You are on page 1of 35

Políticas de Saúde relativas à

Curso Técnico em Enfermagem – PRONATEC Disciplina: Saúde Mental I Profª. Enfª. Thalita Moraes

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE MENTAL
A Política Nacional de Saúde Mental, apoiada na lei 10.216/01, busca consolidar um modelo de atenção à saúde mental aberto e de base comunitária. Isto é, mudança do modelo de tratamento: no lugar do isolamento, o convívio com a família e a comunidade. Garante a livre circulação das pessoas com transtornos mentais pelos serviços, comunidade e cidade, e oferece cuidados com base nos recursos que a comunidade oferece. Este modelo conta com uma rede de serviços e equipamentos variados tais como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), os Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT), os Centros de Convivência e Cultura e os leitos de atenção integral (em Hospitais Gerais, nos CAPS III). O Programa de Volta para Casa que oferece bolsas para egressos de longas internações em hospitais psiquiátricos, também faz parte desta Política.

OBJETIVOS
Através das Políticas de Saúde de Mental, o Governo brasileiro, tem como objetivos:
Reduzir de forma pactuada e programada os leitos psiquiátricos de baixa qualidade; Qualificar, expandir e fortalecer a rede extra-hospitalar formada pelos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), Serviços Residenciais Terapêuticos (SRTs) e Unidades Psiquiátricas em Hospitais Gerais; Incluir as ações da saúde mental na Atenção Básica; Implementar uma política de atenção integral voltada a usuários de álcool e outras drogas; Implantar o programa "De Volta Para Casa“; Manter um programa permanente de formação de recursos humanos para reforma psiquiátrica; Promover direitos de usuários e familiares incentivando a participação no cuidado; Garantir tratamento digno e de qualidade ao louco infrator (superar o modelo de assistência centrado no Manicômio Judiciário); Avaliar continuamente todos os hospitais psiquiátricos por meio do Programa Nacional de Avaliação dos Serviços Hospitalares - PNASH/ Psiquiatria.

216/01 e III Conferência Nacional de Saúde Mental. Entendimento das questões de álcool e outras drogas como problema de saúde pública e como prioridade no atual governo. . Ratificação das diretrizes do SUS pela Lei Federal 10.CENÁRIO ATUAL Tendência de reversão do modelo hospitalar para uma ampliação significativa da rede extra-hospitalar. de base comunitária.

seja ele contínuo ou eventual.3% do orçamento anual do SUS são destinados para a Saúde Mental. 2. 12% da população necessitam de algum atendimento em saúde mental. Mais de 6% da população apresenta transtornos psiquiátricos graves decorrentes do uso de álcool e outras drogas. .DADOS IMPORTANTES 3% da população geral sofrem com transtornos mentais severos e persistentes.

Implementar uma política de saúde mental eficaz no atendimento às pessoas que sofrem com a crise social.DESAFIOS Fortalecer políticas de saúde voltadas para grupos de pessoas com transtornos mentais de alta prevalência e baixa cobertura assistencial. Consolidar e ampliar uma rede de atenção de base comunitária e territorial promotora da reintegração social e da cidadania. . Aumentar recursos do orçamento anual do SUS para a Saúde Mental. a violência e desemprego.

Ambulatório. Hospitais Gerais. . CAPS e NAPS. Residências terapêuticas.INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL As principais instituições de saúde que prestam assistência ao portador de transtorno mental são: Hospital Psiquiátrico. Posto de Saúde.

. Prestar assistência integral ao paciente. Desenvolver atividades de pesquisa e ensino. Preservar a saúde das pessoas com distúrbios mentais ou emocionais.HOSPITAL PSIQUIÁTRICO É destinado ao tratamento específico do portador de transtorno mental. cujos objetivos são: Reabilitar para a sociedade e a comunidade a que pertence. Curar ou melhorar os sintomas das pessoas com distúrbios mentais ou emocionais. pessoas com distúrbios emocionais e mentais.

serviço social. Os serviços oferecidos nesse tipo de hospital de modo geral não é diferente dos outros: dispõe de serviços de laboratório. lavanderia e rouparia.HOSPITAL PSIQUIÁTRICO O Hospital Psiquiátrico deve possuir estrutura física e dependências adequadas ao atendimento da clientela em todos os níveis sociais e econômicos. almoxarifado.que funcionam na assistência indireta e atua na assistência clínica os serviços médicos e de enfermagem. . psicologia. nutrição e dietética . É no hospital psiquiátrico onde é feito o tratamento do paciente. em forma de internação com locais específicos e determinados de acordo com a gravidade da doença. terapia ocupacional e odontologia.

