You are on page 1of 30

Dissertação do Mestrado

A VIVÊNCIA DO AUTOCONHECIMENTO NO PROCESSO EDUCATIVO DOS ADOLECENTES NA ONG CIPÓ Mestranda – Georgina Kruschewsky Orientadora – Dra. Maribel Barreto

Salvador-Bahia-Brasil Salvador-Bahia-Brasil

2007 2007

Qual o sentido da minha vida? O que quero para mim? Qual o meu propósito?

EDUCAÇÃO ESCOLARCONTEMPORÂNEA
PAPEL DA ESCOLA

Perpetuação de conhecimento Desenvolvimento intelectual

Educando
como expectador

EDUCAÇÃO INTEGRAL Valoriza os sentimentos Maior consciência Educando aprende na totalidade .

PROBLEMA Qual o papel do autoconhecimento na formação do adolescente e quais seus impactos do mesmo? no desenvolvimento .

OBJETIVO Investigarmos se a vivência do autoconhecimento no processo educacional dos adolescentes em uma organização não – governamental favoreceria a educação integral. .

OBJETIVOS ESPECÍFICOS a)Examinarmos como ocorre o processo de desenvolvimento dos adolescentes. c)Gerarmos contribuições para pesquisadores na aquisição de conhecimentos acadêmicos. b)Verificarmos se o processo ensinoaprendizagem tem possibilitado o seu autoconhecimento. sociais e profissionais. oficinas de . d)Implementarmos sensibilização.

Capítulo 1 A educação e seu papel na formação biopsicosocial dos adolescentes .

] . incompleta.. para o empobrecimento do espírito dos estudantes..(THUMS. significativamente. está contribuindo. mas nos esquecemos do afetivo. 91). [. nós passamos a ter um ser humano com formação parcial.Capítulo 1 A escola está longe de seus objetivos.] Em outros termos. se tivermos uma educação que privilegia somente uma área do ser humano em detrimento de outra. pelo contrário.. p. [. Não está formando ninguém. Estamos enfatizando o cognitivo.. . 1999.

Capítulo 1 EDUCAÇÃO:  Delors(2002)  Hannas e Pereira(2000)  Rohden(1996)  Barreto(2005)  Gurdjieff(1973)  Alves(2003)  Thums(1999) .

Capítulo 1 Adolescentes:  Aberastury e Knobel (1981)  Zagury(2000)  Becker(1994)  Boruchovitch e Bzuneck (2004) .

Capítulo 2 Processo Hoffman da Quadrinidade: uma prática de reeducação emocional para adolescentes .

Capítulo 2 Quanto maior for o nosso grau de autoconsciência. 79): . maior será a possibilidade de conhecermo-nos melhor e podermos influenciar nossas ações. SANTOS (2000. de modo que elas sejam benéficas a nós e aos nossos parceiros sociais. p. Com maior autoconhecimento teremos melhores condições para controlar nossas emoções.

Capítulo 2 Autores:  Soares(1998)  Martinelli(1998) Soares(1998). Martinelli(1998)  Hoffman(1998) e Hoffman(1998) .

realidade Martinelli(1998) e Hoffman(1998 ) Local: Ong Cipó .Capítulo 3 Caminho metodológico METODOLOGIA: Pesquisa – ação Fase exploratória: conhecimento da Soares(1998).

Martinelli(1998) e Hoffman(1998) .Capítulo 4 Vivência do Autoconhecimento Processo da pesquisa-ação: Oficinas de sensibilização Soares(1998).

] Não adianta o jovem saber a técnica. se ele não consegue se identificar. .. Então o departamento pessoal e social dá o suporte para que possa estar refletindo por si mesmo sobre seu papel na sociedade. seus defeitos.[. na família e perante ele mesmo.. perceber suas potencialidades. se ele não consegue vislumbrar o que essa técnica está servindo para a vida dele.

seus pensamentos e tentar se melhorar. A pessoa conhecer a sua fisionomia. saber como os outros o enxergam (Entrevistada G-15 anos). não sentir mais raiva como antes. . (Entrevistada F-16 anos).Conhecer a si mesmo. saber como é você interna e externamente.

