You are on page 1of 75

DIREITO ADMINISTRATIVO

Prof. Marcos DE ARAÚJO
www.proconsciencia.com.br e www.marcosdearaujo.com.br

Prof. Marcos DE ARAÚJO

DIREITO ADMINISTRATIVO
GOVERNO

ESTADO
ADMINISTRAÇÃO

Prof. Marcos DE ARAÚJO

•ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. ESTADO

Prof. Marcos DE ARAÚJO

Marcos DE ARAÚJO .O ESTADO FEDERAL Prof.

Marcos DE ARAÚJO . Território. Prof.Elementos do Estado Povo. e Governo Soberano.

(São os natos + naturalizados). Prof.  Nação é o conjunto de pessoas que formam uma comunidade unida por laços históricos. Cidadão – povo no exercício do direito politico.Povo – corresponde a um conceito jurídico político. Marcos DE ARAÚJO .   população-(conceito numérico) número de pessoas existentes em determinado espaço territorial em certo tempo.

corresponde a um conceito jurídico e. ou a seu serviço são considerados território nacional onde quer que se encontrem. Soberania – É o elemento formal do Estado. Marcos DE ARAÚJO Território . mas um meio para satisfação das necessidades do povo organizado politicamente sobre determinado território. não meramente geográfico. Prof. A soberania possui dupla face de supremacia na ordem interna e independência na ordem externa. É imprescindível frisar que o Estado não é um fim em si mesmo. Navios e aeronaves pertencentes ao Governo brasileiro.

Legislativo.Poderes Executivo. Marcos DE ARAÚJO . SISTEMA DE FREIOS E CONTRAPESOS Prof. Judiciário.

É Poder político – temporal. pelo menos.2 – GOVERNO Conceito de Governo – o governo ora se identifica com os Poderes e órgãos supremos do Estado. ora se apresenta nas funções originárias desses Poderes. Prof. O governo atua mediante atos de soberania ou. Marcos DE ARAÚJO . de autonomia política na condução dos negócios públicos.

Forma de Governo República Monarquia Prof. Marcos DE ARAÚJO .

Marcos DE ARAÚJO .Sistema de Governo: Presidencialista Parlamentarista Prof.

Prof.Regime Político: Democracia. Marcos DE ARAÚJO . Ditadura.

PÚBLICA CONCEITO Natureza Fins Prof. Marcos DE ARAÚJO .ADM.

Natureza – Múnus Público para quem a exerce. (são os chamados atos admin. a de um encargo de defesa. mas tão somente atos de execução. isto é. Prof. Fins – o bem comum. O ato é ilícito se violar os fins.3 – ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Conceito . Não pratica atos de governo.é todo o aparelhamento do Estado preordenado à realização de serviços visando a satisfação das necessidades coletivas.). Prevalecem os fins e não a vontade do administrados. conservação e aprimoramento dos bens. Marcos DE ARAÚJO . serviços e interesses da coletividade.

ADMINISTRAÇÃO – SENTIDOS  1. Marcos DE ARAÚJO . material ou funcional – “O que realiza”: a) fomento b) polícia administrativa c) serviço público d) intervenção como quarta modalidade. enquanto outros a consideram como espécie de fomento. Sentido Objetivo. Prof.

ADMINISTRAÇÃO – SENTIDOS:  Sentido Subjetivo. Fundações. orgânico ou formal – “Quem realiza”. MUN). Empresas Públicas e Sociedade de Economia Mista) Prof. DIRETA (U. E. INDIRETA (Autarquias. ADM. DF. ADM. Marcos DE ARAÚJO .

ADM. E.resumo: 1. . Sentido Objetivo. “O que realiza”. EP. DIRETA (U. SEM) Prof. Mun) ADM. INDIRETA (Aut. a) fomento b) polícia adm. – SENTIDOS . Fund. DF. Marcos DE ARAÚJO .ADM. Sentido Subjetivo. c) serviço público d) intervenção. orgânico ou formal. material ou funcional. 2. “Quem realiza”.

e subj.DIREITO ADMINISTRATIVO Conceito  Hely e Di Pietro (sentido obj. Prof.) Fontes  Lei e CF – fontes primárias  Doutrina  Jurisprudência  Costumes  Princípios Gerais do Direito. Marcos DE ARAÚJO .