Dispõe de um programa terapêutico que dá ênfase a manifestações clínicas e terapêuticas. prevenindo assim a reclusão e a marginalização do paciente. Os hospitais-dia são locais onde o paciente passa um período limitado (algumas horas durante o dia) sem se afastar de seu meio social. ao mesmo tempo em que proporciona a sua reabilitação e reinserção social. familiar. de trabalho ou acadêmico. o hospital-dia. .HOSPITAL-DIA No hospital psiquiátrico surgiu uma nova modalidade de atendimento ao portador de transtorno mental.

saúde mental). assim denominados: grupo de pacientes.HOSPITAL-DIA Num hospital-dia. troca de informações entre os diferentes profissionais. trabalha-se com terapias individuais. e interdisciplinar . neurologia. com intervenções familiares. . dos papéis e tarefas de cada membro da equipe em cada uma delas. trabalha-se em grupos. toda a equipe terapêutica participa nas diferentes atividades assistenciais. técnico de enfermagem e outros. sobretudo.médico. por todos. planejamento e estabelecimento conjunto do conteúdo das atividades assistenciais e definição. fazendo com que haja uma tomada de decisões de forma conjunta. enfermeiro. De forma direta ou indireta. grupo terapêutico (equipe terapêutica e pacientes) e equipe terapêutica (equipe multiprofissional .psiquiatria. mas.

Participa todo o grupo terapêutico (equipe e pacientes). mobilização corporal e psicomotricidade . Psicoterapia de grupo . como uma forma de acolhimento entre a equipe terapêutica e os pacientes. Sessões de expressão corporal. acontece na primeira hora da manhã. caso haja necessidade. Permite à equipe prever a demanda de trabalho que o grupo de pacientes vai solicitar. possibilitando novas estratégias. . Assembléia de grupo terapêutico .Como o nome indica.HOSPITAL-DIA As atividades terapêuticas de um hospital-dia podem se resumir em: Reuniões matinais .Pode participar qualquer membro da equipe.Participam pacientes. além dos pacientes e o monitor ou terapeuta correspondente. com um psicólogo e outro membro da equipe. musicoterapia e dramatização.

enfermeiro. conduta até a participação nas atividades. Tratamento psicofarmacológico . paciente e família.Realizadas entre psicólogo ou psiquiatra. É muito importante que o técnico de enfermagem registre tudo o que observar nos pacientes.Realizado pelo psiquiatra. Porém o registro de suas observações é indispensável. . técnico ou auxiliar de enfermagem e paciente. através de reuniões onde se levanta as necessidades.Psicólogo e paciente. Intervenções familiares . desde aspectos físicos. ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM As atividades do técnico de enfermagem serão definidas como as dos demais membros da equipe multiprofissional.HOSPITAL-DIA Psicoterapia individual .

com a vantagem de não as afastar do lar e nem do trabalho. também um tratamento sistematizado. desta forma.AMBULATÓRIO Tem como objetivo atender a um grande número de pesssas. É no ambulatório que o paciente dá continuidade ao tratamento após a alta e faz a prevenção da internação. . é feito o tratamento. As pessoas que utilizam este serviço comparecem periodicamente para as consultas médicas e atendimentos psicológico e de enfermagem. realizando. e com a ajuda da família.

