You are on page 1of 67

Introdução ao Estudo do

Direito

Professor Ronaldo Bazi


Esp. em Administração de Empresas
Esp. em Administração Pública e Direito Público
Seres humanos Sociáveis por natureza
Vivem em comunidades organizadas
regidas por normas

As normas submetem os homens e


orientam suas ações

Delimitam os Direitos e Deveres


DIREITO,
MORAL e ÉTICA
DIREITO
O que é o Direito?

 Origem: do latim – directum – aquilo que é


reto, correto, que na sua origem está de
acordo com a lei.
Ubi societás, ibi jus (onde há sociedade, há o
Direito)
Surge no pulsar do fato social
Por que surge o Direito?

Para regular as condutas


individuais, de acordo com as
necessidades da coletividade,
realizar a paz e o bem comum.
Conceituando o Direito

É o conjunto das normas gerais e positivas


que regulam a vida social. (Radbruch)
É a Ciência do dever ser.
- leis físicas: mundo do ser
-leis jurídicas: mundo do dever ser
Símbolos do Direito
Conceituando MORAL e ÉTICA

Moral e Ética são sinônimos?

-Na Antigüidade: usado como sinônimos

-Autores Atuais: diferenciação da terminologia


Conceituando MORAL e ÉTICA

Aristóteles tinha designado suas investigações teórico-


morais - então denominadas como “éticas” - como
investigações “sobre o ethos”, “sobre as propriedades
do caráter”,

Na ética aristotélica não apenas ocorre o termo éthos,


que significa propriedade de caráter, mas também o
termo éthos costume.
(Tugendhat E. Lições sobre Ética. Petrópolis: Vozes 1997:35).
Conceituando MORAL e ÉTICA

A moral se referiria aos costumes que determinada


sociedade possui e, portanto, se revestiria de um
sentido, digamos mais conformista, mais no rumo de
adequar o indivíduo ao seu grupo social; já a ética
diria respeito aos ethoi, aos diferentes caracteres
(plural de “caráter”), presentes em qualquer
sociedade e, por isso, destacaria a necessidade de cada
um buscar o seu caminho próprio, sem seguir a
manada.

(RIBEIRO, R.J, 2002)


A ética é a teoria ou ciência do comportamento
moral dos homens em sociedade. Ou seja, é ciência
de uma forma específica de comportamento
humano.
(Sánchez Vázquez)
ÉTICA
CONCEITOS
Ética é uma palavra de origem grega, com duas origens possíveis. A
primeira é a palavra grega éthos, que pode ser traduzida por costume,
a segunda também se escreve éthos, que significa propriedade do
caráter.
(Prof. José Roberto Goldim)
A Ética pode ser considerada como a arte da convivência, entendo arte
no seu sentido grego (téchne), como habilidade, destreza e capacidade
que se adquirem através da prática (praxis) das ações continuadas e
repetidas, uma e outra vez, com o propósito de se firmarem e se
constituirem um caráter, uma disposição para viver–com ou com-
viver, não apenas com os próximos imediatos, mas também com os
“outros”, os diferentes.
(Lia Diskin)
CONCEITOS

A Ética é o estudo geral do que é bom ou mau. Um dos


objetivos da Ética é a busca de justificativas para as
regras propostas pela Moral e pelo Direito. Ela é
diferente de ambos - Moral e Direito - pois não
estabelece regras. Esta reflexão sobre a ação humana é
que a caracteriza.

(http://www.ufrgs.br/bioetica/eticmor.htm)
MORAL
A palavra Moral tem origem no latim - morus -
significando os usos e costumes. Moral é o conjunto das
normas para o agir específico ou concreto. (Prof. José
Roberto Goldim)

Na Moral prima a obediência, a condição imperativa que


nem sempre está apoiada nos dizeres da razão. Às vezes
seu fundamento é dado pelo costume, pela tradição ou
universo de crenças. (Lia Diskin)
Diferenças entre
Direito e Moral

1) A Moral tem um campo de ação mais amplo do


que o Direito
2) A Moral preocupa-se com o foro íntimo do
indivíduo, enquanto ao Direito interessa apenas a
ação exterior do homem.
3) O Direito, em regra, estabelece sanções mais
concretas e imediatas
DIREITO MORAL

fato

ÉTICA
DIREITO MORAL

fato

ÉTICA
DIREITO MORAL

fato

ÉTICA
DIREITO MORAL

ÉTICA
fato
DIREITO MORAL

fato

ÉTICA
Modelo baseado na Complexidade
Aspectos Aspectos
Aspectos Culturais Aspectos
Políticos
Espirituais Psicológicos

