Propriedade pela qual se cria e se sinaliza toda espécie de ligação, de laço, que dá ao texto unidade de sentido ou unidade temática

.

 Continuidade

do texto  Acréscimo de informação  Construção de sentidos (coerência)  Unidade do texto  Estabelecer relações entre a informação dada e a nova de forma eficiente.

. oito dezenas de mulheres decidiram contar como aconteceu o fato que marcou sua vida. Elas resolveram falar.Mulheres de três gerações enfrentam o preconceito e revelam suas experiências. Do alto de sua ignorância. Quebrando o muro de silêncio. os seres humanos costumam achar que dominam a terra e todos os outros seres vivos.

Elas resolveram falar. os seres humanos costumam achar que dominam a terra e todos os outros seres vivos.Mulheres de três gerações enfrentam o preconceito e revelam suas experiências. Quebrando o muro de silêncio. . Do alto de sua ignorância. oito dezenas de mulheres decidiram contar como aconteceu o fato que marcou sua vida.

.

Quero-quero é aquele passarinho que freqüenta os nossos campos de futebol e pode ser visto durante as partidas. no jogo Coritiba x Palmeiras. O quero-quero gosta de viver perigosamente. em Curitiba. em meio a certos beques e volantes como os que abrilhantam hoje os nossos clubes. Às vezes. geralmente de meia dúzia. pelo menos. mas não existe o quero-quero individual. Estão sempre em bando.Quero-quero no Gramado Neste fim de semana. Estou escrevendo quero-quero. morreu mais um quero-quero nos gramados do Brasil. não parece um lugar seguro para a fêmea botar seus ovos -não enquanto o Obina estiver exercendo . no máximo. como aconteceu domingo. e não se sabe muito bem o que eles vêem nos campos de futebol. O gramado. perdido entre os jogadores e se arriscando a levar uma bolada. Imagine um bicho com. Alguns desses jogadores têm tão pouca intimidade com a bola que não será surpresa se um deles a confundir com um quero-quero. 35 cm de altura e pesando 300 gramas. leva mesmo e morre.

Até há pouco. um goleiro mais afoito defenderá de soco mandando o quero-quero para longe. eu só via os bandos de quero-queros nos campinhos do interior nos jogos do Campeonato Paulista. Agora passei a ver quero-queros em toda parte. num lançamento pelo alto para a zona do agrião. enquanto a bola penetra placidamente em seu gol. o atacante mandará o quero-quero para dentro da área pensando que é a bola. até mesmo no último estádio em que esperava encontrálos: o Maracanã. E. Ou. como em todos os estádios. Estou vendo a hora em que um zagueiro dará um carrinho num quero-quero junto à linha de fundo. ao bater um escanteio. os quero-queros do Maracanã têm predileção por aquela área do gramado perto da bandeirinha do córner. (Ruy de Castro) . Ou.

.

A escola se compromete a ter.Samba de inclusão A Beija-flor vai aderir à Campanha Nacional da Acessibilidade. uma ala permanente de deficientes físicos em seus desfiles no Carnaval. a partir de 2009. . criada pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos. A agremiação também deve promover obras de acessibilidade em sua quadra.

.

por revelar o grau de desconexão da realidade por parte dos sindicalistas. Fazem sugestões para enfrentar a atual crise financeira internacional. . Segundo. Primeiro. para saber que existem seis centrais sindicais no Brasil.As centrais e suas ideias As centrais sindicais brasileiras enviaram uma carta a Lula. O documento é útil por dois motivos.

. do Congo e das Filipinas. Segundo o Atlas. por exemplo. Ele mostra a sobreposição de áreas altamente biodiversas e de grande estoque de carbono. deve proteger as matas da Amazônia Equatoriana. beneficiam tanto o clima quanto a preservação de espécies raras. de Madagascar. Entre elas estão regiões da Amazônia. Um atlas da ONU divulgado em Poznan (Polônia) aponta florestas que. se o mundo quiser salvar anfíbios e aves raras. se protegidas.

deve proteger as matas da Amazônia Equatoriana. Um atlas da ONU divulgado em Poznan (Polônia) aponta florestas que. Segundo o Atlas. se o mundo quiser salvar anfíbios e aves raras. Ele mostra a sobreposição de áreas altamente biodiversas e de grande estoque de carbono. do Congo e das Filipinas. . se protegidas. por exemplo. beneficiam tanto o clima quanto a preservação de espécies raras. Entre elas estão regiões da Amazônia. de Madagascar.

A falta de chuva no Piauí atingiu também a produtividade do maior entreposto de mel da região nordeste. “Em busca de alimentos. nos três primeiros meses de 2011. Neste ano. cerca de 230 toneladas de mel. as abelhas tiveram que migrar daqui para outros municípios”. a terceira maior cidade do estado. por causa da seca.O município de Simplício Mendes é um dos maiores produtores de mel do estado. a safra não chegou a quatro toneladas. Odair José perdeu 80% das colmeias que criava na zona rural do município e agora tem medo de levar mais prejuízo. Em 2011. As máquinas estão paradas e seis dos dez funcionários podem perder o emprego. A Casa Apis processou. Na cooperativa que recebe mel de outros 10 municípios vizinhos. todas estão paradas. . a situação também é difícil. a produção passou de 400 toneladas. a falta de chuva está deixando os pequenos criadores preocupados. mas sem matéria prima. Agora. Em Picos. Cada uma delas prepara o produto antes do beneficiamento. os efeitos da seca preocupam. A seca prejudicou a produção em 36 comunidades.

 As convenções gráficas não são muitas e aprendê-las não é difícil. Um dos melhores caminhos para isso é observar seu uso nos textos. . Basta você estar atento a elas e consciente de sua importância para a qualidade dos textos que escreve. (Carlos Alberto Faraco).

Recursos linguísticos que não só permitem o avanço do texto. Um dos recursos de sequenciação são os encadementos/entrelaçamentos por conexão. como também contribuem significativamente para a construção do sentido do texto. .

.

.

.

.

.

.

.

A maioria dos professores. concorda que os alunos não lêem. não gostam de ler e têm dificuldades para compreender o texto escrito. O texto aparece no livro didático apenas como escada para o ensino de gramática. inútil e que provoca sofrimento. O professor. na verdade. Muitos relutam em assumir sua parcela de responsabilidade na formação do aluno leitor. . A escola acaba atuando ao contrário. acaba “ensinando” que a leitura é uma atividade chata. de qualquer grau. A escola usa o texto fragmentado (muitas vezes sem referência de título autor). A escola deveria ser o local de “aprendizado da leitura” por excelência.

porém muitos relutam em assumir sua parcela de responsabilidade na formação do aluno leitor.A maioria dos professores. (Fonte: Isabel S. acaba “ensinando” que a leitura é uma atividade chata. a escola. desse modo. não gostam de ler e têm dificuldades para compreender o texto escrito. acaba atuando ao contrário: ao usar o texto fragmentado (muitas vezes sem referência de título e autor) que aparece no livro didático apenas como escada para o ensino de gramática. Professora de Comunicação e Expressão na Universidade São Francisco e doutoranda em Educação) . O professor. de qualquer grau. concorda que os alunos não lêem. Assim. inútil e que provoca sofrimento. que deveria ser o local de “aprendizado da leitura” por excelência. Sampaio.