You are on page 1of 20

CENTRO HOSPITALAR DE COIMBRA Unidade de Diálise

Grupo de Trabalho: Enfª. Rosa Cardoso Enfª. Ana Paula Vareda Enf. Nelson Tavares Enfª. Arminda Tavares Coimbra, 12 de Maio de 2008

Dia Internacional do Enfermeiro
O 12 de Maio é assinalado em memória do nascimento de Florence Nightingale, considerada a fundadora da enfermagem moderna.

“Não

saber

quem

somos e quem somos agora porá seriamente em perigo o que nós queremos vir a ser.” (Patricia Benner, 2001)
Florence Nightingale (12 de Maio 1820, Florença 13 de Agosto 1910, Londres)

Os

herbicidas/insecticidas são pela

em

conjunto são nas

com

os

pesticidas

compostos

que

utilizados culturas

frequentemente

população

agrícolas, por vezes de uma forma voluntária ou acidental o uso indevido destes compostos pode originar intoxicações levando as vítimas a necessitarem de cuidados específicos de emergência. Apesar de todos os avisos e informação divulgada junto da população sobre o perigo de envenenamento, surge por ano nas nossas urgências um número significativo de acidentes, muitos deles voluntários levando á morte dezenas de pessoas.

O Paraquat O Paraquat (PQ) vulgarmente denominado por Gramoxone®, é um herbicida muito utilizado na agricultura, inofensivo quando em contacto com o solo, fatal quando ingerido em grandes quantidades, pelas suas propriedades químicas que provocam graves alterações orgânicas levando á falência multiorgânica e á morte.

Os organofosforados Os Organofosforados (Organo) frequentemente conhecidos como pesticidas e insecticidas, constituem um variado grupo de compostos de síntese, entre os quais os que revelam mais interesse são: Paratião, Dimetoato, Carbamatos. A intoxicação por Carbamatos foi diagnosticada em alguns dos casos de intoxicações, o grupo funcional carbamato está presente em muitos compostos pesticidas extremamente tóxicos os quais podem causar envenenamento por inibição da enzima neurotransmissora colinesterase pela inactivação reversível da enzima acetilcolinesterase (colinesterase verdadeira).

Medicamentos A intoxicação número, estudo que por mas as nos medicamentos presentes. por No por com também é uma realidade, sendo em menor nosso sendo intoxicações doentes

medicamentos

foram

digitálicos,

predisposição cardíaca se a dose não for a adequada poderá levar á intoxicação, seguindo-se a intoxicação por múltiplos medicamentos e por associação de Benzodiazepinas.

Hemocarboperfusão (HCP), técnica que consiste em utilizar em que um a módulo bomba de de hemodiálise,

sangue bombeia o sangue para um circuito extracorpóreo passando este por um filtro de carvão activado, onde é depurado o tóxico devolvendo o sangue ao doente.

•É um trabalho retrospectivo; • O objectivo é caracterizar epidemiologicamente através da análise casuística, a amostra dos utentes que realizaram HCP nos últimos 13 anos na unidade de diálise do CHC, bem como focar o papel do enfermeiro de diálise na realização da técnica de HCP, e o seu carácter assistencial para com o doente. •Revimos os registos dos utentes vitimas de intoxicações

(paraquat/organofosforados/medicamentos) que necessitaram de HCP entre Janeiro de 1994 e 31 Dezembro de 2006. •A nossa amostra foi de 167 utentes inseridos na população da área de intervenção do CHC – EPE, que recebe desde o distrito de Coimbra (baixo Mondego), até ao distrito de Santarém, havendo igualmente alguns casos do Distrito de Castelo Branco.

VARIÁVEIS

Neste estudo caracterizamos as variáveis de atributo o género e a idade, operacionalizando-as calculando a sua média, mediana, desvio padrão e a comparação de médias através do teste de t student, analisámos causa o da nº de intoxicações tipo por de ano/mês tóxico de por intoxicação, Intoxicação,

distrito/concelho, tipo de tóxico por idade, tipo de tóxico por género, Nº de sessões de HCP por tipo de tóxico e o acontecimento final do utente intoxicado.

De Janeiro de 1994 a Dezembro de 2006, registaram-se 167 intoxicações, 57 por Organofosforados, 106 por Paraquat, 4 por medicamentos.
ID AD E
35 30 25 Nº 20 15 10 5 0 10 - 20 Anos 20-30 Anos 30-40 A nos 40-50 Anos 50-60 Anos Ca te goria s 60-70 A nos 70-80 Anos 80-90 Anos 90-100 Anos 4 5 1 28 24 20 31 26

28

•Maior nº de casos de intoxicações entre os 30 e 50 anos de idade, no Sexo masculino. •A Idade média calculada situa-se entre os 51,34 anos, com uma mediana de 50 anos, desvio padrão é ± 18,49. •A média de idades foi significativamente mais baixa no sexo feminino (47,2±16,8) do que o sexo masculino (53,3±18,9) (P<0,05).

ANO DE INTOXICAÇÃO
30 25 20 Nº 15 10 5 0 Ano 1994 Ano 1995 Ano 1996 Ano 1997 Ano 1998 Ano 1999 Ano 2000 ANOS Ano 2001 Ano 2002 Ano 2003 Ano 2004 Ano 2005 Ano 2006 2 5 3 11 13 17 13 17 14 19 15 13 25

O Ano de 2004, foi o mais significativo, tendo havido 25 casos de intoxicações.

