You are on page 1of 33

Relacionamento

Interpessoal
na escola
Relacionamento Interpessoal
 Refere-se a forma como você reage às pessoas, sua
interação, suas emoções, ações e atitudes no seu
relacionamento com o outro.

 Buscando melhorar as relações interpessoais,
devemos inicialmente compreender que cada
indivíduo tem sua complexidade e personalidade
própria, que são construídas ao longo de sua vida.

Relacionamento Interpessoal

 A escola sendo umas das primeiras “casas da
socialização” será um instrumento positivo ou
negativo para a formação dessas
relações. Tudo dependerá da
intenção de cada um dos
componentes escolares.
(Moscovici, 2003)
Dinâmica do Imã
Na Escola...
 O bom relacionamento interpessoal na escola deve
ser um processo contínuo e de responsabilidade
mútua.

 Relações interpessoais harmoniosas são mais
importantes do que atividades realizadas
individualmente.

 A relação de que falamos não é de intimidade
familiar.



Como saber se o aluno aprendeu?

 Segundo D’Ambrosio (1999, p.89), “aprendizagem
é a aquisição de capacidade de explicar, de
compreender, de enfrentar, criticamente,
situações novas. Não é o mero domínio de
técnicas, habilidades e muito menos a
memorização de algumas explicações e teorias”.

Aprendizagem e
Relacionamento Interpessoal
 Segundo Mentes (1997, p. 13), “a aprendizagem
mediada permite ao indivíduo desenvolver habilidades
de pensamento eficientes, possibilitando-o tornar-se
aprendiz independente e autônomo. A aprendizagem
mediada e a cognição podem fazer o trajeto da
aprendizagem efetiva”.
Aprendizagem e
Relacionamento Interpessoal
 As relações interpessoais e a aprendizagem possuem
uma característica em comum = para acontecer é
necessário pelo menos duas pessoas.

 Para a construção de novos conhecimentos é
importante que o aluno estabeleça conexões com
experiências anteriores, vivências, leituras, e atribua
significados ao que está aprendendo (Miras, 1999).

Esfera intrapessoal
 A auto-avaliação é um meio para que possamos
averiguar se estamos no caminho certo de uma
prática produtiva e efetiva.

 Para ensinar precisamos nos comprometer,
valorizando as habilidades e competências de cada
um, tornando assim a educação e o ambiente escolar
mais prazeroso.
Diálogo como ferramenta de ensino
 Antunes (2003) destaca que se há conversa entre os
alunos, isso é bom. Devemos saber fazer desta
notável qualidade humana uma “ferramenta” de
ensino. Precisamos usar da conversa do aluno, que é
o que ele tem de mais valioso em sua vida, como
instrumento para um trabalho pedagógico essencial.
 Um dos papéis do professor é assumir-se como
expositor de desafios, instigador de perguntas, e isso
só acontece quando revemos as nossas práticas.

 A base para um ambiente propício no ensino e
aprendizagem é o respeito.
Portanto...
 Lembre-se da importância do trabalho coletivo para
que haja socialização entre os alunos.

 O professor precisa “acender a chama da curiosidade”
de seu aluno, ou então, não deixá-la apagar.

 É fato que, o rendimento escolar está intimamente
relacionado com as expectativas que os professores
têm a respeito de seus alunos (MOSQUERA, 1984).
Querido Professor...
 O professor é visto como um ideal pelo aluno, e seus
exemplos são seguidos.

 A afetividade é um fator muito importante nas
relações interpessoais.

 A sensibilidade é imprescindível para que se saiba
lidar com as diferenças existentes na sala de aula.

Afetividade e Aprendizagem
 Para Wadsworth (1997, p. 37), “o aspecto afetivo tem
uma profunda influencia sobre o desenvolvimento
intelectual”.

 Segundo Moraes (2005, p. 28) “somos de enormes
carências humanas, não apenas em termos de
conhecimento, educação e qualidade de vida, mas
também de afetividade e de espiritualidade”.
 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
(LDB), a Lei 9.394:
- Os dois princípios mais importantes da afetividade e
do amor no âmbito escolar são o respeito à liberdade
e o apreço à tolerância.

 Wallon afirma que a afetividade desempenha papel
fundamental na constituição e funcionamento da
inteligência, determinando os interesses e as
necessidades individuais.

Propostas para superar as dificuldades:
 Ter espaço para falar sobre assuntos informais;
 Dar oportunidade para falar sobre suas preferências;
 Levar para sala de aula curiosidades sobre a matéria;
 Buscar manter o bom humor;
 Discutir critérios de avaliação;
 Se beneficie das novas tecnologias;
 Gestos posturais e conteúdos verbais positivos;
 Fornecer tarefas adequadas as suas habilidades,
tendo atenção às dificuldades e problemas;
 Trabalhar a ansiedade e insegurança.