resultando em um tratamento mais efetivo. só que atende uma clientela mais resumida e tem como maior finalidade prevenir a doença prestando assistência à comunidade próxima à sua localização. onde as equipes de PSF passaram a detectar precocemente a manifestação do transtorno mental na comunidade. com exceção dos profissionais que atuam na assistência indireta. fazendo com que o número de internações nos hospitais psiquiátricos diminuísse. . Os postos de saúde adquiriram um valor maior no tratamento psiquiátrico através da introdução do PSF (Programa de Saúde da Família). tornando-se assim que os casos mais graves fossem internados nos hospitais psiquiátricos.POSTO DE SAÚDE Oferece tratamento ao doente seguindo a mesma linha do ambulatório. Os terapeutas responsáveis pelo tratamento são os mesmos do hospital psiquiátrico. e a realizar um tratamento imediato.

antes de tudo.HOSPITAIS GERAIS A atual política de saúde mental é que os hospitais gerais também se preocupem com a assistência deste tipo de enfermidade através da destinação de leitos a fim de acabar com o preconceito que persegue o doente mental. e a sociedade passe a considerá-lo e respeitá-lo. . ele é um ser humano. uma vez que.

O número de usuários pode variar desde 1 indivíduo até um pequeno grupo de no máximo 8 pessoas. não o transformando em um local de tratamento. ou até mesmo de exclusão. institucionalizadas ou não. contenção ou enclausuramento. ou até mesmo início. clínica.RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS O Serviço Residencial Terapêutico (SRT) – ou residência terapêutica ou simplesmente "moradia" – são casas localizadas no espaço urbano. usufruindo de um espaço que seja seu por direito. . que devem possibilitar à pessoa em sofrimentos mental o retorno. As residências não são precisamente serviços de saúde. mas espaços de habitação. que deverão contar sempre com suporte profissional sensível às demandas e necessidades de cada um. à vida social. constituídas para responder às necessidades de moradia de pessoas portadoras de transtornos mentais graves. É um espaço de reconstrução de laços sociais e afetivos para aqueles cujas vidas encontravam-se confinadas ao universo hospitalar.

RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS QUEM PODE SE BENEFICIAR? Portadores de transtornos mentais. egressos de internação psiquiátrica. para as quais o problema da moradia é identificado. . Moradores de rua com transtornos mentais severos. que permanecem no hospital por falta de alternativas que viabilizem sua reinserção no espaço comunitário. como especialmente estratégico no seu projeto terapêutico. por sua equipe de referência. Pessoas em acompanhamento nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). quando inseridos em projetos terapêuticos especiais acompanhados nos CAPS.

numa busca constante da melhoria da qualidade de vida e promoção da cidadania dos usuários. É um serviço que trabalha integrado com a família e a sociedade em geral. combatendo o preconceito e a discriminação. .NAPS/CAPS Um NAPS (Núcleo de Atenção Psicossocial) ou CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) é um serviço extra-hospitalar. prevenindo internações psiquiátricas desnecessárias e compulsivas. que presta assistência multiprofissional e busca a reinserção social de seu usuário.

o CAPS e NAPS tentam questionar e reverter tais situações em que se encontra os deficientes mentais. fazendo com que a sociedade aceite as diferenças desses indivíduos respeitando-os como seres especiais. .IMPLANTAÇÃO DO NAPS/CAPS Os Centros e Núcleos de Atenção Psicossocial nasceram na seqüência do questionamento do Hospital Psiquiátrico e sua falência como meio de tratamento revela-se em diversos aspectos. O CAPS e NAPS seguem no caminho inverso dos manicômios pois pretendem criar um dispositivo social de tratamento onde a exclusão é questionada em todos os seus aspectos.

Capacitar os usuários a governar a própria vida para conquistar o seu espaço na sociedade. Estimular a integração social e familiar. lazer. exercício dos direitos civis. Resgatar o amor e a alegria de viver. . Oferecer atendimento médico e psicológico ao público-alvo de sua área de abrangência. Realizar o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários. Proporcionar ao indivíduo trabalho.NAPS/CAPS .OBJETIVOS Acolher para tratamento a demanda que necessita de atenção à saúde mental.

