You are on page 1of 30

1.1.

METAIS E LIGAS METÁLICAS


1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica
dos elementos

1
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

Cada elemento tem um nome e um símbolo


químico.

Os elementos são agrupados, classificados e organizados de


forma sistemática.

O ouro, a prata ou o cobre são conhecidos desde a


Antiguidade. Muitos elementos foram isolados
apenas no século XX, e ainda mais recentemente,
elementos têm vindo a ser produzidos
artificialmente.

2
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

A mais de 30 ºC 3
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

4
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos h
a
Grupo → 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17l 18
o
g
↓ Período é
ELEMENTOS REPRESENTATIVOS (a verde)
n
e
1 1 Não 2
H o He
METAIS G
Metais Metalóides s
alcalino- a
2 3 4 5 6 7 8 9 10 s
Li Be terrosos B C N O F Ne
e

3 11 12 13 14 15 16 17 18
s
Na Mg Metais de Al Si P S Cl Ar
transição
4 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36
n
K Ca Sc Ti V Cr Mn Fe Co Ni Cu Zn Ga Ge As Se Br Kr
o
b
5 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54
Rb Sr Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe r
e
6 55 56 * 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 s
Cs Ba Hf Ta W Re Os Ir Pt Au Hg Tl Pb Bi Po At Rn

7 87 88 ** 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118
Fr Ra Rf Db Sg Bh Hs Mt Ds Rg Uub Uut Uuq Uup Uuh Uus Uuo

Metais alcalinos

* Lantanídios - lantânio 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71
La Ce Pr Nd Pm Sm Eu Gd Tb Dy Ho Er Tm Yb Lu Metais de transição
interna
** Actinídios – a 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 5
Ac Th Pa U Np Pu Am Cm Bk Cf Es Fm Md No Lr
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

6
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

Uma das representações da TP pode individualizar blocos – de acordo


com o tipo de preenchimento das orbitais de valência.

bloco p

bloco d

bloco s bloco f

7
Os elementos na tabela periódica - revisões

As contribuições de Bohr foram determinantes para o progresso da física, mas houve


que, a partir de novos contributos, proceder à “construção” de um modelo atómico
mais sólido e consistente.

O modelo
quântico

Deixamos de falar em órbita e começamos a falar em orbital, ou seja, em zonas


do átomo em que existem PROBABILIDADES de encontrarmos o electrão

A equação de Schrödinger iniciou uma nova era na Física e na


Química ---- a mecânica quântica.

8
Os elementos na tabela periódica - revisões

NÚMERO QUÂNTICO PRINCIPAL , n


Determina a energia de uma orbital

n = 1,2,3 …

-- níveis de energia
-- >n → >distância ao núcleo
-- >n → > energia
-- nº de electrões possível em cada nível 2n2

9
1.1.2. Os elementos na tabela periódica - revisões

NÚMERO QUÂNTICO DE MOMENTO ANGULAR OU SECUNDÁRIO , l


Está relacionado com a forma das orbitais

l = 0, 1,2 … n-1

-- sub-níveis de energia
-- forma da orbital:
-- l = 0 (tipo s)
-- l = 1 (tipo p)
-- l = 2 (tipo d)
-- l = 3 (tipo f)

10
1.1.2. Os elementos na tabela periódica - revisões

NÚMERO QUÂNTICO MAGNÉTICO , ml


Descreve a orientação da orbital no espaço

ml = -l, …, -1, 0, 1, … +l

-- orientação da orbital no espaço


-- localização do electrão no subnível
-- nº de valores possíveis = 2l + 1

11
Os elementos na tabela periódica - revisões dado por ml

orbitais do tipo s (1) e do tipo p (3)

As orbitais s são
esféricas e centradas
no núcleo

As orbitais p têm dois


lóbulos opostos

12
Os elementos na tabela periódica - revisões orbitais do tipo d (5)

dxy dyz

dxz

dx2 – y2

As orbitais d com
orbitais dz2 orientações +
do tipo f complexas
(7) 13
Os elementos na tabela periódica

14
Os elementos na tabela periódica - revisões

NÚMERO QUÂNTICO DE SPIN ELECTRÓNICO, ms


Descreve o movimento giratório do electrão

1
ms= + ou - l/2
2

Para ter em conta o movimento giratório do electrão,


usamos um quarto nº quântico – ms .
A interacção entre um electrão e o campo magnético
provoca o desvio de metade dos electrões para um lado
e outra metade para outro.

15
Os elementos na tabela periódica - revisões

Regra de Hund – estabelece que o arranjo mais estável em subcamadas


é aquele que contém um maior nº de spins paralelos:

1s
12 Mg
2s

2p

3s

Representação esquemática: 1s22s22p63s2 3p 4s 3d 4p 5s 4d 5p 6s 4f 5d 6p 7s 5f 6d 7p 8s

Princípio de exclusão de Pauli – não pode haver dois electrões no


mesmo átomo com os 4 nºs quânticos iguais. 16
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos
12ºCT4 06.07

Estes elementos possuem os electrões de valência em mais que um nível de energia, podendo apresentar vários n.o.