Aspectos Aspectos
Profissionais Educacionais
Ética
Aspectos Adequação ou Aspectos
Assistenciais Inadequação da Científicos

Aspectos
Ação
Aspectos
Biológicos Econômicos
Aspectos Aspectos
Sociais Aspectos
Legais
©Goldim/2004
Morais
DIREITO COMO LEI - LEX - LEGIS
• escritas (lei)

OBJETIVO
DIREITO
(Lei) Ex.: Art. 4,7  o
direito não permite o NORMAS • Não escritas
I –NORMA
pagamento Inferior ao (Conjuntural)
(costumes)
salário mínimo (jurisprudência)

(Prerrogativas) –
PODER
II – FACULDADE Ex.: Os empregados DIREITO
(possibilidade
tem direito (faculdade) SUBJETIVO
De Agir)
ao salário mínimo.

DIREITO & DEVER

DIREITO = NORMA : Quando refere-se a lei existente

DIREITO ≠ NORMA: quando a lei não existe e sim um costume é aceito


HERMENÊUTICA  Entendimento / interpretação

SÚMULA  é a jurisprudência consolidada em determinados tribunais

DIREITO OBJETIVO  conjunto de todas as normas escritas (lei) e


não escritas (costumes)

DIREITO POSITIVO  é o direito real – conjunto de normas escritas e aceitas


OBJETIVO pela sociedade, podem ser exigidas e cobradas.

Conjunto de NATURAL  (É UMA ABSTRAÇÃO FILOSÓFICA), são princípios,


todas as regras milenares, costumes estabelecidos de longa
normas data)
Escritas ou É direito subjetivo: dignidade, igualdade, vida, direito
Não escritas à opinião e á religião
CIÊNCIA DO Estudo sistematizado das normas, princípios e do ordenamento
DIREITO Jurídico.

Constituição
Federal
 normas

 princípios

or
e
ad

ga
d

ni z
 ordenamento

cie

ad
so

a
• DESCREVE AS NORMAS
TEORIAS
CIENCIA • CONHECE AS NORMAS
• Idéias que estabelecemos
DO • COMPREENDE AS NORMAS
DIREITO • INTERPRETA AS NORMAS
• Verdades criadas pelas
(hermenêuticas das leis)
estruturas do Direito
• APLICAÇÃO DAS NORMAS
JUSTO  A PALAVRA DIREITO ASSUME UMA CONDIÇÃO FILOSÓFICA E MORAL
Ex.: Não é direito (justo) o salário mínimo de R$465,00.

FATO SOCIAL  O direito é uma forma de controle da sociedade da qual surge e na qual
se insere, controla e a disciplina.

• constitucional
• administrativo
OS • financeiro
RAMOS • tributário
DO PÚBLICO • penal • civil
DIREITO • processual • penal
• previdenciário
• econômico
• internacional
• DIREITO CIVIL
• FALÊNCIAS
PRIVADO
• TÍTULOS
OS • DIREITO EMPRESARIAL DE CRÉDITO
RAMOS • FRANQUIAS
DO
DIREITO • Trabalho ( CLT )
• Código do consumidor (PROCON)
MISTO • Ambiental
• Agrário
• telecomunicações
• Estatuto da Criança e do Adolescente
ETC...
• ESCRITAS  LEIS 95%

• NÃO ESCRITAS  COSTUMES


(5%) Ex.: cheque pré-datado,
POSITIVO guardador de carros,
DIREITO Conjunto de gorjeta
OBJETIVO NORMAS
normas
vigentes na • Direitos subjetivos Ambos tem
sociedade • Deveres relações
jurídicas
Conjunto de
todas as
normas NORMAS NATURAIS
que estão
em vigor na NATURAL
Não escritas, mas não são Costumes.
sociedade. São princípios antigos de pai para
Direitos e filho...de geração em geração...
deveres
DIREITO
NATURAL a) Origem Divina – Leis Divinas
(Os 10 mandamentos...)
Criado pelos
Jusnaturalistas
Preservado
b) Origem Racional – Leis humanas
pelo pacto racionais, criadas por pensadores representa a
social. Originário busca de uma ordem supra-jurídica, anterior ao
dos pensadores Direito Positivo, perfeita, universal, imutável e
como Rousseau, justa. Sempre tem-se que ouvir o contraditório.
Montesquieu, No DIREITO RACIONAL, a fonte é a razão
Hobbes, Locke, humana – a reta razão - a natureza humana,
Maquiavel
A coisa básica.
Obs.: Estes pensadores são também chamados de contratualistas.

