You are on page 1of 16

HERMENÊUTICA JURÍDICA

“A porta da verdade estava aberta/ Mas só deixava passar/ Meia pessoa de cada vez/ Assim não era possível atingir toda a verdade./Porque a meia pessoa que entrava/ Só trazia o perfil da meia verdade/ E a segunda metade/ Voltava igualmente como meio perfil/ E os meios perfis não coincidiam./Arrebentavam a porta, derrubavam a porta,/ chegaram ao lugar luminoso onde a verdade esplendia seus fogos./Era dividida em metades diferentes uma da outra./ Chegou-se a discutir qual a metade mais bela./ Nenhuma das duas era totalmente bela e carecia optar./ Cada um optou conforme seu capricho, sua ilusão, sua miopia.” (Carlos Drummond de Andrade)
Profa. Ana Cecília – Setembro de 2013.

NÃO SE PODE COMPREENDER O DIREITO APENAS DO PONTO DE VISTA TÉCNICO. . PENSAR O DIREITO É PENSAR ANTES DE TUDO NAQUILO QUE O ESTRUTURA E CONSTITUI: A LINGUAGEM.

que já se perdeu desde o início da emissão textual”. p. 8)..nenhum texto pode ser interpretado de acordo com a utopia de um sentido autorizado definido. 1992.. A linguagem diz sempre algo mais do que o seu inacessível sentido literal. (Umberto Eco. Os limites da interpretação. original e final. .“.

SATISFATORIAMENTE. RACIONAIS. DAÍ. . AFASTANDO-OS DO SUBJETIVISMO. QUE NOS PERMITAM COMPREENDER ADEQUADAMENTE O SENTIDO DE CADA TEXTO JURÍDICO.AS PECULIARIDADES DOS DISCURSOS JURÍDICOS EXIGEM A ELABORAÇÃO DE METODOLOGIAS DE INTERPRETAÇÃO ESPECÍFICAS. A NECESSIDADE DA HERMENÊUTICA PARA ESTABELECER CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO OBJETIVAMENTE CORRETOS. VERIFICÁVEIS. DECISIONISMO E ARBITRARIEDADES.

A metáfora é apropriada. pois o intérprete atua como um intermediário na relação estabelecida entre o autor de uma obra e a sociedade. Vocábulos vinculados a função do Deus Hermes na Mitologia Grega. hermeneia (interpretação). Hermes seria o mensageiro entre os Deuses e a civilização. .O que é a Hermenêutica ? Raiz da palavra: proveniente do Grego hermeneuein (interpretar).

● É pragmática – necessita do caso concreto. esclarece. alcance das e expressões do ● Extrair da norma tudo o que Direito. significado do ► Processos aplicáveis para verdadeiro determinar o sentido e o vocábulo. de enunciados já estabelecidos. nela se contém. ► Refletir e criar as formas ● Revelar o seu sentido pelas quais serão feitas as apropriado para a vida real. . dar o abstrato.HERMENÊUTICA ► É ciência. INTERPRETAÇÃO ● É uma arte . ►Existe independente de seu ● Aplicação ao caso concreto uso. ► Caráter teórico-jurídico ou ● Explicar.operação ► Atividade ulterior a aplicação.

quando a aplicação de uma norma a um caso concreto. a norma particular para a regulamentação de um caso particular? c) Qual é a lei que o intérprete deve eleger. o respeito à norma ou o sentimento do juiz? . ainda que visados pela norma. a qual parece inequivocamente regulá-lo.QUESTÕES DA HERMENÊUTICA JURÍDICA: LUIZ FERNANDO COELHO aponta uma série de problemas cuja solução é incumbência da hermenêutica jurídica. que critérios deve prevalecer. produz efeitos contrários aos visados por ela? e) Quando a aplicação da norma ao caso concreto produz resultados que o juiz. quando mais de uma é aplicável à mesma situação particular e concreta? d) Que solução deve ser dada. em sua consciência. reputa injustos. a saber: a) Qual o sentido da lei? b) De que maneira se pode deduzir de uma norma geral.

ENUNCIADO Legislador HERMENÊUTICA CASO CONCRETO 3. INTÉRPRETE SOCIEDADE APLICAÇÃO DO DIREITO . NORMA OBJETO 1.O SIGNIFICADO DO ATO DE INTERPRETAR NA PERSPECTIVA JURÍDICA (Esquema) 2.

e a linguagem é já a primeira interpretação. Hermenêutica e Interpretação Jurídica. • “Como o mundo vem à consciência pela palavra.F.M. 1: HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO • Hermenêutica: intermediária na relação estabelecida entre o autor de uma obra a comunidade humana.SOARES. 2010.4) . a hermenêutica torna-se inseparável da própria vida humana” (p. CAP. SP: Saraiva. R.

