You are on page 1of 18

Guerra do Vietnã

Introdução

A Guerra do Vietnã foi um
conflito armado que começou
no ano de 1959 e terminou
em 1975. As batalhas
ocorreram nos territórios do
Vietnã do Norte, Vietnã do
Sul, Laos e Camboja. Esta
guerra pode ser enquadrada
no contexto histórico da
Guerra Fria.
Período: 1959 - 1975
ANTECEDENTES

Em 1955 o primeiro ministro Ngo Dinh Diem
liderou um golpe militar que depôs a
monarquia e organizou uma república
ditatorial, que recebeu apoio norte
americano, executando principalmente uma
política repressiva, desdobramento da
Doutrina Truman que preocupava-se em
conter a expansão socialista.
A violenta política repressiva, associada aos
gastos militares e a estagnação da economia
fez com que surgissem os movimentos de
oposição, destacando-se a Frente de
Liberação Nacional e seu braço armado, o
exército vietcong.
A GUERRA
• O Vietnã havia sido colônia francesa e no
final da Guerra da Indochina (1946-1954)
foi dividido em dois países.
• O Vietnã do Norte era, comandado por
Ho Chi Minh, possuindo orientação
comunista pró União Soviética.
• O Vietnã do Sul, uma ditadura militar,
passou a ser aliado dos Estados Unidos
e, portanto, com um sistema capitalista. 
• A força do movimento guerrilheiro contra
o governo capitalista determinou a
entrada dos EUA na guerra, enviando
10.000 “conselheiros” militares para o
Vietnã do Sul. Em princípio a Guerra do
Vietnã restringiu-se ao sul, no confronto
entre os vietcongs (guerrilheiros
apoiados pela URSS) e as tropas
governamentais apoiadas pelos EUA.
• Somente em 1964, sob o pretexto de
ataques à embarcações norte
americanas no Golfo de Tonquim, é que
os EUA passaram a bombardear a Vietnã
do Norte, fazendo com que a guerra
atingisse diretamente esse país, que até
então ajudava os vietcongs no sul com
alimentos e armas.
Intervenção militar dos
Estados Unidos
Em 1964, os Estados
Unidos resolveram entrar
diretamente no conflito,
enviando soldados e
armamentos de guerra. Os
soldados norte-americanos
sofreram num território
marcado por florestas
tropicais fechadas e grande
quantidade de chuvas. Os
vietcongues utilizaram
táticas de guerrilha,
enquanto os norte-
americanos empenharam-
se no uso de armamentos
modernos, helicópteros e
outros recursos. 
Invasão norte-vietnamita
• No final da década de 1960, era claro o
fracasso da intervenção norte-americana.
Mesmo com tecnologia avançada, não
conseguiam vencer a experiência dos
vietcongues. Para piorar a situação dos
Estados Unidos, em 1968, o exército norte-
vietnamita invadiu o Vietnã do Sul,
tomando a embaixada dos Estados Unidos
em Saigon. O Vietnã do Sul e os Estados
Unidos responderam com toda força. É o
momento mais sangrento da guerra.
Protestos e o fim da
• guerra
No começo da década de
1970, os protestos contra
a guerra aconteciam em
grande quantidade nos
Estados Unidos. Jovens,
grupos pacifistas e a
população em geral iam
para as ruas pedir a
saída dos Estados Unidos
do conflito e o retorno
imediato das tropas.
Neste momento, já eram
milhares os soldados
norte-americanos mortos
no conflito. A televisão
mostrava as cenas
violentas e cruéis da
guerra. 
Protestos e o fim da

guerra
Sem apoio popular e
com derrotas seguidas,
o governo norte-
americano aceita o
Acordo de Paris, que
previa o cessar-fogo,
em 1973. Em 1975,
ocorre a retirada total
das tropas norte-
americanas. É a vitória
do Vietnã do Norte.
Resultados da Guerra
• O conflito deixou mais de 1 milhão
de mortos (civis e militares) e o
dobro de mutilados e feridos. A
guerra arrasou campos agrícolas,
destruiu casas e provocou prejuízos
econômicos gravíssimos no Vietnã.
Desfecho
• O Vietnã foi
reunificado em 2 de
julho de 1976 sob o
regime comunista,
aliado da União
Soviética. 
EUA no Iraque
• A sangrenta batalha no Iraque
promovida pelo exército americano
custou aos cofres públicos do país
até agora, entorno de 504 bilhões de
dólares, podendo chegar à cerca de
300 milhões por dia. Somente, esse
ano o custo mensal do conflito gira
na casa dos 12 bilhões. Cálculos
chegam  a apontar a possibilidade
de mais de US$ 3 trilhões, se
somados os custos com
indenizações, pensões e reposição
de armamento. Todo esse dinheiro é
fruto da exploração dos
trabalhadores americanos e do
mundo inteiro, bem como dos juros
das dívidas públicas, que os
governos marionetes como o de
Lula, ou supostamente “radicais”
como o de Hugo Chávez, pagam
religiosamente ao imperialismo
americano.
Cenas Marcantes
Bem-aventurados são os
pacificadores pois eles
serão chamados filhos de
Deus.
Mateus 5 . 9