You are on page 1of 17

Síndrome de Down

Alunos: Ana Carolina Amaral Linnu Rodrigues Scarlett Syssi Yasmin Cruz

Contexto Histórico  Cultura grega  Idade Média  Atualidade .

é uma alteração genética causada por um erro na divisão celular durante a divisão embrionária.  Os portadores da síndrome. ou trissomia do cromossomo 21. Não se sabe por que isso acontece. possuem três. em vez de dois cromossomos no par 21. .O que é Síndrome de Down?  Síndrome de Down.

 Hipotonia: diminuição do tônus muscular responsável pela língua protusa. prega palmar única e orelhas pequenas. rosto arredondado. dificuldades motoras. consequentemente. aprendizagem mais lenta.Características  Olhos oblíquos semelhantes aos dos orientais.  Comprometimento intelectual e. atraso na articulação da fala e. mãos menores com dedos mais curtos. em 50% dos casos. . por cardiopatias.

.

que também ajuda a determinar o risco. de recorrência da alteração em outros filhos do casal. o diagnóstico clínico é comprovado pelo exame do cariótipo (estudo dos cromossomos).  Depois do nascimento. em geral baixo. que só é confirmada pelos exames de amniocentese e amostra do vilo corial. .Diagnóstico  Durante a gestação: o ultrassom morfológico fetal para avaliar a translucência nucal pode sugerir a presença da síndrome.

Cérebro .

Cérebro .

e até então eu achava que ele era "normal". quando ouvi o médico anestesista dizer: "ele é sindrômico“. como chamamos. .Daniel e Chris Gouvêa  Daniel nasceu em Maio de 2005 .  A notícia eu tive ainda na sala de operatório. deitada ainda sonolenta por causa da anestesia.

. Samuel.Daniel e Samuel  O Daniel tem um professor em casa. que tem um papel importantíssimo na vida dele : o irmão mais velho. ele copia. basta dizer para vocês que tudo que o irmão faz. de 12 anos.  Então.

.

.    Atenção permanente dos pais. Assistência profissional multidisciplinar:    Fonoaudiólogos. Objetivo: habilitá-las para o convívio e a participação social. para que sejam capazes de vencer as limitações que essa doença genética lhes impõe. Educadores especiais. Terapeutas.Intervenção  Crianças com síndrome de Down precisam ser estimuladas desde o nascimento.

uma vez que o hipotireoidismo pode comprometer o funcionamento normal do sistema nervoso central. estrabismo. Crianças com síndrome de Down freqüentemente têm mais problemas oculares que outras crianças. É importante identificar as crianças com síndrome de Down que têm problemas de tireóide. Exame de Papanicolau e exames pélvicos a partir da puberdade ou a partir dos 21 anos    .Intervenção  Oitenta a noventa por cento das crianças com síndrome de Down têm deficiências de audição. Avaliações audiológicas precoces e exames de seguimento são indicados. miopia. entre outras. Por exemplo: catarata.

394 de 20 de dezembro de 1996 . 9.Tratamento em sala de aula  Educação especial:        Modalidade de ensino Desenvolvimento global Atendimento especializado Diferenças individuais Integração social Autonomia do aluno Lei n.

Tratamento em sala de aula  Intervenção pedagógica:      Respeitar o ritmo da criança Adequação atividades x necessidades Interação sujeito-objeto Sistematização e organização Aprendizagem facilitada e prazerosa .

Tratamento em sala de aula  Princípios básicos:  Atividades  coisas concretas  Experiências no ambiente próprio do aluno  Evitar situações de trauma e estresse  Respeito à personalidade  Participação familiar .

Tratamento em sala de aula  Proposta educacional:     1ª 2ª 3ª 4ª etapa: etapa: etapa: etapa: Corpo Expressão Objetos Mundo .