SILICOSE e/ou TUBERCULOSE

Dr. Paulo Gurgel

SILICOSE

OU

TUBERCULOSE

SILICOSE

E

TUBERCULOSE

SILICOTUBERCULOSE

ANTIGÜIDADES
• SILICOSE: Descrição de Plínio, o Velho, em De Historia Naturalis, do trabalho de escravos nas galerias mineiras, expostos ao chumbo, ao mercúrio e às poeiras. • TUBERCULOSE: Mal de Pott em múmias egípcias datadas de 4 mil anos.

CONCEITOS
• SILICOSE é uma doença pulmonar causada pela inalação de poeiras com sílica livre e a sua conseqüente reação tecidual de caráter fibrogênico. • TUBERCULOSE é uma doença infecciosa produzida por micobactérias, observável no homem e em outros animais. No homem, o pulmão é a principal porta de entrada para o agente (M. tuberculosis) e é, ainda, a sede mais freqüente das lesões.

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Agente etiológico Distribuição por idade Distribuição por sexo Antecedentes Síndrome infecciosa Evolução clínica (2a) Órgãos acometidos Radiologia torácica Granuloma Cura sílica

SILICOSE

TUBERCULOSE M. tuberculosis <5a, adulto, idoso M>F contato c/ bacilífero presente aguda / crônica pulmão / outros órgãos uni- ou bilateral / cavit. derrame pleural c/ caseonecrose / BK existe

adulto M >>> F história ocupacional ausente / presente (?) crônica / hipercrônica pulmão / outros (?) bilateral / calcif. gangl. massas c/ material inorgânico inexiste

História natural da tuberculose não tratada

Na ausência de tratamento com drogas anti-tuberculose, após 2 anos, 50% dos pacientes com tuberculose pulmonar evoluem para o óbito, 25% tornam-se sadios (auto-cura pela expressiva defesa imunitária) e 25% permanecem doentes cronicamente, com tuberculose infectante.

DIAGNÓSTICO DA SILICOSE
• • • • História ocupacional RX tórax compatível Exclusão de outros diagnósticos (inclusive TB) Biópsia

DIAGNÓSTICO DA TUBERCULOSE
• Sintomático respiratório
– Pesquisas de BAAR (2) – Cultura para BK (1)

• Suspeito radiológico
– Pesquisa de BAAR (1) – Cultura para BK – Outros exames

Contatos Doenças de risco Grupos especiais

Mycobacterium tuberculosis

TOXICIDADE DA SÍLICA

A sílica livre (SiO2) é extremamente tóxica para o macrófago alveolar devido às suas propriedades de superfície que levam à lise celular.

PAPEL DOS MACRÓFAGOS
• Realizam a fagocitose de micróbios e substâncias estranhas, bem como de células e tecidos danificados ou mortos. • Secretam enzimas, óxido nítrico e prostaglandinas, que controlam a disseminação da infecção mas também contribuem para o aumento da lesão. • Amplificam a imunidade num processo de mútua estimulação com os linfócitos.

SILICOSE: RISCO PARA TUBERCULOSE
• Risco de tuberculose pulmonar e extrapulmonar acha-se aumentado em cerca de 3 vezes nos trabalhadores com silicose, quando comparados com os trabalhadores expostos sem silicose. • Exposição prolongada à sílica, sem silicose, pode ser suficiente para aumentar o risco para a tuberculose.

Cumulative Percentage Tuberculosis-Free by Category of Silicosis Among Gold Miners, South Africa
100
Category 0

90

Per cent disease-free

Category 1

80

Category 2

70

60
Category 3

50

0

1

2

3

4

5

6

7

Year of observation
Cowie RL. Am J Respir Crit Care Med 1994;150:1460-2

CASO DE SILICOTUBERCULOSE

SILICOTUBERCULOSE
Quando suspeitar: • febre; deterioração clínica • rápida progressão das lesões • grandes opacidades; cavidades; derrame pleural Como confirmar: • baciloscopias e cultura no escarro • broncofibroscopia: LBA e biópsia • pleurograma; biópsia pleural; ADA • PPD Tratamento = Tb (> 6 meses?)

TESTE DE MANTOUX EM 174 CAVADORES DE POÇOS DA REGÃO DA IBIAPABA (*) Situação Não reator Reator fraco Reator forte S/PS 1 (2,8%) 6 (14,3%) 35 (83,4%) NS 14 (10,3%) 18 (13,6%) 100 (75,8%)

(*) (Holanda e col. Silicose em cavadores de poços:história natu epidemiologia e medidas de controle J Pneumol 1995;21:27-33

PREVALÊNCIA DE SILICOTUBERCULOSE (*)

A prevalência de silicotuberculose entre os 180 silicóticos e possivelmente silicóticos foi de 13 (7,2%).

(*) (Holanda e col. Silicose em cavadores de poços:história natur epidemiologia e medidas de controle J Pneumol 1995;21:27-33)

SILICOTUBERCULOSE EM CAVADORES DE POÇOS DA REGIÃO DA IBIAPABA (estudo de Dra. Valderina Ramos)
198 SILICÓTICOS E PROVÁVEIS SILICÓTICOS PERÍODO 01/93 A 12/94 10%

90% SILICOSE SÍLICO+TB

TABELA 1

INCIDÊNCIA DA SILICOSE ASSOCIADA À TUBERCULOSE CHAPADA DA IBIAPABA - CEARÁ - 1993-1994. Nº DE CASOS DE SILICOSE 108 90 Nº DE CASOS DA TUBERCULOSE 10 10

ANO 1993 1994

% 9,3 11,1

TABELA 2

Nº DE CASOS DE SÍLICO-TUBERCULOSE SEGUNDO A FAIXA ETÁRIA E SEXO. CHAPADA DA IBIAPABA-CEARÁ 1993-1994
FAIXA ETÁRIA MASCULINO

ANO 1993 -1 4 3 2 -10 % -10,0 40,00 30,0 20,0 -100,0 1994 -3 1 4 2 -10 % -30,0 10,0 40,0 20,0 -100,0 TOTAL -4 5 7 4 -20 % -20,0 25,0 35,0 20,0 -100,0

Menor de 20 20 30 40 50 30 40 50 60

60 e mais TOTAL

TABELA 5 Nº DE CASOS DE SÍLICO-TUBERCULOSE SEGUNDO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO CHAPADA DA IBIAPABA - CEARÁ 1993-1994. 1993 EXAMES Baciloscopia(+) Baciloscopia(-) Cultura(+) Cultura N/Realizada Rx Tórax P.P.D. Reator Forte P.P.D. Reator Fraco TOTAL 10 3 1 33 30,3 9,1 3,0 100,0 10 1 2 31 32,3 3,2 6,4 100,0 20 4 3 64 31,2 6,3 4,6 100,0 Nº 4 5 6 4 % 12,1 15,2 18,2 12,1 Nº -8 10 -1994 % -25,8 32,3 -TOTAL 4 13 16 4 % 6,3 20,3 25,0 6,3

TABELA 6

RESULTADO DO TRATAMENTO DE SÍLICO-TUBERCULOSE EM COORTES PARA CASOS NOVOS CONFIRMADOS CHAPADA DA IBIAPABA - CEARÁ - 1993-1994 Pulmonar Situação No 9º mês Cura Abandono Óbito Transferência TOTAL 1993 Cultura(+) 6 ---6 Bk(+) 4 ---4 1994 Cultura(+) 10 ---10 Bk(+) -----Nº 20 ---20 Total % 100,0 ---100,0

GRATO PELA ATENÇÃO
pgcs@ig.com.br