You are on page 1of 13

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

IVANA LAÍS DA CONCEIÇÃO STEPHANYE CARDOSO

ITAJAÍ (SC), SETEMBRO DE 2013

os quais são frequentemente associados ao aquecimento global. 2005).  Além disso.  Apesar da eficiência das termoelétricas surge um impasse quando se analisa a disponibilidade desse recurso finito diante da crescente demanda energética. através da queima de combustíveis fósseis. . em sua maioria. existe a preocupação com os poluentes gerados por sua combustão. Desenvolvimento da sociedade.  A maior fonte de energia é obtida.  Disponibilidade de energia.  “O suprimento das necessidades energéticas para a sociedade atual representa uma das mais importantes metas da atualidade” (EBERHARDT.

as correntes superficiais aquecidas em baixas latitudes transportam calor em direção aos polos. pois transportam umidade e calor no seu processo.  Se originam a partir da circulação dos ventos na superfície oceânica e pelo movimento de rotação da Terra.  De acordo com a figura abaixo. interferindo diretamente na vida marinha do local. transportando calor das baixas latitudes para as altas latitudes  O clima é influenciado diretamente pelas correntes maritimas. enquanto que as correntes resfriadas em altas latitudes se deslocam em direção ao Equador. . o movimento das massas de água dentro dos oceanos são as correntes marítimas. Segundo Diorgenes Penteado (2010).

Seaflow e o SeaGen. . Existem diversas maneiras vantajosas de gerar energia a partir das correntes marítimas. Enermar. entre os vários sistemas testados e alguns deles posto em prática destacam-se os sistemas denominados Stingray.

2 metros de envergadura e a turbina é semelhante ao tamanho de uma garrafa de um litro.  O protótipo dos papagaios subaquáticos possui asas de 1.  Os papagaios subaquáticos que já funcionam no fundo do mar são 10 vezes maiores possuindo asas de 12 metros e turbinas do tamanho de um tonel.  O sistema é preso por uma ancora a 80m da superfície onde é embalado pelas correntes marítimas. Cada papagaio produz 500KW de energia. . o suficiente para abastecer 300 casas de porte médio. os primeiros testes com esse modelo foram realizados em Gotemburgo na beira do Mar do Norte.  Constitui-se por uma turbina hidráulica que produz energia elétrica e um gerador de pequenas dimensões instalado na parte inferior de uma estrutura em forma de prancha. atingindo uma velocidade média de 9km/h. Os papagaios subaquáticos utilizam a tecnologia Deep Green.

Vídeo .

. Coreia do Sul. França.  Atualmente. Inglaterra e Estados Unidos (principalmente instaladas no Havaí).  É uma alternativa para países que por diversos motivos não podem gerar energia elétrica através de outras formas. Vantagens  É uma fonte de energia limpa e renovável.  Baixo aproveitamento energético.  A implementação do sistema de uma usina maremotriz ainda é caro em relação ao sistema de hidrelétrica.  Desvantagens  Necessidade de ter uma situação geográfica favorável. os países que mais utilizam este sistema de geração de energia são: Japão. principalmente com relação ao ecossistema marinho. ou seja. Assim.  Curiosidades  A primeira usina maremotriz do mundo foi construída em 1966 na cidade de La Rance (França). a relação custo/benefício ainda não é vantajosa para muitos países.  Pode ocorrer impacto ambiental na implantação do sistema. presença de marés no litoral e desnível no solo do oceano.

o Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena.  A fotossíntese é um o processo físico-químico. . o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e a Universidade de Washington em Seattle. por meio do jornal americano The New York Times. onde a planta ao absorver energia luminosa consegue ativar a quebra das moléculas de água (fotólise) liberando O2 na atmosfera e ions H+. 2008). os elétrons produzidos geram energia para o metabolismo da planta (KERBAUY. que é possível obter energia através da captação da dos processos de fotossíntese.FOTOSSINTESE ELÉTRICA  Atualmente. informaram à mídia. baseada no modelo da fotossíntese das plantas os pesquisadores americanos da Universidade Yale.

• Os Pesquisadores estão testando nanotubos de carbono.FOTOSSINTESE ELÉTRICA • Uma das apostas dos cientistas americanos é a reprodução de folhas artificiais que serão capazes de imitar os processos de fotossíntese. devido seu arranjo estrutural de seus átomos em sp2 com o tamanho de x10-28 Tera-Pascal (MEHL. gerando energia renovável. H. . que são estruturas flexíveis e resistentes. 2011). através da nanotecnologia.

dentro da membrana dos tilacóides proteínas localizadas no Cloroplasto. ou conhecida como fase escura. . • De acordo com os pesquisadores. a metodologia é baseada na interrupção dos processos de fotossíntese. organela responsável por realizar a fotossíntese. Os nanotubos separam e imobilizam os tilacóides conduzindo a energia até um dispositivo que transformará a energia gerada em corrente elétrica.• Os nanotubos de carbono serão introduzidos na superfície celular do vegetal. de modo que a energia produzida seja capturada antes que a planta utilize. na fase de assimilação de Carbono.