Século XX – Sentido Histórico-evolutivo do direito natural  Direitos Humanos,


direito aplicado ao Meio ambiente, ao Desenvolvimento
No caso de não haver Lei ou Norma Escrita, determinados cuidadores do direito
podem criar teorias que reunem costumes admitidos pela sociedade, que visam
a se tornar futuras normas. O DIREITO NATURAL é uma construção intelectual
criando uma teoria que trata do imponderável, do direito construído ao longo da
existência da humanidade, atribuído à costumes e regras herdados de geração
em geração.
• o Direito como uma disciplina científica
• a busca de uma neutralidade científica
DIREITO • não interessam os valores, por serem relativos
POSITIVO • uma ciência pura,do Direito:
• O objeto é o conjunto de normas estatais.
Conjunto de • o Direito é a ordem normativa dotada de coação
normas (ou seja é coagida a ser aplicada – obrigação de coação)
vigentes na • a validade do Direito encontra-se nele próprio
Sociedade • escalonamento das normas
• busca de um conhecimento sistemático e seguro:
interpretação das normas e suas aplicações (decisão)
• AS LEIS  criadas pelo Estado
98% das normas
ESTATAIS • JURISPRUDÊNCIA - decisão
dos juizes dos tribunais

• Costumes
• Doutrina  (autores de Direito)
• Contratos Coletivos  (Acordos
AS
entre grupos inter-relacionais
FONTES
DO INFRA-ESTATAIS Ex.: patrão x empregados
• Princípios Gerais  (frases conceituais
DIREITO
geralmente em LATIM (Brocardos)
“Pacta sunt servanda”; “ In dubio pro
reo” – etc..

• Tratados Intrernacionais
SUPRA-ESTATAIS • Costumes
• Princípios
FONTES MATERIAIS
AS
FONTES Fatos sociais ou
DO Econômicos que
DIREITO dão origem ao
Direito

LICC (Lei de Introdução ao Código Civil – art 4) – Quando não tiver lei, ouvir-se-á um
costume, princípio de direito ou analogia às leis semelhantes

• generalidades
• uniformidade
COSTUMES Elementos • continuidade
• notoriedade
Direito
consuetudinário
(costumeiro) Dependem da prova
elemento do
sistema • “Secundum legem” – segundo a lei
Espécies • “Praeter legem” – acima da lei
• “ Contra legem” – Contra a lei, o Direito
Brasileiro, não aceita.
• CONSTITUCIONAIS - emendas
• COMPLEMENTARES
a) HIERARQUIA • ORDINARIAS (Cod. Civil e Penal
• LEIS DELEGADAS (Executivo)
• DECRETOS

Poder legislativo Poder Executivo


• Normas constitucionais • Decretos
• Leis complementares • Resoluções
CLASSIFICAÇÃO
• Leis ordinárias • Avisos
DAS
• Decretos legislativos • Portarias
LEIS

• Imperativas (opção definida,


leis de ordem pública, casos de
família.
b) OBRIGATORIEDADE • Supletivas – leis com várias
opções - (Ex.: escolha de regime
de casamento)
• Substantivas – (C. Civil ;
C. Penal) – Direito da Proprie-
c) NATUREZA dade)
• Adjetivas (C. Processo Civil;
C. de Processo Penal)

d) APLICABILIDADE • AUTO-APLICÁVEIS
• Dependem de Regulamentação

CLASSIFICAÇÃO • esparsas (Leis soltas, extravagantes)


DAS • consolidações – ( ajuntamento de
LEIS e) SISTEMATIZAÇÃO leis – CLT, CLPS, etc..
• códigos (lei estruturada – Códigos
Penal e Civil)

