You are on page 1of 29

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA (UVA

)

HIDROLOGIA

Evaporação do solo .Leis das precipitações. -.Formas de precipitação. Infiltração. 5 .Introdução . Evaporação.Tipos de chuvas.Transpiração vegetal.Introdução.Gestão de recursos hídricos no Brasil – Lei 9.Recorrência. Regime dos rios. Escoamento superficial. História. Carnaval .Retenção superficial.Ciclo Hidrológico .Infiltração. Formação de chuvas.Equação pontual de chuvas intensas. 12 Dia de Tiradentes 13 .. Definição.433/97 3 .Gêneses dos rios. Umidade do ar. Pressão atmosférica. Características dos rios.Cursos d’água . Evaporação em superfícies líquidas. Condensação. Radiciação solar e insolação. Classificação dos rios.Precipitação. Transpiração Vegetal 3 – Águas subterrâneas .Curso d'água.Distribuição de probabilidade de Gumbel.Hidroclimatologia Atmosfera.CIV 8019 Conteúdo Apresentação da Matéria e Estabelecimento de Procedimentos 1 .4 . 10 A1 . Importância para a Engenharia. Bacia hidrográfica e hidrogeológica.Hidrologia. Risco de projeto. Precipitação.Hidroclimatologia . .Distribuição da água no planeta. Definição. Divisão. Pluviosidade . Escoamento subterrâneo . Escoamento subterrâneo.Programa Analítica Dia 01 02 03 04 5 05 06 07 08 Data 03/02/2014 10/02/2014 17/02/2014 24/02/2014 03/03/2014 10/03/2014 17/03/2014 24/03/2014 HIDROLOGIA .Evaporação. Ventos. Gráficos de chuvas.Grandezas características..Hidroclimatologia . Evapotranspiração. 9 4 .Distribuição espacial de chuvas.Primeira Avaliação 4 . 4 2 . 09 31/03/2014 10 07/04/2014 1 11 14/04/2014 12 21/04/2014 13 28/04/2014 1 14 05/05/2014 15 12/05/2014 . Temperatura.

Tubo de Pitot. abril 1987. Holtz. 1958.. Meditação de descargas líquidas. el alli .Villela. et alii – Modelos de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Previsão de enchentes. . . Posto fluviométrico. Editora McGraw Hill.Curva de permanência. V. KOHLER.04 – Souza Pinto. Editora McGraw Hill. M. N. Coleção ABRH de Recursos Hídricos.Batimetria. Método dos traçadores. e Mattos. Fill H. – Handbook of Applied Hidrology.. C. São Paulo.Brasília) P6 . dos flutuadores. . M. T. A. Método das singularidades. . Método racional.Livros de Referência . A. 1976. Mét. Método direto. Método estatístico. A.D.Hidrologia aplicada.L. 20 A2 .Hidrologia básica. 1975.Segunda Avaliação A3 . R. Método dos molinetes. São Paulo.03 – Linsley. .02 – Chow.05 . .Fluviometria.Livro Texto – 01 – Barth. FT. Posto fluviográfico. . Escolha de postos de meditação. S.Programa : Analítica Dia Data 16 19/05/2014 17 26/05/2014 18 19 20 21 22 23 02/06/2014 09/06/2014 16/06/2014 23/06/2014 30/06/2014 07/07/2014 HIDROLOGIA . São Paulo. 1964. Editora Edgar Blucher. Editora McGraw Hill. Editora N obel.T.CIV 8019 – (continuação) Conteúdo .K.Hidrology for Engeneers.Quarta Avaliação Término do Período de Aulas BIBLIOGRAFIAS: .Curva chave. . .Método das fórmulas empíricas. et alii .Terceira Avaliação Jogo do Brasil (17hs .

Jorge Avena .BIBLIOGRAFIA ADOTADA O CONTEUDO DIDÁTICO FOI ELABORADO COM BASE NAS BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS Autor: Profº MSc.

01 .INTRODUÇÃO .

1 Considerãções Gerais • A água é um recurso natural indispensável para a sobrevivência do homem e demais seres vivos no Planeta. • É importante para as formações hídricas atmosféricas. • O homem. Introdução 1. é responsável por. ¾ de sua constituição. . influenciando no clima das regiões. aproximadamente.01. • É uma substância fundamental para os ecossistemas da natureza.

