You are on page 1of 105

ALEITAMENTO MATERNO

PROFª Dda. LETÍCIA PALOTA EID

INTRODUÇÃO
A lactação é uma função fisiológica, identificada como uma característica única e essencial dos mamíferos;  O ciclo reprodutivo em todos os mamíferos culmina com a lactação, inclusive na espécie humana;

Nos humanos as inter-relações estabelecidas entre os aspectos biológicos, culturais e sociais podem determinar o sucesso ou não da amamentação;

 A forma.  .  São ricamente vascularizadas e compostas por tecido adiposo e conjuntivo. não influenciando na capacidade de produção láctea..ANATOMIA DA MAMA As glândulas mamárias estão simetricamente localizadas no tórax. tamanho e consistência variam nas diferentes idades e pessoas.

possuindo ductos. lobos.  Alvéolos – formados por uma camada de células responsáveis pela síntese láctea e ricamente providos de células mioepiteliais contráteis e vasos sanguíneos em sua parede.  .ANATOMIA DA MAMA O parênquima mamário constitui-se na porção secretória e pode ser comparado a uma couve flor. lóbulos e alvéolos.

ANATOMIA DA MAMA .

 Cada mama tem na sua porção apical o mamilo. macia e elástica. localizado na parte central da aréola e constituído de tecido erétil. dotado de grande sensibilidade (ricamente inervado).  Pode ser classificado anatomicamente em três tipos:  .ANATOMIA DA MAMA Pele – flexível.

 .ANATOMIA DA MAMA Mamilo normal – protruso (elástico e de fácil apreensão).  Mamilo invertido – caracterizado pela inversão total do tecido epitelial (tecido não elástico e de difícil apreensão).  Mamilo plano – situa-se no mesmo nível da aréola (pouco elástico).

ANATOMIA DA MAMA Ao redor do mamilo. em uma área cutânea pigmentada medindo de 2 a 4cm de diâmetro encontra-se a aréola.  Tubérculos de Montgomery – hipertrofiam-se na gravidez produzindo uma secreção lipóide com a função de lubrificar os mamilos e proteger a pele da ação bacteriana.  .

 Lactogênese I: ocorre normalmente no último trimestre da gestação.  .FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO Dois estágios: lactogênese I e II. só não o fazendo devido a ação do estrogênio placentário. quando a mama esta preparada para produzir leite. comandado pela relação entre a prolactina e os estrógenos placentários. Nesta fase a regulação da lactação se estabelece por meio de um sistema endócrino.

FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO Com a saída da placenta após o parto.  . há uma queda brusca dos estrógenos. favorecendo um aumento rápido dos índices de prolactina no sangue. mudando o sistema de controle da fisiologia da lactação. que passa de endócrino (I) para autócrino (II).  Este pico de prolactina desencadeia o início da síntese do leite e a apojadura que marca o início da lactogênese II.

 . através da sucção ou da ordenha e um adequado suporte.  No início da lactação.FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO A partir dessa fase a retirada frequente do leite. provocando uma rápida migração de água e aumento das mamas na fase de apojadura. é suficiente para definir o sucesso da lactação. há secreção de lactose para dentro do alvéolo e por ser hiperosmolar. aumenta a pressão osmótica intra alveolar.

FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO  Desta forma a apojadura pode ser definida também como uma preparação mecânica da mama para a descida do leite. . visto que este fenômeno provoca a dilatação dos alvéolos e de todas as estruturas dos ductos por onde o leite irá fluir.

 . além de estímulos visuais e auditivos.  Os dois reflexos estão ligados com a liberação de hormônios que para tanto.FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO depois de estabelecida a lactação. a glândula mamária passa a ficar sob o controle autócrino. dependem de estímulos das terminações nervosas do complexo mamilo-areolar pelo lactente (sucção do bebê). reunindo os reflexos de produção e ejeção do leite.

para induzir e manter a síntese do leite humano. diretamente ligado a sucção da criança. estando o volume de leite produzido. Sua produção pela hipófise anterior depende da estimulação das terminações nervosas da mama pelo lactente. .FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO  Prolactina – hormônio com papel vital na lactação.

