UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS - UFT Programa de Pós-Graduação em Agroenergia Mestrado Acadêmico em Agroenergia Campus Universitário de Palmas

Aécio Alves Andrade

Prof. Dr.: Tarso da Costa Alvim Mestrado em Agroenergia

Segundo a Lei nº 11.097/2005:
Todo biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores de combustão interna com ignição por compressão para geração de outro tipo de energia, que possa substituir parcial ou totalmente combustíveis de origem fóssil; É produzido à partir de óleos vegetais, novos ou usados, ou gorduras animais, por meio do processo de transesterificação ou alcoólise.

Segundo RESOLUÇÃO ANP Nº 14, DE 11.5.2012
È um “combustível composto de alquil ésteres de ácidos carboxílicos de cadeia longa, produzido a partir da transesterificação e ou/esterificação de matérias graxas, de gorduras de origem vegetal ou animal, e que atenda a especificação contida no Regulamento Técnico nº 4/2012.”

Métodos analíticos para a avaliação da qualidade do biodiesel
Para garantir a qualidade do biodiesel é necessário estabelecer padrões de qualidade, objetivando fixar teores limites dos contaminantes que não venham prejudicar a qualidade das emissões da queima, bem como o desempenho, a integridade do motor e a segurança no transporte e manuseio. Devem ser monitoradas também possíveis degradações do produto durante o processo de estocagem.

Padrões de qualidade
A Áustria foi o primeiro país a definir e aprovar os padrões de qualidade para biodiesel, aplicados a ésteres metílicos de colza.

EUA ASTM (American Society of Testing and Materials)norma ASTM D6751
União Européia  norma EN 14214 do Comitê Europeu de Normalização (Comité Européen de Normalisation - CEN)

a Lei 11097/05 instituiu a obrigatoriedade da adição de 2% de biodiesel ao diesel (mistura B2) a partir de janeiro de 2008 e torna obrigatórias as misturas de 5% até 2013. Os padrões de qualidades foram constituídos com base nas normas ASTM D6751 e EN 1421. A partir de 1º de janeiro de 2010 o teor de biodiesel a ser adicionado ao óleo diesel é de 5%.Padrões de qualidade No Brasil. . em volume.

.

.

máx.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água. máx. mín Resíduo de carbono.3 0.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. máx. Sódio + Potássio. Cálcio + Magnésio.02 10 5 5 .0 350 24 100 96.5-5.9-6.5 0.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.0 1. mín. máx. máx. máx. Contaminação Total. Ponto de fulgor.0 a 6. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3. (3) Teor de éster. máx.05 0. Enxofre total.0 500 500 24 120 130 96.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0.

25 0. h mín. Índice de acidez. máx. máx.) Por região 0. máx. % massa Glicerol total. máx.) 0. máx. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC. (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0.2 0. máx.2 (máx) 0.02 0.02 0. % massa Triacilglicerol.24 - .25 0.8 0.Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo. % massa Diacilglicerol. max.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín. mg/kg Corrosividade ao cobre.8 (máx) 0.2 Anotar 6 10 1 51 (mín. máx. máx. (9) % massa Monoacilglicerol. Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio.5 0. 3h a 50 ºC.02 0. mg KOH/g Glicerol livre. máx. % massa Metanol e/ou Etanol.2 (máx) 0.5 0.5 0.2 0.

. As emissões irão conter grande quantidade de materiais particulados que poderão influenciar na operação de conversores catalíticos automotivos.Métodos analíticos para determinação de contaminantes provenientes da matéria prima Teor de fósforo O conteúdo de fósforo no biodiesel é proveniente dos fosfolipídios encontrados tanto nos óleos vegetais como na gordura animal.

. Este último é também indicado na norma americana ASTM D6751. Tanto a norma européia (EN 14214) como a brasileira (RANP 07/08) recomendam o método analítico EN ISO 14107.Métodos analíticos para determinação de contaminantes provenientes da matéria prima Teor de fósforo O fósforo é determinado no biodiesel via Espectroscopia de emissão atômica com plasma indutivamente acoplado (ICP OES). A norma brasileira recomenda ainda os métodos NBR 15553 e ASTM D4951.

Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio. mg/kg Corrosividade ao cobre. mg KOH/g Glicerol livre.5 0.25 0.) 0. max. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC. máx. (9) % massa Monoacilglicerol. máx.5 0. h mín.2 (máx) 0. máx.02 0.24 - .Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo. (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0.8 0. máx. máx.02 0. máx. % massa Glicerol total.8 (máx) 0.5 0.25 0.2 Anotar 6 10 1 51 (mín. máx. máx.2 0.2 (máx) 0.) Por região 0. máx. Índice de acidez.2 0. % massa Metanol e/ou Etanol. % massa Diacilglicerol. 3h a 50 ºC. % massa Triacilglicerol.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín.02 0.

A presença de enxofre  no diesel mineral  emissão de material particulado. portanto. O diesel com baixo teor de enxofre apresenta perda de lubricidade .Métodos analíticos para determinação de contaminantes provenientes da matéria prima Teor de enxofre Assim como o fósforo. danos à saúde e à corrosão de partes do motor. afeta os conversores catalíticos. o enxofre também é um típico veneno de catalisadores e.

portanto pode atuar como aditivo para correção da lubricidade do diesel mineral. possui quantidades muito baixas de enxofre e excelente lubricidade. no entanto.Métodos analíticos para determinação de contaminantes provenientes da matéria prima Teor de enxofre O biodiesel. .

02 10 5 5 . (3) Teor de éster. máx. máx.0 500 500 24 120 130 96. máx. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0. máx.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas.5 0. Enxofre total.0 350 24 100 96. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3.5-5. mín.05 0. máx.9-6.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. Ponto de fulgor. mín Resíduo de carbono.3 0. máx.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0. Contaminação Total.0 1. Cálcio + Magnésio. máx.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água. Sódio + Potássio.0 a 6.

Métodos analíticos para determinação de contaminantes provenientes da matéria prima Corrosividade ao cobre O ensaio de corrosividade ao cobre é um parâmetro estabelecido para determinar a capacidade potencial do combustível causar corrosão em peças metálicas. que podem ser do motor ou do tanque de armazenamento. .

máx. 3h a 50 ºC. mg KOH/g Glicerol livre.) Por região 0.02 0.25 0.8 0.2 (máx) 0.2 0.02 0. máx. (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0.5 0. máx.5 0. máx.Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo. max. mg/kg Corrosividade ao cobre. % massa Glicerol total.5 0. % massa Triacilglicerol.02 0. máx.2 (máx) 0. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC. Índice de acidez. % massa Diacilglicerol. (9) % massa Monoacilglicerol.24 - . Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio.25 0. % massa Metanol e/ou Etanol.) 0.2 0. máx.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín. máx.8 (máx) 0. h mín. máx.2 Anotar 6 10 1 51 (mín. máx.

Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Aspecto Análise preliminar onde se procura verificar a presença de impurezas que possam ser identificadas visualmente como: materiais em suspensão. que pode ser decorrente da presença de água. o biodiesel é classificado como límpido e isento de impurezas . sedimentos ou mesmo turvação na amostra de biodiesel. Na ausência destes contaminantes.

máx. máx.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas. mín Resíduo de carbono.05 0.5 0. máx. Contaminação Total. máx.02 10 5 5 .05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3.0 500 500 24 120 130 96. mín.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água. Ponto de fulgor.5-5.3 0.9-6.0 a 6. máx.0 1. (3) Teor de éster. Enxofre total. Cálcio + Magnésio. máx. Sódio + Potássio.0 350 24 100 96. máx. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.

.Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Contaminação total A massa dos resíduos insolúveis retidos na filtração do biodiesel é utilizada no cálculo do valor do parâmetro denominado contaminação total.

Cálcio + Magnésio. Contaminação Total. máx.5 0. máx.0 500 500 24 120 130 96.5-5.3 0. máx. Sódio + Potássio. máx.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0. máx.0 350 24 100 96. máx. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3.05 0.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.02 10 5 5 .9-6. máx. mín Resíduo de carbono. mín. (3) Teor de éster.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas. Enxofre total.0 1.0 a 6.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. Ponto de fulgor.

entupimento dos bicos injetores do motor e emissões de aldeídos também estão relacionados com a alta concentração da glicerina no biodiesel . Problemas como formação de depósitos.Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Glicerina livre e total A determinação da glicerina residual serve como parâmetro para avaliar a eficiência do processo de purificação do biodiesel.