• Federais
c) ORIGEM • Estaduais
• Municipais
• Material  Conteúdo - (Sociedade do Homem
FONTES advindo dos problemas sociais,
DO econômicos e políticos)
DIREITO
• Formal  (elementos, costumes  jurisprudência)

• Fonte estatal, não circulante


• Importante para a Jurisprudência e as alterações legislativas
A DOUTRINA • Argumentos de autoridade – (Citações de outrem) –
geralmente oriundos de doutrinadores
• Criação de princípios

• ANTIGAMENTE  Ciência do Direito


• ATUALMENTE  Conjunto de decisões judiciais que
A JURISPRUDÊNCIA permitem prever como se decidirá em caso análogo.
É a aplicação do • É a interpretação judiciária do direito.
Direito com prudência • Direito vivo, concreto, particular  individualizado
• LEI; regra geral e abstrata

IMPORTÂNCIA DA JURISPRUDÊNCIA (HUGHES)  ...Vivemos sob uma constituição,


mas uma constituição é aquilo que os juizes afirmam que ela é.”
 Revela-se pela jurisdição
 Fundamenta-se em a) lacunas (vazios da Lei)
b) elasticidade (ambigϋidades)
A JURISPRUDÊNCIA  Altera-se pelo tempo, pelo espaço e pelas experiências
pessoais dos juizes.
 Tendência a uniformização  SÚMULAS
ANTES DO • intérprete + legislador
SÉCULO XVIII decisão livre e soberana  decisão prudente

• Intérprete e escravo da lei  mero aplicador


PAPEL DO da lei – interpretação restrita de todas as
JUIZ áreas do direito.
DEPOIS DO • Princípio da legalidade  (O Direito é a lei
SÉCULO XVIII escrita)
• Separação dos poderes  (Juiz é o aplicador
da Lei enquanto o legislativo cria as leis.
• Codificação  existem códigos. Ex; Código
Francês; Código de Napoleão;...

NO DIREITO BRASILEIRO  ocorre a valorização da lei escrita, aliada à livre


convicção do Juiz. Trata-se de um Sistema Misto
LEI & DECISÃO LIVRE

C.F [5º II]  principio da legalidade


LICC [2º]  Lei Introdução ao Código Civil
ARTIGOS
LICC [4º]  Na omissão da Lei o Juiz decidirá por analogia
SOBRE A
aos costumes.
LEGISLAÇÃO
LICC [5º]  Na aplicação da Lei, o Juiz atenderá aos fins sociais
a que ela se dirige e às exigências do bem comum
Conjunto de idéias de conteúdo moral contido no ordenamento
PRINCIPIOS
Jurídico. Diretrizes para a íntegração de lacunas e interpretação
GERAIS DO
das normas. Estabelecem a conexão entre os valores sociais e
DIREITO
políticos e o ordenamento.

• Presume-se a inocência (Penal) – a boa fé (civil)


• Todo o dano dever ser reparado
• “Pacta sunt servanda” – Todo o acordo deve ser cumprido
MODELOS • “Sumum jus summa injuria” - A justiça aplicada com rigor é injusta
• “Non bis idem” – Não se condena duas vezes pelo mesmo crime
• “Utile per inutile non viciatur” –
• “In dubio pro reo” – Na dúvida decisão pelo réu.
MÁXIMAS • “Clausula rebus sic stantibus” – prevê a revisão dos contratos
frente a uma de mudança de força maior – alteração dos contratos –
Teoria da Imprevisão – fato gerador da mudança não poderia ser previsto
• Vale mais a intenção que o sentido literal da Lei.
• “Nemo auditor propriam turpitudinem allegans”
BROCARDOS Ninguém pode invocar sua própria torpesa
(textos em latim)
• Principio da individualização das penas
• Princípio da Proporcionabilidade das penas
• Princípio da Razoabilidade
• Principio Democrático
Direito Empresarial

Prof.Ronaldo Bazi
“Conjunto de princípios e normas
concernentes à estrutura e atividades
das empresas.”

Celso Marcelo de Oliveira


Direito Civil
Direito Empresarial = +
Direito Comercial
Direito Civil
 Lei n.º 10.406/2002: Código Civil
Brasileiro. É dividido em:

1) Parte Geral:
- Das pessoas;
- Dos Bens;
- Dos Fatos Jurídicos.
2) Parte Especial:

- Do Direito das Obrigações;


- Do Direito de Empresa;
- Do Direito das Coisas;

- Do Direito de Família;

- Do Direito das Sucessões.


