OPERAÇÕES UNITÁRIAS

PENEIRAMENTO
PENEIRAMENTO
 Separação de partículas
 Tamanho
 Diâmetro de Corte : Limita o tamanho máximo das
partículas da fração fina e o mínimo da fração
grossa.
 Frações ideais, representadas por F
i
e G
i





PENEIRAMENTO
 Na prática
 É impossível separação nítida
 Algumas partículas maiores que D
c
passam pela
peneira
 Outras tantas partículas menores do que D
c
ficam
retidas nos grossos
 As frações reais obtidas são representadas por F e
G .
PENEIRAMENTO
 Suas análises granulométricas acumuladas tem
o seguinte aspecto :
PENEIRAMENTO
 A primeira escala granulométrica foi proposta por
Rittinger, Alemanha, e obedeceu à seguinte
equação:


 onde:
 abertura de ordem n;
 = abertura de referência ( =1 mm);
 r = razão de escala ( r = √2 = 1,41)
PENEIRAMENTO
 a U.S. Tyler Company


 Segunda escala Richards (Padrão americano)

 Número de malhas
 mesh – quantidade de aberturas em 25,4 mm

 A escala ISO adotou a0 = 1mm



CLASSIFICAÇÃO
 Peneira estacionária

 Peneira mecânica

 Pereira vibratória

Rotativas

Agitadas
Vertical
Horizontal
Em uma só extremidade
Mecânico
Eletromagnético
Agitação
simultânea
OPERAÇÃO
Pode ser realizada :
 Seco
 Úmido

Facilitadores de operação:
 Umidade
 Agitação
 Inclinação





OPERAÇÃO
 Peneira
 Calha de alimentação

 PROBLEMAS
 Coesão entre partículas
 Abertura de malha durante operação
 Aderência de partículas à tela

TELAS
TELAS
 Metálicas
 Revestidas de seda ou plástico
 Plásticas
 Barras metálicas
 Pratos metálicos perfurados ou ranhurados

 Mesh

TIPOS
PENEIRAS ESTACIONÁRIAS
PENEIRAS ROTATIVAS
- Tipo mais comum : tambor
rotativo.
- Inclinação variando de 5 a 15
o
.
- C = 3 – 20 t / m
2
.24h.mm.
- Rotação: 15 rpm
PENEIRAS AGITADAS
- Agitação provoca a movimentação das
partículas sobre a superfície de
peneiramento.
- Inclinação : 15
o
a 20
o
.
- C = 20 – 80 t / m
2
.24h.mm.
- Consumo de potência : 0,5 a 1 HP
PENEIRA VIBRATÓRIA
Inclinação : 15
o
a 20
o
.
C = 50 – 200 t / m
2
.24h.mm
PENEIRAS MOLECULARES

 Peneiras moleculares são sólidos com
porosidade definida e com capacidade de
distinção de moléculas por suas dimensões e
geometrias
Zeólitos – poros 20 Aº
Zeo lithos

primeiro zeólito: estibilita –
1756

DIMENSIONAMENTO
x
A
= Fração de grossos (>D
c
) em A.
x
F
= Fração de grossos (>D
c
) em F.
x
G
= Fração de grossos (>D
c
) em G.


Balanço de Massa :


A.x
A
= F.x
F
+ G.Xg


A = F + G

G = A – F

A.x
A
= F.x
F
- F.x
G
+ A.x
G

F.(x
F
-x
G
) = A.(x
A
-x
G
)






Voltar

DIMENSIONAMENTO
Eficiência do Peneiramento


A fração de grossos D
c
alimentados à peneira e que chegam finalmente ao produto grosseiro G é
uma medida da eficiência de recuperação de grossos (E
G
).








E
F
: Eficiência na recuperação de finos.
Por outro lado, a quantidade de finos na alimentação = A.(1-x
A
); a quantidade que chega à fração fina = F.(1-x
F
).
Se a operação fosse perfeita :
x
G
= 1;
x
F
= 0;
G = A.x
A;

F = A.(1-x
A
);
E
G
= 1;
E
F
= 1;
E = 1;
Eficiência (E) : E = E
G
.E
F


ou
DIMENSIONAMENTO
Dimensionamento de Uma Peneira.

O cálculo da área necessária para realizar um peneiramento é feito com base em dados experimentais de capacidade
obtidos em catálogos de fabricantes Þ Fornecem valores de capacidade específica C Þ C em toneladas/ 24 h.m
2
.mm (
abertura das peneiras D
c
).

C = Capacidade específica ( t / 24 h.m
2
.mm )
A = Alimentação da peneira ( t / h ) 24 – 24 horas/dia






Se o período de funcionamento da peneira for q (h )em 24 h e a capacidade for A (t/h) só durante o tempo de operação,
então a alimentação diária será q .A e a superfície específica necessária será:









O mais comum é a fábrica funcionar 24 h/dia e a alimentação nominal de A (t/h) como se funcionasse continuamente, mas
seu período real de funcionamento é de apenas q (h/dia)
DIMENSIONAMENTO
1
ª
Situação :
Trabalha 24 h A (t/h)
Capacidade nominal = capacidade real


2
ª
Situação :
Trabalha 18 h A (t/h) = capacidade real


3
ª
Situação :
Trabalha 18 h, mas deve fazer o serviço de 24 h
( logo trabalha com uma capacidade nominal de 18h para suprir todas
as de 24 h )
Logo a superfície deverá ser maior para compensar o tempo parado.

DIMENSIONAMENTO
Na 3
ª
Terceira Situação :
Neste caso, a superfície deverá ser maior para compensar as horas
de inatividade, podendo ser calculado :
- Capacidade nominal especificada = A ( t/h )
- Capacidade diária desejada = 24A ( t )
- Capacidade real necessária = 24A / q ( t/h )
- Capacidade específica horária : C ( t / 24h.m
2
.mm ) x D
c
( mm )
D
c
.C / 24 ( t / h. m
2
)
- Superfície da peneira :

- Capacidade nominal ( t/h )
- Capacidade real : 24.A / q


DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO
FILTRO
FILTRO
Estáticos Dinamicos
 Filtros de papel
 Filtos de catucho
 Solo
 Filtro manga 2- 30
μm
 Filtro rotativo
 Filtro esteira

FILTROS ESTÁTICOS
FILTRO ESTÁTICO
Recuperação de açúcar e
secagem
Filtração de água
Conceitos
 Massa
 Força
 A gravidade
 Pressão
 Energia
 Trabalho
 Potência
 Carga

 Vazão
 Densidade
 Viscosidade
 Equação de Bernoulli
 Perda de carga





Conceitos
 Número de Reynolds
 Regime laminar Re < 2000
 Regime turbulento Re > 4000

 Re = ρ v D/ μ
 sendo
 v - velocidade média do fluido
 D - longitude característica do fluxo, o diâmetro para o fluxo
no tubo
 μ - viscosidade dinâmica do fluido
 ρ - massa específica do fluido

FILTRO DINÂMICO