 Portanto o volume de leite é diretamente proporcional ao número de mamadas não tendo relação com o tempo de duração das mesmas. maior a indução da síntese do leite.FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO Quanto maior a frequência das mamadas. garantindo manutenção de níveis altos de prolactina.  .

“empurrando” o leite para dentro dos ductos.  A saída do leite depende fundamentalmente da ação da ocitocina. hormônio produzido pela hipófise posterior. que consiste na contração das células mioepiteliais que envolvem os alvéolos.  .FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO O reflexo da descida do leite ou da ejeção. depende da ação da ocitocina.

 . sofrendo influência do estresse.  A ocitocina. insegurança.FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO A ocitocina favorece também a contração uterina auxiliando na involução do útero e diminuindo o risco de hemorragias. responsável pela secreção láctea. tem um componente psicológico maior e pode ser influenciada e reprimida pela ação da adrenalina circulante. dor. cansaço. ao contrário da prolactina (síntese láctea).

.

.

a ocitocina pode ser liberada por estímulos visuais. ao lembrar-se que esta na hora de amamentar. . olfativos. explicando o fato de algumas mães. mesmo estando longe de seus bebês.. etc. auditivos e de condicionamento. apresentarem gotejamento de leite ao ouvir choro de bebê..FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO  Além do estímulo direto da sucção do bebê.

FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO Algumas mulheres podem apresentar uma dificuldade ou incapacidade verdadeira de liberar o leite (“problema emocional”). consequente de uma falha do mecanismo autócrino de regulação.  . na maioria das vezes este é um problema fisiológico.  Apesar do componente psicológico da ocitocina.

que ficam dilatadas. provocando um aumento da pressão intra alveolar e impedindo a contração das células mioepiteliais.  . mesmo sob ação da ocitocina.FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO A produção é maior do que a capacidade de esvaziamento das mamas.  Necessária intervenção para promover o esvaziamento através de ordenha para interromper o ciclo que se forma.

O bebê a termo ao nascer esta pronto para sugar o leite materno.  .FISIOLOGIA DA SUCÇÃO  O reflexo de sucção esta presente desde a vida intra uterina (18 ª a 24ª semana).  A sucção do bebê acontece de modo coordenado com as funções da respiração e deglutição.

COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO Oferece ao lactente todos os elementos necessários à criança durante os seis primeiros meses de vida.  A sua composição se modifica até mesmo durante as mamadas havendo no leite maduro diferenças entre o leite do começo e o leite do final das  .  A água é o nutriente presente em maior quantidade (87%).

COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO
O leite do começo surge logo no início da mamada e possui aspecto aguado e ralo, por ser rico em proteína, lactose, vitaminas, minerais e água.  O leite secretado no final da mamada é mais amarelado, porque possui maior teor de gordura fornecendo energia e saciando a fome do bebê.

COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO

Assim a criança necessita tanto do leite do começo como do final da mamada, para que ela cresça e ganhe peso suficiente para seu desenvolvimento, portanto a mãe deve ser orientada a esvaziar toda uma mama para depois oferecer a outra.

COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO
Sua composição também varia de acordo com o período de vida do lactente recebendo nomenclaturas diferenciadas em cada uma das fases:  Colostro  Leite de transição  Leite maduro

rico em proteínas e contém menor quantidade de carboidratos e gordura. potássio e cloro que o leite  .  É uma secreção líquida de cor amarelada.  Apresenta maior concentração de sódio.COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO: COLOSTRO Começa a ser formado durante a gravidez. secretado desde o último trimestre de gestação e durante a primeira semana pós parto.