Legalidade restrições legalidade x reserva legal Impessoalidade Administrado (art.DIREITO ADMINISTRATIVO PRINCÍPIOS (Constitucionais explícitos). Marcos DE ARAÚJO . 100 CF) e administração (§ 1º art 37 CF) Moralidade Publicidade e Eficiência. Prof.

       DA FINALIDADE DA RAZOABILIDADE DA PROPORCIONALIDADE DA MOTIVAÇÃO DA IGUALDADE DA HIERARQUIA DO CONTROLE JUDICIAL DOS ATOS ADMINISTRATIVOS.OUTROS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS IMPLÍCITOS DO D. Prof. Marcos DE ARAÚJO . ADM.

       DA ESPECIALIDADE DA SEGURANÇA JURÍDICA DO DEVIDO PROCESSO LEGAL CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA CONTROLE OU TUTELA DA AUTOTUTELA DA PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE E/OU VERACIDADE DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO POR ATOS ADMINISTRATIVOS. ADM. Prof.OUTROS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS IMPLÍCITOS DO D. Marcos DE ARAÚJO .

Marcos DE ARAÚJO .DIREITO ADMINISTRATIVO Organização Política Adm. DF e Municípios Prof. da RFB compreende União Estados todos autônomos. Art 18 CF/88.

O ESTADO FEDERAL

Prof. Marcos DE ARAÚJO

ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO ESTADO: ADM DIRETA E INDIRETA Desconcentração e Descentralização
É a distribuição de competência de uma para outra pessoa, física ou jurídica. Liga-se à criação de entidades, pressupõe a existência de duas pessoas. É técnica de especialização de serviço; Distribuição interna de competência. Técnica de simplificação e aceleração de serviço. Liga-se à hierarquia e à criação de cargos

DO CARGO; EMPREGO E DA F. PÚBLICA
Prof. Marcos DE ARAÚJO

DAS AUTARQUIAS
  


     

DEFINIÇÃO - Art. 5º, I, do DL 200/67 Criado por lei específica – art. 37, XIX, CF Personalidade Jurídica de Direito Público Patrimônio e receita próprios Executa atvs típicas de administração pública São responsáveis pelos próprios atos A responsabilidade do Estado é subsidiária Supervisão Ministerial - Controle ou Tutela EX.: BACEN; INSS; CVM; DNIT (não é pelo nome e sim pelas características que se
define uma autarquia)
Prof. Marcos DE ARAÚJO

DAS FUNDAÇÕES PJD Público de natureza autárquica O DL 200/67. FUNAI. XIX. IBGE. Priv LC deve definir sua área de atuação Criação autorizada por lei (art 37.962/00) Exs.: ENAP. FUB.Estatutário (L 8112/90) ou Celetista (L 9. com registro em órgão competente (vale também p/ as Estatais) Regime de pessoal . Marcos DE ARAÚJO . FIO Cruz. tb D. IPEA (não é pelo nome e sim pelas características que se define uma Fundação). CF). Prof.

173. (não é pelo nome e sim pelas características que se define uma EP).El. § 1º . XIX Registro em órgão competente Exs. Tr. art. à J. Suj. (exceto: F.: ECT. Ac.Justiça Federal.DAS EMPRESAS PÚBLICAS PJD Privado Capital – 100% público Assume qq forma societária admitida em direito Causas .art. 109 CF) Supremacia acionária na órbita Federal Art. Tr. Marcos DE ARAÚJO . .CF Criação e Extinção autorizada por lei. EMBRAPA. 37. Prof. CEF. e à J.

