You are on page 1of 20

Pedro Silva e André Micael

1

• *INTRODUÇÃO
• *CARACTERÍSTICAS DE…
• *FACTOS INTERESSANTES ACERCA
DE …
• *O QUE APRENDI COM ESTE TRABALHO
• *CONCLUSÃO
• *FONTES DE PESQUISA

Pedro Silva e André Micael

2

• Vamos falar da democracia grega antiga, onde as
pessoas discutiam as suas ideias e o que achavam uns
dos outros.

Pedro Silva e André Micael

3

• Os cidadãos de Atenas gostavam de ler poesia, tocar música e
discutir ideias.
• Também gostavam de discutir política. Criaram a ideia de
democracia, um governo em que os cidadãos têm o direito de ajudar
a tomar decisões. Na antiga Grécia, todos os cidadãos do sexo
masculino tinham o direito de votar. Os escravos e os estrangeiros
não eram cidadãos.

Pedro Silva e André Micael

4

• Democracia Ateniense é o nome dado a uma forma de governo
adotada na antiga cidade de Atenas. Considerada a matriz da
democracia moderna, a democracia ateniense vigorou por muitos
anos após a instauração de sua forma primitiva com as reformas de
Sólon por volta dos anos 590 a.C.. Embora a democracia possa ser
definida como o governo do povo, é importante lembrar que o
significado de governo e povo na Atenas Antiga difere daquele das
democracias contemporâneas.

Pedro Silva e André Micael

5

• Atenas foi fundada na Ática, península junto ao mar Egeu, pelos
jônios, que ali se estabeleceram de forma pacífica, ao lado de eólios e
aqueus, antigos habitantes da região. No início, o poder político estava
sob o controlo dos eupátridas, donos das terras mais produtivas.
• Na cidade, um soberano, chamado Basileus, comandava a guerra, a
justiça e a religião. Uma espécie de conselho, o Areópago, limitava seu
poder. Com o tempo, os Basileus perderam a supremacia e
transformaram-se em simples membros de um órgão denominado
Arcontado.

Pedro Silva e André Micael

6

• Drácon tornou-se legislador em 621 a.C. e foi responsável pela
introdução do registo por escrito das leis em Atenas – até então elas
eram orais. A cidade passou a ser governada com base em uma
legislação e não mais conforme os costumes. A mudança
enfraqueceu o poder dos eupátridas, mas não resolveu os
problemas sociais, e os conflitos continuaram. Hoje Drácon e suas
leis são lembradas como Leis Draconianas

Pedro Silva e André Micael

7

• Em 594 a.C., Sólon deu início a reformas mais profundas e foi o mais
importante legislador. Perdoou as dívidas e as hipotecas que pesavam
sobre os pequenos agricultores, e aboliu a escravidão por dívida. Criou a
Bulé, um conselho formado a princípio de quatrocentos membros,
responsável pelas funções administrativas e pela preparação das leis. Tais
[leis] tinham de ser submetidas à apreciação da Eclésia, ou Assembleia,
formada por indivíduos livres do sexo masculino. Além de votar as
propostas de leis, a Eclésia deliberava sobre assuntos de interesse geral.

Pedro Silva e André Micael

8

• Alguns antigos atenienses acreditavam que as reformas de Sólon no
começo do século VI a.C. marcaram o início da democracia na Grécia.
No entanto, o termo democracia (dimokratia) parece ter surgido apenas
uma geração após as reformas de Clístenes, convencionalmente
chamado o "pai da democracia" e principal defensor. Clístenes4
ampliou consideravelmente o poder da eclésia, e permitiu a existência
do que os homens da época chamaram de isonomia, ou seja,
igualdade sob a lei, isegoria, os direitos iguais para falar.

Pedro Silva e André Micael

9

• Uma importante reforma no sistema democrático ateniense parece ter
sido obra de Efialtes na década de 450 a.C. Péricles, um influente
estratego do período democrático, introduziu em 451 a.C. a lei que
permitia apenas aos atenienses que tivessem pai e mãe atenienses
serem cidadãos atenienses, seguindo possivelmente a linha da reforma
de Efialtes.6 Essa decisão apenas matizou uma situação na qual uma
grande maioria permanecia excluída da participação na política
ateniense. Mulheres, por exemplo, embora atenienses, eram apenas
protegidas por mecanismos legais, e não tinham direito de tomar
decisões na assembleia dos cidadãos. Já os metecos (estrangeiros
residentes), escravos e xenos (estrangeiros não residentes) estavam
excluídos, como sempre, da participação na política ateniense.

Pedro Silva e André Micael

10

• Heródoto, que assim com alguns historiadores contemporâneos se
conformava com o argumento de que a democracia era uma criação de
Clistenes, relata no entanto em suas Histórias (terceiro livro, parágrafo 80)7
um debate ocorrido na Pérsia, onde a democracia era defendida como
forma de governo. Otanes, um dos personagens citados, diz que a
democracia é desejável pois mesmo o melhor dos homens, se deixado
como único a governar, tende a se tornar ímpio. A isonomia é exaltada, e o
fato de os políticos poderem ser questionados por seus atos também é visto
como uma forma de evitar a (grosseiramente falando) corrupção. Péricles,
em um discurso, diz ser a democracia um regime que "beneficia muitos ao
invés de poucos", não constituindo a pobreza um entrave para a
participação dos cidadãos na política. A justiça é tida como "igualmente
distribuída" entre os cidadãos.

Pedro Silva e André Micael

11

• Muitos documentos explicam o funcionamento da democracia a
partir da reforma de Clistenes (a mesma sorte não temos com a
época de Sólon, sobre a qual a documentação escrita é escassa).
No entanto, devemos ter em mente que a democracia que
conhecemos melhor é aquela do século IV a.C., que não
necessariamente era igual no século V a.C. Além disso, sabemos
que a democracia sofria mudanças constantes em sua organização,
motivo pelo qual é desnecessário imaginar suas regras na forma de
um retrato estático.

Pedro Silva e André Micael

12

• Enquanto a bulé e o Prutaneis eram instituições responsáveis por organizar
o funcionamento da eclésia, esta última era por si só a principal
responsável por tomar decisões na Atenas democrática. Ela era uma
assembleia formada por todos os cidadãos (homens acima de 18 anos) que
quisessem comparecer, na qual temas importantes eram discutidos e
colocados em votação.

Pedro Silva e André Micael

13

• A bulé, era responsável por verificar o cumprimento do
que lá fora deliberado e por, supervisionar oficiais. Essa
função da bulé é nos transmitida por um relato de
Aristóteles.

Pedro Silva e André Micael

14

Aprendemos como é que os deuses discutiam as suas
ideias que era a partir da democracia.
Aprendemos a trabalhar com o PowerPoint.
E a trabalhar em grupo.

Pedro Silva e André Micael

15

• WWW.WIKIPÉDIA.COM
• WWW.GOOGLE.PT

Pedro Silva e André Micael

16

• A democracia foi e é muito importante, porque assim as
pessoas, podem debater as suas ideias umas com as
outras.

Pedro Silva e André Micael

17

•1-Quem era Efialtes.
•2-O que é uma bulé.

Pedro Silva e André Micael

18

1-Era um influente
estratego do período
democrático.
2-A Bulé , era responsável por
verificar o cumprimento do que
lá fora era deliberado e por,
supervisionar oficiais.
Pedro Silva e André Micael

19

•Pedro Silva
•André
Pedro Silva e André Micael

20