You are on page 1of 54

LUBRIFICANTES AUTOMOTIVE

ÍNDICE

ÓLEOS DE MOTOR
Classificações dos óleos de motor

 Classificação de viscosidade
 Classificação por especificações de qualidade
 USA (API)
 EUROPA (ACEA)
 Qualidade certificada: especificação API
 Qualidade certificada: especificação ACEA
 Principais especificações de FABRICANTES

ÍNDICE
 ÓLEOS DE TRANSMISSÃO
 transmissões manuais e diferenciais
 transmissões automáticas
 transmissões em tractores (óleos UTTO, óleos STOU)

 ALGUNS PROBLEMAS DE APLICAÇÃO
 consumo de óleo
 compatibilidade entre óleos de distintas marcas
 intervalos de mudança de óleo

Formulação dos Lubrificantes
Óleo BASE
(Mineral) ou (Sintético)
ou (mistura de ambos)

+

ADITIVOS

Mistura-se

LUBRIFICANTE FINAL

Formulação média de um óleo de motor
10-20%

5-10%

Pacote

VM+PPD

Óleo Base

70-85%

CLASSIFICAÇÃO DOS ÓLEOS MOTOR Classificam-se com base em:  seu grade de VISCOSIDADE  norma SAE  as suas especificações de QUALIDADE  API American Petroleum Institute  ACEA Construtores Europeus  Fabricantes Especificações próprias .

cP) SAE 40 SAE SAE SAE SAE SAE SAE 25W 20W 15W 10W 5W 0W SAE 15W/40 SAE 15W -18°C Temperatura (°C) SAE SAE SAE SAE SAE 100°C 60 50 40 30 20 .Viscosidade SAE ( Óleos Motor ) Viscosidade (cSt.

Classificação API Divide-se em dois grupos: série 'S' destinada principalmente aos motores de gasolina para turismo. e série „C‟ para os óleos destinados à tracção Diesel API S x / C y “Comercial” para motores Diesel “Serviço” para motores gasolina Letra progressiva que indica a actualização .

Especificações Americanas API Situação Actual Nome Aplicação Donut (selo qualidade) SJ/SL motores a gasolina SI SM motores a gasolina SI CG 4 motores Diesel OBSOLETO CH 4 motores Diesel ( Introduzida em 1998 ) CI 4 motores Diesel ( Introduzida em 2002 ) CJ 4 motores Diesel ( Introduzida em 2006 ) .

DONUT API Service Symbol .

Porsche. Rolls Royce. FORD Europa. Volvo. PSA . DAF. MAN.Especificações Europeias ACEA  ACEA (Associação Europeia de Construtores de Automóveis) substituiu desde 1991 a CCMC  Pertencem à ACEA :  BMW. General Motors Europa. Rover. SAAB Scania. VW. Renault. MB. FIAT.

mas: Os operadores podem subscrever uma intenção formal de respeitar as “regras do jogo”. . sairão com prescrições ACEA para os lubrificantes. Por enquanto não está previsto utilizar uma marca de qualidade como no sistema americano Todos os novos modelos de automóveis e veículos comercias do mercado.Especificações Europeias ACEA Implicam: A definição de um sistema rigoroso de verificação da qualidade Obrigatório incluir/certificado segundo ISO para I+D e fábrica de produção Não existe um sistema de aprovação. Será de domínio público a relação de companhias petrolíferas que subscrevam tal intenção.

/ BMW Renault Diesel Pesado – E2 / E3 / E4 / E5 / E6 / E7 – Sem Filtro de Partículas E9 – Com ou Sem Filtro de Partículas .B.Especificações ACEA Motores Gasolina / Diesel Gasolina / Diesel Gasolina / Diesel Gasolina / Diesel Gasolina / Diesel – DPF Gasolina / Diesel – DPF Gasolina / Diesel – DPF Gasolina / Diesel – DPF ACEA A1/B1 A3/B3 A3/B4 A5/B5 C1 C2 C3 C4 Ford / Mazda Grupo PSA VW / M.