 Nesta fase observa-se alta [ ] de IgA e de lactoferrina conferem proteção ao RN contra MO patogênicos. principalmente o beta-caroteno responsável pela cor amarelada do colostro.  .COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO: COLOSTRO O volume de colostro nos 1º dias pós parto é de 2 a 20ml/mamada. suficiente para atender as necessidades do RN.  Há alta [ ] de vitaminas lipossolúveis.

das características do colostro à do leite maduro. Entre o 4º e o 6º dia pós parto. . observase aumento brusco da produção de leite até alcançar um volume estável (600700ml/dia) entre 15º e 30 º dia pós parto. produzido entre o 7º e 14º dia pós parto.COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO: O LEITE DE TRANSIÇÃO    A amamentação evolui para o leite de transição. A composição varia ao longo dos dias.

proteínas. carboidratos.minerais e vitaminas  .lipídeos.COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO: LEITE MADURO Produzido após 15º dia pós parto  Proporciona 70Kcal/100ml e seu volume médio varia de 700 a 900ml/dia ao longo dos primeiros seis meses pós parto e aproximadamente 600ml/dia a partir do segundo semestre.  Componentes:água.

atua  .  30% caseína e 70% proteínas do soro (alfa-lactoalbumina. porém são estrutural e qualitativamente diferentes. lisozima. lactoferrina.Proteínas O leite de vaca possui 3 vezes mais proteínas que o leite humano. além de ser uma proteína de alto valor biológico. IgM e albumina.  A alfa-lactoalbumina. IgG. imunoglobulinas IgA.

além de sua ação bacteriostática. liga-se ao ferro contribuindo para maior absorção de ferro intestinal. A lisozima tem propriedades bactericida e anti inflamatória.Proteínas    A lactoferrina. . A IgA é a principal imunoglobulina no leite humano e tem a função de proteção da glândula mamária contra infecções como também proteger a criança contra agentes patogênicos.

inexiste no leite humano. por outro lado. leite humano 1 hora).  A caseína do leite de vaca. que possui alto poder alergênico.  O leite humano é de fácil digestão pelo lactente. proteína no soro do leite bovino. que é muito abundante. a caseína do leite humano forma coágulos pequenos e leves. o que determina o tempo de esvaziamento gástrico (leite de vaca – 4 horas.  .Proteínas A beta lactoalbumina. forma no estômago do lactente um coágulo de difícil digestão.

galactose.Carboidratos A lactose é o principal açúcar encontrado no leite humano. constituinte dos galactopeptídeos.  Além de seu papel nutricional.  Sua alta [ ] determina evacuações semi líquidas o que favorece a absorção de cálcio e ferro pelo intestino do RN.  . apresenta efeito protetor. necessários para o desenvolvimento do SNC.  A lactose é metabolizada em glicose fornecendo energia e.

que são bactérias fermentativas.  .  A ação dessas bactérias é promover um meio ácido no trato gastrintestinal e inibir o crescimento de bactérias patogênicas.Carboidratos Por outro lado promove a colonização intestinal com Lactobacillus bifidus. fungos e parasitas.

Carboidratos  O crescimento do Lactobacillus bifidus em presença do leite humano resulta em um carboidrato nitrogenado chamado de “fator bifidus”. o qual. em um meio rico em lactose. tornando assim o meio desfavorável ao crescimento de enterobactérias. produz ácido lático e ácido acético levando à diminuição do pH intestinal. .

 . porque as micelas que as constituem são menores.Lipídeos Constituem a principal fonte de energia para o RN suprindo até 50% de suas necessidades diárias.  Também possui uma enzima chamada lipase que é ativada na presença de sais biliares facilitando a digestão dos lipídeos.  São mais facilmente absorvidas pelos lactentes.

Lipídeos  Também contém substâncias como ácidos graxos – ação bactericida e de grande importância no desenvolvimento e mielinização do cérebro. .

sendo necessário a exposição da criança ao sol no tempo e horário apropriado.C e E no leite materno são adequados para as necessidades do lactente. para complementar a necessidade dessa vitamina.  .  A [ ] de vitamina D esta um pouco abaixo das necessidades dos bebês.Vitaminas O conteúdo de vitaminas A.