Direito Comercial
 Lei n.º 556/1.850: Código Comercial
Brasileiro:
- Parte Geral: Arts. 1º a 456 foram
revogados pelo Novo Código Civil
Brasileiro;
- Parte Especial: mantém em vigor as
partes que retratam o Comércio
Marítimo.
I - Empresa:

É o exercício individual ou coletivo da


atividade econômica organizada de
produção, circulação de bens e de
serviços.
Elementos da Empresa:
1) Empresário;

2) Estabelecimento;

3) Atividade Econômica.
1. Empresário:

“Considera-se empresário quem


exerce profissionalmente atividade
econômica organizada para a
produção ou circulação de bens ou de
serviços.”
Art. 966 do Código Civil
Profissionalismo
Características:
a) Habitualidade;

b) Pessoalidade: se o empregado fizer


as atividades empresariais, deverá
ser em nome do empregador;
c) Monopólio das Informações que o
empresário detém.
Atividade
 Não confundir a empresa = atividade
com:
- Empresário
- Estabelecimento
- Sociedade

 Deve ser usada como sinônimo de


empreendimento.
Econômica

 Busca gerar lucros para quem a


explora.
Organizada
 Na empresa encontram-se
articulados, pelo empresário, os 4
fatores de produção:
- Capital;
- Mão-de-obra;
- Insumos;
- Tecnologia.
Produção de Bens ou Serviços
 Produção de bens: fabricação de
produtos ou mercadorias. Ex: donos de
montadoras de veículos, confecção de
roupas, etc.
 Produção de serviços: é a prestação de
serviços. Ex: bancos, seguradoras,
hospital, escolas, etc.
Circulação de Bens ou Serviços
 Bens: São as atividades do Comércio –
buscar o bem no produtor e trazê-lo ao
consumidor. Ex: donos de mercado.

 Serviços: É intermediar a prestação de


serviços. Ex: agência de turismo
* Atividades Econômicas Civis

 Não são considerados empresários.

 Não possuem as mesmas regras que a


empresa.
A) Prestação de serviços diretamente,
sem organização. Ex: sacoleira.
B) Profissional Intelectual. Ex: músicos,
advogados, etc.
C) Empresário Rural, desde que não
haja requerimento de inscrição no
registro de empresas. Art. 971, CC.
D) Cooperativas: por expressa
disposição legal.
Requisitos do Empresário:
 Capacidade: aos 18 anos ou através da
Emancipação

 Livre Administração dos Bens;

 Ausência de impedimento legal.


2. Estabelecimento:

 São os bens corpóreos e incorpóreos que


integram o patrimônio da Empresa.
3. Atividade Econômica
Organizada:

3.1 Profissionalismo: exercício habitual


da atividade empresarial na produção ou
circulação de bens ou serviços.
3.2 Risco: É a possibilidade do
empreendimento não gerar
vantagens.

3.3 Lucro: Finalidade da atividade.


A Empresa pode ser:
1. Individual: emprega seu dinheiro e
organiza a empresa individualmente;

 Não existe a figura do sócio, havendo


apenas o exercente.

 Não está livre das obrigações


empresariais.
 É uma atividade com administração
pessoal.

 O empresário exerce em nome próprio a


administração da empresa.

 O nome empresarial será o próprio


nome pessoal (própria firma).
 A responsabilidade pelo exercício da
atividade está ligada ao administrador.

 O patrimônio que responde pelas


obrigações é o do empresário.
2. Sociedade: união de esforços de seus
integrantes.

“É a organização proveniente do
acordo de duas ou mais pessoas, que
pactuam a reunião de capitais e
trabalho para um fim lucrativo.”

Fran Martins
Algumas Espécies de Sociedade:
 Sociedade em Nome Coletivo;
 Sociedade Anônima;
 Sociedade Limitada;
 Sociedade em Comandita por Ações;
 Sociedade em Comandita Simples.
Obrigações Empresariais:
 Registro: na Junta Comercial e no
Cartório de Registro de Pessoas
Jurídicas;
 Escrituração: é a redução à termo de
todas as operações contábeis.
 Balanço Anual: para demonstrar os
resultados da empresa.