You are on page 1of 43

Profa. Dra.

Rejane Bezerra

1

Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto  Seção I - Da Educação  Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

2

Seção IV - LDB  Do Ensino Médio Art. 35º. O ensino médio, etapa final da educação básica, com duração mínima de três anos, terá como finalidades: II - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores; § 2º. O ensino médio, atendida a formação geral do educando, poderá prepará-lo para o exercício de profissões técnicas. § 3º. Os cursos do ensino médio terão equivalência legal e habilitarão ao prosseguimento de estudos. § 4º. A preparação geral para o trabalho e, facultativamente, a habilitação profissional, poderão ser desenvolvidas nos próprios estabelecimentos de ensino médio ou em cooperação com instituições especializadas em educação profissional.

3

 

Da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Art. 36-A. Sem prejuízo do disposto na Seção IV deste Capítulo, o ensino médio, atendida a formação geral do educando, poderá prepará-lo para o exercício de profissões técnicas. Parágrafo único. A preparação geral para o trabalho e, facultativamente, a habilitação profissional poderão ser desenvolvidas nos próprios estabelecimentos de ensino médio ou em cooperação com instituições especializadas em educação profissional.
4

       Art. III .as exigências de cada instituição de ensino. 36-B.subsequente.articulada com o ensino médio.as normas complementares dos respectivos sistemas de ensino. em cursos destinados a quem já tenha concluído o ensino médio. Parágrafo único. A educação profissional técnica de nível médio deverá observar: I .os objetivos e definições contidos nas diretrizes curriculares nacionais estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação. II . II . nos termos de seu projeto pedagógico. 5 . A educação profissional técnica de nível médio será desenvolvida nas seguintes formas: I .

c) em instituições de ensino distintas. efetuando-se matrículas distintas para cada curso. A educação profissional técnica de nível médio articulada. 36-B desta Lei.concomitante. aproveitando-se as oportunidades educacionais disponíveis. e podendo ocorrer: a) na mesma instituição de ensino.integrada. na mesma instituição de ensino. II .      Art. será desenvolvida de forma: I . mediante convênios de intercomplementaridade. efetuando-se matrícula única para cada aluno. prevista no inciso I do caput do art. sendo o curso planejado de modo a conduzir o aluno à habilitação profissional técnica de nível médio. b) em instituições de ensino distintas. visando ao planejamento e ao desenvolvimento de projeto pedagógico unificado. oferecida a quem ingresse no ensino médio ou já o esteja cursando. 36-C. 6 . oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino fundamental. aproveitando-se as oportunidades educacionais disponíveis.

da ciência e da tecnologia. § 1o Os cursos de educação profissional e tecnológica poderão ser organizados por eixos tecnológicos. 39. A educação profissional e tecnológica. no cumprimento dos objetivos da educação nacional.  CAPÍTULO III “Da Educação Profissional e Tecnológica”. possibilitando a construção de diferentes itinerários formativos. (Brasília. 16 de julho de 2008) Art. integra-se aos diferentes níveis e modalidades de educação e às dimensões do trabalho. 7   . observadas as normas do respectivo sistema e nível de ensino.

8 . características e duração.     § 2o A educação profissional e tecnológica abrangerá os seguintes cursos: I – de formação inicial e continuada ou qualificação profissional. II – de educação profissional técnica de nível médio. III – de educação profissional tecnológica de graduação e pós-graduação. de acordo com as diretrizes curriculares nacionais estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação. no que concerne a objetivos. § 3o Os cursos de educação profissional tecnológica de graduação e pós-graduação organizar-se-ão.

oferecerão cursos especiais. além dos seus cursos regulares. abertos à comunidade. reconhecimento e certificação para prosseguimento ou conclusão de estudos. 42. Art. 41. 9 . O conhecimento adquirido na educação profissional e tecnológica.Art. inclusive no trabalho. poderá ser objeto de avaliação. 40º. Art. condicionada a matrícula à capacidade de aproveitamento e não necessariamente ao nível de escolaridade. A educação profissional será desenvolvida em articulação com o ensino regular ou por diferentes estratégias de educação continuada. em instituições especializadas ou no ambiente de trabalho. As instituições de educação profissional e tecnológica.