 .Vitaminas A [ ] da vitamina K é maior no colostro e no leite do final das mamadas.  Assim é recomendado administração profilática de Vit K a todo RN imediatamente após parto.  Duas semanas após o nascimento. há risco maior de desenvolver doença hemorrágica. a flora intestinal já fornece a maior parte da vitamina K.  Em RN prematuros não amamentados nas primeiras horas.

 A quantidade de ferro do leite materno varia entre 10 a 60ug/100ml e o de vaca é cerca de 70ug/100ml. o de vaca 10%.  . porém no leite materno está mais adaptada às necessidades e à capacidade metabólica do lactente.Minerais Quantitativamente a [ ] de minerais é menor no leite materno comparada com a de vaca.  Porém o ferro do leite materno é absorvido em torno de 50%.

Minerais  Isso diminui a chance de anemia ferropriva entre lactentes amamentados. .

Composição do leite de mãe de prematuro Possui as propriedades nutricionais e anti infecciosas adequadas às necessidades fisiológicas e imunológicas do RN. lipídeos e calorias. calorias e menor capacidade de digestão de lactose. e menor quantidade de lactose. o leite da mãe de prematuro possui em sua composição maior quantidade de proteínas.  Com o passar do tempo sua composição vai se modificando de acordo com as necessidades do lactente.  .  Como o prematuro tem necessidades mais elevadas de proteínas.

o aleitamento materno costuma ser classificado em: . Assim. 2007a).TIPOS DE ALEITAMENTO MATERNO  É muito importante conhecer e utilizar as definições de aleitamento materno adotadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e reconhecidas no mundo inteiro (WORLD HEALTH ORGANIZATION.

sais de reidratação oral. com exceção de gotas ou xaropes contendo vitaminas. . direto da mama ou ordenhado. suplementos minerais ou medicamentos.TIPOS DE ALEITAMENTO MATERNO  Aleitamento materno exclusivo – quando a criança recebe somente leite materno. sem outros líquidos ou sólidos. ou leite humano de outra fonte.

chás. infusões). .TIPOS DE ALEITAMENTO MATERNO  Aleitamento materno predominante – quando a criança recebe. além do leite materno. sucos de frutas. água ou bebidas à base de água (água adocicada.

.TIPOS DE ALEITAMENTO MATERNO  Aleitamento materno – quando a criança recebe leite materno (direto da mama ou ordenhado). independentemente de receber ou não outros alimentos.

outro tipo de leite. além do leite materno. qualquer alimento sólido ou semisólido com a finalidade de complementá-lo. além do leite materno. Nessa categoria a criança pode receber.TIPOS DE ALEITAMENTO MATERNO  Aleitamento materno complementado – quando a criança recebe. . e não de substituí-lo. mas este não é considerado alimento complementar.

.TIPOS DE ALEITAMENTO MATERNO  Aleitamento materno misto ou parcial – quando a criança recebe leite materno e outros tipos de leite.

em média. de dois a três anos. . idade em que costuma ocorrer o desmame naturalmente (KENNEDY.DURAÇÃO DA AMAMENTAÇÃO  Vários estudos sugerem que a duração da amamentação na espécie humana seja. 2005).

haver prejuízos à saúde da criança. Não há vantagens em se iniciar os alimentos complementares antes dos seis meses. pois a introdução precoce de outros alimentos está associada a: . inclusive. podendo.DURAÇÃO DA AMAMENTAÇÃO   A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam aleitamento materno exclusivo por seis meses e complementado até os dois anos ou mais.

 . como.DURAÇÃO DA AMAMENTAÇÃO Maior número de episódios de diarréia. por exemplo. quando os alimentos são muito diluídos.  Risco de desnutrição se os alimentos introduzidos forem nutricionalmente inferiores ao leite materno.  Maior número de hospitalizações por doença respiratória.

como o ferro e o zinco.DURAÇÃO DA AMAMENTAÇÃO Menor absorção de nutrientes importantes do leite materno.  Menor duração do aleitamento materno.  Menor eficácia da lactação como método anticoncepcional.  .

por estudos científicos.  .  São vários os argumentos em favor do aleitamento materno.IMPORTÂNCIA DO ALEITAMENTO MATERNO Já está devidamente comprovada. a superioridade do leite materno sobre os leites de outras espécies.

