SUBMETRALHADORAS

CADETE F.ALEXANDRE CADETE TÔRRES CADETE PAIVA NETO CADETE DAYSE CADETE R.SOUSA

INTRODUÇÃO 
Este seminário tratará de assuntos relativos as submetralhadoras normalmente empregados pelos elementos de Operações Especiais. As operações especiais de retomada e resgate de reféns normalmente exigem o domínio de técnicas especiais por parte dos elementos de operações especiais, utili adas em distintas fases de uma operaç!o dessa nature a, em particular para infiltraç!o e retirada por distintos métodos e durante as ações no ob"etivo

OB*ETI+OS 

Apresentar como foi o processo inicial de cria !o das s"#metral$adoras e s"a e%ol" !o& Apresentar as s"#metral$adoras& caracter'sticas das principais

Apresentar ferimentos ca"sados por Al("mas armas de fo(o)

ORI<EM E HIST=RIA  .istola:metral$adora .a "m cali#re "s"al de pistolas/ como o 1 mm e o )23 S45) 6 OUTRAS DENOMINAÇ7ES8 9 9 9 9 .odemos definir a s"#metral$adora como "ma arma semia"tom-tica o" a"tom-tica de taman$o red".ara#inas metral$adoras Mos0"etes a"tom-ticos o" metral$adores Metral$adora de m!o .ido/ 0"e "tili.

rimeira <"erra M"ndial) 6 A primeira s"#metral$adora/ a +illar .erosa : 0"e tin$a esse nome por ca"sa do local onde era fa#ricada e n!o por ca"sa do nome de se" in%entor/ 0"e se c$ama%a Bethel Abiel Ravelli : tin$a "ma apar?ncia estran$a/ com se"s dois canos e se"s dois carre(adores colocados por cima da c"latra .• D"rante as (randes ("erras m"ndiais/ $o"%e "m forte desen%ol%imento da ind>stria armamentista/ a s"#metral$adora foi "ma das armas 0"e sofreram tais m"dan as) A s"a ori(em remete a .

.:GD/ desen$ada por H"(o Schmeisser) .al 1 mm Glisenti Be0"i%alente ao )CD3 A.E : por incr'%el 0"e possa parecer : como arma antiaFrea)  A primeira s"#metral$adora alem! foi a M.  Ra%elli desen$o" esse @tram#ol$o@/ 0"e dispara%a m"ni Aes no .

: 23) .• .om a e%ol" !o da M.:GD na Fpoca da Se("nda <rande <"erra/ os alem!s tin$am a mel$or s"#metral$adora do m"ndo/ a M.

. • %riada para a polícia e n!o para o exército. sendo ela imortali ada pela figura do Al %apone.• Os E#A também desenvolveram a submachine gun $hompson. &evantando assim o grande interesse dos g'ngsteres da época.

• A In(laterra por s"a %e. necessita%a de "ma s"#metral$adora para a se("nda ("erra m"ndial/ importando inicialmente a T$ompson americana/ a T$ompson era cara e os in(leses n!o conse("iam import-:las na 0"antidade necess-ria) • A sol" !o foi criar "ma s"#metral$adora prHpria) .riando assim a machine-carbine sten. .

AÇÃO   As submetralhadoras podem ser classificadas em 1ª Geração. "oi #ustamente seu e$cesso de !ualidade !ue as condenou como armas militares. construídas com materiais de tima !ualidade. . coronha de madeira e acabamento primoroso. As submetralhadoras de 1ª Geração têm a característica de serem armas caras.. 3ª Geração e 4 ª Geração. 2ª Geração.LASSIII. #% !ue sua produção era lenta e dispendiosa dentro de uma economia abalada pelo esforço de &uerra.

HMEISSERE E STEN IN<LESA CK <ERAÇAO : UMI E BERETA MGJ OBS8.ARRE<ADOR .JK <ERAÇÃO : E.USTO BENEIL.IO :M.ONOMI.:23 BS.A :METAL E SOLDA<EM :.

OMUM .ARA.TERISTI.ISTOLAS METRALHADORASE :MINI UMI : H4P M.AS EM .ULATRA AIERROLHADA SEMELHANTE AS .ORTE DISSIMULADO :.Q MELHORES DA SUA .ATE<ORIA B.:QP :.LASSE CK E 2K <ERAÇAO :SUB. 2K <ERAÇÃO :SISTEMA .ISTOLAS :RA*ADA NOBURSTOO :H4P M.

U.ROIT G13G& : IAMAS E BEL<A IN IJ333& .ARO E .ARRE<ADOR ATRAS DO <ATILHO& : SE.  ME.SISTEMA BULL.ANISMO DE DIS. RR& : IN<LATERRA THORNES.

ROIT  .THORNES.