O Ano de 2004 foi o mais significativo nas intoxicações de paraquat, as intoxicações por organosfosforados foram mais significativas no ano 1997, 2004. mas também significativas no ano 2003 e
Nº de casos

Tipo de Tóxico por ano
18 16 14 12 10 8 6 4 2 0
4 8 9 0 1 20 02 A no 20 03 A no 20 04 A no 20 05 A no 20 06 19 95 19 96 19 97 19 9 19 9 19 9 20 0 20 0

Organofosforados Paraquat M edicamentosa

A no

A no

A no

A no

no

no

no

no A

Ano

A no

A

A

A

INTOXICAÇÕES POR MÊS
25 20 15 Nº 10 5 0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Julh Ago Set Out Nov Dez MESES 10 20 16 12 10 22 16 10 11 16 15

9

O mês com maior nº de casos é o mês de Maio com 22, seguindose o mês de Março com 20, não havendo nos restantes meses uma relevância significativa.

Sessões de HCP/Tipo de Tóxico
100 80 60 Nº 40 20 0 PQ Organo Med. Total Tipo de Intoxicação 4 56 46 20 27 10 3 1 0 31

79 57 1 sessão HCP 2 sessões HCP Mais de 2 sessões HCP

Nos 13 anos de actividade da unidade diálise do CHC realizaram-se 311 sessões HCP em 167 utentes. A maioria dos intoxicados por paraquat realizaram apenas 1 sessão de HCP, os intoxicados por organofosforados realizaram habitualmente mais do que 2 sessões por utente. Cada sessão de HCP demora em média 3h30 a 4h.

CAUSA DA INTOXICAÇÃO

Involuntária; 7

Voluntária; 160

Maior número de intoxicações foram de causa voluntária.

ACONTECIMENTO FINAL
Não se sabe Transferência para outro Hospital Óbito Alta 0 6 10 20 30 40 N 50 60 70 80 21 64 76

O nº de óbitos é elevado, sendo que os casos em que os utentes foram transferidos para outro hospital também foram um número significativo. Os 21 utentes que não se sabe, foram utentes os quais não havia registo do nº de processo, apenas o registo do episódio de urgência, o qual não se conseguiu aceder aos registos. Os 6 doentes que no nosso estudo tiveram alta correspondem ás intoxicações por medicamentos (4) e 2 por organofosforados.

O CHC – EPE tem a sua área de actuação no Distrito de Coimbra, nos concelhos do baixo Mondego e no distrito de Leiria, tendo também recebido doentes do distrito de Castelo Branco e do Distrito de Santarém mas em menor número. O maior nº de casos de intoxicações é do distrito de Leiria, contribuindo o concelho de Leiria com 26 casos, Pombal e Alcobaça com 25 respectivamente, o tipo de tóxico mais frequente é o PQ, excepto o concelho da Figueira da Foz, onde os Organofosforados foram o tipo de tóxico mais utilizado.

1- PREPARAÇÃO DA UNIDADE •Verificar as condições da unidade, arejando-a se necessário; •Averiguar as condições de utilização do carro de urgência; •Verificar se o monitor se encontra em boas condições de funcionamento; •Preparar o material necessário á técnica de HCP (Monitor AK10 da Gambro®; linhas A/V Gambro®; filtro de carvão activado Adsorba® 300; 2000ml SF 0,9%; 500cc Dextrose 5%, Heparina convencional, Heparina BMP; luvas; máscara de protecção, bata de protecção, fonte de calor); •Preparar o material para a colocação do acesso vascular; •Usar material de protecção adequado; 2- PREPARAÇÃO DO MONITOR O circuito extracorpóreo é igual ao da hemodiálise, inclui um detector ar, bomba de sangue para impulsionar a passagem do sangue pelo circuito e pelo rim sendo que neste caso o rim é um filtro de carvão activado e não existe solução dialisante. Durante a técnica o filtro de carvão é aquecido por uma fonte de calor (candeeiro) Foto1, para prevenir coagulação do circuito e hipotermia do utente.

Priming do circuito consiste no preenchimento do filtro de carvão na posição vertical com o lado arterial
para baixo. •Realizar uma lavagem inicial com 500cc de Dextrose 5% com o objectivo de carregar o carvão com glicose (previne a descida do nível sérico de glicose no sangue durante a HCP) •Realizar nova lavagem com 2000cc de NaCl 0,9% heparinizado (5000U/l) com débito de bomba a ±160ml/min. 3 – INICIO DO TRATAMENTO •Iniciar tratamento através do acesso vascular; •Vigiar sinais vitais do utente; •Heparinizar circuito segundo prescrição, a HCP tem uma duração média de 3h30 a 4h heparinizando-se no início e a meio do tratamento com heparina de BPM (Enoxaparina 0,6mcg); •Manter vigilância das drenagens vesical e gástrica, do estado de consciência do utente e a estabilidade hemodinâmica; •Efectuar registos; 4 - FIM DO TRATAMENTO •Desligar o utente com soro Fisiológico sem heparina; •Heparinizar acesso vascular segundo a indicação dos lúmens arterial e venoso, •Realizar penso; •Avaliar sinais vitais; •Verificar estado de consciência e de higiene do doente; •Efectuar registos;

O

êxito

do

tratamento das

da

intoxicação iniciais

depende e da

fundamentalmente

medidas

quantidade ingerida. A HCP é a técnica de tratamento que está melhor documentada e apresenta melhores resultados práticos segundo os estudos efectuados. Perante o nosso trabalho nos últimos 13 anos, a HCP foi uma técnica muito utilizada entre os nossos utentes intoxicados, tendo sido efectuadas 311 sessões de HCP em 167 utentes no total. A melhor medida para o combate deste problema de saúde pública é a PREVENÇÃO.