Embora seja praticamente insolúvel no biodiesel. .Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Glicerina livre e total A glicerina livre residual pode ser facilmente eliminada através de lavagens do biodiesel. a glicerina pode ser encontrada dispersa na forma de gotículas.

2 0.24 - . max. % massa Diacilglicerol.02 0. (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0. 3h a 50 ºC. máx. máx.02 0. Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio. (9) % massa Monoacilglicerol.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín.25 0.2 (máx) 0.8 (máx) 0.2 Anotar 6 10 1 51 (mín.5 0. máx. máx. h mín.) 0.) Por região 0. % massa Metanol e/ou Etanol.5 0.2 0. máx.2 (máx) 0. % massa Glicerol total. máx.5 0. mg/kg Corrosividade ao cobre.25 0.Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo.8 0. Índice de acidez. máx. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC. máx. % massa Triacilglicerol.02 0. máx. mg KOH/g Glicerol livre.

contribuem para os valores de resíduo de carbono a água livre. . o resíduo de catalisadores e os insaponificáveis oriundos da matéria prima. os ácidos graxos livres. Além dos sabões e dos glicerídeos residuais.Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Resíduo de carbono A tendência de formação de depósitos nas câmaras de combustão pode ser avaliada através da determinação dos resíduos de carbono.

05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3.5 0.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.0 500 500 24 120 130 96.0 350 24 100 96. máx.0 a 6. máx.9-6. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3. (3) Teor de éster. Cálcio + Magnésio. mín Resíduo de carbono.05 0. máx. Enxofre total.02 10 5 5 . máx. mín.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas.5-5. máx.3 0. máx. Ponto de fulgor. Contaminação Total. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0. Sódio + Potássio.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água. máx.0 1.

em quantidade suficiente para forma uma mistura inflamável com o ar.Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Ponto de fulgor O ponto de fulgor é a temperatura mínima onde é observada a liberação de vapores de um líquido. Para o biodiesel. Para o biodiesel puro o valor do ponto de fulgor encontra-se próximo aos 170 ºC . consideravelmente. mais elevados que os valores encontrados para o diesel mineral. os valores de ponto de fulgor são.

3 0. (3) Teor de éster. mín Resíduo de carbono. mín.5-5. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3. Ponto de fulgor. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0.5 0.0 a 6.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0. Sódio + Potássio. máx. máx.02 10 5 5 .9-6. Enxofre total. Cálcio + Magnésio.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas. máx. máx.0 1. Contaminação Total.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água. máx.0 500 500 24 120 130 96.05 0.0 350 24 100 96. máx.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. máx.

.Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Metanol e etanol O teor de álcool no biodiesel pode ser utilizado também para avaliar o processo de purificação do biodiesel.

02 0. (9) % massa Monoacilglicerol. h mín. % massa Glicerol total. máx. % massa Triacilglicerol.) Por região 0. máx.2 (máx) 0.2 0. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC. Índice de acidez.24 - .8 0. máx.5 0. % massa Metanol e/ou Etanol.25 0.2 Anotar 6 10 1 51 (mín.5 0. % massa Diacilglicerol.8 (máx) 0. (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0. máx. mg/kg Corrosividade ao cobre.25 0. máx. max. Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio. máx.2 0. máx.02 0.) 0.2 (máx) 0. máx. máx.5 0.02 0. mg KOH/g Glicerol livre.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín.Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo. 3h a 50 ºC.

Métodos analíticos para avaliação do processo produtivo Cinzas sulfatadas A concentração de contaminantes inorgânicos no biodiesel pode ser avaliada com base no teor de cinzas sulfatadas. Determinação de catalisador residual em biodiesel (Na e K) A presença de catalisador residual no biodiesel pode acarretar danos por abrasão às peças do motor .