Especificações ACEA´98 (ano 1998) As sequências ACEA foram revistas ou renovadas em 01-MAR-1998 com a publicação de ACEA´98: • Introduziram requisitos “fuel economy” para os níveis A1 e B1 • Novo nível B4 para os novos motores DIESEL DE TURISMOS DE INJECÇÃO DIRECTA • Novo nível E4 para serviço severo com EXTENSÃO DOS INTERVALOS DE MUDANÇA de óleo. .

ainda que pior “detergência-limpeza piston”). mas com exigências “fuel economy” e “long drain” .Especificações ACEA´99 e 2000 • Desde SET-99 foi introduzido o nível ACEA E5 (melhores prestações que E4 relativamente à prova americana de “Fuligem-desgaste”. com o cancelamento simultâneo de ACEA E1 • ACEA 2000 considera um novo nível ACEA B5 para os novos motores Diesel de turismos de injecção directa que está ao mesmo nível de ACEA B4.

Especificações ACEA´2002 • Desde Fevereiro .02 que foi introduzido o nível ACEA A5 com exigências “fuel economy”. . como A1. mas com possibilidade de alargar os intervalos de mudança.

ACEA 2002 (turismos) Motores Gasolina Gasolina Gasolina Gasolina Diesel ligeiro Diesel ligeiro Diesel ligeiro Diesel ligeiro Diesel ligeiro ACEA A1 (“fuel economy”) A2 (padrão) A3 (altas prestações) A5 (“fuel economy”. injecção directa) . “long drain”) B1 (“fuel economy”) B2 (padrão) B3 (altas prestações) B4 (altas prestações. “long drain”. injecção directa) B5 (“fuel economy”.

5. altas prestações) (UHPD.“long drain”.ACEA 2002 (Diesel pesado) Motores Diesel pesado Diesel pesado Diesel pesado Diesel pesado ACEA E2 E3 E4 E5 (Padrão) (SHPD. API CH-4) . 228. MAN 3277) (VOLVO VDS-3.

C2 .E9 .A5 Diesel ligeiro B2 .B4 .Especificações ACEA `2008 Gasolina A1 .B3 .E5 .E7 .A3 .C3 .E3 .B5 Gasolina/Diesel C1 .E6 .E4 .C4 ( DPF ) Diesel pesado E2 .

ACEA ACEA ACEA (“genuine oil”) API --.Recomendações e Especificações FABRICANTES EUROPEUS (turismos)         Volkswagen Mercedes Benz BMW Porsche Renault Fiat Ford Europe PSA ESPECIFICAÇÃO PROPRIA ESPECIFICAÇÃO PROPRIA ACEA + provas ACEA + provas CCMC -.ACEA + provas .

. respeitando os intervalos de mudança tradicionais.mudança) (computador a bordo) (“fuel economy”)  VW 503.00 (11/92) (sintéticos ou semi-sintéticos) (similar ACEA A3)  VW 502.01 (11/92) (minerais) (similar ACEA A2)  VW 500.Especificações VOLKSWAGEN GASOLINA  VW 501.00 (01/97) (substitui as 2 anteriores) ( intervalo mudança)  VW 503. para motores turbo) * Modelos antes Ano/2000 pode-se utilizar óleos com especificações antigas.01 (igual que a anterior.00 (largo interv.

00 (11/92) (similar ACEA B2-B3)  VW 505.Especificações VOLKSWAGEN DIESEL  VW 505.00 / 507.00 ( “mid SAPS”) DPF ( Long Life ) . mudança) (computador a bordo) (“fuel economy”)  VW 506.00 (inj.01 (bomba-injector)  VW 506. mudança) (“fuel economy”)  VW 504.01 (bomba-injector) (largo int. directa) (largo int.