. 2006)  .Evita mortes infantis Fatores que protegem contra infecções.  Um estudo demonstrou que a amamentação na primeira hora de vida pode ser um fator de proteção contra mortes neonatais (EDMOND et al.

pode dobrar o risco de diarréia nos primeiros seis meses. .Evita diarréia    essa proteção pode diminuir quando o aleitamento materno deixa de ser exclusivo. Oferecer à criança amamentada água ou chás. prática considerada inofensiva até pouco tempo atrás. Também exerce influência na gravidade (crianças não amamentadas têm um risco três vezes maior de desidratarem e de morrerem por diarréia quando comparadas com as amamentadas).

 .  diminui a gravidade dos episódios de infecção respiratória.Evita infecção respiratória proteção é maior quando a amamentação é exclusiva nos primeiros seis meses.  Previne otites.

Por isso é importante evitar o uso desnecessário de fórmulas lácteas nas .Diminui o risco de alergias    Amamentação exclusiva nos primeiros meses de vida diminui o risco de alergia à proteína do leite de vaca. de dermatite e de outros tipos de alergias. Exposição a pequenas doses de leite de vaca nos primeiros dias de vida parece aumentar o risco de alergia ao leite de vaca. incluindo asma.

níveis menores de colesterol total e risco 37% menor de apresentar diabetes tipo 2. . 2007)..  Essa revisão concluiu que os indivíduos amamentados apresentaram pressões sistólica e diastólica mais baixas. colesterol alto e diabetes  A OMS publicou importante revisão sobre evidências desse efeito (HORTA et al.Diminui o risco de hipertensão.

Não só o indivíduo que é amamentado adquire proteção contra diabetes. mas também a mulher que amamenta.  Atribui-se essa proteção a uma melhor homeostase da glicose em mulheres que amamentam. 2005).  Foi descrita uma redução de 15% na incidência de diabetes tipo 2 para cada ano de lactação (STUEBE et al..  .

Reduz a chance de obesidade  menor frequência de sobrepeso/obesidade. .

. quando comparado com leites de outras espécies.Melhor nutrição  contém todos os nutrientes essenciais para o crescimento e o desenvolvimento ótimos da criança pequena. além de ser mais bem digerido.

Efeito positivo na inteligência contribui para o desenvolvimento cognitivo.  .  mecanismos envolvidos ainda não são totalmente conhecidos.  “presença de substâncias no leite materno que otimizam o desenvolvimento cerebral”.

o que é fundamental para o alinhamento correto dos dentes e uma boa oclusão dentária. .Melhor desenvolvimento da cavidade bucal  O exercício que a criança faz para retirar o leite da mama é muito importante para o desenvolvimento adequado de sua cavidade oral. propiciando uma melhor conformação do palato duro.

 Essa proteção independe de idade.  . 2002). paridade e presença ou não de menopausa.Proteção contra câncer de mama Estima-se que o risco de contrair a doença diminua 4. etnia.3% a cada 12 meses de duração de amamentação (COLLABORATIVE GROUP ON HORMONAL FACTORS IN BREAST CANCER.

Evita nova gravidez

excelente método anticoncepcional nos primeiros seis meses após o parto (98% de eficácia), desde que a mãe esteja amamentando exclusiva ou predominantemente e ainda não tenha menstruado;

Menores custos financeiros

A esse gasto devem-se acrescentar custos com mamadeiras, bicos e gás de cozinha, além de eventuais gastos decorrentes de doenças, que são mais comuns em crianças não amamentadas.

Promoção do vínculo afetivo entre mãe e filho
traz benefícios psicológicos para a criança e para a mãe.  Uma amamentação prazerosa, os olhos nos olhos e o contato contínuo entre mãe e filho certamente fortalecem os laços afetivos entre eles, oportunizando intimidade, troca de afeto e sentimentos de segurança e de proteção na criança e de autoconfiança e de realização na mulher.

