El Niño e La Niña

Alexandre Barreto
Carlos E.V. Ribeiro
Daniel Cervai
Douglas M. Nehme
Flavio Augusto Ferreira
Guilherme Amendola
O El Niño, anomalia do sistema climático global,
representa o aquecimento anormal das águas
superficiais e sub-superficiais do Oceano Pacífico
Equatorial

 A palavra El Niño é derivada do espanhol, e refere-se
à presença de águas quentes que todos os anos
aparecem na costa norte de Peru na época de Natal

 El niño e La niña e as mudanças no sistema
atmosférico

O cientista britânico Sir Gilbert Walker forneceu a
primeira pista, criando o termo Oscilação Sul para
representar a variação pressão entre diferentes locais do
Pacífico

 Índice de Oscilação Sul (IOS) - representa a diferença
entre a pressão ao nível do mar entre o Pacífico Central
(Taiti) e o Pacífico do Oeste (Darwin/Austrália)

 Aplicações - máximos e mínimos IOS

Descoberta da conexão entre “El Niño” e as variações de
pressão na Oscilação Sul de Walker -ENOS (“El Niño” -
Oscilação Sul), no final da década de 1960 pelo professor
Jacob Bjerknes

As primeiras referências ao El Niño datam do século XVIII.

Oceanógrafos perceberam que as águas aquecidas não apareciam
somente nas costas do Peru e do Equador, mas se estendiam por todo o
Pacífico

Meteorologistas descobriram que os ventos alísios que sopram
sobre o Oceano pareciam se tornar mais fracos justamente na
época em que essa massa de água quente aparecia

Ou seja, quando as águas aquecidas tomavam conta do oceano
Pacífico ao longo da linha do Equador, essas rajadas de ar
diminuíam de forma substancial

Essas águas quentes afugentam os cardumes de atum e de
outros peixes da costa do Peru e do Equador

 Ligação do fenômeno El niño às catástrofes que
costumam ocorrer pelo mundo quando o mesmo se
manifesta

O que conjuga a mudança do vento e do mar?

É certo que o primeiro é um dos vilões iniciais dessa
história pois hoje, ninguém mais duvida de que a
diminuição dos ventos é uma das causas deste fenômeno





Durante o El Niño, com as águas quentes tomando conta de
toda extensão do Oceano e produzindo gigantesca massa de ar
aquecido, o excesso de ar quente aumenta sua força.

Correntes-de-jato passam a funcionar como verdadeiras
barreiras de ar

Frentes frias, carregadas de chuvas, não seguem seu trajeto
normal em direção ao norte.

A chuva que deveria ser distribuída ao longo da costa leste da
América do Sul acaba caindo toda num só lugar

Frentes estacionam sobre a região entre o Norte da Argentina e
o Sul do Brasil

Pesquisa bibliográfica

Condições normais do Oceano Pacífico Equatorial


Periodicidade e ocorrências de La Niña

ANO INTENSIDADE
1886 Forte
1903 - 1904 Forte
1906 - 1908 Forte
1909 - 1910 Forte
1916 - 1918 Forte
1924 - 1925 Moderado
1928 - 1929 Forte
1938 - 1939 Forte
1949 - 1951 Forte
1954 - 1956 Forte
1964 - 1965 Moderado
1970 - 1971 Moderado
1973 - 1976 Forte
1984 - 1985 Forte
1988 - 1989 Forte
1995 - 1996 Forte
1998 - 2001
Foi durante o verão do hemisfério sul em 1998 -99,
1999-00 moderado durante 2000 -01
 O El Niño tem abrangência mundial

 As mudanças climáticas causadas pelo El
Niño e La Niña afetam significativamente o
comportamento associado tanto a
sociedade quanto à natureza

Episódios de seca- leste da Austrália,
sudoeste da África e nordeste da América
do Sul


Chuvas excessivas- Costa do Peru e do
Equador, nordeste da África, sudeste da
América do Sul e dos EUA


O fenômeno da La Niña acarreta em
inúmeras mudanças globais:

 Nos trópicos - O resfriamento das águas
do Oceano Pacífico Equatorial

 Nas Américas - Temperaturas do ar da
temporada de inverno, sudeste mais
quente, nordeste mais frio



 Na América do Sul - predominam as condições
mais secas e frias do que o normal no Equador e
no Peru, e mais úmido do que o normal na região
Nordeste do Brasil

 Na América Central - Há condições
relativamente mais úmidas do que o normal,
principalmente nas zonas costeiras do Caribe.