% massa mg/kg mg/kg mg/kg 0. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3. Enxofre total. máx.02 10 5 5 . máx. máx. Sódio + Potássio. máx.05 0.0 a 6. Cálcio + Magnésio.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água.0 1. (3) Teor de éster. máx.9-6.3 0.0 500 500 24 120 130 96.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. máx. mín.0 350 24 100 96.5 0. Contaminação Total.5-5.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas. máx.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0. Ponto de fulgor. mín Resíduo de carbono.

Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Algumas propriedades do biodiesel estão relacionadas com as estruturas moleculares dos seus alquil ésteres constituintes. . a viscosidade cinemática. número de cetano. ponto de entupimento de filtro a frio e ponto de fluidez. fração de destilados. ponto de névoa. Parâmetros analíticos: massa específica. o índice de iodo.

. Quanto maior o comprimento da cadeia carbônica do alquiléster. o biodiesel apresenta maior densidade.Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Massa específica A densidade do biodiesel está diretamente ligada com a estrutura molecular das suas moléculas. Comparado com o diesel mineral. maior será a densidade.

9-6. Ponto de fulgor. mín Resíduo de carbono. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.0 500 500 24 120 130 96.0 350 24 100 96. Cálcio + Magnésio.5-5. máx. máx. Contaminação Total. máx. máx. mín. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0.0 1. Sódio + Potássio. Enxofre total.0 a 6.5 0.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3.05 0. máx.3 0. (3) Teor de éster.02 10 5 5 . máx. máx.

Alta viscosidade  heterogeneidade na combustão do biodiesel deposição de resíduos nas partes internas do motor. .Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Viscosidade cinemática a 40 °C A viscosidade do biodiesel aumenta com o comprimento da cadeia carbônica e com o grau de saturação e tem influência no processo de queima na câmara de combustão do motor.

0 500 500 24 120 130 96. mín Resíduo de carbono. Enxofre total.02 10 5 5 . Cálcio + Magnésio.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas.3 0. Contaminação Total.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. máx.0 350 24 100 96.5 0. máx. máx. Sódio + Potássio. máx.0 1. máx. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3.9-6. (3) Teor de éster. mín.5-5.05 0. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água. máx.0 a 6. máx. Ponto de fulgor.

mas também é de grande importância na estabilidade oxidativa dos biodieseis As normas adotaram o índice de iodo (método analítico EN ISO 1411) para determinar o número de insaturações. .Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Índice de iodo O número de insaturações não tem apenas efeito nos valores de densidade e de viscosidade dos biodieseis.

02 0. máx.02 0. máx. max.2 Anotar 6 10 1 51 (mín. 3h a 50 ºC.) 0.Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo.24 - . máx.2 0. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC. mg KOH/g Glicerol livre.2 (máx) 0.) Por região 0.8 0. (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0. máx.5 0. (9) % massa Monoacilglicerol. Índice de acidez. máx.25 0.8 (máx) 0. % massa Diacilglicerol. máx. % massa Metanol e/ou Etanol. h mín.5 0.02 0. máx.5 0. % massa Glicerol total.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín. Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio. máx.2 0.25 0.2 (máx) 0. máx. mg/kg Corrosividade ao cobre. % massa Triacilglicerol.

hexadecano (cetano) valor de 100 na escala de cetano. O 2. logo. Quanto maior o número de cetanos mais curto será o tempo de ignição. o número de cetanos é indicativo do tempo de atraso na ignição de combustíveis para motores do ciclo diesel.6. .2.8-heptametilnonano é atribuído o valor 15.4.4.8.Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Número de cetanos Assim como a octanagem. reflete a qualidade da ignição do combustível.

máx. máx.8 0.5 0. Índice de acidez. max. 3h a 50 ºC. máx. mg/kg Corrosividade ao cobre. máx. mg KOH/g Glicerol livre.2 Anotar 6 10 1 51 (mín.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín. máx. máx.24 - . (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0.2 0.2 0.) Por região 0.02 0.25 0. máx. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC.02 0.2 (máx) 0. máx.5 0.8 (máx) 0.5 0. Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio. (9) % massa Monoacilglicerol.25 0.Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo.) 0. h mín. % massa Glicerol total. % massa Triacilglicerol. máx.02 0. % massa Diacilglicerol. % massa Metanol e/ou Etanol.2 (máx) 0.

