Tragédia Clássica

:
estrutura

Cada musa protegia uma certa arte ou ciência. Eram filhas de Zeus. o que poucos deuses podiam fazer. e de Mnemosine. apesar de cada uma proteger uma arte ou ciência especial. Podiam ver o futuro. Com ele. Viviam no Monte Olimpo com o seu líder. permaneciam jovens e belas eternamente e. Os primeiros escritores e artistas gregos pediam inspiração às musas antes de começar a trabalhar. com ele. aprenderam a cantar. o rei dos deuses. Qualquer uma delas podia ser invocada. o deus Apolo. a deusa da memória. Musa é uma palavra que vem do grego "mousa". e música que significa "arte das musas". As musas tinham vozes agradáveis e melódicas e frequentemente cantavam em coro. dela derivam museu que. e tinham também o dom de banir toda tristeza e dor.As Musas… As musas eram nove deusas das artes e ciências na mitologia grega. originalmente significa "templo das musas". .

Melpómene É a musa da tragédia. a máscara na outra e usa uma coroa de ciprestes. Algumas vezes.  . O seu nome tem o significado de "Coro". segura uma faca ou bastão numa mão. a que canta. É usualmente representada com uma máscara trágica e usando os coturnos - botas tradicionalmente gastas e usadas pelos atores.

como a lei. As suas origens são obscuras. seres meio bodes que cercavam Dionísio nas suas orgias. odé. que se caracteriza pela seriedade e dignidade. (bode) e ᾠδή. e as palavras gregas τράγος. (canto) foram combinadas na palavra tragoidia (algo como "canções dos bodes").Tragédia : origem Tragédia (do grego antigo τραγῳδία. os cantos e danças em honra ao deus grego Dionísio (conhecido entre os romanos como Baco). Tem provavelmente raízes nos ditirambos. frequentemente envolvendo um conflito entre uma personagem e algum poder de instância maior. da qual a palavra tragédia é derivada. os deuses ou a sociedade. mas é certamente derivada da rica poética e tradição religiosa da Grécia Antiga. composto de τράγος "bode" e ᾠδή "canto") é uma forma teatral. Dizia-se que estas apresentações etilizadas e extáticas foram criadas pelos sátiros. . tragos.

conjunto de personagens que não intervêm diretamente na ação e cuja função é comentar determinados momentos da ação à medida que esta se vai desenrolando. elevada (social e moralmente) e em número reduzido (geralmente 3).Estrutura externa A tragédia clássica normalmente:  É escrita em verso. três atos para a progressão dramática e um para o epílogo. alertar a personagem principal e lamentá-la no final.  É dividida em 5 atos – 1 para o prólogo. Usa um coro . . As personagens são de origem nobre.

aumentando assim a tensão dramática. de modo a evitar dispersão. sem ações secundárias.             .             Unidade de Ação – a intriga deve ser simples.Usa a Lei das 3 unidades:  Unidade de Tempo – a duração da ação dramática nunca deve exceder as 24 horas.     Unidade de Espaço – toda a ação deve desenrolar-se no mesmo espaço.

Estrutura Interna Na tragédia. às autoridades ou ao destino) leva à crisis (crise) perante a qual o herói é obrigado a revelar o ethos (carácter). como consequência acontece o  páthos (sofrimento intenso como consequência do desafio e capaz de despertar a compaixão do espetador) e surge a  agnórise ou anagnórise (reconhecimento de um facto inesperado). percebe-se o seguinte percurso: a hybris (desafio do protagonista aos deuses. que desencadeia o clímax (crescendo trágico até à .

peripeteia (peripécia). à mudança repentina de estado nas personagens. a phóbos (sentimento de terror. o destino (moira) ou ananké (o destino como inevitabilidade. de medo) e . muitas vezes como resultado da agnórise ou levando diretamente a ela).  Outros elementos sempre presentes são a némesis (vingança do destino. daqui resulta a catástrofe ou catástase (desfecho trágico) provocando a cathársis (reflexão purificadora. ou seja. perante o desafio arrogante do homem). fatalidade). purgação das emoções dos espectadores) .

Teatro de Dionisius em Delfos .