Podemos considerar dentro desta denominação tanto aquelas pessoas que já têm um grande número de internações psiquiátricas sem melhora efetiva. mesmo sem nenhuma experiência de internação. geralmente sem volta. . quanto outras que. em quadros agudos.NAPS/CAPS – PÚBLICO ALVO O CAPS e os NAPS têm como clientela as pessoas que chamamos de “psicóticos graves”. e que permanecem. sem criar uma vida produtiva para si. quando das altas. correm o risco de entrarem para a camada “carreira de doente mental”.

tanto do ponto de vista de um único indivíduo que ali se encontre. conseqüentemente. O CAPS é um modelo de atendimento em saúde mental será geral o suficiente para que dentro dessa idéia. . seus usuários e funcionários. como de um serviço em uma dada região.NAPS/CAPS – METODOLOGIA E TRATAMENTO O método e o tratamento é personalizado e singularizado. preocupada e condizente com o território que contorna o serviço e. A oferta de um CAPS é regionalizada e comunitária. com suas particularidades. sejam passíveis de inclusão os mais diversos serviços.

teatro.NAPS/CAPS – PROFISSIONAIS O CAPS é formado por uma equipe permanente que inclui psicólogos. capoeira. Além do atendimento clínico com todos esses profissionais são oferecidas aos usuários diversas oficinas: ioga. um enfermeiro. mosaico. tai chi. velas entre outras que contribuam para levantar a auto-estima dos usuários. . assistentes sociais. um psiquiatra e um artista cênico.

entre 20 e 70 mil habitantes CAPS II – atende a mesma clientela com municípios com mais de 70 mil habitantes. isso em grandes cidades. CAPS III – serviço aberto para atendimento diário e noturno. durante sete dias da semana. atendimento diário à população com transtornos decorrentes do uso de substâncias .TIPOS DE CAPS Existem diferentes tipos de CAPS. CAPS i – voltado para a infância e adolescentes. CAPS AD – voltado para usuários de álcool e outras drogas. segundo seu porte e clientela: CAPS I – Serviço aberto para atendimento diário de adultos com transtornos mentais severos e persistentes.

Porém. sempre retornando para casa sem perder o vínculo sócio-cultural e familiar. .NAPS/CAPS O usuário pode passar um turno. diariamente. eles trazem como ponto comum a luta pela desospitalização. o NAPS/CAPS assumem táticas diferentes para enfrentar os problemas decorrentes das diversas formas de viver. De acordo com a realidade local. a realização das oficinas terapêuticas e a atuação de uma equipe multiprofissional. Assim. a conduta do técnico de enfermagem é sempre um ponto muito importante da ação em saúde. jamais se encontrará um NAPS/CAPS igual ao outro. Em todos os níveis de atuação.

. tendo como objetivo a integralidade do sujeito. é necessária a articulação da rede de cuidados.SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA A Política Nacional de Saúde Mental propõe que as práticas de saúde mental na atenção básica/saúde da família devam ser substitutivas ao modelo tradicional e não medicalizantes ou produtoras da psiquiatrização e psicologização do sujeito e de suas necessidades. Por isso. constituindo um processo de trabalho voltado para as necessidades singulares e sociais e não somente para as demandas.

. auxiliar na formação de laços sociais e apostar na força do território como alternativa para a reabilitação social. apostando em seu protagonismo.SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA Considera-se que a atenção básica/saúde da família é a porta de entrada preferencial de todo o Sistema de Saúde. tentando romper com a lógica de que a doença é sua identidade e de que a medicação é a “única‟ responsável pelas melhoras. investindo no seu comprometimento com o tratamento. Busca-se resgatar a singularidade de cada usuário. investir nas suas potencialidades. inclusive no que diz respeito às necessidades de saúde mental dos usuários.

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA O profissional da Saúde Mental da Atenção Básica responsável pelo apoio participa de reuniões de planejamento das equipes de ESF. Podemos sintetizar como princípios fundamentais da articulação entre saúde mental e atenção básica/saúde da família: promoção da saúde. atendimento compartilhado e atendimento específico. organização da atenção à saúde em rede. multiprofissionalidade. social e cultural do paciente. O cuidado ao paciente com transtorno mental deve ser mais próximo da rede familiar. realiza ações de supervisão. desinstitucionalização. integralidade. território. vínculo e responsabilização. participação da comunidade. discussão de casos. intersetorialidade. acolhimento. . promoção da cidadania dos usuários. reabilitação psicossocial. para que seja possível a retomada de sua história de vida e de seu processo de adoecimento. além de participar das iniciativas de capacitação.