36 e os arts. 10 . capacitando jovens e adultos com conhecimentos e habilidades gerais e específicas para o exercício de atividades produtivas. reprofissionalizar e atualizar jovens e adultos trabalhadores. visando a sua inserção e melhor desempenho no exercício do trabalho.promover a transição entre a escola e o mundo do trabalho. com qualquer nível de escolaridade. 39 a 42 da Lei Federal nº 9. com escolaridade correspondente aos níveis médio. Art. aptos a exercerem atividades específicas no trabalho. que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. aperfeiçoar e atualizar o trabalho em seus conhecimentos tecnológicos.A Educação profissional tem por objetivos:  I .Regulamenta o § 2º do art. 1º .especializar.qualificar.proporcionar a formação de profissionais.394/96.  IV .  III . superior e de pós-graduação.  II .

podendo ser realizada em escolas do ensino regular.técnico: destinado a proporcionar habilitação profissional a alunos matriculados ou egressos do ensino médio. devendo ser ministrado na forma estabelecida por este Decreto.A educação profissional será desenvolvida em articulação com o ensino regular ou em modalidades que contemplem estratégias de educação continuada. 11 .tecnológico: correspondente a cursos de nível superior na área tecnológica. independente de escolaridade prévia. 2º .A educação profissional compreende os seguintes níveis: I básico: destinado à qualificação e reprofissionalização de trabalhadores. Art. III . em instituições especializadas ou nos ambientes de trabalho. 3º . destinados a egressos do ensino médio e técnico. II .     Art.

12 . Art. podendo ser oferecida de forma concomitante ou sequencial a este. 5º .A educação profissional de nível técnico terá organização curricular própria e independente do ensino médio.

a certificado de qualificação profissional. estes poderão ter caráter de terminalidade para efeito de qualificação profissional. dando direito. que poderão ser agrupadas sob a forma de módulos.Os currículos do ensino técnico serão estruturados em disciplinas. estes poderão ser cursados em diferentes instituições credenciadas pelos sistemas federal e estaduais. neste caso. na habilitação profissional correspondente aos módulos cursados. para obtenção de habilitação. § 4º . 13 .Poderá haver aproveitamento de estudos de disciplinas ou módulos cursados em habilitação específica para obtenção de habilitação diversa.No caso de o currículo estar organizado em módulos.     Art. desde que o interessado apresente o certificado de conclusão do ensino médio. desde que o prazo entre a conclusão do primeiro e do último módulo não exceda cinco anos.O estabelecimento de ensino que conferiu o último certificado de qualificação profissional expedirá o diploma de técnico de nível médio.Nos currículos organizados em módulos. § 1º . § 3º . § 2º . 8º .

observadas as diretrizes curriculares nacionais definidas pelo Conselho Nacional de Educação. Art. e dá outras providências. prevista no art. 36 e os arts.educação profissional técnica de nível médio. 1o A educação profissional.educação profissional tecnológica de graduação e de pós-graduação. II .394. de 20 de dezembro de 1996. e III .Regulamenta o § 2º do art. 39 da LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional).formação inicial e continuada de trabalhadores. que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.  14 . será desenvolvida por meio de cursos e programas de: I . 39 a 41 da Lei nº 9.

possibilitando o aproveitamento contínuo e articulado dos estudos. 15 . a especialização e a atualização. 3º Os cursos e programas de formação inicial e continuada de trabalhadores. § 1o Para fins do disposto no caput considera-se itinerário formativo o conjunto de etapas que compõem a organização da educação profissional em uma determinada área. incluídos a capacitação. objetivando o desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva e social. o aperfeiçoamento. Art. em todos os níveis de escolaridade. poderão ser ofertados segundo itinerários formativos. 1o. referidos no inciso I do art.

art.Art. 36. II . será desenvolvida de forma articulada com o ensino médio.394. 4o A educação profissional técnica de nível médio. e III . 41 da Lei no 9. nos termos de seu projeto pedagógico. 16 .as normas complementares dos respectivos sistemas de ensino. observados: I .os objetivos contidos nas diretrizes curriculares nacionais definidas pelo Conselho Nacional de Educação.as exigências de cada instituição de ensino. de 1996. nos termos dispostos no § 2o do art. 40 e parágrafo único do art.

III . na mesma instituição de ensino. visando o planejamento e o desenvolvimento de projetos pedagógicos unificados. na qual a complementaridade entre a educação profissional técnica de nível médio e o ensino médio pressupõe a existência de matrículas distintas para cada curso. aproveitando-se as oportunidades educacionais disponíveis. II . oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino fundamental ou esteja cursando o ensino médio. sendo o curso planejado de modo a conduzir o aluno à habilitação profissional técnica de nível médio. mediante convênios de intercomplementaridade. oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino médio.§ 1o A articulação entre a educação profissional técnica de nível médio e o ensino médio dar-se-á de forma: I . aproveitando-se as oportunidades educacionais disponíveis. ou c) em instituições de ensino distintas. oferecida somente a quem já tenha concluído o ensino fundamental.concomitante.  17 .integrada. b) em instituições de ensino distintas. contando com matrícula única para cada aluno.subsequente. podendo ocorrer: a) na mesma instituição de ensino.

