GUERRA DO PARAGUAI

INTRODUÇÃO


Apesar de a grande maioria das pessoas já perceber que a Guerra do
Paraguai não foi uma disputa de mocinhos e bandidos, esse importante
acontecimento é normalmente estudado de forma superficial. Para
compreendermos esse conflito, é necessário entender o conjunto de
interesses envolvidos, superando o maniqueísmo que envolve a relação de
Brasil e Paraguai e aprofundar o entendimento sobre o papel do imperialismo
inglês.

A Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na
América do Sul no século 19. Rivalidades platinas e a formação de Estados
nacionais deflagraram o confronto, que destruiu a economia e a população
paraguaias.

É também chamada Guerra da Tríplice Aliança (Guerra de la Triple Alianza)
na Argentina e Uruguai e de Guerra Grande, no Paraguai. A Guerra do
Paraguai durou seis anos. Teve seu início em dezembro de 1864 e só chegou
ao fim no ano de 1870, com a morte de Francisco Solano Lopes.



Maniqueísmo - adjetivo para toda doutrina fundada nos dois princípios opostos do Bem e do Mal.

CONTEXTO HISTÓRICO

No século XIX, as nações americanas emancipadas após a crise do sistema
colonial se lançaram ao desafio de estabelecerem a soberania política e
econômica de seus territórios. Tarefa bastante difícil, pois passados séculos
de dominação colonial, esses novos países teriam que enfrentar os desafios
estabelecidos pelo capitalismo industrial e financeiro do período.

Segundo alguns estudiosos, o processo de independência das nações
latino-americanas não significou o fim da subserviência política e da
dependência econômica. Sob outros moldes, esses países ainda estavam
presos a instituições corruptas e à antiga economia agroexportadora.
Contrariando essa tendência geral, durante o século XIX, o
Paraguai implementou um conjunto de medidas que busca-
vam modernizar o país. Nos governos de José Francia (1811-
1840) e Carlos López (1840-1862) o analfabetismo foi erradi-
cado do país e várias fábricas foram instaladas com o sub-
sídio estatal. Além disso, melhorou o abastecimento alimen-
tício com uma reforma agrária que reestruturou a produção
agrícola paraguaia ao dar insumos e materiais para que os
camponeses produzissem. Esse conjunto de medidas me-
lhorou a condição de vida da população e fez surgir uma in-
dústria autônoma e competitiva.

No ano de 1862, Solano López chegou ao poder com o objetivo de
dar continuidade às conquistas dos governos anteriores.
Francisco Solano López, ditador do Paraguai.

Nessa época, um dos grandes problemas da economia paraguaia
se encontrava na ausência de saídas marítimas que escoassem a sua pro-
dução industrial. Os produtos paraguaios tinham que atravessar a região
da Bacia do Prata, que abrangia possessões territoriais do Brasil, Uruguai e
Argentina. Visando melhorar o desempenho de sua economia, Solano
pretendia organizar um projeto de expansão territorial que lhe oferecesse uma
saída para o mar, logo o novo presidente se mostrava mais simpático a um
projeto expansionista que visava incorporar territórios da Argentina, Brasil e
Uruguai para a formação do “Paraguai Maior”. Essa medida visava ampliar o
volume de produtos exportados pela proeminente indústria paraguaia com a
garantia de uma exclusiva saída para o mar. Dessa maneira, o governo
paraguaio se voltou à produção de armamentos e a ampliação dos exércitos
que seriam posteriormente usados em uma batalha expansionista.

No entanto, outra corrente historiográfica atribuiu o início da guerra aos
interesses econômicos que a Inglaterra tinha na região. De acordo com essa
perspectiva, o governo britânico pressionou o Brasil e a Argentina a
declararem guerra ao Paraguai alegando que teriam vantagens econômicas e
empréstimos ingleses caso impedissem a ascensão da economia paraguaia.
Com isso, a Inglaterra procurava impedir o aparecimento de um concorrente
comercial autônomo que servisse de modelo às demais nações latino-
americanas. Mais uma vez, não aceitando a chegada dos “blancos” uruguaios
ao poder, o Brasil decidiu enviar tropas apoiando as guerrilhas do grupo de
oposição colorada para derrubar o novo governo do Uruguai. A ação
intervencionista do Brasil, feita em 1864, foi a justificativa encontrada por
Solano Lopez para invadir a província do Mato Grosso e 2 provín-
cias argentinas. A partir de então, estava formado o cenário inicial da
maior guerra da história militar brasileira.
CAUSAS

• Desde sua independência, os governantes paraguaios afastaram o país
dos conflitos armados na região Platina. A política isolacionista paraguaia,
porém, chegou ao fim com o governo do ditador Francisco Solano López.