Integração. • Parte da premissa que a colaboração de todos é fundamental para se delinear um futuro mais adequado em termos de disponibilidade hídrica. elabora um sistema de gestão com as seguintes características: Descentralização e Participação.01. • Com base neste conceito. .2 – Lei 9433 / 97 – Lei das Águas • Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e cria o Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos no Brasil. Coordenação e Financiamento Compartilhado. Introdução 1.

2 – Lei 9433 / 97 – Lei das Águas (continuação) .Descentralização e Participação => A gestão dos recursos hídricos deixa de ser responsabilidade de pequenos organismos públicos e passa a ser atribuição da União. é de um Comitê. constituído por representantes dos usuários de recursos hídricos. Introdução 1. dos Usuários e da Sociedade Civil. no âmbito de cada bacia. dos Municípios. dos Estados. Estados e Municípios).01. da sociedade civil organizada e dos três níveis de governo (União. O fórum de decisão. . A unidade planejadora e gestora da água passa a ser a bacia hidrográfica.

Introdução 1. no seu conteúdo. dotado de valor econômico. 1º A PNRH baseia-se nos seguintes fundamentos: I .2 – Lei 9433 / 97 – Lei das Águas (continuação) .em situações de escassez.A Lei das Águas. .a água é um bem de domínio público.01.a água é um recurso natural limitado. o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e a dessedentação dos animais. definiu seis ferramentas de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos ou seja: • Art. III . II .

dos usuários e das comunidades.a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público. 5º São instrumentos da PNRH: III .a cobrança pelo uso de recursos hídricos . Introdução 1.2 – Lei 9433 / 97 – Lei das Águas (continuação) IV .a bacia hidrográfica é a unidade territorial para implementação da PNRH. IV . V .a outorga dos direitos de uso de recursos hídricos (tanto para captação quanto para lançamento de efluentes). • Art.01.

de uma instituição central coordenadora. também. para “assegurar em nome do Poder Público uma repartição justa e a equidade no acesso .01.Coordenação => A gestão ideal dos recursos hídricos depende. Introdução 1. .2 – Lei 9433 / 97 – Lei das Águas (continuação) .Integração => Para que o sistema de gestão dos recursos hídricos resultem em resultados esperados será preciso estabelecer procedimentos de convivência entre os inúmeros usuários da água e mecanismos de integração das organizações de recursos hídricos.

11). . promover o seu uso racional e zelar pelo equilíbrio na gestão das águas” (Sarmento. p. 1996.Financiamento Compartilhado => A indenização pelo uso dos recursos hídricos subsidiará a autonomia financeira das entidades gestoras e a sustentabilidade das operações. . além de propiciar um uso racional desse recurso. Introdução 1.2 – Lei 9433 / 97 – Lei das Águas (continuação) ao recurso ambiental água.01. A cobrança será devida conforme as orientações estabelecidas pelos planos de bacia e o que determina o Princípio Usuário-Poluidor Pagador.

divide-se em: .Potamografia => estuda os cursos d’água. circulação na natureza.01. distribuição e. Será considerada a sua relação e interação com o ambiente terrestre Divisão Segundo a Associação Internacional de Hidrologia Científica . Introdução 1.3 .Hidrologia . .Definição • É a ciência trata da água em todos os seus estados físicos. da sua ocorrência.

Introdução 1.4 Situação no Planeta .01.

Tailândia. Cingapura. Malta. Argélia. há problemas de abastecimento. Arábia Saudita. em outras regiões. Tunísia. Cabo Verde. • No Brasil. França. severamente. México. Egito. Burundi. Iraque. Espanha e outros. 26 (vinte e seis) países. Hungria. ou seja: Israel. Jordânia. Territórios Palestinos.01.5 Visão Geral • Na atualidade a falta de água atinge. Além disso. Barbados. Bélgica. Kuwait. Introdução 1. . Etiópia. a região mais freqüente de seca é a Nordeste. Líbia. USA. mas se considera como pontuais.

estimativa atual . Introdução 1. . cerca de 3 (três) bilhões de pessoas poderão viver em regiões com extrema falta de água. .6 População • No Mundo .estimativa para o ano de 2025 – 8 (oito) bilhões de habitantes. .a falta d’água já atinge.6 (seis) bilhões de habitantes. inclusive para o próprio consumo.01. . aproximadamente.organismos internacionais alertam que nos próximos 20 (vinte) anos. 32 (trinta e dois) Países.

foi da ordem de 221% (duzentos e vinte e um por cento). como se pode observar no quadro abaixo: Ano 1970 1996 2000 Habitantes 54 milhões 123 milhões 166.O crescimento populacional.7 milhões . Introdução 1.6 População (continuação) • No Brasil .7 milhões 2010 190. nos últimos 40 (quarenta) anos.01.