Para a obtenção do diploma de técnico de nível médio. o aluno deverá concluir seus estudos de educação profissional técnica de nível médio e de ensino médio. 18 .Art. 7o Os cursos de educação profissional técnica de nível médio e os cursos de educação profissional tecnológica de graduação conduzem à diplomação após sua conclusão com aproveitamento. Parágrafo único.

154/2004. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais definidas pelo Conselho Nacional de Educação para o Ensino Médio e para a Educação Profissional Técnica de nível médio às disposições do Decreto nº 5. 19 .

integrada. no mesmo estabelecimento de ensino. 1º Será incluído § 3º. no artigo 12 da Resolução CNE/CEB 3/98. e III.” 20 . concomitante. com a seguinte redação: “§ 3º A articulação entre a Educação Profissional  Técnica de nível médio e o Ensino Médio se dará das seguintes formas: I. no mesmo estabelecimento de ensino ou em instituições de ensino distintas. ou mediante convênio de intercomplementaridade. aproveitando as oportunidades educacionais disponíveis. subseqüente.Art. oferecida somente a quem já tenha concluído o Ensino Médio. contando com matrícula única para cada aluno. II.

21 . decorrente da execução de curso de técnico de nível médio realizado nas formas integrada. concomitante ou subsequente ao Ensino Médio. Art. 2º O Artigo 13 da Resolução CNE/CEB 3/98 passa a ter a seguinte redação:  Artigo 13 Os estudos concluídos no Ensino Médio serão considerados como básicos para a obtenção de uma habilitação profissional técnica de nível médio.

III. 22 . “Educação Profissional de nível técnico” passa a denominar-se “Educação Profissional Técnica de nível médio”. “Educação Profissional de nível básico” passa a denominar-se “formação inicial e continuada de trabalhadores”. 3º A nomenclatura dos cursos e programas de Educação Profissional passará a ser atualizada nos seguintes termos: I. de graduação e de pós-graduação”. II.    Art. “Educação Profissional de nível tecnológico” passa a denominar-se “Educação Profissional Tecnológica.

mas com projetos pedagógicos unificados. 4º Os novos cursos de Educação Profissional Técnica de nível médio oferecidos na forma integrada com o Ensino Médio. deverão ter seus planos de curso técnico de nível médio e projetos pedagógicos específicos contemplando essa situação. na mesma instituição de ensino. mediante convênio de intercomplementaridade. em instituições de ensino distintas. submetidos à devida aprovação dos órgãos próprios do respectivo sistema de ensino. ou na forma concomitante com o Ensino Médio. 23 . Art.

segundo a correspondente área profissional.000 horas e 3. terão suas cargas horárias totais ampliadas para um mínimo de 3. 1. de 3. 6º Os cursos de Educação Profissional Técnica de nível médio realizados nas formas concomitante ou subsequente ao Ensino Médio deverão considerar a carga horária total do Ensino Médio.000 horas para as habilitações profissionais que exigem mínimo de 800 horas.200 horas para aquelas que exigem mínimo de 1. nas modalidades regular ou de Educação de Jovens e Adultos e praticar a carga horária mínima exigida pela respectiva habilitação profissional.200 horas. Art.100 horas para aquelas que exigem mínimo de 1. 24 .  Art.000 ou 1. 5º Os cursos de Educação Profissional Técnica de nível médio realizados de forma integrada com o Ensino Médio. da ordem de 800.200 horas.

5. Produção Industrial. Ambiente. Infraestrutura. Recursos Naturais. 4. Controle e Processos Industriais. 10. Informação e Comunicação. Hospitalidade e Lazer. Produção Alimentícia. a SETEC propõe os seguintes Eixos Tecnológicos para organizar a oferta de Cursos Superiores de Tecnologia.            Eixos Tecnológicos Referenciada nos critérios estabelecidos. em substituição à tipologia das Áreas Profissionais até então adotada: 1. 6. 2. Gestão e Negócios. conforme matriz classificatória apresentada. 9. 8. 7. 25 . Produção Cultural e Design. 3. Saúde e Segurança.

  Art. § 1o O estágio faz parte do projeto pedagógico do curso. além de integrar o itinerário formativo do educando. na modalidade profissional da educação de jovens e adultos. desenvolvido no ambiente de trabalho. 1o Estágio é ato educativo escolar supervisionado. que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação superior. 26 . de educação profissional. da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental. de ensino médio.

