You are on page 1of 43

MUITO ALÉM DOS 60: Em que condições a vida se alonga no Brasil?

MANUELA SOUSA

Hipóteses

A população idosa é bastante heterogênea. Trata-se de um segmento que experimentou diferentes trajetórias de vida que afetam seu bem-estar na última etapa da vida; Estas trajetórias são fortemente afetadas pelas diferenciadas condições sociais, regionais e raciais da população; Políticas sociais, bem como mitos, estereótipos e preconceitos relacionados ao envelhecimento, podem reforçar ou reduzir as desigualdades; A associação entre envelhecimento e dependência pode ser minimizada por políticas sociais.

• •

Crise do Envelhecimento?
• Assume-se que a falta de autonomia para lidar com as atividades diárias e a ausência de rendimentos são os principais determinantes da “dependência” dos idosos.

•Em 2003, 13,3% dos idosos brasileiros não eram capazes de lidar com as suas atividades do cotidiano tais como comer e/ou ir ao banheiro sozinhos.
•Isto significa aproximadamente 2,0 milhões de idosos, dos quais 58% eram mulheres.

 Última fase da vida:

experiência complexa e heterogênea

 Capacidades básicas
 Capacidades adquiridas

 Restrições Externas.

• 14. Esta proporção é mais baixa que a observada em 1980 . 92%.Crise do Envelhecimento? • Em 2000: • aproximadamente.3% não tinha renda. • 82. eram mulheres. dos quais 80% eram mulheres. 74% não estavam no mercado de trabalho.24%. o que significa dois milhões de idosos. dos quais a ampla maioria.9% recebiam Seguridade Social benefícios da .

mais pobres. 75% eram mulheres. buscam o auxílios dos filhos através da co-residência . auxílio de seus filhos. Destes. provavelmente viúvas. • Eram mais velhas. 13. menor participação no mercado de trabalho e reportaram piores condições de saúde e menor autonomia funcional. dependiam do • A maioria das idosas que não conseguem realizar as atividades do cotidiano.6% dos idosos foram classificados como “outros parentes” por sua condição no domicílio.Crise do Envelhecimento? • Em 2000. . com uma • Em alguma medida.

DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO IDOSA POR CONDIÇÃO NO DOMICÍLIO E SEXO BRASIL .H Chefe .H Cônjuge . Out.H Fonte: IBGE/Censos Demográficos de 1980. 1991 e 2000.parentes .1980.M Out.M .parentes . 1991 E 2000 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 1975 1980 1985 1990 1995 2000 2005 Chefe .M Cônjuge .

• 25.Crise do Envelhecimento? • Enquanto a população idosa era responsável por 9% da população brasileira. . pela Rede SUS em 2003 foram dirigidos a ela.2% dos gastos com saúde feitos • Recebem 37% dos recursos do Ministério da Previdência Social alocados para o pagamento dos benefícios da assistência social.

1% e para a adulta. A proporção comparável para a população jovem foi de 31. • • . de 32. • A associação entre envelhecimento e dependência é uma visão estática que ignora os grandes avanços tecnológicos.No entanto .. e à ampliação da cobertura dos serviços de saúde e da Seguridade Social.. Menos de 20% dos idosos brasileiros são pobres. (vivem em famílias onde a renda mensal per capita é de menos de um salário mínimo).2%. principalmente na medicina.

1998 E 2003 60 50 40 30 20 10 0 60-64 65-69 70+ Fonte: IBGE/PNAD de 1998 e 2003. 1998 Homens 2003 Homens 1998 Mulheres 2003 Mulheres . TOMAR BANHO OU IR AO BANHEIRO POR SEXO E IDADE BRASIL.PROPORÇÃO DA POPULAÇÃO IDOSA QUE TEM DIFICULDADE PARA ALIMENTAR-SE.

.

PROPORÇÃO DE IDOSOS COM RENDA ZERO POR SEXO E IDADE BRASIL. 2000 30 25 20 15 10 5 0 60 a 64 anos Fonte: IBGE/Censo Demográfico de 2000. 65 a 69 anos 70 a 74 anos 75 a 79 anos 80 anos ou mai Homens Mulheres .