2 – RAÍZES FILOSÓFICAS DA HERMENÊUTICA JURÍDICA SCHLEIRMACHER – séc.F.compreensão é um prolongamento da existência humana. SP: Saraiva. • Colocou a hermenêutica no contexto da interpretação dos estudos humanísticos. 2010 Cap. realidade sociocultural. DILTHEY – final do séc.M.SOARES. XIX . • O texto NÃO tem um significado independente e real. modos históricos de compreensão e não meramente científicos. HEIDEGGER – séc. R. ou seja. Abandono da literalidade da interpretação gramatical em prol de uma interpretação psicológica (diálogo com o autor). XIX – hermenêutica é uma arte da compreensão. relação do hermeneuta com sua própria situação no mundo.interpretação derivada das experiências vividas. . XX . Hermenêutica e Interpretação Jurídica.

SP: Saraiva. 1956): 1. inteligência. com base numa estrutura de valores. Uma espiritualidade que se encontra objetivada em uma forma representativa: ideias e valores correntes no texto 3.15)” . A própria forma representativa: a materialização. “. (p. o texto.M.. a interpretação que interessa ao direito é uma atividade dirigida a reconhecer e a reconstruir o significado que há de atribuir a forma representativa do jurídico.F. 2010 Cap. 3 . O espírito vivente e pensante do intérprete: intelectual. qualidade 2.SOARES.A SINGULARIDADE DA INTERPRETAÇÃO DO DIREITO ● Tríade do processo interpretativo (Emílio Betti.. R. Hermenêutica e Interpretação Jurídica.

SOARES. Dialética = “caminho entre as ideias” . constituindo realidades significativas que devem ser corretamente interpretadas (p. 2010. R. de natureza empírico-dialética. constituído pelo ato gnosiológico da compreensão. “As ordens sociais. 4 .17)” ● Utilização de um método adequado. Cap. SP: Saraiva. . são objetos da cultura humana.M.F.processo e arte de se buscar a verdade pelo diálogo e pela discussão. Hermenêutica e Interpretação Jurídica.INTERPRETAÇÃO DO DIREITO: UMA ATIVIDADE DE COMPREENSÃO. inclusive a jurídica.

relação entre interlocutores. Ex. Semântico: os possíveis sentidos para determinados termos. Gramatical: estruturação frasal dos enunciados.: manga (fruta? de camisa? do verbo “mangar”?) 3. envolvidos na interpretação: 1. Pragmático: uso efetivo da linguagem. 2010.M.F. . Cap. 2.SOARES. Hermenêutica e Interpretação Jurídica. 5 – INTERPRETAÇÃO DO DIREITO E A POLISSEMIA DA LINGUAGEM HUMANA Polissemia = vários sentidos. R. SP: Saraiva. Aspectos da linguagem.

● Histórica: investiga os antecedentes imediatos e remotos do modelo normativo (ex. fundada na consistência axiológica do direito.F. Hermenêutica e Interpretação Jurídica. R. ● Sociológica: aplicabilidade da norma jurídica às relações sociais que lhe deram origem. 2010. Cap. • Teleológica: norte para os demais processos hermenêuticos. institutos antigos). investigando a origem etimológica dos vocábulos – processo hermenêutico superado.M.SOARES. SP: Saraiva.: debates parlamentares. ● Gramatical ou filológica: hermeneuta se debruça sobre as expressões normativas. . 6 – TECNOLOGIA HERMENÊUTICA: DA LETRA AO ESPÍRITO DO DIREITO. alcance do preceito normativo a fim de fazê-lo espelhas as necessidades atuais da comunidade jurídica. ● Lógico-sistemática: é o direito comparado – correlacionar a norma ao contexto normativo e a outros sistemas paralelos. convergem todas as técnicas.

Margarida Maria Lacombe. Lisboa: Edições 70. Araújo Costa. Rio de Janeiro: Forense. 1997. Rio de Janeiro: Forense. Dilvanir José da. Josef. José da Costa. 2005. Uma perspectiva zetética das ciências jurídicas. R. Porto Alegre: Fabris. Hermenêutica e Argumentação: uma contribuição ao Estado de Direito. . SOARES. 1997.BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ALEXANDRE. Rio de Janeiro: Forense. Rio de Janeiro: Forense. FALCÃO. Carlos. Curso de Hermenêutica Jurídica. Raimundo Bezerra. Hermenêutica. São Paulo: Malheiros. Crítica à dogmática e hermenêutica jurídica. SP: Saraiva. Interpretação e Hermenêutica Jurídica. Norma. Plauto Faraco. Hermenêutica e aplicação do Direito. Porto Alegre: Sergio Fabris Editor. 2001. 2001. Curso de Hermenêutica Jurídica. 2005. COSTA. DILVANIR. Introdução ao Direito.M. AZEVEDO. BLEICHER. Doutrina e Jurisprudência. 1989. Ciência do Direito. Hermenêutica e Interpretação Jurídica. FRIEDE.F. CAMARGO. 2010. Reis. Hermenêutica Contemporânea. MAXIMILIANO. 2004. Rio de Janeiro: Renovar.

Bons Estudos! Aproveitem bem! Até a próxima aula! .