ACEA A3-98.3.O mesmo que 229.5) .1 (*) .51(*) .000 km ou 2 anos) ( “mid SAPS”) DPF ( Long Life ) (*) O numero corresponde com o nº de página do livro da Mercedes Benz (“grey book”) em se classificam todos os tipos de fluidos homologados por este fabricante que .ACEA A2-96 o A3-96 + ACEA B2-96 o B3-96 . permitindo prolongar ainda mais os intervalos de mudança (30. 3.Recomendações e especificações FABRICANTES EUROPEUS (turismo) MERCEDES BENZ (Gasolina e Diesel) MB 229. Mín.Alguns limites mais severos que ACEA MB 229. B3-98.3 (*) . B4-98 MB 229.Selecciona a qualidade dos óleos 0W/ 5W-X (HTHS.Características “fuel economy” e “long drain” .

3 15W/20W-40/50 minerais ACEA A3.00. B4.ÓLEOS TURISMO segmentação mercado 0W/5W-30/40 ―full synthetic‖ ACEA A5.51. B3.01. 505. MB 229. VW 502. B5. B4. VW 501. API SL. API SL/SM. VW 504/507. BMW LL-04 5W/10W-40 Semi-sintéticos ACEA A3.01. B4. API SL-SM. MB 229.00 . B3. 505.

Recomendações e Especificações FABRICANTES EUROPEUS (Diesel Pesado)       Mercedes Benz MAN VOLVO MTU IVECO RVI ESPECIFICAÇÃO PRÓPRIA ESPECIFICAÇÃO PRÓPRIA ESPECIFICAÇÃO PRÓPRIA ESPECIFICAÇÃO PRÓPRIA ACEA ACEA .

B.B.31 tracção pesada.motores equipados com ou sem filtro de partículas.228. .228. intervalos de mudança de óleo prolongados.Supera as normas “EURO V e EURO VI”.Recomendações e Especificações FABRICANTES EUROPEUS (Diesel pesado) MERCEDES BENZ  M.228.B.B.3 tracção pesada.  M.1 tracção pesada.5 tracção pesada. motores de aspiração normal serie “600”.  M. motores turbo-alimentados. 228. intervalos de mudança de óleo prolongados. intervalos de mudança normais.  M. motores turbo-alimentados nova série “900” que satisfazem os valores estandar de emissão “ EURO II ”.

Recomendações e Especificações FABRICANTES EUROPEUS (Diesel pesado) MAN Contempla três níveis prestações: Nível MAN Níveis de qualidade de referência MAN 271/ M 271 ACEA E2 – E3 MAN M 3275 MAN M 3277 ACEA E5 – E7 MAN M 3275 ACEA E9 .

com ou sem filtro de partículas.  Volvo VDS-2 (desde Outono„95) para motores Euro II e Euro III. . 10W-30/40. e com intervalos de mudança mais extensos :  graduações SAE 5W-30/40. 15W-40  Volvo VDS-3 para motores Euro IV e para intervalos mais prolongados:  qualidade mínima exigida ACEA E5 (para Europa)  qualidade mínima exigida API CH-4 (fora de Europa)  Volvo VDS-4 para motores Euro V e Euro VI .Recomendações e Especificações FABRICANTES EUROPEUS (Diesel pesado) VOLVO  Volvo VDS para motores actuais e motores Euro II. ainda que com intervalos de mudança mais curtos.

MAN M 3275.1. E7 15W-40 minerais MB 228.ÓLEOS TRACÇÃO PESADA segmentação mercado 5W/10W-30/40 sintéticos MB 228. ACEA E4 10W/40 semi-sintéticos MB 229. MAN M 3277. MAN 271. ACEA E5.1.5. ACEA E2 .

ÓLEOS DE TRANSMISSÃO TRANSMISSÕES MANUAIS & DIFERENCIAIS TRANSMISSÕES AUTOMÁTICAS TRANSMISSÕES EM TRACTORES .

4 ó 5) MIL-L-2105-X (X= A. baseadas em provas realizadas sobre peças originais.2.C.D ó E)  Alguns fabricantes USA exigem provas adicionais  Os fabricantes europeus utilizam especificações próprias.3.B.Óleos Transmissões Manuais e Diferenciais CLASSIFICAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES  A classificação SAE define as graduações de viscosidade  As prestações são definidas pelas seguintes especificações: API GL-X (X= 1. .