: BB..exige-se concurso público para ingresso Ex. II . S/A Seus feitos são julgados na justiça estadual Responsabilidade subsidiária da P. 37. 37. Reg. Explora atv econ ou presta serv. Público. art. (não é pelo nome e sim pelas características que se define uma SEM). Transc. XIX Capital 50% + 1 ação pública Forma societária. Marcos DE ARAÚJO ..SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA PJD Privado. PETROBRÁS. Prof. política que a criou Juntamente com as EP não podem falir – Lei 11. público Autorizada por lei espc.101/2001 Empregados são celetistas Art.

Marcos DE ARAÚJO . § 1o O consórcio público com personalidade jurídica de direito público integra a administração indireta de todos os entes da Federação consorciados. § 2o No caso de se revestir de personalidade jurídica de direito privado. Art. CLT. no caso de constituir associação pública. que será regido pela Consolidação das Leis do Trabalho . mediante a vigência das leis de ratificação do protocolo de intenções.Prof. 6o O consórcio público adquirirá personalidade jurídica I – de direito público. celebração de contratos.Dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios públicos e outras providências. prestação de contas e admissão de pessoal. o consórcio público observará as normas de direito público no que concerne à realização de licitação.LEI 11107/2005 . II – de direito privado. mediante o atendimento dos requisitos da legislação civil.

Marcos DE ARAÚJO . T.ñ acolhida pelo D Adm. Publicistas (s/ culpa) esta distinção foi abandonada (serviu de inspiração / o art.DA RESPONSABILIDADE CIVIL OU EXTRACONTRATUAL DO ESTADO TEORIAS 1. T. . Pietro) atos de Império 2. 15 do CC de 1916 – consagrou a resp. T Civislista (c/ culpa) atos de gestão 3. da Irresp. subj do Estado) Prof. bras (D.

enchente c/ bueiro entupido Prof. pelo dano b) Qdo houver evento da natureza  2.DA RESPONSABILIDADE CIVIL OU EXTRACONTRATUAL DO ESTADO  RESPONSAB. Pode haver resp do Estado por evento da natureza se cc culpa do serviço. Ex. Marcos DE ARAÚJO . RESP OBJ EST a) Qdo o 3º for o único resp. OBJETIVA BASEADA NO RISCO ADM 1. PERMITE A EXCLUD. CULPAS CONCORRENTE OU RECÍPROCA  OBS.

Púb Militares Serv. Z Di Pietro C. Estatutário Servidores Públicos Emp. ou designação gestores de neg. Prof.B de Mello Agentes Políticos Serv. Marcos DE ARAÚJO . nomeação. ESPÉCIE E CLASSIFICAÇÃO Hely Lopes Meirelles Agentes Políticos Agentes Administrativos Agentes Honoríficos Agentes Delegados Agentes Credenciados M.A. S.AGENTES PÚB. Temp Part. requisição./colaboração delegação c/ Poder Púb.

PODERES DEVERES E PRERROGATIVAS DOS AGENTES PÚBLICOS. DEVER DE EFICIÊNCIA DE PROBIDADE DE PRESTAR CONTAS. As prerrogativas são inerentes ao cargo ou função. Os deveres estão estabelecidos em lei. Prof. Marcos DE ARAÚJO .

Marcos DE ARAÚJO . USO DO PODER .NORMAL EXCESSO DE PODER ABUSO DE PODER DESVIO DE FINALIDADE OU DESVIO DE PODER Prof.USO E ABUSO DO PODER.

PODERES ADMINISTRATIVOS HIPOREDIVINC       PODER VINCULADO PODER DISCRICIONÁRIO PODER HIERÁRQUICO PODER DISCIPLINAR PODER REGULAMENTAR PODER DE POLÍCIA CARACTERÍSTICAS DO PODER DE POLÍCIA Prof. Marcos DE ARAÚJO .

resguardar. HLM  Declaração do Estado ou de quem o represente. modificar. transferir . ou impor obrigações aos administrados ou a si própria. e declarar direitos. CABM. agindo nesta qualidade. MSZD  Toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que.ATOS ADMINISTRATIVOS CONCEITO – HLM. com observância da lei. MSZP Prof. que produz efeitos jurídicos imediatos. tenha por fim imediato adquirir. extinguir. Marcos DE ARAÚJO . sob regime jurídico de direito público e sujeita a controle pelo Poder Judiciário.

portanto. que produz efeitos jurídicos b) provém do Estado ou de quem esteja investido em prerrogativas estatais c) é exercido no uso de prerrogativas públicas. complement. Púb. da lei ou excep. Marcos DE ARAÚJO . de autoridade.ATOS ADMINISTRATIVOS CARACTERÍSTICAS a) declaração jur. d) prov. jur. por órgão jurisdicional. sob regência do D. Prof. da CF e) sujeita se a exame de legit.