Competência Profissional
COMUNICAÇÃO
Comunicação
 FRITZEN (1987, p. 73) afirma que “as relações
interpessoais constituem a medula da vida. Elas
formam e entretêm a nossa identidade pessoal”.

 O diálogo entre os seres humanos é fundamental.

 Segundo Gadotti (1991, p. 69) “o diálogo é uma
exigência que possibilita a comunicação” e “para pôr
em prática o diálogo, o educador deve colocar-se na
posição humilde de quem não sabe tudo”.
• Se as diferenças individuais são aceitas e
tratadas em aberto, a comunicação flui fácil,
as pessoas falam o que pensam e sentem e
tem a possibilidade de dar feedback.

• Caso contrário, a comunicação se torna
falha, incompleta, há distorções e fofocas.



A comunicação entre duas pessoas é eficaz,
quando o ouvinte interpreta a mensagem
de quem fala, da forma que este pretendeu
ser entendido.
LINGUAGEM CORPORAL
EXPRESSÕES FACIAIS
GESTICULAÇÃO
POSTURA
OLHAR
TOM DE VOZ


ESTADO DE ESPÍRITO DA PESSOA
Barreiras à Comunicação
 Desatenção e falta de reflexão para receber a
mensagem.
 Ouvir o que esperamos ouvir.
 Desconsiderar informações que entrem em conflito
com o que “sabemos”.
 Usar códigos inadequados ou incoerentes.
 Efeitos das emoções.
 Avaliar a fonte.

Como tornar a comunicação mais eficaz
Enviar mensagens diretas, nítidas,
específicas e descritivas.
Usar canais múltiplos.
Ser sensível ao receptor.
Dar atenção ao significado das
palavras, de acordo com a cultura.
Usar o feedback.

Ellís Buranelo Pascoal
Psicóloga – CRP 09/7362
Secretaria Municipal de Educação
Assertividade
 É a habilidade social de fazer afirmação dos próprios
direitos e expressar pensamentos, sentimentos e
crenças de maneira direta, clara, honesta e
apropriada ao contexto, de modo a não violar o
direito das outras pessoas.

 A postura assertiva diz respeito a manter-se no justo
meio-termo entre dois extremos inadequados - por
excesso (agressão) ou por falta (submissão). Ser
assertivo é dizer "sim" e "não" quando for preciso.
COMPORTAMENTO NÃO-ASSERTIVO
Atendo aos outros
Digo sim quando quero dizer não
Nego os meus sentimentos e desejos
Angústia
Insatisfação
Somatização (doenças emocionais)
Perigo de revolta
COMPORTAMENTO MANIPULATIVO
Desconfio da intenção do outro
Coloco-me para baixo e puxo o outro fazendo-o
sentir-se culpado
Crio situações desagradáveis, cautela
excessiva
Relações falsas
Sentimento de culpa
COMPORTAMENTO AGRESSIVO
Estou sempre tenso,
preparo para o ataque ou a defesa
Julgo e avalio os outros
Me imponho
Desconsidero e desqualifico os outros
Tensão
Conflito
Somatização
COMPORTAMENTO ASSERTIVO
Me atendo
Digo sim quando quero dizer sim
Digo não quando quero dizer não
Valorizo-me
Reconheço o valor das pessoas
Expresso os meus sentimentos
Responsabilizo-me por
meus comportamentos
VANTAGENS DO
COMPORTAMENTO ASSERTIVO
Relações mais satisfatórias.
Autoestima / Autorespeito.
Maior confiança nos outros.
Aumento do próprio senso de
responsabilidade.
Aumento do autocontrole.
Otimização de tempo e energia.
Maior possibilidade de ganho para todos.
MENSAGEM
FINAL
Segundo Freire (2001, p. 102),
uma das qualidades essenciais que a
autoridade docente democrática deve
revelar em suas relações com as liberdades
dos alunos é a segurança em si mesma.
É a segurança que se expressa na firmeza
com que atua, com que decide,
com que respeita as liberdades,
com que discute suas próprias posições,
com que aceita rever-se.
Referências e Indicações para leitura
 Bom Sucesso, E. (2002) Relações Interpessoais e
Qualidade de Vida no Trabalho. SP: Qualitymark.

 Petry, L. e Jorge, V. (2009) Relações interpessoais no
ambiente escolar. Trabalho X EGEM.

 PORTAL EDUCAÇÃO (2012) Relacionamento
Interpessoal e Desenvolvimento Pessoal e
Profissional.