. ocasionando problemas na partida do motor. o biodiesel tende a solidificarse parcialmente ou a perder sua fluidez. levando à interrupção do fluxo do combustível e entupimento do sistema de filtração.Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Ponto de névoa. A partir deste comportamento. EXISTEM três ensaios de laboratório. ponto de entupimento de filtro a frio e ponto de fluidez A baixa temperatura.

onde se observa formação dos primeiros cristais (método ASTM D2500).CFPP). Ponto de entupimento de filtro a frio ( cold-filter plugging point . que é a temperatura do combustível em um processo de resfriamento. que é a temperatura em que o combustível perde a filtrabilidade quando resfriado .ASTM D 4539 .Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Ponto de névoa (cloud point .CP).

Enxofre total.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água.0 500 500 24 120 130 96.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. Ponto de fulgor. máx. mín.5 0.0 1. máx. máx.0 350 24 100 96. (3) Teor de éster. máx. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0.5-5.3 0. Sódio + Potássio. mín Resíduo de carbono. Contaminação Total.05 0.02 10 5 5 .9-6.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas. máx. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3. máx. máx.0 a 6. Cálcio + Magnésio.

Métodos analíticos para avaliação das propriedades inerentes às estruturas moleculares Ponto de fluidez (pour point . que é a temperatura em que o combustível perde sua fluidez quando sujeito a resfriamento sob determinadas condições de teste (método EN ISO 3016).PP). .

Maior nº de insaturações. como também.Métodos analíticos para monitoramento da qualidade do biodiesel durante o processo de estocagem Estabilidade à oxidação a 110 °C A estabilidade oxidativa do biodiesel está diretamente relacionada com o grau de insaturação dos alquilésteres presentes.  produtos insolúveisformação de depósitos e entupimento do sistema de injeção de combustível do motor. com a posição das duplas ligações na cadeia carbônica. mais susceptível está a molécula à degradação tanto térmica quanto oxidativa. .

Componentes mais suscetíveis à oxidação: compostos nitrogenados. .   Oxidação do diesel leva ao escurecimento e formação de material insolúvel. Ensaios de oxidação acelerada são também empregados.

25 0. % massa Metanol e/ou Etanol. mg KOH/g Glicerol livre. % massa Diacilglicerol. máx.02 0. máx.2 120 (máx) 6 10 3 47 (mín. % massa Triacilglicerol. máx. Número Cetano (5) Ponto de entupimento de filtro a ºC frio.) Por região 0. max. % massa Índice de Iodo g/100g Estabilidade à oxidação a 110ºC.02 0.) 0.2 0.5 0.24 - .25 0. máx. máx.2 Anotar 6 10 1 51 (mín. máx. Índice de acidez.8 0.02 0. (10) 10 1 Anotar 19 ou por região 0.5 0. h mín.5 0.2 (máx) 0.2 0.2 (máx) 0. máx. máx. % massa Glicerol total. mg/kg Corrosividade ao cobre.8 (máx) 0.Tabela I: Especificação do Biodiesel Fósforo. máx. 3h a 50 ºC. (9) % massa Monoacilglicerol.

Métodos analíticos para monitoramento da qualidade do biodiesel durante o processo de estocagem Água e sedimentos A água. o teor de água deverá ser monitorado durante o armazenamento. também está associada à proliferação de microorganismos. corrosão em tanques de estocagem com deposição de sedimentos. Como o biodiesel apresenta certo grau de hidroscopicidade. . além de promover a hidrólise do biodiesel resultando em ácidos graxos livres.

3 0.05 EN 14214 - 860-900 a 15 ºC 3. Ponto de fulgor. Contaminação Total.0 a 6.02 10 5 5 15 - Cinzas sulfatadas. (4) kg/m³ mm²/s mg/kg mg/kg ºC % massa % massa ANP 14/2012 Límpido e isento de impurezas 850-900 a 20 ºC 3.0 500 500 24 120 130 96.0 1. máx.9-6. mín.5-5. máx. Cálcio + Magnésio. Sódio + Potássio.02 10 5 5 . mín Resíduo de carbono. máx. máx. máx. % massa mg/kg mg/kg mg/kg 0. máx.Tabela I: Especificação do Biodiesel CARACTERÍSTICA UNIDADE Brasil UE EUA ASTM D6751 - Aspecto Massa específica a 20º C Viscosidade Cinemática a 40ºC Teor de água.5 0. (3) Teor de éster.5 10% residual da Em 100% da destilação amostra 0.05 0. máx. Enxofre total.0 350 24 100 96.

