You are on page 1of 18

O poder da Igreja na idade média

A Igreja católica era uma das principais instituições da Idade Média.

Sua influência se exercia sobre todos os setores da sociedade, estava

presente em cada costume e em cada ato da vida dos cristãos.

A Igreja chegou a ser proprietária de dois terços das terras de toda a


Europa.

Alguns mosteiros medievais eram verdadeiros feudos, enormes e com

numerosos servos.

Auxilio administrativo.

“Educação” Assistência social.


Inquisição
Inquisição ( Tribunal do santo ofício)

Tribunal da Igreja Católica instituído no século XII para perseguir,

julgar e punir os acusados de heresia.

A responsabilidade pela ortodoxia da religião passa dos bispos aos

inquisitores, sob a direta jurisdição do Papa, e são estabelecidas

punições severas. As penas podem variar, desde a obrigação de

fazer uma abjuração pública ou uma peregrinação a um santuário até

o confisco dos bens e a prisão em cadeia .


A pena mais severa é a prisão perpétua, mas as autoridades

civis automaticamente a converte em execução pública na

fogueira ou na forca.

Os dois principais grupos heréticos perseguidos foram:

Os Albigenses – não aceitavam a autoridade do papa.

Os Valdenses - questionavam o luxo do clero.


Cruzadas século XI até meados do século XIII

As Cruzadas são tradicionalmente definidas como expedições de caráter

"militar" organizadas pela Igreja, para combaterem os inimigos do

cristianismo e libertarem a Terra Santa (Jerusalém) das mãos desses

infiéis.

O movimento cruzadista foi motivado pela conjugação de diversos

fatores, dentre os quais se destacam os de natureza religiosa, social e

econômica, somado ao crescimento demográfico


Muitos nobres passam a encarar as expedições à Terra Santa como

uma real possibilidade de ampliar seus domínios territoriais.

Direito de primogenitura a terra deveria ser transmitida, por meio de

herança, ao seu filho primogênito. Aos demais filhos só restavam

servir ao seu irmão mais velho, formando uma camada de "nobres

despossuídos" –a pequena nobreza - interessada em conquistar

territórios no Oriente por meio das Cruzadas.


As cruzadas foram responsáveis pelo restabelecimento das rotas
comerciais entre Europa e Ásia.

Ocidente retoma o controle das rotas comerciais, pondo fim ao domínio


árabe no mar mediterrâneo

Ocorre o desenvolvimento das cidades, o surgimento de uma rica


camada de comerciantes (a burguesia), a expansão dos mercados, o
aumento da circulação monetária, o despertar do espírito de lucro
(acumulação)

Repercussões culturais
Refinamento no modo de vida europeu.
Uma grande quantidade de produtos do Oriente foi trazida à Europa.
Dentre eles, destacam-se o café, o cravo, a canela, a pimenta, o arroz,
o algodão, etc. Também foram assimiladas novas técnicas de cultivo, de
produção de ferro, de fabricação de tecidos, bem como novas práticas
financeiras e comerciais.
Renascimento comercial
e urbano
$$
RENASCIMENTO COMERCIAL

O renascimento comercial na idade média beneficiou principalmente


as cidades italianas, alguns dos motivos foram:

» Localização geográfica favorável ( Mar Mediterrâneo);

» Fortalecimento das ligações comerciais com o Oriente, durante a


4ª cruzada, onde se obteve o direito a distribuição de mercadorias
orientais pelo continente europeu.

Na Europa Setentrional, o comércio ampliou-se na região dos mares


Báltico e do Norte, destacando-se a região dos Flandres, devido sua
produção de lã.
$$
As regiões norte e sul da Europa foram interligadas pelas atividades
comerciais através de rotas terrestres e fluviais.

As feiras eram os locais de compra e venda de produtos dos


negociantes. Até o século XIV, as feiras mais importantes eram na
região de Champanhe, França.

Esse comércio possibilitou o retorno das transações financeiras, o


reaparecimento da moeda, ou seja, deu vida as atividades bancárias.

Com isso a terra deixava de ser a única fonte de riqueza


Peste negra
Peste negra ficou conhecida na história como uma doença responsável
por uma das mais trágicas epidemias que assolaram o mundo
Ocidental.

Pulgas hospedeiras da bactéria Yersinia infectavam os ratos com


zonas de habitação humana.

As condições de vida e higiene nos ambientes urbanos do século XIV


são apontadas como as principais propulsoras da epidemia.

Calcula-se que a peste negra tenha matado mais de 25 milhões de


pessoas entre 1347 e 1352. Cerca de 1/3 da população da Europa