.COMPOSIÇÃO DA RENDA DA POPULAÇÃO IDOSA SEGUNDO AS FONTES DE RENDIMENTO BRASIL. 2000 100% 80% 60% 40% 20% 0% Homens Mulheres Outros rendimentos Rendimento da aposentadoria e pensão Rendimento de todos os trabalhos Fonte: IBGE/Censo Demográfico de 2000.

1971 A 2002 25 20 15 10 5 0 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 02 Total Pensões Rural Aposentadorias Rural Fonte: AEPS Infologo/ MPAS and Oliveira et allii.BENEFÍCIOS PAGOS PELA PREVIDÊNCIA SOCIAL BRASIL. 1985 Pensões Urbano Aposentadorias Urbano .

contribuição da idoso para o familiar é de . • Nestes.9% tem netos.A Contribuição da Renda do Idoso na Renda das Famílias • Aproximadamente. a renda do orçamento 68%.7% têm filhos morando juntos e 8. • 58. 22% dos domicílios brasileiros são chefiados por idosos em 2000.

4% e a dos cônjuges cresceu.3% obsevados em 1980.4% não tinham nenhum rendimento em 2000. • Entre os filhos maiores de 21 anos que viviam em famíias chefiadas por idosos. o que é mais elevado que os 31.9% para 22. 35.A Contribuição da Renda do Idoso na Renda das Famílias • A participação da renda das filhos caiu de 27. mas ainda era menor que 11% em 2000. .

• A proporção de filhos que trabalham declinou de 67.5% em 1980 para 55. A presença de idosos pode estimular investimentos em capital humano. .4% em 2000. enquanto a frequencia à escola aumentou ligeiramente. • Assume-se que o rendimento proveniente dos benefícios pode reduzir a necessidade de as crainças trabalharem para contribuir na subsistência das famílias.

podem contribuir para o orçamento do domicílio. • Aproximadamente 55% destas famílias têm filhos residindo. . assim como.FORMAS DE APOIO : FAMÍLIA • Foram encontrados idosos em situação de vulnerabilidade em aproximadamente 20% das famílias chefiadas por idosos. Estes podem depender da renda dos seus pais.

1% dos idosos brasileiros com deficiências não tinham nenhuma renda. suas cônjuges assumem o cuidado com o chefe.2% não tinham nenhum rendimento.Quando os chefes homens dos domicílios são deficientes. . Dois terços destes eram mulheres. Dentre estas cônjuges. Apenas 26. • • Isto reforça a questão sobre quem são os dependentes nestes tipos de arranjo familiar. 37.

• Em outras palavras. é um sistema de transferências intergeracionais de duas direções. são pessoas que provêem • Ou seja. • Não é possível saber se a co-residência reflete . e demandam ajuda. preferências ou necessidades.• Ainda que necessitem de ajuda. essas idosas contribuem para o orçamento familiar com seus benefícios previdenciários: 33 % da renda familiar desses domicílios eram provenientes da renda das idosas. intermediado pelas políticas sociais.

o problema do envelhecimento não é um problema de todo.” . É só uma maneira pessimista de olhar para o grande triunfo da civilização.Notestein : 50 anos atrás “Visto como um todo.

? .

.

TABELA 1 CAUSAS DE MORTE EVITÁVEIS SEGUNDO OS GRUPOS CONSIDERADOS GRUPO I Neoplasia maligna das vias respiratórias altas e trato digestivo Neoplasia maligna de estômago Neoplasia maligna do cólon Neoplasia maligna do fígado Neoplasia maligna da traquéia. Chile y Uruguay Tuberculose Enfermidades infecciosas e parasitarias Neoplasia maligna do testículo Leucemia Enfermidades do sistema cardiovascular Febre reumática Enfermidade hipertensiva Cardiopatia isquémica Enfermidade da circulação pulmonar Asteroscleroses Enfermidade do aparelho respiratório Diabetes mellitus Úlcera gástrica e duodenal GRUPO IV Causas externas GRUPO III . brônquios e pulmão Neoplasia maligna da bexiga Enfermidade cerebrovascular Enfermidade hepática e cirrose crônica Causas (lesões) e envenenamentos Acidentes de veículo a motor Quedas acidentais Envenenamentos Suicídios e lesões autoprovocadas GRUPO II Neoplasia maligna da pele Neoplasia maligna da mama feminina Neoplasia maligna do cérvix uterino Neoplasia maligna do útero Fonte: ESAP/Estudio del Adulto Mayor em Argentina.