ATOS ADMINISTRATIVOS ELEMENTOS OU REQUISITOS (COFOFIMOB)  COMPETÊNCIA/SUJEITO  FORMA  FINALIDADE  MOTIVO  OBJETO  VEJAMOS CADA UMA DELAS Prof. Marcos DE ARAÚJO .

VI.ATOS ADMINISTRATIVOS ELEMENTOS OU REQUISITOS  SUJEITO/COMPETÊNCIA – Conjunto de atribuições das PJ. 25 ADCT . . II. CF (quem organiza tem que determinar competências) Prof. Positivo.Decorre da lei – art 61. fixado pelo D. Marcos DE ARAÚJO . órgãos e agentes.Poderão ser definidas por decreto (no âmbito federal): art. § 1º. CF e art. 84.

3. Decorre sempre da lei É inderrogável – pela vontade das partes É irrenunciável Pode ser objeto de delegação ou avocação qdo não houver exclusividade por lei Prof. Marcos DE ARAÚJO . 4. 2.ATOS ADMINISTRATIVOS COMPETÊNCIA Aplicam-se à competência as seguintes regras: 1.

PORÉM NA 9784 – art 17 inexistindo comp. legal específica o proc. Prof.12.11 da 9784/99 – “a competência é irrenunciável e se exerce pelos órgãos administrativos. Marcos DE ARAÚJO . EXEC. a que foi atribuída como própria. É DO CHEFE DO P. A COMP.ATOS ADMINISTRATIVOS COMPETÊNCIA NA LEI 9784/99 NÃO DEFINIDO NA LEI. Pela lei a regra é a delegação a exceção é a impossibilidade quando se trate de competência outorgada c/ exclusividade a determinado órgão – art. adm será iniciado pela autoridade de menor hierarquia A INDERROGABILIDADE E A POSSIBILIDADE DE DELEGAÇÃO E AVOCAÇÃO ESTÃO POSITIVADOS? Sim art. salvo os casos de delegação e avocação legalmente admitidos”.

gestos. senão quando a lei expressamente exigir”. art 22 – “os atos do Proc. Adm. sinais luminosos.ATOS ADMINISTRATIVOS ELEMENTOS OU REQUISITOS (COFOFIMOB)  COMPETÊNCIA/SUJEITO  FORMA    FINALIDADE MOTIVO OBJETO Na lei 9784/99. Prof. apitos. Marcos DE ARAÚJO . admitem-se ordens verbais. Excepcionalmente. não dependem de forma determinada. O § 1º exige seja por escrito e em vernáculo.

ATOS ADMINISTRATIVOS ELEMENTOS OU REQUISITOS (COFOFIMOB)     COMPETÊNCIA/SUJEITO FORMA FINALIDADE MOTIVO OBJETO É efeito jurídico mediato do ato ≠ objeto Sucede ao ato ≠ motivo    Prof. Marcos DE ARAÚJO .

ATOS ADMINISTRATIVOS ELEMENTOS OU REQUISITOS (COFOFIMOB)     COMPETÊNCIA/SUJEITO FORMA FINALIDADE MOTIVO OBJETO Pressuposto de fato e de direito que serve de fundamento ao ato adm. Marcos DE ARAÚJO      . Motivo é ≠ de motivação Deve existir p/atos discr e ato vinc (MSZDP) Teoria dos motivos determinantes Prof.

