You are on page 1of 23

ARTE

PARÂMETROS
CURRICULARES
NACIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA
DE ARTE (ÁREA
CURRICULAR)
A educação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento
artístico e da percepção estética, que caracterizam um modo próprio
de ordenar e dar sentido à experiência humana: o aluno desenvolve
sua sensibilidade, percepção e imaginação, tanto ao realizar formas
artísticas quanto na sua ação de apreciar e conhecer as formas
produzidas por ele e pelos colegas, pela natureza e nas diferentes
culturas.
O conhecimento da arte de outras culturas, permite compreender a
relatividade dos valores que estão enraizados nos seus modos de
pensar e agir, que pode criar um campo de sentido para a valorização
do que lhe é próprio e favorecer abertura à riqueza e à diversidade da
imaginação humana

→ Essa forma de comunicação é rápida e eficaz.ENSINO DA ARTE Uma função importante que o ensino da arte tem a cumprir diz respeito à dimensão social das manifestações artísticas. . A arte de cada cultura revela o modo de perceber. → A arte solicita a visão. sentir e articular significados e valores que governam os diferentes tipos de relações entre os indivíduos na sociedade. a escuta e os demais sentidos como portas de entrada para uma compreensão mais significativa das questões sociais. pois atinge o interlocutor por meio de uma síntese ausente na explicação dos fatos.

“NAVIO DE EMIGRANTES” 1939-1941 LASAR SEGALL .

“OS RETIRANTES” CANDIDO PORTINARI .1944 .

JARDINS – CLAUDE MONET .

escapa-lhe a dimensão do sonho. da sonoridade instigante da poesia. das criações musicais. das cores e formas. dos gestos e luzes que buscam o sentido da vida .CONHECIMENTO DA ARTE O ser humano que não conhece arte tem uma experiência de aprendizagem limitada. da força comunicativa dos objetos à sua volta.

seu ofício. E da mesma maneira ensinou para alguém o que aprendeu.ARTE E EDUCAÇÃO Desde o início da história da humanidade a arte sempre esteve presente em praticamente todas as formações culturais. de acordo com normas e valores estabelecidos . Assim. de algum modo. O homem que desenhou um bisão numa caverna pré-histórica teve que aprender teve que aprender. o ensino e a aprendizagem da arte fazem parte.

A ARTE E A EDUCAÇÃO .

para o processo de aprendizagem do aluno também ocorreu no âmbito do ensino de Arte. centrado apenas na transmissão de conteúdos. como manifestação espontânea e auto-expressiva → “o que importa é o processo criador da criança e não o produto que realiza”.EDUCAÇÃO ESCOLAR EM ARTES A mudança radical que deslocou o foco de atenção da educação tradicional. Na confluência da antropologia. Tais principios reconheciam a arte da criança. fazendo” → “deixar fazer” – ou seja. deixar a criança fazer arte. da psicopedagogia e das tendências estéticas da modernidade surgiram autores que formularam os princípios inovadores para o ensino de artes plásticas. da crítica de arte. sem nenhum tipo de intervenção → Ao professor destinava-se um . “aprender a fazer. da psicanálise. da filosofia. da psicologia. música. teatro e dança.

. portanto não ocorre automaticamente à medida que a criança cresce.No início da década de 70 .Novos autores afirmavam que o desenvolvimento artístico é o resultado de formas complexas de aprendizagem e. é tarefa do professor propiciar essa aprendizagem por meio da instrução.

Música e Canto Orfeônico faziam dos programas das escolas primárias e secundárias. → Os professores trabalhavam com exercícios e modelos convencionais selecionados por eles em manuais e livros didáticos → reprodução de modelos. os hábitos de organização e precisão. . Desenho Natural e Desenho Pedagógico) era considerada mais pelo seu aspecto funcional do que uma experiência em arte → visavam uma aplicação imediata e a qualificação para o trabalho. . mostrando uma visão utilitarista da arte. Trabalhos Manuais.Primeira metade do séc. concentrando o conhecimento na transmissão de padrões e modelos ds culturas predominantes. → A disciplina Desenho (Desenho Geométrico. os “dons artísticos”.HISTÓRICO DO ENSINO DA ARTE NO BRASIL E PERSPECTIVAS . XX as disciplinas Desenho.Valorizavam-se principalmente as habilidades manuais.

HISTÓRICO DO ENSINO DA ARTE NO BRASIL E PERSPECTIVAS → As atividades de teatro e dança somente eram reconhecidas quando faziam parte das festividades escolares (Natal. o Canto Orfeônico foi substituído pela Educação Musical. (Villa-Lobos) → Depois de trinta anos de atividades em todo Brasil. “Um povo que sabe cantar.) → pretendia levar a linguagem musical de maneira consistente e sistemática a todo país → difundia ideias de coletividade e civismo. Independência ou festas de final de período letivo). .→ Teatro única finalidade – representação (decoravam os textos e os movimentos cênicos eram marcados com rigor) → Música – Canto orfeônico – projeto preparado pelo compositor Heitor VillaLobos. é preciso ensinar o mundo inteiro a cantar”. na década de 30 . criada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº. 4. Páscoa.024/61. está a um passo da felicidade. princípios condizentes com o momento político de então.