97 22.40 72.36 Excluindo os óbitos devido às causas do grupo III 75.59 e0 e60 80.70 Excluindo os óbitos devido à todas as causas evitáveis (I.22 Excluindo os óbitos devido a causas externas 83.40 26.72 e0 e60 74.31 Excluindo os óbitos devido às causas do grupo II 78. EASP.34 24. .16 29.2000 Homens Valores observados e0 e60 67.30 22.ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER E AOS 60 ANOS POR CAUSAS EVITÁVEIS SEGUNDO O SEXO BRASIL .80 19. II E III ) 76.89 32.48 Fonte: IBGE/Censos Demográficos de 1991 e 2000.89 22.24 19.67 e0 e60 67.28 19. Ministério da Saúde (SIM).23 86.89 e0 e60 70.26 29.33 Excluindo os óbitos devido às causas do grupo I e0 e 60 Mulheres 75.02 22.

000 20.000. 2000-2030 30. Projeções IPEA .000 5.000 25.000. Ministério da Saúde (SIM).000.000 Homens Mulheres 10.000.000 15.POPULAÇÃO IDOSA BRASILEIRA PROJETADA ELIMINANDO AS CAUSAS DE MORTE CONSIDERADAS EVITAVÉIS BRASIL.000.000 0 2000 2005 2010 2015 2020 2025 2030 Fonte dos dados brutos: IBGE/Censos Demográficos.000.

69 70 .64 65 .74 30% 75-79 80 e mais 25% 20% 15% 10% 5% 0% 2000 2010 2020 2030 .DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DA POPULAÇÃO IDOSA BRASILEIRA PROJETADA POR IDADE 35% 60 .

NAÇÕES UNIDAS (1999): “ADICIONAR QUALIDADE DE VIDA AOS ANOS ADICIONADOS” .

do sistema de financiamento habitacional (BNH) • Foram contemporâneos de um período • Também foram os grandes beneficiários .O futuro dos idosos brasileiros ou os idosos no futuro próximo • Os atuais idosos são beneficiários do declínio das taxas de mortalidade por doenças infecto-contagiosas na primeira infância e das pontes de safena. As mulheres se beneficiaram da redução da mortalidade materna. marcado pelo crescimento econômico e de empregos estáveis e formais. já em idades mais avançadas.

• As relações afetivas eram mais estáveis. • Os homens continuavam como os . a economia brasileira experimentou um aumento de suas desigualdades sociais e o enfrentamento da pobreza passou a preponderar na agenda social.O futuro dos idosos brasileiros ou os idosos no futuro próximo • Por outro lado. • As taxas de fecundidade eram mais altas e o principal papel da mulher era o de cuidar dos membros dependentes na família. ao longo desse mesmo período.

O futuro dos idosos brasileiros ou os idosos no futuro próximo • Algumas das atuais políticas públicas voltadas para os idosos contribuem para a redução das desigualdades que marcaram sua trajetória de vida. aumento da cobertura dos benefícios assistenciais e previdenciários (tanto rurais quanto urbanos). das condições para a elegibilidade aos • Um exemplo da primeira situação é o • Outro importante avanço foi a mudança . enquanto outras as reforçam. Uma outra é a equiparação do valor do benefício mínimo ao salário mínimo vigente.

o sistema previdenciário apresenta várias distorções. Entre elas. • Foram realizadas duas reformas: 1998 • Ambas tiveram por objetivo o adiamento da idade para o requerimento dos benefícios. que possibilita o acesso ao benefício em idades bastante precoces. a redução do valor do benefício e o .O futuro dos idosos brasileiros ou os idosos no futuro próximo • No entanto. a existência da aposentadoria por tempo de contribuição. e 2003.

• Provavelmente isso acarretará crescentes • Além disso.O futuro dos idosos brasileiros ou os idosos no futuro próximo • Buscar apenas reforçar o vínculo entre contribuições e benefícios significa não levar em consideração as importantes transformações pelas quais o mercado de trabalho tem passado. dificuldades para os mais de 40 milhões de brasileiros atualmente no setor informal ou desempregados se aposentarem. as medidas adotadas não logram resolver os problemas de financiamento do Sistema Previdenciário. .