As oficinas me ajudaram muito. Ajudou-me a conseguir sentar e conversar com minha irmã (Entrevistada L-15 anos). a não julgar sem sentido de consciência (Entrevistada D -16 anos).Me descobri e me ajudou com minha família e meu namorado na convivência (Entrevistada J-16 anos). . Aprendi a olhar mais as pessoas.

algo que eu não conseguia apreciar em mim (Entrevistado M-15 anos). o que ela deseja. Que eu sou muito mais do que eu pensava ser. em termos de qualidade.As oficinas me ajudaram a perceber que existem grandes necessidades em mim que é de ouvir mais a voz que existe dentro de mim. . o que ela precisa (Entrevistado X-16 anos). .

 Maior expressividade no grupo.  Deixaram de culpar os outros e passaram a se comprometer com suas transformações.CONSIDERAÇÕES FINAIS  Ampliação da percepção sobre si mesmo e das pessoas ao seu redor. .

Soares(1998). relações .CONSIDERAÇÕES FINAIS 1)Biologicamente: possibilitou melhor sensação de conforto físico. Martinelli(1998) 3)Socialmente: melhoraram as )suas e Hoffman(1998 afetivas e sociais. 2)Psicologicamente: relataram que se perceberam e se aceitaram melhor.

pensamentos e . ações.  Tratar da educação integral exige um esforço em equilibrar sentimentos.CONSIDERAÇÕES FINAIS  Confirmamos a necessidade de uma educação integral. tendo o autoconhecimento como uma prática para tal intento.

 Sugerimos que o currículo do ensino superior possua a disciplina autoconhecimento . atividades e conteúdos baseados na perspectiva do autoconhecimento.RECOMENDAÇÕES Matriz curricular do ensino médio.

. Vander Lee .. gestos sejam pensamentos da voz que move nossos corações.Que palavras sejam gestos.

2004. São Paulo: Brasiliense. Elaine de. A. . Margarida. BALLEIRO. ALVES. 2005. 2001. Daniel. Mauricio. Aprendendo a ser e a conviver. Brasília: Iber. BZUNECK. BECKER. Teosófica. Projeto de Pesquisa: propostas metodológicas. LEHFELD. Petrópolis: Vozes. Inteligência emocional: As três faces da mente. BORUCHOVITCH. O que é adolescência. Petrópolis. Aura Sofia. 2003. A pesquisa-Ação. Leonardo. 2002. Porto Alegre: Artes Médicas. 1981. BARROS. SERRÃO. DIAZ. 1999. P. Rubem. KNOBEL. A arte de cuidar: Ética do humano – compaixão pela terra. BARBIER. 1998. O papel da consciência em face dos desafios atuais da educação. J. BARRETO. 1994. BEAUPORT. Adolescência Normal. J. SP: Verus. Salvador: Sathyarte. Maria Clarice. Rj: Vozes. Evely.. René. Aloyseo. 1996. Conversas sobre educação. São Paulo: Vozes. Arminda. Maribel O. Campinas. Petrópolis: Vozes. 2004 BOFF. Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola.REFERÊNCIAS ABERASTURY. N. São Paulo: Ftd.

Vera Silva Raad. 1994. Maria Luiza Pontes. BUSSAB. BRASIL. 1991. CAMPOS.. MOREIRA. Corpo e mente na educação: uma saída de emergência.gov. Mércia. Silvia Helena. Adolescência e psicologia: concepções. 2000. Monalisa Nascimento Barros. Emma. CONTINI. São Paulo: Moderna. Antonio Carlos Gomes.mec. 2002. 13 ed. Porto: Editora. 1999.REFERÊNCIAS BOGDAN. CELANO. SANTOS. Salvador: Fundação Odebrecht. Petrópolis. KOLLER. São Paulo: Summus. Protagonismo juvenil: Adolescência. Maria de Lourdes. Ministério da Educação e Cultura. Psicologia da Educação. OTTA. educação e participação democrática.. Dinah M. Sari. CARDOSO.2006. 2 ed. . Acessado em: 23. Maria Tereza da Cunha. Brasília: Conselho Federal de Psicologia. práticas e reflexões críticas.br. Minas Gerais: Lê. Disponível em: www. Jeffery. 1998. Educação para a nova era: uma visão contemporânea para pais e professores. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Vai encarar? Lidando com a agressividade. 1999. DA COSTA. Sandra. de Souza. COUTINHO. Petropólis: Vozes. Psicologia adolescência: normalidade e psicopatologia. 2000. Robert. SIKLEN.jul.