 .U.SISTEMA BULL.

D5  O 0"e F ..ersonal Defenser 5eaponT : S"r(imento do conceito : OTANBOr(ani.ON .a !o do AtlUntico NorteE : Miss!o8 Desen%ol%er "ma no%a cate(orias de armas /para tropa de se("ndo escal!o /0"e atendessem a al("ns critFrios .ERSONAL DEIENSE 5EA.

.orta#ilidade& : Mais .ar %estis anti:fra(menta !o e coletes #al'sticos) .RITVRIOS A SEREM ATENDIDOS  : Mais .recisa& : Mel$or Alcance& : Maior poder de in"tili.ompacta& : Mel$or .

.AIS SUBMETRALHADORAS  – – – – – – UMI& HP UM.I.W AG& IN .RIN.& HP M.Q/ M.Q N/ M.Q P/ M.Q SD& HP M.13& TAURUS MT:GJA/ SMT)23 .

UMI   Desen%ol%ida por U.iel <al  DFcada de 23  Ori(em8 Israelense BIsrael MilitarX ind"striesE  +anta(ens8 Simples Opera !o e .rod" !o EconYmica .

 .

III.E.AÇ7ES  .ES.

IAMLLIA UMI  .

OM.TO • V adotada em mais de 13 pa'ses por for as policiais e militares/ incl"indo Aleman$a/ BFl(ica/ EUA/ Israel) • Os modelos mais compactos BMicro UMI e .ol'cias do m"ndo/ incl"si%e o Ser%i o Secreto Israelense e o Ser%i o Secreto Americano .AS NOTZ+EIS DA UMI   G 9 .A.ARA.istol UMIE s!o empre(ados pelos principais efeti%os de OpEsp/ Se("ran a +I.TERLSTI. e ..ODER DE IO<O  J 9 TAMANHO .

0 $+./-E3E/-E/$E( #* -O O#$+O E *./.A-O+A *.-E/$A& .0#1. $E* $+2( -./.*. 8 $+.$.(3A+O A%.(3O(.1A* A 3O((.A-#+A -E (E5#+A/6A .(3O(.$./%O -E (E5#+A/6A 9 0 E*3#/.& .MINI UMI  A (#)*E$+A&.(3A+O.4O( -E (E5#+A/6A 7 0 (E&E$O+ -E -.-A-E -E #* -.4O( (<O ./%A -E (E5#+A/6A +E$+:$. .). E($E( -.&.

 .

  A UM.a !o de cart"c$os maiores 0"e a M. BUni%ersale Masc$inenpistole do alem!o [Uni%ersal S"#mac$ine("n\E F "ma s"#metral$adora desen%ol%ida man"fat"rada pela Hec]ler 4 Poc$&  Ela tem como caracter'stica principal a "tili.HP UM.Q/por e^emplo) .

 .

ES.AÇ7ES  %alibre7 1mm .arre(ador de JQ a C3 cart"c$os .III.ara#ell"m/ )2Q A.E./ )23 S45 3eso7 +aria de JG33 a JC33 ( %omprimento total7 +aria de 2_3 mm a _13mm %ad=ncia de tiro7 +aria de _33 a _Q3 Disparos por min"to Alcance efetivo7 de Q3 a G33 m B%aria conforme o cali#reE Alimentaç!o7 ..

a !o de pol'mero /frente ao a o : .  : .HP UM.oss"i a coron$a re#at'%el /afim de facilitar em a Aes especiais .orFm ao a"mentar o se" peso /tem se como conse0"?ncia "m a"mento no rec"o do con`"nto : Tem em s"a confec !o /de maneira #astante si(nificante /a "tili.

AROS  : Ra`ada controlada : A"tom-tica : A`"stes Se("ros .SELEÇÃO DE DIS.

onsidera Aes8 A Iam'lia de metral$adoras HP M.ara#ell"m/ mais "ma cate(oria da fam'lia com as S"#: metral$adoras de G3mmBe^istem tam#Fm as )23E& .:QE  G) J) .PLER E PO.IAMLLIA HE.H BHP M.ali#re 1mm .:Q F "tili. s"r(ir alFm do .ada pela (rande maioria dos <r"pos T-ticos de Elite do M"ndo& C) S"a efici?ncia fe.

Q  HP M.HP M.Q P HP M.Q N HP M.Q SD .

H BHP M.:QE  .HE.PLER E PO.

 .

 .

:Q  – Calibre 9mm – Carregador metálico.E. capacidade p/15 e 30 Mun. curvado. ou ra!ada de tr"s tiros – Cad"ncia de #iro: $00t/min – %elocidade inicial: 3&5 m/s ' ($5 m/s )* / +.lcance /til: 100m – 0eso sem Carregador: (1g )*3.III.21g )+. 3- .ES.– . – Funcionamento: semi automatica. automatica.AÇ7ES HP M.