Art. 2o O estágio poderá ser obrigatório ou nãoobrigatório.    § 2o O estágio visa ao aprendizado de competências próprias da atividade profissional e à contextualização curricular. 27 . § 2o Estágio não-obrigatório é aquele desenvolvido como atividade opcional. acrescida à carga horária regular e obrigatória. objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho. § 1o Estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso. conforme determinação das diretrizes curriculares da etapa. cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. modalidade e área de ensino e do projeto pedagógico do curso.

28 . 7o desta Lei e por menção de aprovação final. § 2o O descumprimento de qualquer dos incisos deste artigo ou de qualquer obrigação contida no termo de compromisso caracteriza vínculo de emprego do educando com a parte concedente do estágio para todos os fins da legislação trabalhista e previdenciária.  § 1o O estágio. como ato educativo escolar supervisionado. deverá ter acompanhamento efetivo pelo professor orientador da instituição de ensino e por supervisor da parte concedente. comprovado por vistos nos relatórios referidos no inciso IV do caput do art.

como responsável pelo acompanhamento e avaliação das atividades do estagiário. VII – comunicar à parte concedente do estágio. e com a parte concedente. V – zelar pelo cumprimento do termo de compromisso. no início do período letivo. III – indicar professor orientador. indicando as condições de adequação do estágio à proposta pedagógica do curso. à etapa e modalidade da formação escolar do estudante e ao horário e calendário escolar. em relação aos estágios de seus educandos: I – celebrar termo de compromisso com o educando ou com seu representante ou assistente legal. 29 .        Art. VI – elaborar normas complementares e instrumentos de avaliação dos estágios de seus educandos. quando ele for absoluta ou relativamente incapaz. IV – exigir do educando a apresentação periódica. em prazo não superior a 6 (seis) meses. 7o São obrigações das instituições de ensino. II – avaliar as instalações da parte concedente do estágio e sua adequação à formação cultural e profissional do educando. da área a ser desenvolvida no estágio. as datas de realização de avaliações escolares ou acadêmicas. reorientando o estagiário para outro local em caso de descumprimento de suas normas. de relatório das atividades.

O plano de atividades do estagiário. Parágrafo único. elaborado em acordo das 3 (três) partes a que se refere o inciso II do caput do art. 30 . o desempenho do estudante. será incorporado ao termo de compromisso por meio de aditivos à medida que for avaliado. 3o desta Lei. progressivamente.

no caso de estudantes do ensino superior. devendo constar do termo de compromisso ser compatível com as atividades escolares e não ultrapassar: II – 6 (seis) horas diárias e 30 (trinta) horas semanais. A jornada de atividade em estágio será definida de comum acordo entre a instituição de ensino. a parte concedente e o aluno estagiário ou seu representante legal. 31 . da educação profissional de nível médio e do ensino médio regular. 10.  Art.

II – de 6 (seis) a 10 (dez) empregados: até 2 (dois) estagiários. 17. 32 . O número máximo de estagiários em relação ao quadro de pessoal das entidades concedentes de estágio deverá atender às seguintes proporções: I – de 1 (um) a 5 (cinco) empregados: 1 (um) estagiário.     Art. III – de 11 (onze) a 25 (vinte e cinco) empregados: até 5 (cinco) estagiários. IV – acima de 25 (vinte e cinco) empregados: até 20% (vinte por cento) de estagiários.

que atribuímos à integração: Ele expressa uma concepção de formação humana. com base na integração de todas as dimensões da vida no processo educativo. 33 . de natureza filosófica. visando à formação omnilateral dos sujeitos. e a cultura. O trabalho compreendido como realização humana inerente ao ser (sentido ontológico) e como prática econômica (sentido histórico associado ao modo de produção). a ciência compreendida como os conhecimentos produzidos pela humanidade que possibilita o contraditório avanço das forças produtivas. a ciência e a cultura. que corresponde aos valores éticos e estéticos que orientam as normas de conduta de uma sociedade. Essas dimensões são o trabalho. Primeiro sentido do ensino médio integrado.