ed. Construindo a relação de ajuda. G. Antonio Carlos. Clara. 2001.REFERÊNCIAS DELORS.com.. São Paulo: Atlas. São Paulo: Petrópolis. FELDMAN.2006. 1987. Disponível em: www. Acessado em: 25. Belo Horizonte: 2. 4. O desvendar do amor: Processo Hoffman da Quadrinidade. DISKIN. Barbel. v. SANTO. 1998. ERIKSON. HANNAS. Viktor. Gurdjieff fala a seus alunos. FRANKL. São Paulo: Gente. 2002. ed. Jean. Ruy Cezar do Espírito. Lia. HOFFMAN. INHELDER. 1973. MIRANDA. Maria Lucia. GIL. Da lógica da criança à lógica do adolescente. MIGLIORI. 6 ed. Jacques.set. 1976. São Paulo: Cultrix. 1991. Erik H.institutohoffman. Marcia Lúcia. Ética: Valores Humanos e Transformação. 2000. Como elaborar projetos de pesquisa. INSTITUTO HOFFMAN. São Paulo: Livraria Pioneira. Identidade. Belo Horizonte: Crescer. PIAGET. Bob. MARTINELLI.br. Educação um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a educação para o século XXI. GURDJIEFF. Regina de Fátima. Rio de janeiro: Guanabara. Em busca de sentido. 1991. São Paulo: Pensamento. Ieda. PEREIRA. I. São Paulo: Cortez.1. 2001. Educação com consciência: fundamentos para uma nova abordagem pedagógica. Marilu. . juventude e crise. Petrópolis: Vozes.

MARTINELLI. LUCKESI. A primeira e última liberdade. Ângela Maria. ______. Conversando sobre educação em valores humanos. Rio de Janeiro: Sextante.scielo. São Paulo: Petrópolis. Lia. Ruy Cezar do Espírito. FELDMAN. SANTO.REFERÊNCIAS KRISHNAMURTI. David. Regina de Fátima. 1999.2006. n. 2001. . 2001. MATURANA. 2002. Disponível em: www. São Paulo: Cortez. Disponível em: www. A essencial arte de parar. Márcia Lúcia. KUNDTZ. ______. 1999. Belo Horizonte: Crescer. São Paulo: Petrópolis. In: Caderno de Pesquisa. Dr. jul. 1998 MARTINS. MARTINELLI. edição. São Paulo: Cultrix. Ensaios de inovação no ensino médio. MITRULIS. DISKIN. Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio: avaliação de documento. Clara.2006. . ed. Acessado em 25. Petrópolis: Editora. Humberto. Regina de Fátima. 1994. MIGLIORI. Ética: Valores Humanos e Transformação. 1998 MIRANDA. Ética: Valores Humanos e Transformação. Ruy Cezar do Espírito. Cadernos de Pesquisa. 2001. MIGLIORI. Lia. julho 2002. Construindo a relação de ajuda. Sima Nisis. 2.São Paulo.nov. São Paulo: Cultrix.br. Jiddu. DISKIN. Acessado em: 26. Filosofia da educação. n. Carlos Cipriano. Formação Humana e Capacitação. 116. 2. Marilu. 1991.109. São Paulo: Petrópolis.br.scielo. Marilu. A educação e o significado da vida. REZEPKA. SANTO. Eleny.nov.

SANTOS. Vera Silva Raad.E. Desenvolvimento Infantil. J. 1998.C. Chilton. Emma.C. OLDS. 2000..I. .N. Minas Gerais: Lê. Fernando P. Maria Tereza da Cunha. 2001. Ser Humano. Salvador: O. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Psicologia da Educação. Metodologia Científica.T. D. O fim da evolução: reivindicando a nossa inteligência em todo o seu potencial. Dione. Dione. 1999. São Paulo: Cortez. PAPALIA. Desenvolvimento humano. Nora. BUSSAB.N. São Paulo: Futura.D. NOVELLO. Vai encarar? Lidando com a agressividade. 1992. NEWCOMBE. Mércia. J. Porto Alegre: Artmed. Sally Weendkos. Desenvolvimento humano. Sally Weendkos. Edgar. OTTA. 1998. O. MORIN.E.REFERÊNCIAS MOREIRA. Porto Alegre: Artmed.E. A. COUTINHO. Porto Alegre: Artmed. São Paulo: Cultrix. 1999.D. Psicologia da adolescência: o despertar para a vida. 2003. São Paulo: Edições Paulinas. 1990. OLDS. PEARCE.T.E.I. PARRA FILHO. São Paulo: Moderna. PAPALIA.