You are on page 1of 23

EPÍSTOLA DE

PAULO AOS
COLOSSENSES
Por: Bruno Santos
AUTOR DA CARTA
 Autor: Paulo (e Timóteo)

 ―Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e
o irmão Timóteo―. (Cl 1:1)

 “Eu, Paulo, escrevo esta saudação de próprio punho.
Lembrem-se das minhas algemas. A graça seja com
vocês.‖ (Cl 4:18)

DATA E LUGAR
 É provável que Paulo tenha escrito esta carta durante
sua primeira prisão romana, por volta de 60 d.C. ou 61
d.C.

 ―Ao mesmo tempo, orem também por nós, para que
Deus abra uma porta para a nossa mensagem, a fim de
que possamos proclamar o mistério de Cristo, pelo qual
estou preso. (Cl 4:3)

 ―Eu, Paulo, escrevo esta saudação de próprio punho.
Lembrem-se das minhas algemas. A graça seja com
vocês.‖ (Cl 4:18)


TEMA DA CARTA


“A supremacia de Cristo”
TEXTOS CHAVES:
Colossenses 1:27 / 3:11
―Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas
da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo
em vós, esperança da glória; ‖
(Colossenses 1:27 - RA)

―No qual não pode haver grego nem judeu, circuncisão
nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo, livre; porém
Cristo é tudo em todos.‖
(Colossenses 3:11 - RA)

Classificação da Carta


Cristologia (doutrina de Cristo)

O Propósito da Carta
 Se a razão por que Colossenses foi escrita liga-se ao
relatório de Epafras a respeito dos falsos ensinos que
ameaçavam a igreja, daí se segue que o propósito da carta
foi advertir seus leitores contra essas heresias, e fazê-los
lembrar-se da verdade do evangelho que já haviam
recebido, e na qual agora viviam (1:5).
 Basicamente Paulo está dizendo-lhes que Cristo derrotou
os poderes do mal mediante sua morte na cruz (2:15).
 Isto significa que os falsos ensinos e as leis escravizadoras
provenientes da sabedoria humana, e dos espíritos que
governam o universo (2:8), nenhuma autoridade exercem
sobre os crentes (2:10); a prisão em que antigamente
atormentavam as pessoas, na forma de débitos não-pagos,
foi cancelada (2:14).
O Propósito da Carta II
 Paulo quer que seus leitores entendam esta verdade, pelo
que os leva a lembrar-se de que devem andar na luz das
tradições que receberam sobre Cristo e o evangelho.
 Este fato explica as muitas referências à verdade do
evangelho (1:5, 6, 25-27; 2:8, 9, 12, 13), e as
admoestações a que se compreenda e se viva tal
esperança (1:9, 10, 12, 23, 28; 2:2, 3, 5-7). As exortações
éticas (3:1ss.) constituem um lembrete adicional aos
colossenses, para que vivam em união com Cristo, e sob a
autoridade do Senhor exaltado.
O Propósito da Carta III
 Segundo o modo de Paulo entender o evangelho, não há
lugar para nenhum tipo de exclusivismo. Seu conceito do
"mistério" que ele foi chamado para proclamar é que
judeus e gentios, bem como o universo inteiro, foram
incluídos no plano de Deus de redenção (1:20, 25-29).
 Assim é que ele se regozija porque "em todo o mundo este
evangelho vai frutificando" (1:6, 23). O desejo de Paulo é
que durante seu encarceramento — e também depois —
ele possa continuar sua proclamação desse mistério (4:3,
4)
O Propósito da Carta IV
 Um dos perigos dos falsos ensinos em qualquer
congregação é que eles distorcem o plano de Deus,
transformando-o em exclusivismo.
 Os que seguem as "tradições dos homens" colocam-se no
topo, como elite espiritual iluminada, crendo que sua
sabedoria e legalismo tornam-nos diferentes dos demais
membros do corpo de Cristo.
 Em oposição ao exclusivismo, Paulo é inspirado a escrever
que os crentes já foram circuncidados na união com Cristo
(2:11, 12) e, como resultado de tal união, "não há grego
nem judeu" (3:11; observe GNB: "deixa de existir
quaisquer distinções entre gentios e judeus").
Diferença entre Efésios e
Colossenses
 Efésios: concentra-se na unidade da Igreja.
 Colossenses: enfatiza a divindade e a plena
suficiência de Cristo, em contraste com o vazio da
filosofia humana.
Epístola de Paulo Aos
Colossenses

Início do Estudo:

Capítulo 2







A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)