. .a. e considerando um crescimento populacional à razão geométrica de 1.hoje.7 Realidade Futura ..a se manter as taxas de consumo. . metade da população mundial não terá acesso à água potável a partir de 2025. ou seja.ONU prevê que. o esgotamento do potencial d e recursos hídricos pode entrar em colapso por volta do ano 2053. Introdução 1. mais de 1 (um) bilhão de pessoas. esta realidade já afeta cerca de 20% (vinte por cento) da população do planeta.6% a.01.a Organização das Nações Unidas . se o descaso com os recursos hídricos continuar.

logo. Introdução 1. estas responsabilidades são de todos nós.01. . para tanto.7 Realidade Futura (continuação) . a obrigação de buscar meios de sobrevivência das gerações futuras. os recursos hídricos precisam ser ampliados e. são necessários investimentos em pesquisa e desenvolvimento tecnológico para exploração viável e racional da água.

há uma problemas de natureza geográfica. Introdução ão 1. topográfica e econômica que comprometem essa virtude.no Brasil. cultural.conta com abundantes recursos hídricos.8 A América do Sul . os fatores citados não são diferentes. . o Peru e o Chile já enfrentam sérios problemas de disponibilidade e de contaminação da água por efluentes agro-industriais. . . agravados pela extensão territorial. .A Argentina.01. A abundância nas regiões sudeste e o sul se contrapõe com a escassez na região nordeste.

observa-se uma enorme desigualdade regional na distribuição dos recursos hídricos. possuindo 12% das reservas mundiais.Apesar de apresentar esta situação. . .01. Introdução 1.O Brasil é o país mais rico do mundo em água doce.9 Recursos Hídricos Brasileiro .

nosso País deixa de ser o primeiro e passa ao vigésimo terceiro no mundo. se contrapondo aos problemas de escassez no Nordeste e os conflitos de uso nas regiões Sul e Sudeste. Introdução 1. . que abrange as regiões Norte e Centro-Oeste. em lugar da disponibilidade de recursos hídricos renováveis. . a população deles dependentes. avalia-se um cenário bem heterogêneo.Comparando estas situações. ou seja. a abundância de água na Bacia Amazônica.Quando se considera.9 Recursos Hídricos Brasileiro (continuação) .01.

.9 Recursos Hídricos Brasileiro (continuação) . Introdução 1.01.Mesmo ao se considerar a disponibilidade relativa. o problema do acesso da população à água tratada. ainda existe. no nosso País.

Introdução 1.01.Segundo a ABA (Associação Brasileira de Águas Subterrâneas).9 Recursos Hídricos Brasileiro (continuação) .Outros países.No Brasil a matéria é tratada com meras hipóteses e avaliações grosseiras. . . . . possuem informações e bancos de dados do potencial subterrâneo de água atualizados.As águas subterrâneas no Brasil oferecem um potencial em boa parte ainda não explorado. ao contrário do nosso. o Brasil tem o impressionante volume de 111 trilhões e 661 milhões de metros cúbicos de água em suas reservas subterrâneas.

o Brasil possui o maior do mundo chamado “Aqüífero Guarany”. . Introdução 1.9 Recursos Hídricos Brasileiro (continuação) - Ainda dentro do seguimento de aqüíferos subterrâneos.01.

Introdução 1. elevada evaporação e escassez de águas superficiais. além de exigir tecnologia avançada para a investigação hidrogeológica.O setor agrícola é o maior consumidor de água no Brasil e no Mundo.A questão crucial do uso da água subterrânea reside no elevado custo de exploração.. as reservas hídricas subterrâneas constituem uma alternativa para abastecimento. .01. . com reduzidas precipitações.Na região Nordeste. .9 Recursos Hídricos Brasileiro (continuação) .

01. . 10% para uso doméstico e 20% pelo setor industrial.9 Recursos Hídricos Brasileiro (continuação) . Introdução 1.No Brasil 70% da água consumida é usada na agricultura irrigada.

Introdução “ FIM ” .01.