Marcos DE ARAÚJO    . Prof.ATOS ADMINISTRATIVOS ELEMENTOS OU REQUISITOS (COFOFIMOB)     COMPETÊNCIA/SUJEITO FORMA FINALIDADE MOTIVO OBJETO É efeito jurídico imediato do ato ≠ finalidade Para identificá-lo basta verificar o que o ato enuncia. dispõe. prescreve.

ATOS ADMINISTRATIVOS  ATRIBUTOS (PEITA) Presunção de Legitimidade e/ou Veracidade Imperatividade .(Poder extroverso) Exigibilidade Auto Executoriedade ou Exec. Marcos DE ARAÚJO . Tipicidade Vejamos cada uma delas Prof.

Prof. do ato de d. Tipicidade . Marcos DE ARAÚJO .Efeitos .Ato x lei e fato x verdade .ATOS ADMINISTRATIVOS  ATRIBUTOS (PEITA) Presunção de Legitimidade e/ou Veracidade Imperatividade .(Poder extroverso) Exigibilidade Auto Executoriedade ou Exec. privado praticado pela própria Adm.Este atributo distingue ato adm.

Umas das características que distingue o ato adm. Marcos DE ARAÚJO . Tipicidade Impõe-se a terceiro independentemente de sua concordância Não existe em todos os atos adm.ATOS ADMINISTRATIVOS  ATRIBUTOS (PEITA) Presunção de Legitimidade e/ou Veracidade Imperatividade .(Renato Alessi chama de Poder extroverso) Exigibilidade Auto Executoriedade ou Exec.do de d. privado Prof.

(Poder extroverso) Exigibilidade Auto Executoriedade ou Exec. Tipicidade A adm. Marcos DE ARAÚJO .ATOS ADMINISTRATIVOS  ATRIBUTOS (PEITA) Presunção de Legitimidade e/ou Veracidade Imperatividade . Utiliza-se de meios indiretos de coerção Prescinde de tutela jurisdicional Prof.

somente qdo prevista em lei (arts.ATOS ADMINISTRATIVOS  ATRIBUTOS (PEITA) Presunção de Legitimidade e/ou Veracidade Imperatividade . 65.666/93) Prof. 58. 78 e 79 da L 8. em todos os atos adm . tb. Tipicidade Prescinde da intervenção do judiciário Não existe.(Poder extroverso) Exigibilidade Auto Executoriedade ou Exec. Marcos DE ARAÚJO .

(Poder extroverso) Exigibilidade Auto Executoriedade ou Exec. Tipicidade Só existe em relação aos atos unilaterais Prof.ATOS ADMINISTRATIVOS  ATRIBUTOS (PEITA) Presunção de Legitimidade e/ou Veracidade Imperatividade . Marcos DE ARAÚJO .

Marcos DE ARAÚJO .ATOS ADMINISTRATIVOS  CLASSIFICAÇÃO Quanto aos destinatários: Atos gerais e individuais  Quanto ao seu alcance: Atos internos e externos  Quanto ao objeto: Atos de gestão. de império e de expediente  Quanto ao seu regramento: vinculados e Discricionários  Quanto à composição da vontade produtora do ato: Ato Simples. Complexo e Composto  Prof.

declaratório e enunciativo  Prof. Marcos DE ARAÚJO .ATOS ADMINISTRATIVOS CLASSIFICAÇÃO Quanto à natureza das situações jurídicas que criam: Atos regra. subjetivos e condição  Quanto aos efeitos: constitutivo.

Marcos DE ARAÚJO .ATOS ADMINISTRATIVOS ESPÉCIES Normativos  Ordinatório  Enunciativos  Negociais  Punitivos  Prof.

