You are on page 1of 19

MODELO DE AUTO - AVALIAÇÃO

DAS
BIBLIOTECAS ESCOLARES

WORKSHOP FORMATIVO DE APRESENTAÇÃO
DO
MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO
Guião da sessão

 E sta se ssã o d e tra b a lh o é co n stitu íd a p o r 4
m o m e n to s:

üR e flexã o e m to rn o d e re p re se n ta çõ e s m e n ta is
d a B E e o n o vo co n ce ito d e B E
üA p re se n ta çã o P P T: b re ve exp licita çã o d o
m o d e lo d e a u to -a va lia çã o d a B E
üTra b a lh o d e p a re s
üPa rtilh a e m g ra n d e g ru p o / S iste m a tiza çã o d e
co n clu sõ e s

Objectivos do workshop
Ø C o m p re e n d e r o n o vo co n ce ito d e b ib lio te ca
e sco la r, n u m co n te xto d e m u d a n ça s;
Ø C o n h e ce r o M o d e lo d e A u to -A va lia çã o d a B E ;
Ø Pe rsp e ctiva r p rá tica s a d e q u a d a s a o M o d e lo ;
Ø E n te n d e r o va lo r e o p a p e ld e ca d a u m n o
p ro ce sso ;
Ø S e n sib iliza r o s vá rio s a g e n te s e d u ca tivo s p a ra
o tra b a lh o co la b o ra tivo co m a B E ;
Ø E sta b e le ce r “ p o n te s” e n tre a B E e to d o s o s
e le m e n to s d a co m u n id a d e e sco la r q u e se rve .
Ø
Brainstorming

 D e fin içã o d e B ib lio te ca e sco la r p e lo s p re se n te s

 (apontar as várias ideias)
Biblioteca é ...
 "Há o hábi
t
para procourdaer pensar que se entra n
Não é verdad um livro. uma bibliotec
a
mas o que na e. Sim, por aí se começ
realidade se
 busca é aa, a v e
ntu r a ".
Umberto Eco, A
Biblioteca

Aventura , n , f . Acontecimento extraordinário,
sucesso estranho e inesperado. Feito de armas,
buscado por espírito aventureiro. Risco, perigo,
sorte inopinada, acaso.
Novo conceito de BE
Ø“BE: um novo lugar documental, situado no coração do
estabelecimento de ensino e susceptível de
favorecer e facilitar a emergência de novas
modalidades de acção educativa" (Rui Canário et
alii, 1994);
Ø Está em em mutação: novos contextos de trabalho e de
prestação de serviços fruto dos impactos do
paradigma digital;
Ø Espaço privilegiado de trabalho e de construção do
conhecimento e das aprendizagens;
Ø Instrumento fundamental para o desenvolvimento dos
currículos;
Ø Aliada indispensável para o sucesso educativo (Cf
com o Projecto Educativo da escola).

A biblioteca escolar
proporciona informação e ideias
fundamentais para sermos bem
sucedidos na sociedade actual,
baseada na informação e no
conhecimento.

A biblioteca escolar
disponibiliza serviços de
aprendizagem, livros e outros
recursos que permitem a todos
os membros da comunidade
escolar
tornarem-se pensadores críticos
e utilizadores efectivos da
informação em todos os suportes
e meios de comunicação.
Manifesto da BE,
IFLA/UNESCO, 1999
Respostas para 5
questões
1 . O quê? Em que consiste o Modelo de Auto-
Avaliação da BE?
2 . Quem? A quem compete avaliar?
3 . Quando? Em que momentos se procede à Auto-
Avaliação da BE?
4 . Porquê? Por que razões temos de avaliar a
BE?
5 . Como? De que modo se deve implementar a
Auto-Avaliação da BE? Quais as etapas a
seguir?
1. O Quê?
1996: início do Projecto Rede de Bibliotecas Escolares;
2008/09: experimentação do Modelo de Auto-Avaliação em
algumas escolas nacionais;
O Modelo de Auto-Avaliação foi criado para avaliar a
forma como se está a concretizar o trabalho das
bibliotecas escolares, tendo como pano de fundo
essencial o seu contributo para as aprendizagens, para
o sucesso educativo e para a promoção da aprendizagem
ao longo da vida.
Constitui um quadro de referência, permitindo uma
abordagem essencialmente qualitativa, orientada para
uma análise dos processos e dos resultados e numa
perspectiva formativa, permitindo identificar as
necessidades e os pontos fracos com vista a melhorá-
los.
Organização estrutural
 O M o d e lo o rg a n iza -se e m to rn o d e 4 domínios e
respectivos
subdomínios, representando áreas essenciais em que a BE

actua:

Ø A . Apoio ao Desenvolvimento Curricular
 A . 1 . Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas e os docentes
 A . 2 . Desenvolvimento da literacia da informação
Ø B . Leitura e Literacias
Ø C . Projectos , Parcerias e Actividades Livres e de
Abertura à Comunidade
 C . 1 . Apoio a actividades livres, extracurriculares e de enriquecimento
curricular
 C . 2 . Projectos e Parcerias
Ø D . Gestão da Biblioteca Escolar
 D . 1 . Articulação da BE com a Escola. Acesso e serviços prestados pela BE
 D . 2 . Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços
 D . 3 . Gestão da colecção
 Em cada domínio temos:

ØIndicadores – apontam as zonas nucleares
de intervenção e permitem a aplicação de
elementos de medição.

