You are on page 1of 18

Faculdade de Engenharia Civil Materiais de Construção II

Estudos de Dosagem de Concretos – Aula 1

2013/01

Prof. Maria Carolina A. L. da R. Homrich Scortegagna

Concreto – Fatos Marcantes    1824 – Joseph Aspdin patenteou o Cimento Portland 1926 – 1ª Fábrica de Cimento no Brasil 1936 – ABCP é fundada .

Estudos de Dosagem  De Preaudiau .1881 Estuda as características dos agregados e nota uma alta variabilidade nos vazios: Agregado Areia Seixos Rolados Britas Teor de Vazios em relação ao volume aparente 26% a 42% 32% a 42% 45% a 50% .

Estudos de Dosagem  Dosagem significa: “Determinar regras de mistura de agregados. no sentido de preencher os vazios dos agregados graúdos com argamassa” (De Preaudiau. 1881) .

25 do peso do cimento - .Estudos de Dosagem  Alexandre . A água necessária para molhar e hidratar o cimento é da ordem de 0.1888: Estuda a quantidade de água necessária para misturar os agregados e conclui que: - É necessária uma grande quantidade de água para molhar os grãos finos.

7 mm e um consumo de cimento de 400 kg/m³ Para este mesmo consumo de cimento.5/0. - - .1888: Pesquisa: Uma argamassa preparada com areia de 0. a influência da temperatura sobre a pega.8/0.Estudos de Dosagem  Alexandre . Avaliou ainda. 0. estudou utras dosagens preparadas com areia 3.4 mm e comparou com o comportamento destas argamassas com o de outras preparadas com areias de granulometrias diferentes.2/1.6 mm.

conclusões: - A resistência da argamassa aumenta em decorrência - Do aumento do consumo de cimento e/ou do aumento da bitola do agregado. sem interferência sobre a resistência da argamassa. A natureza do agregado não altera a resistência O frio causa paralisação do processo de pega. .1888: Pesquisa . que pode ser retomado. - - A pega é acelerada quando o concreto é aquecido à temperatura de até 80°C.Estudos de Dosagem  Alexandre . quando o concreto é novamente aquecido. => Fica evidente a influência da composição granulométrica dos agregados sobre a qualidade dos concretos.

- - A natureza do agregado não tem influência prática na resistência das argamassas. avaliando a porosidade/ permeabilidade e a resistência dos argamassas - Conclusões de Feret: - A compacidade e a resistência variam em função da quantidade de água e das 3 parcelas de agregado (“G” – Gráudo.Estudos de Dosagem  Feret Fez estudos de compacidade da mistura. “M” – Médio. sem parcela de M. “F” – Fino). A água de mistura é proporcional à água de molhagem dos agregados e do cimento - . A maior compacidade (que coincide com a maior resistência) é obtida quando se emprega misturas de parcelas G e F.

): - A resistência depende unicamente da relação: Onde: C = Consumo de cimento c = volume absoluto de cimento a = volume absoluto de água v = volume absoluto de vazios - Há uma melhoria na qualidade das misturas descontínuas. usando grãos G + F (sem usar grãos médios) e na proporção de G/F = 2 (incluindo o cimento na parte de finos) .Estudos de Dosagem - Conclusões de Feret (cont.

1918 Propõe uma modificação na fórmula de Feret e sugere uma nova expressão para determinar a resistência em função da relação água/cimento (a/c) Onde: x = a/c A = valor da ordem de 1000 b = variável com a idade e a qualidade do aglomerante Quanto maior for a idade e melhor a qualidade do cimento.Estudos de Dosagem  Abrams . menor será o valor de b Concretos preparados com o mesmo módulo de finura. apresentam a mesma resistência .

a responsabilidade pela variação da quantidade de água de molhagem .1925 .Os concretos com a mesma quantidade de água têm a mesma resistência.Estudos de Dosagem  Bolomey . restando então para a correlação pedregulho/areia.

A relação entre a menor bitola de agregado graúdo e a maior bitola de agregado miúdo deve ser = 2. .35 vezes os vazios do agregado graúdo.5. - - A relação agregado graúdo/agregado miúdo é de pouca importância.Estudos de Dosagem  - Leclerg Du Sablon . A maior compacidade é obtida com proporção de argamassa igual a 1.1927 Continuou os estudos de Feret e obteve as seguintes conclusões: - A compacidade do concreto não resulta diretamente da compacidade do agregado.

por serem consideradas as mais compactas ou mais densas.Estudos de Dosagem  - Até o final da Década de 30 Os concretos eram preparados da seguinte forma: Mistura Manual Argamassa : agregado Graúdo 3:4.6 Os concretos de maior responsabilidade eram preparados de acordo com as composições de Bolomey. 2:3. por conta da mistura agregado graúdo/areia . 1:2 Betoneira 1:2 e 1:1.

aquele que tiver a menor quantidade de areia ou a maior relação g/s Resistência Estanqueidade Trabalhabilidade Retração Mínima .Estudos de Dosagem  - Critérios Práticos Para o estudo da dosagem. o melhor será aquele mais rico em pasta. ou seja. o engenheiro deve conhecer: 1°) O projeto Dentre os concretos 2°) Os materiais disponíveis trabalháveis com o mínimo 3°) Os equipamentos e mão-de-obra disponíveis de vazios.

. . etc. tipo de rocha. consistência..Água de Molhagem dos Agregados  Bolomey estabeleceu a seguinte fórmula para definir a quantidade de água necessária para molhar uma certa quantidade de agregado Onde: P = Peso d1 e d2 = diâmetro do maior e menor agregado K = varia com o coeficiente de forma.

Água de Molhagem dos Agregados A tabela abaixo mostra a água de molhagem “A” para vários valores de “k”. considerando-se sempre o peso “P” = 1 kg .

Água de Molhagem dos Agregados A água de molhagem é também determinada pela forma dos agregados .A forma do agregado. na trabalhabilidade do concreto O Coeficiente de forma é definido por: . influenciam diretamente na quantidade de água de molhagem e consequentemente. bem como a sua textura e capacidade de absorção.

Fixação de Elementos para Dosagem 1) Dimensão máxima característica dos Agregados (Dmax) 2) Módulo de Finura dos Agregados (MF) 3) Relação Água/Cimento 4) Relação àgua/Mistura seca 5) Relação cimento/agregado 6) Relação areia: agregados 7) Correção do Traço quanto à granulometria 8) Correção do Traço quanto à consistência 9) Consumo de Cimento 10) Quantidade de Agregado em Volume por m³ de concreto 11) Quantidade de Água 12) Custo do m³ do concreto .