. dançada. instrumentos de percussão. → Utilizando jogos. valorizando suas formas de expressão e de compreensão do mundo. marcadamente reprodutivista da escola tradicional. a expressão corporal e a socialização das crianças que são estimuladas a experimentar. fortemente sustentadas pela estética modernista e com base na escolanovista.HISTÓRICO DO ENSINO DA ARTE NO BRASIL E PERSPECTIVAS → Entre os anos 20 e 70. autonomia e descobertas baseando-se principalmente na auto-expressão dos alunos → rompimento com a rigidez estética. as escolas brasileiras viveram outras experiências no âmbito do ensino e aprendizagem de arte. centrado no respeito às suas necessidades e aspirações. → Aulas de Desenho e Artes Plásticas – atividades de artes plásticas ostram-se como espaço de invenção. → O ensino da Arte volta-se para o desenvolvimento natural da criança. improvisar e criar. ritmico. passa a existir no ensino de música um outro enfoque. rodas e brincadeiras buscava-se um desenvolvimento auditivo. além de cantada. → Educação Musical – Contrapondo-se ao Canto Orfeônico. tocada. quando a música pode ser sentida.

O evento marcou época ao apresentar novas ideias e conceitos artísticos. como a poesia através da declamação. na busca de experimentação. que antes era só escrita. esculturas e maquetes de arquitetura.SEMANA DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO . na liberdade criadora da ruptura com o passado e até corporal. para o modernismo. O adjetivo "novo" passou a ser marcado em todas estas manifestações que propunha algo no mínimo curioso e de interesse. e a arte plástica exibida em telas. a música por meio de concertos.1922 A Semana de Arte Moderna representou uma verdadeira renovação de linguagem. pois a arte passou então da vanguarda. . que antes só havia cantores sem acompanhamento de orquestras sinfônicas. com desenhos arrojados e modernos.

se achava em Paris e. não participou do evento. Na ocasião da Semana de Arte Moderna. por esse motivo. e como um dos organizadores o intelectual Rubens Borba de Moraes  que. dela não participou 2  . Sérgio Milliet.  Oswald de Andrade.  Tarsila do Amaral.Tácito de Almeida. .  Anita Malfatti. por estar doente. como Mário de Andrade. considerada um dos grandes pilares do modernismo brasileiro. Heitor Villa-Lobos. Menotti Del Pichia.Víctor Brecheret.  Di Cavalcanti entre outros.Participaram da Semana nomes consagrados do  modernismo brasileiro. entretanto. Plínio Salgado. Guilherme de Almeida .

OS OPERÁRIOS – TARSILA DO AMARAL .

CINCO MOÇAS DE GUARATINGUETÁ DI CAVALCANTI .

ABAPORU – TARSILA DO AMARAL .

A BOBA – ANITA MALFATTI .

de conservatórios. e professores de quaisquer matérias ou pessoas com alguma habilidade na área (artistas. Artes Plásticas e Música.692/71 inclui arte no currículo escolar com o título de Educação Artística. Em 1971a Lei 5. quando as escolas promovem festivais de música e teatro com grande mobilização dos estudantes.Em fins da década dos anos 60 e na década de 70 nota-se uma tentativa de aproximação entre as manifestações artísticas ocorridas fora do espaço escolar e a que se ensina dentro dele: é a época dos festivais e das novas experiências teatrais. existiam pouquíssimos cursos de formação de professores de arte. estudiosos de cursos de belasartes. Desenho Geométrico.) poderiam assumir as disciplinas de Desenho. etc. mas é considerada “atividade educativa” e não disciplina . Até os anos 60 .

isolados e inseguros. corporais. os professores tentavam equacionar um elenco de objetivos inatingíveis. com atividades múltiplas. sem conhecê-los bem. que eram justificados e divididos apenas pelas faixas etárias. capacitados inicialmente em cursos de curta duração. que não explicitavam fundamentos. . orientações teórico-práticas ou bibliografias específicas. Educação Musical.A introdução da Educação Artística no currículo escolar foi um avanço se se considerar que houve um entendimento em relação à arte na formação dos indivíduos. não estavam instrumentadas para a formação sólida do professor. → Desprestigiados. criadas para cobrir o mercado aberto pela lei. → As faculdades de Educação Artísticas. envolvendo exercícios musicais. seguindo os ditames de um pensamento renovador → Muitos professores não estavam habilitados e. tinham como única alternativa seguir documentos oficiais (guias curriculares) e livros didáticos em geral. plásticos. Artes Cênicas) → Os professores. menos ainda preparados para o domínio de várias linguagens que deveriam ser incluídas no conjunto das atividades artísticas (Artes plásticas.

394/96 Artigo 26 § 2o O ensino da arte. do componente curricular de que trata o § 2o deste artigo. de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos.A ARTE NA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL 9. (Incluído pela Lei nº 11. constituirá componente curricular obrigatório nos diversos níveis da educação básica. especialmente em suas expressões regionais. de 2010) § 6o A música deverá ser conteúdo obrigatório.769. mas não exclusivo. (Redação dada pela Lei nº 12.287. de 2008) .