Melhor qualidade de vida  adoecem menos. bem como menos gastos e situações estressantes . necessitam de menos atendimento médico. hospitalizações e medicamentos. o que pode implicar menos faltas ao trabalho dos pais.

PRODUÇÃO DO LEITE MATERNO .

também denominada galactopoiese. o esvaziamento das mamas é prejudicado. por inibição mecânica e química.  .  Quando. Essa fase. que se mantém por toda a lactação.Após a “descida do leite”. por qualquer motivo. depende principalmente da sucção do bebê e do esvaziamento da mama. inicia-se a fase III da lactogênese. pode haver uma diminuição na produção do leite.

 O leite contém os chamados “peptídeos supressores da lactação”. . que são substâncias que inibem a produção do leite. A sua remoção contínua com o esvaziamento da mama garante a reposição total do leite removido.

600ml de leite. . menor que 100ml/dia. mas já no quarto dia a nutriz é capaz de produzir. em média. a secreção de leite é pequena. Nos primeiros dias após o parto.

800ml por dia no sexto mês. Uma nutriz que amamenta exclusivamente produz.  Em geral. maior será a produção de leite. dependendo do quanto a criança mama e da frequência com que mama. uma nutriz é capaz de produzir mais leite do que a  . o volume de leite produzido varia.Na amamentação. em média.  Quanto mais volume de leite e mais vezes a criança mamar.

 Apenas as com desnutrição grave podem ter o seu leite afetado na sua qualidade e quantidade. o leite materno.  . apresenta composição semelhante para todas as mulheres que amamentam do mundo. surpreendentemente.Apesar de a alimentação variar enormemente.

TÉCNICA DE AMAMENTAÇÃO  A técnica de amamentação. ou seja. a maneira como a dupla mãe/bebê se posiciona para amamentar/mamar e a pega/sucção do bebê são muito importantes para que o bebê consiga retirar. . o leite da mama e também para não machucar os mamilos. de maneira eficiente.

Pega adequada ou boa pega .

Pega inadequada ou má pega .

 A Organização Mundial da Saúde (OMS) destaca quatro pontos-chave que caracterizam o posicionamento e pega adequados: .

Corpo do bebê próximo ao da mãe. Rosto do bebê de frente para a mama. Bebê com cabeça e tronco alinhados (pescoço não torcido).  . Bebê bem apoiado.  4.  3. com nariz na altura do mamilo.Pontos-chave do posicionamento adequado 1.  2.

Lábio inferior virado para fora.  .  3.  2.  4. Boca bem aberta. Queixo tocando a mama. Mais aréola visível acima da boca do bebê.Pontos-chave da pega adequada 1.

.

 Mama aparentando estar esticada ou deformada durante a mamada.Os seguintes sinais são indicativos de técnica inadequada de amamentação: Bochechas do bebê encovadas a cada sucção.  Ruídos da língua.  .

recomenda-se. a aréola pode estar tensa. antes da mamada.Mamilos com estrias vermelhas ou áreas esbranquiçadas ou achatadas quando o bebê solta a mama.  Dor na amamentação. endurecida.  Quando a mama está muito cheia.  Em tais casos. retirar manualmente um pouco de leite da aréola ingurgitada.  . dificultando a pega.

esfregá-los com buchas ou toalhas ásperas. tão difundida no passado. A gravidez se encarrega disso. Manobras para aumentar e fortalecer os mamilos durante a gravidez. não são recomendadas. pois na maioria das vezes não funcionam e podem ser prejudiciais. .ACONSELHAMENTO EM AMAMENTAÇÃO NOS DIFERENTES MOMENTOS    Pré-natal A “preparação” das mamas para a amamentação. não tem sido recomendada de rotina. podendo inclusive induzir o trabalho de parto. como esticar os mamilos com os dedos.

