You are on page 1of 41

Seria muito difícil conceituar essa palavra para que ela se adequasse em todas as épocas e lugares. Porém Aristóteles conseguiu com uma simples frase uma eterna definição:

“Justiça é a constante e firme vontade de dar a cada um o que é seu”

Gilcenio

  

Existe diferença? Existe relatividade em ambas as palavras? Em qual o Direito esta diretamente relacionada? Qual influencia da moral da religião e da cultura em ambas as palavras?

Visão feminina:Esta é a palavra que as mulheres usam

para encerrar uma discussão quando elas estão certas e você precisa se calar.

Pela ética (moral):Nesta, o que está certo depende das
circunstâncias e não de uma qualquer lei geral.

Visão Religiosa:O certo é exatamente aquilo o qual nos
disseram que era certo, aquilo que vimos como dogmas religiosos sejam quais forem, afinal, não se pode questionar Deus se é errado é pelo simples fato de não estar certo.

.

Derivado do Direito Natural. A justiça é: Objetiva Universal Imutável Defensor: Santo Agostinho Luís Fernando .       Corrente evolucionista.

Provém das relações sociais. Blaise Pascal  . A justiça é: Subjetiva Não universal Mutável Defensores: Hans Kelsen.      Corrente positivista.

Um meridiano decide da verdade.. em pouco anos de posse. “. Três graus de elevação no pólo derrubam a jurisprudência.  .quase nada se vê de justo ou de injusto que não mude de qualidade mudando de clima. uma utopia. as leis fundamentais mudam.. A justiça absoluta é “um belo sonho da humanidade” (KELSEN). o Direito tem suas épocas” (PASCAL).

Desaparecimento da legitimidade do Direito. Utilização da simples legalidade. .   O justo é aquilo que o legislador dispõe.

• •De acordo com os princípios do Direito Natural.O Direito positivo deve ser entendido como um instrumento capaz de proporcionar o devido equilíbrio nas relações sociais. Aline .

Eticismo: Justiça apresenta valor quando se refere ao fato social. Positivismo: não atribui importância a Justiça. por intermédio de normas jurídicas  .

Critérios Formais Critérios Materiais Igualdade Mérito Capacidade Proporcionalidade Necessidade .

segundo o qual todos são iguais perante a lei. O Direito é uma proporção real e pessoal de homem pra homem.” Rui Barbosa  . é que se acha a verdadeira lei da igualdade... “ A regra da igualdade não consiste senão em aquinhoar desigualmente aos desiguais. Nesta desigualdade social proporcionada à desigualdade natural. No Direito a igualdade está consagrada pelo princípio da isonomia. na medida em que se desigualam.

O Direito é uma proporção real e pessoal de homem pra homem. é que se acha a verdadeira lei da igualdade. “ A regra da igualdade não consiste senão em aquinhoar desigualmente aos desiguais. na medida em que se desigualam. No Direito a igualdade está consagrada pelo princípio da isonomia. segundo o qual todos são iguais perante a lei.” Rui Barbosa  . Nesta desigualdade social proporcionada à desigualdade natural...

.  Capacidade: trabalho produzido pelo homem. Mérito e Demérito: valor individual.  Necessidade: justiça social.

 Desenvolve duas vertentes: a justiça geral e a justiça particular Luís Fernando .

A justiça é uma virtude da pessoa. Baseia-se no Princípio da Isonomia ou da Igualdade .   Proposta inicialmente por Platão e desenvolvida por Aristóteles.

 Subdivide-se em duas correntes: na distributiva e na corretiva . Baseia-se nos Princípios da Isonomia e da Proporcionalidade.

suas capacidades e suas necessidades.   A justiça está no mérito ou na particularidade de cada um. Utiliza-se do Princípio da Proporcionalidade Dar a cada um o que é seu segundo seus méritos. .

não de acordo com essa espécie de proporção.   . A justiça se encontra nas transações voluntárias (relações recíprocas ou contratos) e nas involuntárias (delitos). Baseia-se no Princípio da Igualdade ou da Proporção aritmética. “Mas a justiça nas transações entre um homem e outro é efetivamente uma espécie de igualdade e a injustiça uma espécie de desigualdade. mas de acordo com uma proporção aritmética” (Aristóteles). todavia.

 Segundo Del Vecchio. a justiça corretiva se divide ainda em: comutativa e judiciária. .

  É aplicada às relações de troca. . Igualdade entre as duas partes.

.  Desenvolvida pelos juízes. Correção dos desequilíbrios e das violações dos deveres.

que é um ato de violação da ordem jurídica. às vezes se encontra a verdadeira justiça. Convencional “Não é legalidade que confere justiça a uma relação social. Na arbitrariedade. que morais.” Substancial “É a justiça verdadeira.” promove efetivamente os valores Érica .