0 85 — 11.2 70W Kinematic Viscosity at 100°C (cSt)3 min4 max -555 4.0 — 85W -12 11.1 — 80W -26 7.0 140 — 24.1 — 75W -40 4.000 cP (°C)1.0 250 — 41.5 90 — 13.5 <24.0 — .0 <41.0 — 80 — 7.0 <11.Òleos Transmissão Manuais e Diferenciais CLASSIFICAÇÃO SAE J 306 SAE Viscosity Grade Max Temperature for Viscosity of 150.0 <13.

API GL-1 Óleos minerais puros (Baixas pressões) (Baixo deslizamento relativo) GL-2 Aditivos untuosos (Carga.Óleos Transmissão Manuais e Diferenciais ESPECIFICAÇÃO . Diferenciais) (Serviço severo) (Cargas impulsivas) . velocidade e temperatura moderadas) (Engrenagens de parafuso sem-fim) GL-3 Aditivos “mild EP” (Mudança turismos) (Engrenagens cónicas) GL-4 Possuí com 50% dos aditivos previstos por API GL-5 (Engrenagens hipoídes. (enxofre) (Engrenagens hipoídes. sincronizadores) GL-5 Aditivação E.P.

O qual obtiveram como resultado o desenvolvimento de novas categorias: MT-1 (ex.Óleos Transmissões Manuais e Diferenciais ESPECIFICAÇÕES API MT-1 / PG-2  Na USA utilizam-se óleos API GL-5 para os diferenciais e GL-4 para as poucas caixas manuais. PG-1) e ( PG-2 ) MT-1 está destinada a camiões e autocarros com transmissão manual não sincronizada e deverá substituir para a API GL-4 garantindo uma maior estabilidade térmica e oxidativa. .  SAE e ASTM propuseram uma actualização das categorias API para satisfazer as novas exigências dos fabricantes. PG-2 é a denominação provisional da nova categoria destinada aos diferenciais de camiões e autocarros.

de nível API GL-5 08 .Óleos Transmissões Manuais e Diferenciais OUTRAS ESPECIFICAÇÕES São emitidas por FABRICANTES de veículos e transmissões:    Mercedes Benz (“grey book”) MB 235.0 .1 .GL 5 / 05 .GL 4 / 342 .GL 4 MAN 341 .GL 5 / CATERPILLAR Óleos "GO".GL 4 /  02 .GL 4/5 .GL 5 ZF (fabricante de engrenagens e transmissões) 01 .GL 5 / MB 235.

.  ASSEGURAR A CORRECTA LUBRICAÇÃO E PROTECÇÃO DAS ENGRENAGENS.  TRANSMITIR A REFRIGERAÇÃO AOS ELEMENTOS DA TRANSMISSÃO.Óleos para Transmissões Automáticas FUNÇÕES DO ÓLEO  TRANSMITIR A POTÊNCIA GERADA PELO MOTOR AOS ELEMENTOS DE TRACÇÃO.  OPERAR COMO FLUIDO OLEODINÂMICO NO CÍRCUITO HIDRÁULICO DE CONTROLO. ROLAMENTOS E EMBRAIAGENS.

Óleos para Transmissões Automáticas CARACTERÍSTICAS A ELEVADA TEMPERATURA DE TRABALHO. EXIGE:  resistência a oxidação  detergência / dispersão para evitar obstruções no circuito VISCOSIDADE ADEQUADA A EXIGÊNCIAS DE CONFLITO  No conversor de torque e vedações hidráulicas (baixa viscosidade para melhorar o rendimento)  Na lubricação das engrenagens (alta viscosidade para suportar as cargas) -CORRECTO COEFICIÊNTE DE FRICÇÃO -PROPRIEDADES AE. AD e AC -COMPATIBILIDADE COM AS PLACAS .

B.A. 236. MERCON)  Allison (C3. 14  MAN 339 tipo A. 11. C4)  Caterpillar (TO2.A. DEXRON  Ford (M2CX.Óleos para Transmissões Automáticas ESPECIFICAÇÕES USA  General Motors (TYPE A. T.X  VOITH G 607  ZF TE-ML 09.S. C . TO4) EUROPA  M.