ELEMENTOS DE TRANSIÇÃO – grupos 3 a 12 da TP

18 Ar

1s22s22p63s23p6

Representação esquemática: 1s22s22p63s2 3p 4s 3d


4p 5s 4d 5p 6s 4f 5d 6p 7s 5f 6d 7p 8s

17
1.1.2. Metais de transição

EFEITO DE BLINDAGEM

Barreira de protecção dos electrões mais internos em relação à


atracção do núcleo sobre um dado electrão

Porque é que a orbital 2s é menos blindada (pelos electrões 1s) do que a orbital 2p?

Pois os electrões 2s
passam mais tempo
perto do núcleo que os
2p (ver forma das
orbitais), i.é, são menos
blindados pelos electrões
1s: daí que a energia
para remover um 18
electrão 2p é menor do
1.1.2. Metais de transição

CARGA NUCLEAR EFECTIVA

Carga nuclear total corrigida do efeito de repulsão entre os electrões

19
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

Energia de ionização
Os iões metálicos formam, predominantemente, iões positivos

Os iões não metálicos formam, predominantemente, iões negativos

Energia de ionização é a energia mínima necessária (kJ/mol) para


remover um electrão a um átomo gasoso no seu estado fundamental.

M (g) + E1 → M+ (g) + e-

M+ (g) + E2 → M2+ (g) + e-


3ªEi … etc

E2 > E1 > 0 20
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

Energia de ionização

Os metais têm Ei baixas (tendência para libertarem e-


) e os não metais
s
Ei altas, ou seja, têm alta afinidade
electrónica

21
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos
Energia de ionização

Regra geral, a Ei aumenta ao longo do período, dado o aumento da carga nuclear efectiva.

Excepções (5B e 13 Al do grupo 13):


Efeito de blindagem. Os electrões do grupo 3 têm um único
electrão na subcamada exterior p (ns2np1), que está bastante
bem blindado pelos electrões internos ns2.

Excepções (8O e 16 S do grupo 16):


No grupo 15 (ns2np3), cada electrão está em orbitais distintas
(Regra de Hund), casos do N e do P.
No grupo 16 (ns2np4), há muita proximidade entre 2 es, logo
aumenta a repulsão electroestática nos es; o que se
sobrepõem ao efeito da CargaNuclearEf.
O

S
B
Al

Metais Alc têm as + baixas engs de ionização22


1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

Afinidade electrónica, Eea


é o negativo da variação de energia que ocorre quando um electrão é
captado por um átomo no seu estado gasoso (se ∆H= -x, então a a.e. é de
x).

M (g) + e- → M- (g)

Quanto mais negativa for Eea maior é a tendência do átomo para captar um
electrão.

23
1.1.2. Um olhar sobre a Tabela Periódica dos elementos

The first electron affinities of the group 7


elements

F -328 kJ mol-1

Cl -349 kJ mol-1

Br -324 kJ mol-1

I -295 kJ mol-1

Aumenta (gen) ao longo do período

24
Metais de transição

18 Ar 1s22s22p63s23p6

25
Metais de transição

Com a excepção do Cr e do Cu, todos os átomos da série d possuem 2 electrões


4s de valência

24 Cr : [Ar] 3d54s1 29 Cu: [Ar] 3d10 4s1

A presença das orbitais 4s e 3d – com energias próximas – leva a que


os átomos deste grupo formem iões positivos de carga variada (Cu+ e
Cu2+ ; Fe2+ e Fe 3+ ), apresentando variados nºs de oxidação.

26
1.1.2. Metais de transição

24 Cr : [Ar] 3d54s1 29 Cu: [Ar] 3d10 4s1

Este comportamento anómalo é uma consequência da proximidade


das energias 3d e 4s. No início da série, o nível 4s tem uma energia
mais baixa que o nível 3d. À medida que aumenta a carga nuclear a
orbital o nível 3d torna-se cada vez mais estável comparando com 4s.
Além disso há uma estabilidade adicional associada às subcamadas
semi-preenchidas (3d5) e completamente preenchidas (3d10 ) -

Cr: [Ar] 4s1 3d5


24

Cu: [Ar] 4s1 3d10


29

27
Configurações electrónicas no estado fundamental

28
Metais de transição

18 Ar 1s22s22p63s23p6

O escândio (Sc) é o primeiro elemento da 1ª série dos metais de transição

Recordar (18) que as orbitais 3d são 5, podendo ter, no máx, 10 electrões

21 Sc : [Ar]3d14s2
E porque não : [Ar]3d3

Porque E4s < E3d

Representação esquemática: 1s22s22p63s2 3p 4s 3d 4p 5s 4d 5p 6s 4f 5d 6p 7s 5f 6d 7p 8s

29
Metais de transição

Então porque é que a configuração do K e do Ca é

19 K : [Ar]4s1 Ca : [Ar]4s2
20

Configurações
e não excitadas dos
átomos de K e de Ca

19 K : [Ar]3d1 20 Ca : [Ar]3d2

A diferença energética entre as orbitais 4s e 3d é muito pequena.


Nestes casos 4s tem menor energia que 3d!

30