PROPORÇÃO DAS PESSOAS QUE NÃO CONTRIBUEM PARA A PREVIDÊNCIA POR SEXO E IDADE BRASIL. 1982 E 2002 (TODOS OS TRABALHOS) 60 50 40 30 20 10 0 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 Mulheres 1982 Mulheres 2002 Fonte: IBGE/ PNADs de 1982 e 2002. Homens 1982 Homens 2002 .

ganhos na escolaridade e entraram maciçamente no mercado de trabalho. por um lado. provedoras e cuidadoras. . que experimentaram uma redução acentuada na mortalidade infantil. • As mulheres vivenciaram os grandes • São atualmente. dispõem de menos tempo e atenção.O futuro dos idosos brasileiros ou os idosos no futuro próximo • Os novos idosos ou aqueles que entrarão no grupo etário dos mais de 60 anos a partir de 2010 são os filhos do baby boom. podem contribuir com mais renda para o cuidado dos idosos. • Se.

próximo é outra importante questão. • Não casar e não ter filhos também passou a • A transição para a vida adulta também tem sido afetada pela maior instabilidade no mercado de trabalho e nas relações afetivas. casaramse. ser uma opção. Os jovens tem permanecido por mais tempo na condição de dependentes.• Fizeram uma revolução na família. na casa dos pais. • Como essas relações irão evoluir em um futuro . descasaram-se. recasaram-se ou não e tiveram menos filhos.

aumentando a sua representatividade nos governos. mais expressivos. no poder legislativo. idoso. • Os idosos se tornarão atores políticos cada vez • Isso aumenta a heterogeneidade do segmento • Por um lado. cosmetológica. um segmento quer fazer da juventude uma negação à morte e outro se aproxima dela com sofrimento e necessitando de cuidados de saúde e emocionais. .• A geração dos futuros idosos também está experimentando os grandes avanços da tecnologia médica. etc. na sociedade civil organizada. da reposição hormonal e do culto à juventude.

mas cheguem lá de forma digna. • Cabe ao sistema público de saúde . assegurar os meios necessários para que as pessoas possam terminar suas vidas com dignidade e o mínimo de sofrimento.• As políticas de saúde devem contemplar todo o ciclo da vida para contribuir não só que mais pessoas cheguem à última etapa da vida.

experimentando os efeitos da flexibilidade do mercado de trabalho. bem como a rigidez da nova política de Seguridade Social. • Parte das gerações mais novas já está .• É difícil acreditar que a tradicional maneira de se financiar a Seguridade Social no Brasil seja suficiente para lidar efetivamente com a população idosa do futuro em um contexto de crescente informalização da economia. Ambos afetarão seus benefícios em um futuro próximo.

Isto sugere que. o Estado não afeta apenas os indivíduos. ao reduzir ou elevar os benefícios sociais.• • No nível micro. Como conseqüência. o perfil do sistema de Seguridade Social criado hoje influenciará a distribuição de renda futura. • . mas uma parcela significativa dos rendimentos das famílias. o grau de dependência dos idosos é determinado em larga medida pela provisão de renda vinda do Estado.

especialmente em relação à saúde. que é o fato de um número maior de pessoas estar vivendo mais tempo. Não se deve deixar que este sucesso traga a sua “falência”. O desafio é encontrar maneiras de se comemorar esta grande conquista. • • .• Assume-se que o envelhecimento populacional é resultado de um sucesso obtido pelas políticas econômicas e sociais que geraram melhorias nas condições de vida.

ou seja.Comentários Finais • Acredita-se que o fim último de uma política pública deva ser o bem-estar da população. os meios tem sido privilegiados em detrimento dos fins. medida em que possibilita que isso ocorra de forma sustentável. • O equilíbrio financeiro é necessário na • No caso brasileiro. . a elevada preocupação com o ajuste fiscal tem se revelado o principal objetivo das políticas públicas.

. mas podemos acrescentar vida em nossos dias!" .Cora Coralina: “Não podemos acrescentar dias em nossas vidas..