Óleos para Transmissões Automáticas Comparativo GM .FORD GM TYPE A TASA DEXRON DEXRON II tipologia Ano baixa fricção 1949 1957 1959 1961 1967 1972 1973 1974 1981 1987 1990 1993 baixa fricção baixa fricção baixa fricção DEXRON II E baixa fricção DEXRON III baixa fricção FORD tipologia M2C33-A/B M2C33-C/D M2C33-F M2C33-G baixa fricção alta fricção alta fricção alta fricção alta fricção M2C138-CJ M2C166-H Mercon Mercon Mercon baixa fricção baixa fricção baixa fricção baixa fricção baixa fricção .

tomadas de força. os veículos que operam “fora-estrada” são necessários tanto óleos de motor como vários tipos de lubrificantes destinados a orgão auxiliares.T. transmissões. máquinas de pedreiras .T.T.U.O.( Universal Transmissão Tractor Oils ) . em geral. maquinaria agrícola.Óleos Multifuncionais de Tractores Lubrificantes STOU-UTTO  Na lubrificação de tractores.compressores. . .( Super Tractor Oil Universal ) U.  Por este motivo existem os óleos : S.  Na área agrícola temos que UNIFICAR os lubrificantes com o objectivo de simplificar a logística e evitar erros de aplicação.O. sistema de travões banhados a óleo.

Óleos Multifuncionais de Tractores Especificação . M1145 Vickers Vane pump FORD M2C159 B Denison HF-2 Vickers I-286-S John Deere J27 Caterpillar TO-2 Allison C-4 .STOU Motor API CF-4 CE/SF API GL-4 Transmissão Círcuito Travões / Óleo Hidráulico MF M1139.

. RENAULT. 1143 (1135) M2C-134 D/C  Fabricantes Europeus (FIAT.Óleos Multifuncionais de Tractores Especificação .indica-se as especificações obsoletas. -Entre parêntese. ..) -Diferenciam –se tanto pelas características químico-físicas como de prestações.UTTO  ALLISON  CATERPILLAR  JOHN DEERE  MASSEY FERGUSON  FORD C-4 (C-3) TO-4 (TO-2) J20-C/ D 1145.

QUESTÕES A APLICAR …  Consumo de ÓLEO  Selecção de Lubrificante  nível de prestação  grau de viscosidade  porque se preferem óleos multigraduados  A compatibilidade entre óleos de diferentes marcas … .

Consumo de Óleo QUAL O INTERESSE ? •Sensibilidade ao atesto de óleo •Necessidade de reduzir as emissões para o meio ambiente .

QUAIS SÃO AS VIAS DE CONSUMO DE ÓLEO ? Através das válvulas Através dos segmentos Por perda de estanquecidade .

O CONSUMO DE ÓLEO ESTÁ INFLUENCIADO PELO MOTOR •Tipo de motor •Condições de exercicio •Estado de desgaste do motor ÓLEO •Volatibilidade •Viscosidade .

CONCLUSÕES : o motor MOTORES Gasolina O CONSUMO PREDOMINA PELAS VÁLVULAS E PELOS SEGMENTOS O CONSUMO AUMENTA. AO AUMENTAR O REGIME O CONSUMO AUMENTA AO DIMINUIR A PRESSÃO DO MOTOR PREDOMINANTEMENTE PELAS VÁLVULAS. PELOS SEGMENTOS CONSUMO AUMENTA COM O REGIME E COM A CARGA É MUITO ÚTIL A PRESENCA DE ESTANQUECIDADE NAS VÁLVULAS . O CONSUMO AUMENTA AO AUMENTAR A CARGA DO MOTOR PREFERENCIALMENTE PELOS SEGMENTOS É FUNDAMENTAL AS JUNTAS DE ESTANQUECIDADE PARA CONTER O CONSUMO PELAS VÁLVULAS MOTORES Diesel CONSUMO EXISTE. EM GERAL. EM GERAL.