A hipótese contrária caracteriza a injustiça.” .“ Quando coincide o justo convencional com o substancial. a sociedade acha-se sob o império de uma ordem jurídica legítima.

mas se caracteriza pela condição dos beneficiados e pelas necessidades que visa a entender. que não constitui uma espécie distinta das anteriores. Há uma necessidade de implementar a chamada justiça social. e a esta divisão. Ivana . Santo Tomás acrescentou a justiça geral.Classificação da Justiça A classificação atual da Justiça decorre ainda da distinção aristotélica entre justiça distributiva e corretiva.

. Justiça Distributiva: apresenta o Estado como agente. Orienta-se de acordo com a igualdade proporcional. o Estado desenvolve a Justiça Distributiva. prestar assistência médico-hospitalar.. a quem compete a repartição dos bens e dos encargos aos membros da sociedade. efetuar doação à entidade cultural ou beneficente. aplicada aos diferentes graus de necessidade. Ex: Ao ministrar ensino gratuito.

em que o comprador paga o preço equivalente ao objeto recebido. para que haja correspondência da parte que dá e a que recebe.. Justiça Comutativa: preside às relações de troca entre os particulares. . Critério da igualdade quantitativa. Ex: Manifesta-se principalmente nos contratos de compra e venda. Seu âmbito é o Direito Privado.

pela qual se exigia igualdade de valor das coisas que são objetos de contrato.  .” Crítica a concepção de que a justiça comutativa consistia em uma proporção aritmética. Hobbes afirmou que “o valor de todas as coisas contratadas é medido pelo apetite dos contratantes. por tanto o valor justo é o que eles acham conveniente oferecer.

. o ato de definir o que é justo. é recompensador apenas pela graça. “O mérito não é devido por justiça.Hobbes também negou que a justiça distributiva fosse uma proporção geométrica que repartisse benefícios iguais a pessoa de mérito igual. A justiça distributiva é a justiça de um árbitro. isto é..” .

Os indivíduos colaboram na medida de suas possibilidades. pois vem expressa em lei... Justiça Geral: consiste na contribuição dos membros da comunidade para o bem comum. É chamada legal. prestando serviços militar. . Ex: Indivíduo pagando impostos..

atendendo a que eles estão. Justiça Social: consiste na proteção aos mais pobres e desamparados. com medidas prontas e eficazes. mediante a adoção de critérios que favorecem uma repartição mais equilibrada das riquezas. pela maior parte. na Encíclica Rerum Novarum: “Estamos persuadidos. A justiça social observa os princípios da igualdade proporcional e considera a necessidade de uns e a capacidade de contribuição de outros.. Leão XIII. de que é necessário. numa situação de infortúnio e de miséria imerecida. vir em auxílio dos homens das classes inferiores. e todos concordam nisto.” .

Além disso.João Paulo II. a desenvolver a suas aptidões. para melhor valorizar as suas capacidades e recursos. a entrar no círculo de relações . é necessário que esses homens carentes sejam ajudados a adquirir conhecimentos. na Carta Encíclica Centesimus Annus: “É estrito dever de justiça e verdade impedir que as necessidades humanas fundamentais permaneçam insatisfeitas e que pereçam os homens por eles oprimidos.” .

 A noção de bem comum já estar compreendida no conceito de Justiça. Gilcênio . já que a Justiça é um bem coletivo importante para toda uma ordem de relações sociais.

.

(Aristóteles)  Equidade é a justiça do caso particular. “Uma correção da lei quando ela é deficiente em razão da sua universalidade”.  Equidade é a justiça do caso concreto. Érica .

capacidade ou necessidade” Thulio . “Lei injusta é a que nega ao homem o que lhe é devido . por seu mérito. ou que lhe confere o indevido. quer pela simples condição de pessoa humana.

deixando de lado a vontade do povo e os princípios basilares do Direito natural. contrariando todos os preceitos jurídicos. Alicerçados pelo preceito da vontade divina. Os monarcas apoiados pela Igreja formulavam Leis ao seu bel-prazer. .

má-fé) As casuais (Imperícia do legislador) As eventuais (“menos erradas” pode se tornar injusta em casos particulares) .    Leis injustas por: Destinação (Já nascem erradas.

 Visão positivista: “È melhor uma lei injusta do que nenhuma lei”(consideram válidas as leis injustas) Visão jus naturalista: Negam a validade das leis injustas (A lei como súdita e não como suserana)   Visão de São Tomás de Aquino: Considera todas as leis injustas. mas admiti-as desde que o mal provocado não chegue a ser insuportável .

FIM. .