LER O TEXTO NA BÍBLIA







A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 Tesouros de conhecimento (2:1-7). Paulo falou do seu
trabalho como uma ―grande luta‖ (2:1; Ef 6:10-12; ) com
vários fins:
 “para que tenham toda a riqueza” (2:2-3): Paulo lutava
para o ―conforto‖ dos irmãos e para seu vínculo ―juntamente
em amor‖ (2:2). Muitos pregam que conforto vem pela cura e
pelo dinheiro e que a união vem quando esquecemos da
doutrina.
 Porém, o conforto e a união que Paulo pregava vieram pela
―riqueza da forte convicção do entendimento‖. Devemos ser
―ricos‖ no conhecimento de Cristo, porque somente nele há
tesouros verdadeiros (2:3). Pela palavra dele achamos
verdadeiro conforto e união (Jo 15:10-11)
A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 “para que ninguém vos engane” (2:4-7): Sem a
palavra de Cristo, seria fácil ser enganado pelas filosofias
e doutrinas de homens (2:4). Paulo ensinou a verdade
do evangelho entre os Colossenses, e assim teve certeza
da sua ―boa ordem‖ e da sua ―firmeza da fé‖ em Cristo
(2:5).
 Paulo os lembrava da necessidade de continuar andando
em Cristo (2:6-7). É Cristo que recebemos ao
obedecermos o evangelho. Se somos ―radicados e
edificados e confirmados‖ na igreja, no pastor, ou numa
doutrina que ensina coisas que Cristo não ensinou, não
temos recebido Cristo.
A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 Tesouros de perfeição (2:8-15). Por causa do
grande perigo de engano nas coisas pertencentes a
Deus, Paulo mostra que há perfeição somente por Cristo
(2:8):
 Cristo é perfeitamente Deus (2:8-9): Enquanto
homens enganam com as ―filosofias e vãs sutilezas‖ das
suas tradições, Cristo ensina a verdade de Deus, sendo
ele mesmo ―toda a plenitude da divindade‖ (2:9).
A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 “Nele estais aperfeiçoados” (2:10-15): Deus fez
Cristo o cabeça sobre toda autoridade (2:10; veja
Mateus 28:18). Qualquer autoridade que um homem
pode ter, Cristo tem mais. Por isso, somos aperfeiçoados
somente por ele e pela sua palavra (Ef 4:11-15).
 Para ser aperfeiçoado, é preciso ter a circuncisão
espiritual de Cristo, e não aquela feita por mãos
humanas (2:11). Isto acontece quando somos
―sepultados...no batismo‖. Assim Cristo ―ressuscita‖, ―dá
vida‖, e ―perdoa‖ (2:12-13). Para perdoar, Cristo
removeu por completo ―o escrito de dívida...encravando-
o na cruz‖ (2:14).
A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 Este escrito é uma referência à Lei de Moisés, que
condenava pecado mas não oferecia salvação (veja
Hebreus 7:11-19). Somente Cristo triunfou na cruz e
oferece salvação (2:15; Hb 5:7-9).
 Aplicação (2:16-19). Sendo que a perfeição é só em
Cristo, ela não vem pela Lei de Moisés (2:16-17), falsa
humildade, adoração de anjos, ou por visões (2:18). De
fato, qualquer pessoa que não segue somente o que Cristo
ensina nunca terá ―o crescimento que procede de Deus‖
(2:19).
A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 Na luta contra o pecado a perfeição vem somente por
Cristo (veja 2:1-19). Muitos, porém, insatisfeitos com
a simplicidade disso, criam rígidos regulamentos
físicos para "governar os fiéis" e os mantém "longe do
pecado".
 Os fariseus fizeram isto e Jesus os reprovou (Mt 15:1-
9). Hoje alguns continuam seguindo suas próprias
regras físicas como se fossem um meio de purificar a
alma. Mas Paulo mostra aos Colossenses que a
purificação só vem quando morremos com Cristo para
uma nova vida espiritual.
A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 Morremos com Cristo (2:20-23). No batismo
somos "sepultados" com Cristo (veja 2:12; Romanos
6:1-4), morrendo para o pecado e "para os
rudimentos do mundo" (2:20).
 Estes "rudimentos do mundo" incluem: a lei de
Moisés, com todas as suas sombras "das coisas que
haviam de vir" (veja 2:13-17); as coisas baseadas
na "mente carnal", como "culto dos anjos" e
"visões", as quais não retêm a autoridade de Cristo
(veja 2:18-19); e Ž ordenanças "segundo os
preceitos e doutrinas dos homens" (2:20-22).
A Defesa da Supremacia de Cristo
(Colossenses 2:1-23)
 Deus nos revelou "todas as coisas que conduzem
à vida e à piedade" para nos livrar "da corrupção
das paixões que há no mundo" (2 Pe 1:3-4).
 Qualquer outra coisa – regras humanas sobre
alimentos, cortes de cabelo, proibições contra TV, etc.
– podem ter "aparência de sabedoria", mas "não
têm valor algum contra a sensualidade" (2:23).
 Afinal, se um homem não morre com Cristo, ele não
vai deixar de pecar nas coisas sensuais só porque não
assiste a televisão.
DÚVIDAS???













FIM!