• Em 1864, o Brasil estava envolvido num conflito armado com o Uruguai.
Havia organizado tropas, invadido e deposto o governo uruguaio do
ditador Aguirre, que era líder do Partido Blanco e aliado de Solano López. O
ditador paraguaio se opôs à invasão brasileira do Uruguai.
.
• Como retaliação, o governo paraguaio aprisionou no porto de Assunção o
navio brasileiro Marquês de Olinda, e em seguida atacou a cidade de
Dourados, em Mato Grosso. Foi o estopim da guerra. Em maio de 1865, o
Paraguai também fez várias incursões armadas em território argentino, com
objetivo de conquistar o Rio Grande do Sul. Contra as pretensões do governo
paraguaio, o Brasil, a Argentina e o Uruguai reagiram, firmando o acordo
militar chamado de Tríplice Aliança.

• Antes da guerra, o Paraguai era uma potência econômica na América do Sul.
Além disso, era um país independente das nações européias. Para a Inglaterra,
um exemplo que não deveria ser seguido pelos demais países latino-
americanos, que eram totalmente dependentes do império inglês. Foi por isso,
que os ingleses ficaram ao lado dos países da tríplice aliança, emprestando
dinheiro e oferecendo apoio militar. Era interessante para a Inglaterra
enfraquecer e eliminar um exemplo de sucesso e independência na América
Latina. Após este conflito, o Paraguai nunca mais voltou a ser um país com
um bom índice de desenvolvimento econômico, pelo contrário, pas-
sa atualmente por dificuldades políticas e econômicas.
AS BATALHAS DA GUERRA DO PARAGUAI

A guerra do Paraguai durou seis anos, período durante
o qual travaram-se várias batalhas. As forças militares
brasileiras, chefiadas pelo Almirante Barroso, venceram
a batalha do Riachuelo, libertando o Rio Grande do Sul.
Em maio de 1866, ocorreu a batalha de Tuiuti, que dei-
xou um saldo de 10 mil mortos, com nova vitória das tro-
pas brasileiras.

A Batalha do Riachuelo, um dos mais sangrentos
episódios da Guerra do Paraguai.- óleo de Vítor
Meireles

Em setembro, porém, os paraguaios
derrotam as tropas brasileiras na batalha
de Curupaiti. Desentendimentos entre os
comandantes militares argentinos e
brasileiros levaram o imperador Dom
Pedro II a nomear Luís Alves de Lima e
Silva, o duque de Caxias, para o
comando geral das tropas brasileiras.
Ainda assim, em 1867, a Argentina e o
Uruguai se retiram da guerra.
Ao lado de Caxias, outro militar brasileiro que se destacou na campanha
do Paraguai foi o general Manuel Luís Osório.

Sob o comando supremo de Caxias, o exército brasileiro foi reorganizado,
inclusive com a obtenção de armamentos e suprimentos, o que aumentou a
eficiência das operações militares. Fortalecido e sob inteiro comando de
Caxias, as tropas brasileiras venceram sucessivas batalhas, decisivas para
a derrota do Paraguai. Destacam-se as de Humaitá, Itororó, Avaí, Angostura e
Lomas_Valentinas.

Ofensivas do Paraguai e da Tríplice Aliança.


VITÓRIA BRASILEIRA

No início de 1869, o exército brasileiro tomou Assunção, capital do Paraguai. A
guerra chegou ao fim em março 1870, com a Campanha das Cordilheiras. Foi
travada a batalha de Cerro Corá, ocasião em que o ditador Solano López foi
perseguido e morto. Vale lembrar que, a essa altura, Caxias considerava a
continuidade da ofensiva brasileira uma carnificina e demitiu-se do comando
do exército, que passou ao conde d'Eu, marido da princesa Isabel. A ele coube
conduzir as últimas operações.

CONSEQÜÊNCIAS DA GUERRA

Para o Paraguai, a derrota na guerra foi desastrosa. O conflito havia levado à
morte cerca de 80% da população do país, na sua maioria homens. A indústria
nascente foi arrasada e, com isso, o país voltou a dedicar-se quase que
exclusivamente à produção agrícola.

A guerra também gerou um custoso endividamento do Paraguai com o Brasil.
Essa dívida foi perdoada por Getúlio Vargas, quase meio século depois. Mas os
encargos da guerra e as necessidades de recursos financeiros levaram o país
à dependência de capitais estrangeiros.

O saldo da guerra foi trágico para os paraguaios. O proje-
to desenvolvimentista chegou ao seu fim com a morte de López, os pequenos
proprietários foram expropriados de suas terras e a grande maioria da
população economicamente ativa do país morreu durante os seis anos de
guerra. Os países da Tríplice Aliança também foram prejudicados, pois a
contração de empréstimos acabou prejudicando a economia desses países.
No Brasil, essas conseqüências negativas implicaram no reforço da campanha
antimonarquista.

