TESTES DE EXERCÍCIO

Dr. Paulo Gurgel

TESTES DE EXERCÍCIO
• • • • •

Teste de Cooper Teste de Rockport Teste de Caminhada de 6 Minutos Ergometria Teste Cardiopulmonar de Exercício

KENNETH COOPER • 1968: “Aerobics”

1970: Cooper Aerobics Center

Teste de Cooper 12 minutos

A distância máxima que alguém consegue andar / correr em 12 minutos.

Teste de Cooper
• • • • Gênero (M ou F) Idade (anos) Distância (metros) Classificação: Excelente – Acima da Média – Média – Abaixo da Média - Insuficiente • Média
– M: 2700 (17 – 20 anos) a 1600 (>50 anos) metros – F: 2200 (20 – 29 anos) a 1400 (>50 anos) metros

Teste de Cooper Estimativa de VO2 máximo

Distância – 504,9 : 44,73 (mL.kg-1.min-1)

Na savana...

Teste de Rockport 1 milha = 1609 m

• • • • •

Gênero (M ou F) Idade (anos) Peso (quilos) Freqüência cardíaca pós-teste Duração da caminhada (minutos)

Teste de Rockport
• Cálculo de VO2 máx e de METs(*): através de programas disponíveis na RMC • VO2 máx calculado: posição na tabela do gênero e por faixa etária • Classificação: Excelente – Bom – Acima da Média – Média – Abaixo da Média – Ruim – Muito Ruim
(*) = 3,5 mL.kg-1.min-1 de consumo de O

Teste de caminhada
• McGavin et al. Twelve minutes walking test for assessing disability in chronic bronchitis. British Medical Journal, 1976 • Validação para 6 minutos • Segurança
– Autoregulável – Esforço submáximo – Monitorização

• Reprodutibilidade

Teste de caminhada de 6 minutos (TC6)
Parâmetros SpO2 • • • • Gênero (M ou F) Idade (anos) Peso (kg) Estatura (m) FR FC Distância Borg Outros * * Antes Depois * * * * * * * * *

Distância caminhada Valores normais e Limites inferiores
M VN (em metros) = 1140 – (5,61 x IMC) – (6,94 x idade) LI (em metros) = VN – 153 F VN (em metros) = 1017 – (6,24 x IMC) – (5,83 x idade) LI (em metros) = VN – 139 Equações de Enright e Sherril

Interpretação
• Anormal (DC < LI)
– Com queda de SpO2 ≥ 4%  compatível com distúrbio difusional – Com FR > 50/min  compatível com distúrbio ventilatório – Com FC > submáxima ou FC ≤ basal  compatíveis com distúrbio cardiocirculatório

• Normal

Indicações
• Avaliação de incapacidade • Reabilitação: indicação, monitoração e avaliação de resultados • Investigação da dispnéia • Prescrição de oxigenioterapia • Avaliação pré-operatória • Estimativa de prognóstico

Escore BODE
PT # 1 58 a VEF1 : 28 % MRC: 2/4 PaO2: 70 mmHg TC 6M : 540 m IMC : 30 BODE: 3 BODE PT # 2 62 a VEF1 : 33% MRC: 2/4 PaO2: 57 mmHg TC 6M : 400 m IMC : 21 BODE: 6 Claudia Cote, M.D. PT # 3 69 a VEF1: 35% MRC: 3/4 PaO2: 66 mmHg TC 6M: 230 m IMC: 34 BODE: 7

1

2

3

4

VEF1 < 35%

PT # 4 72 a VEF1 : 34% MRC: 4/4 PaO2: 60 mmHg TC 6M : 154 m IMC : 24 BODE: 9

Ergometria
• Método que avalia as respostas clínicas, eletrocardiográficas e hemodinâmicas frente a um esforço físico progressivo, realizado em esteira rolante ou em cicloergômetro, com velocidade e inclinação variáveis, conforme protocolos. • Exemplo:
– Bruce

• Fonte para leitura: Consenso Nacional de Ergometria

Indicações da ergometria
• Em investigação de doenças
– Doença arterial coronária – Hipertensão arterial sistêmica – Arritmias cardíacas – Outras: IC, PM, MP

• Em população sadia ou aparentemente normal
– História familiar positiva – Ocupações especiais – Programas de condicionamento físico

• Em avaliações
– Periciais – Risco cirúrgico

VO2 máximo por equação Erro: ± 20%
Em nenhuma outra área do conhecimento biológico um erro dessa magnitude (±20%) é tolerado. Por exemplo, será que aceitaríamos que, para um indivíduo com 170 cm de altura, 70 kg de peso, 200 mg/dl de colesterol no sangue e uma freqüência cardíaca máxima de 180 bpm, pudéssemos ter valores medidos, com 20% de erro, para mais ou para menos, obtendo qualquer resultado entre 136 e 214 cm de altura, 56 e 84 kg de peso, 160 e 240 mg/dl de colesterol e 144 ou 214 bpm de freqüência cardíaca máxima ? Dr. Claudio Gil, diretor médico da Clinimex

Ergometria + Espirometria = Teste de exercício cardiopulmonar (TECP)

Ergômetros

Ergômetros especiais

Ergômetros especiais

TECP
Medidas diretas
Consumo de O2 (FEO2  VO2) Produção de CO2 (FECO2 VCO2) Ventilação pulmonar (VC x FR VE) Freqüência cardíaca (FC)

Monitorização
ECG SpO2 PA Sensação subjetiva do esforço

Protocolo em rampa
Potência (W) Calorias

Parâmetros derivados

Marcadores

Limiar anaeróbico Ponto de compensação respiratório Potência aeróbica máxima

TECP – sistema integrado

TECP com telemetria

TECP em Pneumologia
• Avaliação da ocorrência e da etiologia da intolerância ao esforço e sua quantificação • Avaliação da indicação de intervenções terapêuticas e sua resposta • Análise prognóstica na DRC • Risco pré-operatório e avaliação pós-operatória • Transplante pulmonar • Reabilitação pulmonar • Diagnóstico da broncoprovocação pelo exercício • Avaliação da disfunção e incapacidade na DPO

SBPT - Diretrizes para Testes de Função Pulmonar, 2002

Test drive

GRATO PELA ATENÇÃO
pgcs@ig.com.br