 No México – causa o excesso de chuvas nas
regiões central e sul, secas e chuvas no norte
do México, e invernos com acentuada falta de
chuva



O modelo de correntes do Pacífico Norte :

 Corrente da Califórnia e a corrente de
Kuroshio

 Corrente de Humboldt e os efeitos:

El niño

 La niña– Força de Coriolis

Ressurgência

 ENOS - acoplamento entre o Oceano e a Atmosfera -
causa primária da mudança de fase - ?

 1ª hipótese - pequena variação na rotação da terra

 Outra hipótese - Liberação submarina de grandes
quantidades de calor de magma ejetado por vulcões
ativos no fundo do Oceano


AHRENS- Meteorology Today, 9th Ed

CANE, M.A.The evolution of El Niño past and future. Earth Planet. Sci. Lett. 104:1-10, 2005.

FONTANA, D. C.; BERLATO, M. A. Influência do El Niño Oscilação Sul Sobre a precipitação pluvial no estado do
Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v.5, n.1, p.127-132. 1997.

GRIMM, A. M.; FEUSER, V. R. Relações entre temperaturas da superfície do mar sobre o Atlântico e precipitação
no Sul e Sudeste do Brasil. In: Congresso Brasileiro de Meteorologia, 10.; Congresso da Flismet, 8., 1998,
Brasília. Anais.. Brasília: Sbmet, 1998. 1 CD-ROM.

KANE, R.P. Some characteristics and precipitation effects of the El Nino of 1997-1998,1999. Journal of
Atmosphere and Solar-Terrestial Physical, 61: 1325-1346.

LUCERO, O.A.Spatial organization of decadal and bidecadal rainfall fluctuations in southern North America and
Southern South America, 2001. Atmospheric Research 57, 219–246.

Material educacional do CPTEC/INPE (MACA 3)

(Relatório da comissão El Niño - ,Senado Federal).



http://www.nemrh.uema.br/meteoro/elnino.htm
http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/sala_de_aula/geografia/geografia_geral/clima/el_ni
no
http://pt.wikipedia.org/wiki/La_Ni%C3%B1a
http://pt.wikipedia.org/wiki/El_Ni%C3%B1o
http://enos.cptec.inpe.br/saiba/Oque_el-nino.shtml
http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getPDF.asp?t=56466&tp=1
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfixwAI/el-nino-la-nina-sua-influencia-no-globo-seus-
efeitos-no-estado-piaui
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAUjEAC/fenomeno-el-nino-as-secas-no-nordeste-brasil
http://www.cbmet.com
http://geoexame.blogspot.com.br/2011/01/el-nino-e-la-nina.html
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-aquecimento-global/efeito-el-nino-
4.php
http://dc365.4shared.com/doc/eCxEhHgq/preview.html
http://eesc.columbia.edu/courses/ees/climate/lectures/enso.html
http://eesc.columbia.edu/courses/ees/climate/lectures/o_circ.html
http://enos.cptec.inpe.br/
http://enos.cptec.inpe.br/tab_elnino.shtml
http://netopedia.tripod.com/relevo/oceanos.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A9lula_de_Hadley
http://pt.wikipedia.org/wiki/Corrente_de_Humboldt
http://pt.wikipedia.org/wiki/Zona_de_converg%C3%AAncia_intertropical
http://waves.marine.usf.edu/elnino_menu/elnino_menu_article.htm
http://www.atmosphere.mpg.de/enid/1__Oceanos_e_clima/-_Circula__o_oce_nica_2ob.html
http://www.atmosphere.mpg.de/enid/2.html
http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?cod=2302
http://www.cpc.ncep.noaa.gov/products/analysis_monitoring/ensocycle/lanina_s
chem.shtml
http://www.elnino.noaa.gov/lanina.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Afloramento_(oceanografia)
http://www.erosividade.pro.br/enos_arquivos/enos04.htm
http://www.inpe.br/unidades/cep/atividadescep/crectealc/pdf/camila.pdf
http://www.jstor.org/pss/27855934
http://www.ldeo.columbia.edu/res/div/ocp/pub/cane/321827a0.pdf
http://www.master.iag.usp.br/ensino/oceano/aula_2.pdf
http://www.master.iag.usp.br/ensino/Sinotica/AULA15/AULA15.HTML