A Guerra do Paraguai também
afetou o Brasil. Economicamen-
te, o conflito gerou muitos Em-
cargos e dividas que só pude-
ram ser sanados com emprés-
timos estrangeiros, o que fez
aumentar nossa dependência
em relação às grandes potên-
cias da época (principalmente
a Inglaterra) e a dívida externa.
Não obstante, o conflito armado provocou a modernização e o fortale-
cimento institucional do Exército brasileiro.


Com a maioria de seus oficiais comandantes provenientes da classe
média urbana, e seus soldados recrutados entre a população pobre e os
escravos, o exército brasileiro tornou-se uma força política importante,
apoiando os movimentos republicanos e abolicionistas que levaram ao fim do
regime monárquico no Brasil.
O Papel da Inglaterra e a Guerra Impopular contra o Paraguai

A Inglaterra, embora não tenha tomado parte DIRETA na Guerra contra o Paraguai, foi a maior
beneficiária daquele episódio histórico: credora dos países vencedores (a quem vendia as
armas para a Guerra, também) saiu-se magnificamente com a destruição de seu único
potencial rival (um Paraguai plenamente industrializado) no Cone Sul da América Latina.
O Documentário de Sylvio Back também desmistifica a idéia de "voluntários da pátria", em
sua maioria escravos que iam a ferros para o front do conflito.


A Corrupção deslavada ao início
da Guerra do Brasil contra o Paraguai


José Júlio Chiavenato e uma atriz interpretando Madame Lynch fazem um balanço
final de quem ganhou e quem perdeu com o massacre genocida perpetrado pelo Brasil,
Argentina e Uruguai contra o Paraguai. A maior beneficiária - de longe - foi a Inglaterra.
O Paraguai perdeu mais de 90% de sua população masculina com muitas mulheres e
crianças escravizadas no Brasil, no Uruguai e na Argentina. Os países "vencedores"
estavam tão endividados para com a Inglaterra que muito do que hoje chamamos de
"dívida externa", recentemente "internalizada" no Brasil e na Argentina por ordem do
FMI, começa com aquela guerra impopular da chamada "Tríplice Aliança" contra a única
Nação industrializada da América Latina.....
O Que foi
A Guerra do Paraguai foi um conflito militar que ocorreu na América do Sul, entre
os anos de 1864 e 1870. Nesta guerra o Paraguai lutou conta a Tríplice Aliança
formada por Brasil, Argentina e Uruguai.

Causa principal:
Pretensões do ditador paraguaio Francisco Solano Lopes de conquistar terras na
região da Bacia do Prata. O objetivo do Paraguai era obter uma saída para o
Oceano Atlântico.

Início e desenvolvimento do conflito:
- A guerra teve início em novembro de 1864, quando um navio brasileiro foi
aprisionado pelos paraguaios no rio Paraguai.

- Em dezembro de 1864, o Paraguai invadiu o Mato Grosso.

- No começo de 1865, as tropas paraguaias invadiram Corrientes (Argentina) e logo
em seguida o Rio Grande do Sul.

- Em 1 de maio de 1865, Brasil, Argentina e Uruguai selam um acordo para
enfrentar o Paraguai. Contam com a ajuda da Inglaterra.

- Em 11 de junho de 1865 ocorreu um dos principais enfrentamentos da guerra,
a Batalha de Riachuelo. A vitória brasileira neste enfrentamento naval
foi determinante para a derrota do Paraguai.

- Em abril de 1866 ocorreu a invasão do Paraguai.

- Em 1869, sob a liderança de Duque de Caxias, os militares brasileiros chegam
a Assunção.

- A guerra terminou em 1870 com a morte de Francisco Solano Lopes em Cerro
Cora.

Saldo e consequências da Guerra:

- Nesta guerra morreram cerca de 300 mil pessoas (civis e militares);

- Cerca de 70% (ou 80%, as estimativas divergem) da população paraguaia morreu
na guerra;

- A indústria paraguaia foi destruída e a economia ficou totalmente comprometida;

- O prejuízo financeiro para o Brasil, com os gastos de guerra, foi extremamente
elevado e acabou por prejudicar a economia brasileira.

- A Inglaterra, que apoiou a Tríplice Aliança, aumentou sua influência na região.

Bibliografia
http://www.sohistoria.com.br/ef2/guerraparaguai/

http://www.suapesquisa.com/historia/guerradoparaguai/

http://guerras.brasilescola.com/seculo-xvi-xix/a-guerra-paraguai.htm

http://www.brasilescola.com/historiab/guerra-paraguai.htm

http://www.historiadobrasil.net/guerraparaguai/

http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=12

http://imagenshistoricas.blogspot.com/2010/01/guerra-do-paraguai.html

http://www.culturabrasil.org/guerradoparaguai.htm

Guerra do Brasil – Toda a Verdade sobre a guerra do Paraguai
Ficha Técnica:
Gênero: Documentário
Diretor: Sylvio Back
Duração: 79 minutos
Ano de Lançamento: 1987
País de Origem: Brasil