34 . seja nos processos educativos como a formação inicial.   que é integrar? Ciavatta (2005) remete o termo ao seu sentido de completude. de incorporar a dimensão intelectual ao trabalho produtivo. de compreensão das partes no seu todo ou da unidade no diverso. o que implica tratar a educação como uma totalidade social. tecnológico ou superior. o que se quer com a concepção de educação integrada é que a educação geral se torne parte inseparável da educação profissional em todos os campos onde se dá a preparação para o trabalho: seja nos processos produtivos. isto é. como o ensino técnico. nas múltiplas mediações históricas que concretizam os processos educativos. No caso da formação integrada ou do ensino médio integrado ao ensino técnico. de formar trabalhadores capazes de atuar como dirigentes e cidadãos. Significa que buscamos enfocar o trabalho como princípio educativo. no sentido de superar a dicotomia trabalho manual / trabalho intelectual.

síntese de múltiplas relações. 35 . O segundo pressuposto é que a realidade concreta é uma totalidade. Totalidade significa um todo estruturado e dialético. do qual ou no qual um fato ou conjunto de fatos pode ser racionalmente compreendido pela determinação das relações que os constituem (Kosik. 1978).

após a análise. O currículo integrado organiza o conhecimento e desenvolve o processo de ensino-aprendizagem de forma que os conceitos sejam apreendidos como sistema de relações de uma totalidade concreta que se pretende explicar/compreender. reconstituindo as relações que configuram a totalidade concreta da qual se originaram. elaborar a síntese que representa o concreto. de modo que o objeto a ser conhecido revele-se gradativamente em suas peculiaridades próprias. agora como uma reprodução do pensamento conduzido pelas determinações que o constituem. No trabalho pedagógico. 36 . o método de exposição deve restabelecer as relações dinâmicas e dialéticas entre os conceitos.   O processo de conhecimento implica.

nem é sinônimo de formar para o exercício do trabalho. tecnologia e cultura significa compreender o trabalho como princípio educativo. ainda. o que não significa “aprender fazendo”. o trabalho é a primeira mediação entre o homem e a realidade material e social. que nós somos sujeitos de nossa história e de nossa realidade. Em síntese. Compreender a relação indissociável entre trabalho. ciência. 37 . por isso. Considerar o trabalho como princípio educativo equivale dizer que o ser humano é produtor de sua realidade e. se apropria dela e pode transformá-la. Equivale dizer.

38 . com as suas conquistas e os seus revezes. sem nunca se esgotar a elas. e também habilitar as pessoas para o exercício autônomo e crítico de profissões. formar profissionalmente não é preparar exclusivamente para o exercício do trabalho. mas é proporcionar a compreensão das dinâmicas sócio-produtiva das sociedades modernas.

essa relação deve integrar em um mesmo currículo a formação plena do educando. possibilitando construções intelectuais elevadas. Nisso se assenta a integração entre ensino médio e educação profissional. 39 . gerar possibilidades de formações específicas. Do ponto de vista organizacional. garantindo-se uma base unitária de formação geral. a apropriação de conceitos necessários para a intervenção consciente na realidade e a compreensão do processo histórico de construção do conhecimento.

 é necessário potencializar o fortalecimento da relação entre o ensino e a pesquisa. buscar soluções e propor alternativas. rejeitar ideias fechadas. potencializadas pela investigação e pela responsabilidade ética assumida diante das questões políticas. interpretar. analisar. refletir. sociais. ao longo da vida. aprender. culturais e econômicas. o que inclui a conscientização e a autonomia diante do trabalho. entre outros aspectos. na perspectiva de contribuir com a edificação da autonomia intelectual dos sujeitos frente à (re)construção do conhecimento e outras práticas sociais. para o desenvolvimento das capacidades de. criticar. Isso significa contribuir. 40 .

mas esses teriam como base a compreensão global da realidade e não somente o recorte da área e da atividade profissional. como princípio organizador do currículo e como método de ensino-aprendizagem. Aparece como necessidade e. É certo que o exercício profissional de um sujeito como Técnico em Turismo exigiria dele conhecimentos e habilidades próprias dessa profissão. pois os conceitos de diversas disciplinas seriam relacionados à luz das questões concretas que se pretende compreender. posto que o respectivo aprofundamento científico será requerido sempre que a compreensão de um conceito exigir a relação com conceitos de um mesmo campo disciplinar. 41 . Daí advêm alguns conhecimentos específicos. portanto. Isso não compromete a identidade das diversas disciplinas.

42 . A premissa que orienta o projeto do ensino médio integrado a educação profissional é a de centralizar e aprofundar o caráter humanista do ato de educar. desconstruindo o parâmetro colonialista e dual que caracteriza a relação entre educação básica e profissional.  faz-se necessário uma ação mais concentrada na escola. buscando na prática social e pedagógica do professor os elementos e os mecanismos de superação do estado de coisas presente.

Muito Obrigada!!! FELIZ NATAL!!!! FELIZ ANO NOVO!!!!!! 43 .