quando eles existirem. dos CAPS III. devendo estar articulados e em diálogo com outros dispositivos de referência para o paciente. Estes leitos devem ofertar o acolhimento integral ao paciente em crise. dos Serviços Hospitalares de Referência para Álcool e Drogas).LEITOS DE ATENÇÃO INTEGRAL São considerados Leitos de Atenção Integral em Saúde Mental todos os recursos de hospitalidade e acolhimento noturno da rede de atenção à saúde mental (leitos dos Hospitais Gerais. das emergências gerais. quando articulados em rede – podendo estar associados aos leitos de hospitais psiquiátricos de pequeno porte. .

egressas de longas internações.PROGRAMA “DE VOLTA PRA CASA” O Programa “De Volta Para Casa”. de 31 de julho de 2003. Esta estratégia tem por objetivo reverter gradativamente um modelo de atenção centrado na referência à internação em hospitais especializados por um modelo de atenção de base comunitária. . é um programa de reintegração social de pessoas acometidas de transtornos mentais. que tem como parte integrante o pagamento do auxílio-reabilitação psicossocial. criado pelo Ministério da Saúde.708. consolidado em serviços territoriais e de atenção diária. segundo critérios definidos na Lei nº 10.

Preenche. e que tem tido como consequência mais trágica o tratamento ausente ou inadequado de crianças e adolescentes. Desse total. Observamos. O Ministério da Saúde. Entre os males mais frequentes estão a deficiência mental. assim.JUVENIL Estima-se que de 10% a 20% da população de crianças e adolescentes sofram de transtornos mentais. . O quadro merece atenção especial do setor público.POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL INFANTO . o autismo. voltada para a infância e adolescência. prioriza a construção de uma nova Política de Saúde Mental. a psicose infantil. aumento da ocorrência do uso de substâncias psicoativas e do suicídio entre adolescentes. de 3% a 4% necessitam de tratamento intensivo. aderindo à ideia proposta pela Organização Mundial da Saúde e pela Federação Mundial de Saúde Mental. uma lacuna histórica: a ausência de uma política de saúde mental voltada para esse público. os transtornos de ansiedade. também.

JUVENIL No campo específico da Saúde Mental Infanto-Juvenil. .POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL INFANTO . que teve sua implantação concretizada graças ao esforço de representantes de diferentes setores. do âmbito governamental e nãogovernamental. de forma que possam fazer frente aos diferentes problemas apresentados pelas crianças e pelos adolescentes portadores de transtornos mentais. essa prioridade se materializou na instituição do Fórum Nacional de Saúde Mental InfantoJuvenil. consolidando as redes de serviços. garantindo que este se fortaleça a cada dia como um importante espaço de diálogo e construção de consensos possíveis sobre o tema.

Afinal. do estresse. dignos. Percebe-se claramente que os transtornos psicopatológicos irrompem por todos os lados independente de classe econômica e social. Para alcançar esses objetivos. da competição. da desigualdade. do desequilíbrio da natureza. devemos trabalhar em conjunto e diminuir o preconceito por parte dos profissionais de saúde. aceitar e tratar com respeito e afeto o portador de transtorno mental é o melhor caminho para sua reabilitação e para o fortalecimento de sua cidadania. É preciso que pessoas com transtornos mentais sejam reconhecidas como seres integrais. das famílias e das comunidade. não poderia deixar de gerar efeitos bastantes nocivos na saúde mental da população. da corrupção. . à integridade física e moral. à reabilitação para o trabalho e à qualidade de vida. com direito à liberdade. do empobrecimento.REINTEGRAR Hoje com o aumento progressivo da violência.

Quais os objetivos do governo brasileiro com a Política Nacional de Saúde Mental? 6.EXERCÍCIOS 1. Quais os objetivos do CAPS/NAPS? 5. Quais os desafios existentes para a o real desenvolvimento da Política Nacional de Saúde Mental? . Cite algumas atividades desenvolvidas no hospital psiquiátrico? 3. Cite e caracterize as principais instituições de saúde que prestam assistência ao portador de transtorno mental. O que é hospital-dia? 4. 2.