Cadeia Automobilística

Relatório Poli-USP
BNDES 2002

1

Introdução

Anos 80/90
 Liberação dos mercados de capitais e de bens de consumo.  Mercados centrais (USA, EU, Japão) saturados.
 Países emergentes (Brasil, Argentina, México, China, Rússia, etc) passam a ser disputados.

 No setor automobilístico, o Brasil foi o que mais recebeu investimento.
 US$ 16,6 Bilhões aplicados só pelas montadoras
2

– Reestruturação interna da produção. – Localização das unidades produtivas. 3 .Introdução Cadeias Automobilísticas (a partir dos anos 90) • Principais mudanças dizem respeito a: – Relação entre empresas (alianças). – Projeto & Engenharia do produto.

• Ameaça: a liberação tarifária possa reduzir as exportações para os blocos Aladi e Nafta.4 .4% • Empresa estrangeira  86. com ações do governo para impulsionar as exportações.5% • Exportações & Importações: Cadeia deficitária com relação ao bloco UE e supervitária frente aos blocos Aladi e Nafta.Introdução Dados da Cadeia Automobilística • % Faturamento: • Empresa nacional  9. • Oportunidades: Aumento de investimento direto de capital estrangeiro.

VENDAS Operações de vendas ae ou mud CARROS Planejamento de Montagem do Material (19 plantas): •programação do veículo •planejamento da préprodução •programação de componentes •sequenciamento e planejamento Introdução Embalagem Linha Montagem Armazém Recebimento pedidos tos u d o r p s novo ria ngenha Engenharia de Produto liberação embarque Partes Sistema Combustível Motores Transmissão Estamparia Moldagem pedidos Compras Dispositivos eletrônicos/mecânicos Vidro Plástico Controle ambiente lib mu era da e m en bar ge qu nh e ari a materiais aviso de embarque Fornecedores (milhares) 5 Partes Manufatura (57 plantas) pedido s liber a embarque .

6 . Surgem fornecedores de prémontados. mudando de vez a relação da montadora com o fornecedor.Relação entre empresas Relação de Fornecimento • Os anos 90 marcam um novo jeito de relacionamento na cadeia: – Redução da quantidade de fornecedores por peça ou partes. – A introdução do conceito de modularidade.

– Surgiu em 60 na industria de computadores – As vantagens deste conceito são: • Facilitar o projeto do produto ou processo (engenharia) • Controlar fornecedores (menos fornecedores) 7 .Relação entre empresas Modularidade ? • É a estratégia de construir processos complexos a partir de pequenos subsistemas que funcionam como um conjunto integrado.

Relação entre empresas Modelo de Fornecimento (abordagem modular) Montadora Fornecedor de módulos Fornecedor de partes Fornecedor de partes O esquema modular reduziu o número de fornecedores direto de 500 para 150 8 Fornecedor de partes Fornecedor de módulos Fornecedor de partes .

por exemplo).Relação entre empresas Relação Montadora x Fornecedor • Cadastro de Fornecedor: • certificação de qualidade • capacidade financeira • qualificação do processo produtivo capacidade de engenharia • histórico de fornecimento • preço • Candidatos ao fornecimento • Só é aceito para participar o fornecedor homologado • Ambientes WEB (como Portais) são usados pelas montadoras na relação com fornecedores (obter cotações. 9 .

10 .Relação entre empresas Relação Montadora x Fornecedor • Seleção dos Fornecedores – Via leilão de preços – localização próxima da montadora é uma vantagem competitiva • Manutenção de Fornecedores – Clausula importante é a: MANUTENÇÃO DE COMPETITIVIDADE  O fornecedor deve manter-se competitivo até o final do contrato – Qual a implicação disto? • Novas cotações podem ser feitas ao longo do contrato ocasionando renegociação ou troca de fornecedores.

34% dizem ter contrato de longo prazo com seus fornecedores (80% são multinacionais) – Quanto mais longe da montadora. Deste total. menor são as práticas de contrato de longo prazo e exclusividade 11 .Relação entre empresas Características de Fornecimento • Alta difusão de certificação de qualidade  mais de 80% declaram ter ISO-9000 • 57% das certificadas são nacionais • Contrato de Longo-prazo – 69% tem contrato de longo prazo com clientes (57% são multinacionais).

 Tal percentual nos leva a pensar em duas explicações para esta alta periodicidade: 1o) As práticas de operação enxuta (JIT) tornaram a cadeia essencialmente eficiente. ou 2o) Estoques estão sendo armazenados em certos pontos da cadeia para responder aos pedidos 12 .Relação entre empresas Periodicidade da Entrega e Estoques  68% dos fornecedores entrevistados fazem entregas com freqüência diária aos seus clientes.

fornecedores diretos ficam instaladas no terreno ou mesmo dentro do prédio das montadoras. • Nestes condomínios. 13 .Localização A Nova Geografia da Cadeia • As novas unidades de montagem de veículo tem sido concebidas sob a forma de condomínio industrial.

Localização Distância entre Fornecedores e Montadoras 14 .

• Em termos de fornecedores:  A grande maioria está em SP. CE. PE. SC. Exemplo: Fabricação de motores • GM => motor vem de São José dos Campos • Ford => motor de Taubaté • VW => motor de São Carlos 15 . ES. 8% no PR e algo em torno de 4% em localidades como RJ. BA.Localização Concentração da Cadeia • Em termos de montadoras: – 60% das plantas estão em SP. AM. – 11% em MG.

a indústria automobilística se reestrutura nos padrões de operação Japonês: Produção Enxuta JIT Trabalho em equipe Qualidade Total Automação e Microeletrônica • Resultado: Mais eficiência e Menos emprego Veículos fabricados Mão de Obra 1990 1 milhão 117 mil 2001 1.8 milhão 85 mil Anfavea 16 .Reestruturação Interna Reestruturação Interna • Nos anos 80/90.

Projeto do Produto Concentração de Projetos • As atividades de projeto de produto estão concentradas em: – São Paulo: 72% das empresas – Minas Gerais: 8% das empresas  São projetos específicos para atender a demanda de países periféricos: (mercado latino americano. china) 17 . Mexico.

18 .Projeto do Produto Importância do Projeto do Produto  Envolve empregos de qualidade  alta escolaridade e remuneração  Importante índice de desenvolvimento de um país. Palio e Fiesta Projetos e desenvolvimentos locais proporcionam maiores chances de empresas locais participarem do projeto.  Há relação entre o desenvolvimento local de um veículo e a quantidade de fornecimento local.  Exemplo: projetos: Celta.

custos. carência de fornecedores no Brasil • Eletrônicos: – problemas de importação. 19 . fundidos e injetados de alumínio: – Preço em dólar. logística.conclusão Alguns Problemas apontados na cadeia Brasileira • Aço e polímeros : – Preço praticado internacionalmente por estes insumos básicos • Forjados.

conclusão Financiamento da Cadeia 1 Capital Próprio (47%): – usado para contrato de fornecimento. absorver oscilações de demanda e custos com desenvolvimento de produto 2 Bancos privados (42%) – usados para financiar capital de Giro (mesmo com as taxas atuais) 3 BNDES através do FINAME (24%) – usados para fins de modernização de plantas 20 .