You are on page 1of 25

APLICAÇÃO DE CLP’s EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Conteúdo da Aula
 INTRODUÇÃO
 Histórico do CLP  Sistemas de Automação
  Sistema de Comando Sistema de Controle  Sistema de Controle Rígido  Sistema de Controle Flexível

 O CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL
 Estrutura básica  Funcionamento  Programação

 APLICAÇÕES INDUSTRIAIS UTILIZANDO CLP
    Entrada de variáveis de processo Saída das variáveis de processo Variáveis de controle Vantagens e desvantagens

 EXEMPLO PRÁTICO

18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013

devido a grande dificuldade de mudar a lógica de controle de painéis de comando a cada mudança na linha de montagem.Histórico do CLP O Controlador Lógico Programável . em 1968.html 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .CLP nasceu praticamente dentro da indústria automobilística americana em uma divisão da General Motors.br/2010/04/fabricas-gm-antigas.com. Figura 01– Fábrica da GM nos EUA Fonte: http://braga-fotosantigasdageneralmotors.blogspot.

A máquina passou a fazer o trabalho mais pesado e o homem. o que impedia seu uso em outras etapas da produção. que eram específicas. os processos industriais utilizavam o máximo da força da mão de obra. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 . a supervisioná-la.Sistemas de Automação No início da industrialização. O mesmo ocorria com as máquinas de produção.

as informações processadas nesses elementos apresentam-se da entrada para a saída: Perturbações Entrada Comando Elemento final de comando Planta Saída Sinal de Comando Variável Manipulada 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 . isto é.Sistema de Comando Consiste num conjunto de elementos interligados em malha aberta.

existe outro no sentido contrário. chamado de realimentação: Perturbações Sensor Comparador Entrada Comando Elemento final de comando Planta Saída Sinal de Comando Variável Manipulada 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Sistema de Controle Consiste num conjunto de elementos interligados em malha fechada. além do fluxo de informação no sentido da entrada para a saída. isto é.

Sistema de Controle Rígido Os primeiros sistemas de automação operavam por meio de componentes eletromecânicos. não permitindo alterações. como relês e contatores. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .

o sistema pode produzir várias combinações de produtos apenas com a alteração da programação. Assim. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Sistema de Controle Flexível Um sistema de controle flexível é capaz de controlar a fabricação de uma variedade de produtos com o mesmo equipamento.

Permitem desenvolver e alterar facilmente a lógica para acionamento das saídas em função das entradas.O Controlador Lógico Programável Os Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) são equipamentos eletrônicos de última geração utilizados em sistemas de automação flexíveis. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .

Estrutura Básica do CLP PS CPU IM SM: DI SM: DO SM: AI SM: AO CP: .PROFIBUS .Industrial Ethernet PS (Power Source) – Fonte de Alimentação CPU (Central Processing Unit) – Processador IM (Interface module) – Módulo de Interface SM (Signal Module ) – Módulo de Sinal DI (Digital Input ) – Entrada Digital DO (Digital Output) – Saída Digital AI (Analogical Input) – Entrada Analógica AO (Analogical Output) – Saída Analógica CP (Communication Processor ) – Módulo de Comunicação 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Ponto-a-Ponto .

Estrutura Básica do CLP Figura 02 – IHMs Fonte: http://www.com.br/automation/br/pt/simatic-ihm.aspx 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .industry.siemens.

o CLP (Controlador Lógico Programável) é um equipamento que realiza um comando ou controle de uma máquina a partir de um programa pré-definido. Sensores e variáveis de processo Atuadores Entrada Processamento Saída 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Funcionamento Como o próprio nome já diz.

• FUNCTION BLOCK DIAGRAM (FBD) ou esquema de blocos funcionais. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Programação • LADDER DIAGRAM (LD) ou linguagem (diagrama) de contatos. • INSTRUCTION LIST (IL) ou lista de instruções. • STRUCTURED TEXT (ST) ou texto estruturado. • SEQUENTIAL FUNCTION CHART (SFC) ou diagrama funcional de sequências.

estados auxiliares e registros numéricos. sequenciais e circuitos que envolvam ambas. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 . utilizando como operandos para estas lógicas as entradas. saídas.Programação A linguagem LADDER permite que se desenvolva lógicas combinatórias.

0 – Endereço do Componente I I – Contato NA (Normalmente Aberto) I/I – Contato NF (Normalmente Fechado) 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Programação I – Entrada Digital Q – Saída Digital 0.

• Destilarias. • Industria Têxtil. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 . • Refinarias. • Etc.Aplicações Industriais Utilizando CLP • Industria automotiva. • Siderúrgicas. • Metalúrgicas.

mecatronicaatual.br/secoes/leitura/794 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .com.Aplicações Industriais Utilizando CLP Exemplo: Figura 03 – Exemplo de aplicação – CLP em ambiente industrial Fonte: http://www.

com.incon.php?sec=produtos&id=88 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .br/index.br/produto/Sensor-Indutivo Figura 05 – Sensor Óptico Fonte: http://www.com.Entrada de Variáveis de Processo Figura 04 – Sensor Indutivo Fonte: http://matelbastos.

br/?in=produtos&id=452 Figura 07 – Termostato Fonte: http://ansutec.ind.html 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Entrada de Variáveis de Processo Figura 06 – Chave fim de curso Fonte: http://ctmautomacao.com/termostatos.

br/motor-de-passo-dst86el42a-1496 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Saída das Variáveis de Processo Figura 08 –Pistões Pneumáticos Fonte: http://www.com.jbv.com.solostocks.br/pistao-pneumatico-472027 Figura 09 –Motor de Passo Fonte: http://www.

• Nível. • Etc. • Deslocamento. • Vazão. • Velocidade. • Fluxo. • Temperatura.Variáveis de Controle • Quantidade de produtos. • Pressão. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .

• Podem ser reutilizados. • Requer menor potência elétrica. •Sujeito a interferências. • Oferecem maior flexibilidade. DESVANTAGENS •Custo elevado. • Redução dos custos de fabricação. • São programáveis. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .Vantagens e Desvantagens VANTAGENS • Ocupam menor espaço. permitindo alteração dos parâmetros de controle. • Apresentam maior confiabilidade. • Permitem comunicação com outros CLPs.

DÚVIDAS? 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .

no setor de produção de embalagens plásticas. • O sistema deverá desligar ao término de um ciclo de 5 resfriamentos. o ventilador deve desligar automaticamente. 18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 . • Abaixo da Temperatura de 15°.Exemplo Prático Situação problema: Em uma dada indústria. necessita-se de um sistema de controle para resfriamento que atenda as seguintes condições: • Ao atingir a temperatura 15°. o ventilador deve ser acionado e resfriar a embalagem.

18:21 Ricardo Nunes MAIO/2013 .