O CONSUMO DE ÓLEO DIMINUI AO DIMINUIR A VISCOSIDADE INDICE DE VISCOSIDADE É POSITIVA A PRESENÇA DE POLÍMEROS DE ADITIVOS NO ÍNDICE DE VISCOSIDADE. QUE DÊ UMA MAIOR GARANTIA DE CAPACIDADE DO ÓLEO SE ADAPTAR A SITUAÇÕES DIVERSAS .CONCLUSÕES : o óleo VOLATILIDADE TEM RESULTADOS POSITIVOS NO SEU PAPEL DE BAIXA VOLATILIDADE SOBRE OS MOTORES EM CONDIÇÕES DE ENSAIO EXISTEM MOTORES MAIS OU MENOS SENSÍVEIS Á VOLATILIDADE VISCOSIDADE SOBRE OS MOTORES E NAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO QUE FAVORECEM O CONSUMO PELAS VÁLVULAS.O CONSUMO DE ÓLEO DIMINUI AO AUMENTAR A VISCOSIDADE SOBRE OS MOTORES E NAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO QUE FAVORECEM O CONSUMO PELOS SEGMENTOS.

alguns aspectos que causam o problema OS ERROS DE MEDIDAS SÃO DETERMINANTES A SUBJECTIVIDADE ESTÁ SEMPRE PRESENTE EXISTEM FORTES VARIAÇÕES EM FUNÇÃO DA CONDUÇÃO.ATENÇÃO : na práctica. DO TIPO DE MOTOR E DENTRO DO MESMO TIPO DE MOTORES CASOS PARTICULARES NÃO DEVEM SER TOMADOS EM CONTA .

a mistura de óleos implica prestações inferiores à dos óleos individuais. com a expressão : “não à problema.sem necessidade de lavar o motor com produto adequado  Não se devem misturar óleos sintéticos formulados com compostos químicos que não são perfeitamente conhecidos Deve-se ter muito cuidado. todos os óleos são IGUAIS ! .Compatibilidade entre óleos de marcas diferentes  No geral.mas geralmente.são ainda suficientes  Pequenos atestos não devem criar problemas  É possível trocar o óleo por outro tipo.

Prestações resultado RESULTADO DA MISTURA DE ÓLEOS MOTOR 20 18 16 14 12 10 nivel de prestação mínima aceitável 8 0 20 40 % óleo A e 60 em óleo B 80 100 .

INTERVALOS DE TROCA DE ÓLEO  A posição das companhias vai na direcção de evitar um alargamento indiscriminado do intervalo de troca do óleo  Esta postura não implica duvidas sobre a qualidade dos produtos  Um lubrificante de qualidade permite garantir os intervalos de troca de óleo . recomendados pelos fabricantes com margem suficiente de segurança  Um alargamento do intervalo de troca do óleo pode ser coerênte se vier acompanhado de um control adequado do óleo e da carga de exercício da viatura .

Os óleos tem limites temporais de ( 1 ó 2 anos ) .INTERVALOS DE MUDA DE ÓLEO TRADICIONAIS Tipo Serviço Tendência Motores Gasolina tradicional long-life 10/15.verifique regularmente os níveis.000 km long-life Motores Diesel Pesado tradicional (fora estrada) long-life off-road 10/25.000 km Motores Diesel Ligero tradicional 10/15.000km 250h/500h Os intervalos de muda de óleo para os veículos.000 km 45/75.000 km 20/25.000 km 25/40.variam em função da qualidade do óleo e das condições de trabalho.

Grade SAE Transmissão Grade SAE Motores 650 N 500 N 300 N 200 N 100 N SUS (Óleo Base) 42 40 38 36 34 32 30 28 26 24 22 20 18 16 14 12 10 8 6 4 2 0 cSt a100° C cSt a 40° C 850 775 700 625 550 500 450 400 365 315 280 240 205 175 140 115 85 60 40 20 10 0 Classificação de Viscosidade .680 140 150 Brt 460 7 320 60 6 220 5 150 100 68 46 32 22 4 3 2 1 50 90 40 85W 30 80W 20 10W 75W 5W ISO VG AGMA No.