A8. .5 M:4. #:08 %:+84 <:4..ARA.AS  – .6#?4. M.6 . 5 .5 089#.A8 #8#. .0.++.:45.>?+#@%56 5M .4:..6. #:08 089#8 C8M 048#5.TERLSTI.45678 .:45.#=4:8 . .>?+#@%56 5M .5 M:4. 5 .A8.: .6#?4.

HP M.W:AG  .

ES,E;III;AÇ7ES 
 ;ali#re82)_^C3mm  ,eso8G/Q ]( %a.io  ;omprimento Bcoron$a fec$ada a a#ertaE8 C23aQ23mm  ;omprimento do cano8GD3 mil'metros  Ta^a de fo(o81Q3 tiros por min"to  ;apacidade8 J3 o" 23 m"ni Aes  Alcance efeti%o8 GQ3:J33 metros

3ortabilidade> ?orças Especiais> (ubstituiç!o 0 # i

 .

3eso7 F. (istema de operaç!o7 (istema blo@bacA com o ferrolho fechado. $rilho picatinnK com opç!o de miras eletrJnicas e Lpticas.G Hg 8va io9 %omprimento $otal7 BC cm %omprimento do %ano7 II polegadas. Além de miras a laser e lanternas 4elocidade na )oca do %ano7 GBC mMseg. %apacidade7 BC tiros %alibre7 B. *iras7 *ira eletrJnica reflex. %ad=ncia de tiro7 NCC tirosM min .D E FG mm.:13  $ipo7 (ubmetralhadora.IN .

:13  .IN .

:13 F em pl-stico de alto impacto • Sistema de mira reflex .D5E) •  A IN preciso" desen%ol%er n!o sH "ma no%a arma como tam#Fm "m no%o cali#re8 Q/W R JD mm) • +elocidade inicial de DQ3mas com 0"eda acent"ada apHs C33 metros • Aca#amento da .A IN Herstal lan o" esta pe0"ena arma no mercado para proporcionar "ma arma de defesa pessoal B.

características esta Que lhe dá grande estabilidade no tiro automático. calibre N mm *$ IFA O$A#+#(P.MT GJA TAURUS   A (ubmetralhadora. R S uma arma compacta. grande parte do cano situa0 se no interior do ferrolho. . é uma arma automática Que funciona pela aç!o dos gases diretamente sobre o ferrolho sem nenhum sistema de trancamento mec'nico. pois.

 .

• %apacidade7 TC tiros  . • *iras7 *assa fixa> Alça regulável em F posições. VN cm 8coronha rebatida9. • %omprimento do %ano7 G polegadas 8FC cm9.• $ipo7 (ubmetralhadora. • %omprimento $otal7 UU cm 8Extendida9. • %ad=ncia de tiro7 BBC tirosM min. • 4elocidade na )oca do %ano7 VTC mMseg. • (istema de operaç!o7 )lo@bacA. • 3eso7 T Hg 8va io9. • %alibre7 N mm.

disparando até #"" tiros por minuto.SMT )23 TAURUS  R Vinda da submetralhadora Famae. porque o cano é mais longo. R Esta no a ersão da submetralhadora MT !" da Taurus é mais le e e precisa que a antecessora. . modelo chileno. O calibre é o mesmo das pistolas da PM tem mais precisão e alcance. a SMT é fabricada pela empresa brasileira Taurus.

ES.E.FDC Ag 0 %om carregador va io7 T.CDC Ag 0 (em carregador7 T.VC (W* /Xmero de $iros7 $rinta %artuchos R 3eso7 T.III.AÇ7ES  • $ipo7 (ubmetralhadora R R %alibre7 .VBC Ag R %omprimento $otal7 VDC mm 0 %om coronha rebatida7 UGC mm Yc R *ira7 ?ixa com proteç!o. . a"ustável em elevaç!o e lateralidade.

 .

IERIMENTOS . 38 SPL Comum/Entrada .AUSADOS .OR ARMA DE IO<O  Munição Cal.

38 SPL Comum/Entrada e Sa"da .Ferimentos c/ munição de Bai a !elocidade (AZ-A E/$+A-A Munição Cal.

Munição Cal.#$%&'3()*+.#/ Entrada .

Munição Cal.#/ Sa"da .#$%&'3()*+.

.

%/ Entrada/Sa"da .-$-%mmM+.Munição Cal.

%/ Sa"da .-$-%mmM+.Munição Cal.

Munição Cal.#$%&'-.mm F)L//as0ão .

Munição Cal.#$%&'-.mm F)L/Baço e 0lodido .

O#ri(adob  .