ØFactores críticos de sucesso –
exemplos de situações, ocorrências, acções
que operacionalizam o indicador; constituem
um guia orientador para a recolha de
evidências.

ØRecolha de evidências – exemplos de
documentos, fontes e instrumentos de
recolha de dados.
 O Modelo apresenta Perfis de
desempenho , caracterizando o que se espera da
BE em cada área analisada. Contribuem para a
procura da melhoria, através da identificação de
estratégias que permitam atingir o nível
seguinte.

Níveis Descrição


4 A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho

desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto
bastante positivo.
3 A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas

ainda é possível melhorar alguns aspectos.

2 A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo
necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto
seja mais efectivo.
1 A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o
seu impacto é bastante reduzido, sendo necessário intervir
com urgência.
2. Quem?
 Toda a comunidade escolar deve participar no
processo.
 Pretende-se avaliar a qualidade e eficácia da BE
(não apenas do coordenador), devendo a auto-avaliação
ser encarada como um processo pedagógico e
regulador, inerente à gestão e procura de uma
melhoria contínua da BE.
 Neste sentido, a escola deverá encarar este
aspecto como uma necessidade própria e não como algo
que lhe é imposto do exterior, pois todos irão
beneficiar com a análise e reflexão realizadas.
 O processo de auto-avaliação deve mobilizar toda
a escola (questionários, entrevistas...) a fim de
melhorar, através da acção colectiva, as
possibilidades oferecidas pela BE.

3. Quando?

Em cada ano, a BE selecciona um domínio.
Pretende-se que ao fim de quatro anos o ciclo
esteja completo e todos os domínios tenham sido
avaliados, estando nesse momento a BE e a escola
na posse de dados que cobrem todas as áreas de
intervenção.
No final, teremos uma visão holística e global da BE.
Para este ano lectivo de 2009/2010, a nossa BE
decidiu avaliar o domínio A - Apoio ao
Desenvolvimento Curricular.
4. Porquê?
A a va lia çã o é u m e le m e n to fu n d a m e n ta l n o
p ro ce sso d e g e stã o p o rq u e n o s p e rm ite :
 - Aferir a eficácia dos serviços que prestamos ,
id e n tifica n d o su ce sso s e in su ce sso s.
 - Aferir o impacto que temos nas atitudes ,
co m p o rta m e n to e co m p e tê n cia s d o s n o sso s
u tiliza d o re s.
A a va lia çã o n ã o co n stitu i u m fim , d e ve n d o se r
e n te n d id a co m o u m p ro ce sso p e d a g ó g ico e
re g u la d o r, in e re n te à g e stã o , e q u e d e ve rá
co n d u zir à re flexã o e d e ve rá o rig in a r m u d a n ça s
co n cre ta s n a p rá tica , n u m a p e rsp e ctiva d e
m e lh o ria co n tín u a d a B E .
5. Como?
 O Modelo adopta uma aproximação à
realidade por etapas :
 - seleccionar o domínio
 - recolher evidências e interpretá-las
 - identificar os perfis de desempenho
 - elaborar o relatório de auto-avaliação
 - apresentar o relatório aos órgãos de gestão
 - divulgação dos resultados à comunidade
educativa


Alguns conceitos-chave
 “A fusão de aprendizagem, , informação e tecnologia apresenta
desafios dinâmicos aos professores, bibliotecários escolares,
gestores e aos estudantes das escolas do século XXI”;
 “Está comprovado que quando os bibliotecários e os professores
trabalham em conjunto, os alunos atingem níveis mais
elevados de literacia, de leitura, de aprendizagem, de
resolução de problemas e competências no domínio das
tecnologias de informação e comunicação” (Manifesto da BE,
IFLA/UNESCO, 1999);
 A BE não é o espaço do professor bibliotecário – ela pertence
a todos na escola."As BE não podem ser julgadas
independentemente das escolas em que existem e às quais
estão inevitavelmente ligadas (Barbara Stripling,"Quality in
school library media programs: focus on learning -
Perspectives on Quality in Libraries”)
 O professor bibliotecário tem um papel dual: ajudar os alunos
e colaborar com os professores tendo em vista o sucesso
educativo;
 O sucesso começa na nossa atitude perante os desafios.
Trabalho de pares
ØTendo em conta o que ouviu sobre a
relevância da BE na vida da escola e
o novo Modelo de Auto-Avaliação,
discuta, com o seu colega, os
aspectos positivos e negativos da BE
da nossa escola.
ØDe seguida, aponte 2 maneiras concretas
de colaborar com a BE (ou solicitar
o apoio da BE).

A aventura continua...


... na BE, onde
estamos à vossa espera!

 Obrigado pela participação.