5. 54 – pode produzir efeitos válidos em relação a 3º Prof. 2.ATOS ADMINISTRATIVOS   Invalidação E ANULAÇÃO. Quem revoga? 4. . 3. Efeitos “ex tunc”. 5. 3. Conveniência/oportunidade. Quem anula? 4. do judiciário. Marcos DE ARAÚJO de boa fé. ANULAÇÃO 1.retroage. Atos inválidos. Preservados os direitos adquiridos e ressalvado a aprec. Atos válidos. Ato vinculado. 2. REVOGAÇÃO REVOGAÇÃO 1. Efeito “ex nunc”. 9784/99 art. L.

c) cassação. Pelo desaparecimento do objeto da relação jurídica a) revogação 4. Pela renúncia Prof. Marcos DE ARAÚJO .Pelo Cumprimento dos efeitos a) esgotamento do prazo b) execução do ato c) por ter alcançado seu objetivo 2. Pelo desaparecimento do sujeito da relação jurídica 3. d) caducidade. 5. Pela retirada b) invalidação.EXTINÇÃO DO ATO EFICAZ 1.

784/99.é o suprimento da invalidade de um ato com efeitos retroativos à data em que este foi praticado. Que possa ser convalidado (os anuláveis). PELA MERA RETIRADA REVOGAÇÃO DA REVOGAÇÃO E REPRISTINAÇÃO CONVALIDAÇÃO ou SANEAMENTO . Prof. Marcos DE ARAÚJO . 9.. da Adm. PELA RECUSA 2. 55. Há de haver interesse público. art. É poder discric.. Não prejudicar terceiros de boa-fé.EXTINÇÃO DO ATO INEFICAZ 1. Lei Fed.

CONTROLE DA ADM PUBLICA Prof. Marcos DE ARAÚJO .

conforme seja ou não legal. orientação e correção de certo órgão ou agente público sobre a atuação de outro ou de sua própria atuação.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . (D. Gasparini) Prof. Conceito É atribuição de vigilância. conveniente. oportuno e eficiente. visando confirmá-lo ou desfazê-lo. Marcos DE ARAÚJO .

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . ESPÉCIES Quanto ao momento Em relação ao órgão a)Prévio a) Administrativo b) concomitante c)posterior b) Legislativo Órgão controlador X c) Judiciário Quanto ao objeto a) Legalidade b) Mérito a) Interno pertinência do controlado b) Externo ou Heterocontrole Prof. Marcos DE ARAÚJO .

Portaria que altera local de atendimento de serviço público. OBJETIVOS DO CONTROLE Confirmação – Ex. Prof. Marcos DE ARAÚJO . Ex.: ato de confirmação de autuação fiscal qdo o autuado alega ilegalidade do ato Correção – Qdo a adm julga o ato ilegal ou inconveniente e o retira do mundo jurídico e procede à nova conduta compatível com a legalidade ou a conveniência administrativas Alteração – qdo a Adm ratifica uma parte e substitui outra.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . mas mantém o mesmo horário anterior.

(. Conceito de controle administrativo É todo aquele que o Executivo e os órgãos de administração dos demais Poderes exercem sobre as suas próprias atividades. Prof.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . Marcos DE ARAÚJO . segundo as necessidades do serviço e as exigências técnicas e econômicas de sua realização.. visando mantê-las dentro da lei..) O controle administrativo deriva do poder-dever de autotutela que a Administração tem sobre seus próprios atos e agentes. pelo que é um controle de legalidade e de mérito. É um controle interno.

qualquer controle efetivado pelo Executivo sobre seus servidores ou agentes é considerado interno. por seus órgãos de a administração. como interno será também o controle do Legislativo ou do Judiciário. no âmbito da própria Administração.  CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . sobre o seu pessoal e os atos administrativos que pratiquem. Controle Interno É todo aquele realizado pela entidade ou órgão responsável pela atividade controlada. Marcos DE ARAÚJO . Assim. Prof.

a sustação de ato normativo do Executivo pelo Legislativo (CF. Controle Externo É o que se realiza por órgão estranho à Administração responsável pelo ato controlado. 49. a auditoria do Tribunal de Contas sobre a efetivação de determinada despesa do Executivo. ex.  CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . V). Marcos DE ARAÚJO . anulação de um ato do Executivo por determinação do Judiciário. como p. Prof.: a apreciação das contas do Executivo e do Judiciário pelo Legislativo. art.