É o que se chama de amamentação em livre demanda. um bebê em aleitamento materno exclusivo mama de oito a 12 vezes ao dia.  Em geral.  .Número de mamadas por dia  Recomenda-se que a criança seja amamentada sem restrições de horários e de tempo de permanência na mama.

pode variar dependendo da fome da criança. numa mesma dupla. haja vista que o tempo necessário para esvaziar uma mama varia para cada dupla mãe/bebê e. do intervalo transcorrido desde a última mamada e do volume de leite armazenado na mama.  .Duração das mamadas  O tempo de permanência na mama em cada mamada não deve ser fixado.

que é mais calórico. a criança recebe o leite do final da mamada.  Dessa maneira. promovendo a sua saciedade e. maior espaçamento entre as mamadas. consequentemente.O mais importante é que a mãe dê tempo suficiente à criança para ela esvaziar adequadamente a mama.  .

ele é muito rico em anticorpos. pelo seu alto teor de água.Aspecto do leite  O leite do início da mamada.  Já o leite do meio da mamada tende a ter uma coloração branca opaca devido ao aumento da concentração de caseína. o chamado leite anterior.  . Porém. tem aspecto semelhante ao da água de coco.

é mais amarelado devido à presença de betacaroteno. o chamado leite posterior. pigmento lipossolúvel presente na cenoura.  O leite pode ter aspecto azulado ou esverdeado quando a mãe ingere grande quantidade de vegetais verdes.  . provenientes da dieta da mãe.E o leite do final da mamada. abóbora e vegetais de cor laranja.

    Alimentação da nutriz Para a produção do leite. Acredita-se que um consumo extra de 500 calorias por dia seja o suficiente. de 2kg a 4kg para serem usados na lactação. Por isso. durante a gravidez. durante o período de amamentação. pois a maioria das mulheres armazena. é necessária a ingestão de calorias e de líquidos além do habitual. . costuma haver um aumento do apetite e da sede da mulher e também algumas mudanças nas preferências alimentares.

verduras.  . incluindo pães e cereais.  Esforçar-se para consumir frutas e vegetais ricos em vitamina A.Fazem parte das recomendações para uma alimentação adequada durante a lactação os seguintes itens:  Consumir dieta variada.  Consumir três ou mais porções de derivados do leite por dia.derivados do leite e carnes. legumes. frutas.

Certificar-se de que a sede está sendo saciada.  .  É importante lembrar que as mulheres produzem leite de boa qualidade mesmo consumindo dietas subótimas.  Consumir com moderação café e outros produtos cafeinados.  Evitar dietas e medicamentos que promovam rápida perda de peso (mais de 500g por semana).

RETORNO AO TRABALHO  pode ser conservado em geladeira por 12 horas e. por 15 dias. no freezer ou congelador. .

ORDENHA .

e  (3) edema decorrente da congestão e obstrução da drenagem do sistema linfático  .Ingurgitamento mamário (1) congestão/aumento da vascularização da mama.  (2) retenção de leite nos alvéolos.

com posterior reabsorção do leite represado.  Não havendo alívio. a produção do leite pode ser interrompida.  . o que dificulta ou Impede a saída do leite dos alvéolos. há a compressão dos ductos lactíferos. daí a origem do termo “leite empedrado”.  O leite acumulado na mama sob pressão torna-se mais viscoso.Como resultado.

 ESTASE DO LEITE  . geralmente unilateral. que pode progredir ou não para uma infecção bacteriana.Mastite processo inflamatório de um ou mais segmentos da mama (o mais comumente afetado é o quadrante superior esquerdo).

.

 Mães infectadas pelo HTLV1 e HTLV2. Alguns fármacos são citados como contraindicações absolutas ou relativas ao aleitamento.  .  Uso de medicamentos incompatíveis com a amamentação. como por exemplo os antineoplásicos e radiofármacos.SITUAÇÕES EM QUE HÁ RESTRIÇÕES AO ALEITAMENTO MATERNO Mães infectadas pelo HIV.

. doença rara em que ela não pode ingerir leite humano ou qualquer outro que contenha lactose. Criança portadora de galactosemia.

  Referência Bibliográfica Brasil. . Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. 2009. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.

Obrigada!! .