍTICAS PÚBLICAS
• Difusão e valorização da Libras na comunidade escolar e sociedade em geral.
• Apoio para organização e fortalecimento dos movimentos surdos.

POLÍTICAS PÚBLICAS
• Formação continuada dos profissionais da educação: instrutor surdo, tradutor/intérprete de Libras e professor bilíngue. • Pesquisas sobre o português como segunda língua na educação de surdos.

Serviços/Profissionais de apoio
a) Intérprete de Libras/língua portuguesa

 Profissional com competência lingüística em Libras/língua portuguesa, que atua em

diferentes contextos nos quais há pessoas
surdas inseridas.

 Atua como mediador na comunicação entre

surdos e ouvintes, nas diferentes situações de
aprendizagem e interação social.

Serviços/Profissionais de apoio
• b) Instrutor surdo de Libras  Profissional surdo que atua em atividades

relacionadas ao ensino e a difusão da Língua
Brasileira de Sinais – Libras e de aspectos socioculturais da surdez na comunidade.