     .  Proporcionar queima limpa e completa. Apresentar ótima qualidade de ignição. os quais ocasionariam a interrupção do fluxo de combustível para os cilindros. de maneira a que a combustão se inicie com o menor retardo de ignição. Ser facilmente atomizável proporcionando ótima mistura com o ar. Ser não corrosivo e não produzir através da combustão gases tóxicos e corrosivos. Segurança. Não conter água e sedimentos. produzindo o mínimo de resíduos. Escoar perfeitamente em baixas temperaturas. depósitos e cinzas. facilidade no manuseio e estocagem.

FULIGEM E COMBUSTÃO INFLUI NO DESGASTE. INJETORES .ATAQUE POR EROSÃO E FORMAÇÃO DE MICROORGANISMOS RESÍDUO DE CARBONO CORROSIVIDADE ESTABILIDADE INFLUI NA FORMAÇÃO DE DEPÓSITOS INFLUI NA VIDA ÚTIL DAS PARTES METÁLICAS INFLUI NA VIDA ÚTIL DE BOMBAS. E DEPÓSITOS E SEGURANÇA INFLUI NA POTÊNCIA.Resumo CARACTERÍSTICAS NÚMERO DE CETANO TEOR DE ENXOFRE EFEITO NA PERFORMANCE INFLUI NA PARTIDA. PARTICULADOS DEPÓSITOS E EMISSÃO DE VOLATILIDADE DENSIDADE VISCOSIDADE PONTO DE NÉVOA ENTUPIMENTO ÁGUA E SEDIMENTOS INFLUI NA PARTIDA. PODER CALORÍFICO E CONSUMO INFLUI NA LUBRIFICAÇÃO DO INJETOR E NEBULIZAÇÃO OU INFLUI NO FUNCIONAMENTO A BAIXAS TEMPERATURAS INFLUI NA VIDA DOS FILTROS E INJETORES . FULIGEM.

salvaguardar o motor e avalizar a qualidade das emissões da queima. garantindo o sucesso do novo combustível. Desta forma. Estes parâmetros estão associados a características químicas do combustível. procura-se conquistar a confiança do mercado e da indústria automotiva. . que podem ser avaliadas através de métodos físico-químicos de análise.CONSIDERAÇÕES FINAIS Para introdução de novos combustíveis automotivos na matriz energética é preciso estabelecer padrões de qualidade de forma garantir a segurança do consumidor.

. et al. G.et al.    . 6. G. dissertação de mestrado. Nova. ALBUQUERQUE. João Pessoa. 2006. P. Quim. Instituto Militar de Engenharia. Obtenção e caracterização físico-química do biodiesel de canola (Brassica napus). 2010. LÔBO.. V. 2006. Programa de Pós-graduação em Química da Universidade Federal da Paraíba. Vol. Biodiesel de Palma (B100) e Misturas (Bx). 2006. Bluncher. Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. 1596-1608. I. São Paulo:Ed.. Análise de Emissões e Desempenho de Motores Diesel Utilizando Óleo Diesel Comercial. 32. C. A. Brasil. No. 2009 Knothe. Biodiesel: Parâmetros de Qualidade e Métodos Analíticos. Manual do Biodiesel. Teixeira. UFPB.

João Pessoa.br/nxt/gateway.2012. DANTAS.5. UFPB. 2006. 2006.DOU 18.RESOLUÇÃO ANP Nº 14. . Obtenção. Dissertação de Mestrado. Disponível em: <http://nxt.2012 . Caracterização e Estudo Termoanalítico de Biodiesel de Milho.dll/leg/resolucoes_anp/2012/m aio/ranp%2014%20-%202012. B.5.xml >acessado em: 02 de Nov de 2013. M. DE 11.gov.anp. Programa de Pós-graduação em Química da Universidade Federal da Paraíba.