 Não produzem resíduo. Vantagens  São mais eficientes no aproveitamento de energia solar em relação às placas solares tradicionais.  Produzem até 2x mais energia que os painéis solares convencionais.  A carga obtida não é suficiente para alimentar uma residência  Seriam necessários mais estudos para aproveitar todo o potencial energético do modelo  É preciso de mais pesquisas para estabilizar os processos.  Pode ser empregado ás técnicas de Microprogapagação vegetal para a produção em massa.  Não provocam destruição do ambiente  Não precisa cortar árvores. nem de grandes espaços. .  Desvantagem  Alto custo  Necessita de mais pesquisas a fim de aprimorar as técnicas e torna-las acessíveis a população.

É de suma importância que haja investimentos em pesquisas nesse sentido para que as tecnologias desenvolvidas possam chegar ao mercado com preço justo de forma que a população possa adquirir.FOTOSSINTESE ELÉTRICA  Diante do desenvolvimento tecnológico e da expansão populacional é preciso valorizar a criação de novas técnicas de obtenção de energia de uma forma sustentável principalmente sem a geração de resíduos. deixando de utilizar formas de energia não renovais e que produzem danos á saúde e meio ambiente. . já os modelos naturais visam a transformação de energia e um maior potencial em um amplo sentido.  As pesquisas utilizando o modelo da fotossíntese são de extremamente importantes para o futuro.

. (2007) ± ³%OXH3RZHU.13 Disponível em:http://ciclovivo. SARMENTO." Conjuntura e Planejamento.13 Disponível em: http://www.com/releases/2013/05/130509104358.09. Francisco.13 . Vol.br/arquivo/o-poder-das-folhas-artificiais-contra-o-aquecimento-global/ acesso em 22. (2007) ± ³*RLQJZLWKWKHIORZ´Professional Engineering. Diss. E.13 Disponível em:http://www. "Energia solar e fontes alternativas.09.09.Turning Tides into Electricity´Environmental Health Perspectives. 115." Avances en ingeniería agrícola (2000): 477-482. Ed.df.2013 Disponível em: http://www.09.13 Disponível em:http://planetasustentavel. 2004. p22-23. 2011. Issue 12. Mauro Daniel Simões São Bento."Energies Renouvables en Mer 20 (2004). D. V.sciencedaily. Vol. (2003) ± Winds.09.com.br/ambiente/pesquisadores-conseguem-extrair-energia-eletrica-de-plantas/ acesso em 22." (2009). Mendonça.com/capturing-plant-photosynthesis-energy/27458/# Disponível em:http://www. Energia das ondas: introdução aos aspectos tecnológicos. 2008. Diorgenes. Mauro Daniel Simões São Bento.br/pdf/qn/v30n6/a18v30n6. acesso em: 20.2. Curitiba. A. "Balanço de energia e contabilização da radiação global: simulação e comparativo.2013 Disponível em:http://www. Wolfgang. Martins. MEHL. Tides .com.recriarcomvoce. Pacheco.com/capturing-plant-photosynthesis-energy/27458/pictures#2 acesso em 22. C. Jul/Aug2008. Peter.13 Disponível em: http://www." Revista Brasileira de Climatologia 2 (2011). O. acesso em 22. Waves. económicos e ambientais.. T. "Sistemas de aproveitamento da energia do mar. 21 Issue 4. Martins. António JNA. Palz.pdf.gizmag. Fisiologia Vegetal. Nanopartículas de Prata e Polianilina: Síntese e Caracterização. G.br/blog_recriar/pesquisadores-conseguem-extrair-energia-eletrica-de-plantas/ acesso em: 22.html. FELLER. (2008) ± ³2FHDQ0RWLRQ3RZHU´:RUOG Watch Magazine. "Marine Current Turbines: feedback on experience so far.com.br/noticias/item/2093-energia-retirada-dos-vegetais.                          Bueno. Campos. Nanocompósitos Formados por Nanotubos de Carbono. Recuperado aos 3 “(2006).ufpr.scielo. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Penteado. Fabiana.abril. Disponível em: http://www. p22-27. REDES ACUSTICAS SUBAQUATICAS NA MONITORAC AO DE CORRENTES MARÍTIMAS . Guanabara Koogan. Rio de Janeiro." (1981). G.pipe. "Energias Renováveis: breves conceitos.09. and AT de CAMPOS.09. Vol. 2010.com.13 Disponível em:http://envolverde.Ocean Energy (FR:RUOG(última consulta: Outubro de 2008): http://ecoworld.pdf acesso em: 20.mercadoetico. Fraenkel. João MBP. 20 Issue 20. "Aquecimento global e suas manifestações regionais e locais: Alguns indicadores da região Sul do Brasil.B.br/blog/planeta-urgente/experimento-acha-novo-modo-de-tirar-energia-das-plantas/ acesso em 22." (2009). "Sistemas de aproveitamento da energia do mar.09. KERBAUY. Hiany.. REIDY. JEFFRIES.htm acesso em 22.09.gov.br/portal/defesas/dissertacao/186.gizmag.13 Disponível em:http://www.09. H.com.br/noticia/norte-americanos-extraem-energia-eletrica-das-plantas acesso em 22.fap.com/features/2003/08/09/winds-waves-tides-ocean-energy HOLZMAN. CRUZ.