orientar e corrigir suas atividades e agentes. Meios de Controle Adm interno • Fiscalização hierárquica (Hierarquia orgânica) É exercida pelos órgãos superiores sobre os inferiores da mesma Administração. visando a ordenar. coordenar. como tal. sem descontinuidade e independentemente de ordem ou de solicitação especial. Prof. São características da fiscalização hierárquica a permanência e a automadicidade. visto que se exercita perenemente. Marcos DE ARAÚJO . o chefe que não o exerce comete inexação funcional. É um poder-dever de chefia.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . e.

arts. Meios de Controle Adm interno • Supervisão Ministerial (Tutela) É um meio atenuado de controle administrativo geralmente aplicável nas entidades da Administração indireta vinculadas a um Ministério (Dec-lei 200/67. Prof.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . 19 e ss). Marcos DE ARAÚJO .

em acepção restrita. reclamação adm.: direito de petição. Marcos DE ARAÚJO . Prof.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . por razões de legalidade e de mérito administrativo. abrangem unicamente os recursos hierárquicos próprios e os recursos hierárquicos impróprios. são todos os meios hábeis a propiciar o reexame de decisão interna pela própria Administração. o pedido de reconsideração de ato (ambos em sentido amplo). Ex. São um corolário do Estado de Direito e uma prerrogativa de todo administrado ou servidor atingido por qualquer ato da Administração. Meios de Controle Adm interno   Recursos Administrativos – em acepção ampla.e. revisão representação.

Marcos DE ARAÚJO . Meios de Controle Adm interno  Prescrição adm    ≠ entre preclusão administrativa Prescrição – opera-se antes da possibilidade de interp da ação Preclusão – opera-se depois do início e no transcorrer A preclusão não se confunde com a decadência Na decadência – perde-se o direito substantivo Na preclusão perde-se o direito subjetivo      O silêncio da Adm Coisa Julgada administrativa Prof.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA .

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . Prof. Marcos DE ARAÚJO . Assembléias Legislativas e Câmaras de Vereadores) ou por comissões parlamentares sobre determinados atos do Executivo na dupla linha da legalidade e da conveniência pública. indiferente aos direitos individuais dos administrados. mas objetivando os superiores interesses do Estado e da comunidade. pelo quê caracteriza-se como um controle eminentemente político. Controle Externo Controle Legislativo É o exercido pelos órgãos legislativos (Congresso Nacional.

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . CF Prof. IV Função jurisdicional – art 49 IX. art 52. Controle Externo Controle Legislativo – Meios       CPIs Pedido de informação § 2º art 50 CF Convocação de autoridades Participação na função adm – art 49. Marcos DE ARAÚJO . I. financeira e orçamentária – art 70. II Fiscalização contábil.

Controle Externo Controle do Judiciário É o exercido privativamente pelos órgãos do Poder Judiciário sobre os atos administrativos do Executivo. É um controle a posteriori. ou seja. sobre o mérito administrativo. Marcos DE ARAÚJO . unicamente de legalidade. do Legislativo e do próprio Judiciário. Prof. Não pode o Judiciário pronunciar-se sobre conveniência e oportunidade ou eficiência do ato em exame. quando realiza atividades administrativas.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . por restrito à verificação da conformidade do ato com a norma legal que o rege.

contencioso adm. ou sistema francês) Prof.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . Controle Externo . Marcos DE ARAÚJO .Controle do Judiciário Sistemas a) Sistema de administração-Juiz b) Sistema de Jurisdição única c) Sistema de Jurisdição dual (jurisdição dupla.

Instrumentos do Controle jurisdicional a) Mandado de Segurança b) c) d) e) f) g) Ação popular Habeas data Habeas Corpus Mandado de injunção Ação Civil Pública Ação Direta de Inconstitucionalidade Prof.CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . Marcos DE ARAÚJO .

DESEJO SUCESSO E AS MAIS RICAS BENÇÃOS DE DEUS A TODOS VOCÊS MARCOS DE ARAÚJO Prof. Marcos DE ARAÚJO .

Marcos DE ARAÚJO . Jonathan Fonseca Fogo Prof. os livros são os tijolos e os professores são os pedreiros.Na construção de nosso conhecimento.