You are on page 1of 89

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA
ORAL
DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA
Disciplina: Estomatologia Clínica

Exames
Laboratoriais
Marcelo Nascimento
Tamires de Oliveira

Exames
Laboratoriais

Exames Complementares
• Hemograma
• Coagulograma completo
• Bioquímica do sangue
• Cultura e antibiograma
• Reações sorológicas

Exames
Laboratoriais

“O diagnóstico preciso é a única e
verdadeira pedra angular sob a qual um
tratamento racional pode ser construído.”
(C. Noyek)

Exames
Laboratoriais

Considerações iniciais
Uso dos exames laboratoriais
Identificar/confirmar a presença de doença ou

situação relacionada à saúde
Avaliar a gravidade do quadro clínico
Estimar o prognóstico
Monitorar a resposta a uma intervenção

Anamnese Exame físico Prevalência do transtorno suspeito Não há exame perfeito. Os Valores laboratoriais negativos não necessariamente descartam um diagnóstico clínico. .Exames Laboratoriais Considerações iniciais A escolha dos exames deve ser baseada na probabilidade prévia de ser descoberto o diagnóstico.

Exames Laboratoriais Exames Complementares ESPECÍFICOS SEMI-ESPECÍFICOS INESPECÍFICOS Faso-Positivo FalsoNegativo Sensibilidade Especificidad e .

Afastar doenças em fase inicial do diagnóstico.Exames Laboratoriais Considerações iniciais Sensibilidade É a probabilidade de um teste dar positivo na presença da doença. . Especificidade É probabilidade de um teste dar negativo na ausência da doença. Confirmar um diagnóstico sugerido por outros dados.

Exames Laboratoriais .

Exames Laboratoriais “Medicina é a arte da incerteza e a ciência da probabilidade” (William Osler) .

Exames Laboratoriais Considerações iniciais As tabelas dos valores de referência representam dados estatísticos para 95% da população. O Melhor valor de referência é aquele obtido a partir da comparação com valores prévios observados quando o paciente não .

Exames Laboratoriais Considerações iniciais O intervalo de referência varia de um laboratório para outro. .

 Sexo.  Tamanho e  Estado fisiológico. .Exames Laboratoriais Considerações iniciais O profissional deve estar atento às variações decorrentes de: Idade. Não negligenciar o efeito das drogas sobre os valores dos exames.  Raça.

Exame Físico Anamnes e Diagnóstic Diagnóstic o o Exames Exames Laboratori Laboratori ais ais .Exames Laboratoriais Considerações iniciais A solicitação de um exame complementar deve ser direcionado levando-se em consideração os dados obtidos através da anamnese e exame físico.

Exames Laboratoriais Hemograma Avaliação Quantitativa e Qualitativa dos elementos sanguíneos. Eritrograma (Hemácias) Leucograma (Leucócitos) Plaquetograma (Plaquetas) .

Exames Laboratoriais Eritrograma Parâmetros Laboratoriais: Contagem de eritrócitos Hemoglobina (Hb) Hematócrito (Hct) .

HbA2. HbF . HbS. HbC. HbA1.Exames Laboratoriais Eritrograma Parâmetros Laboratoriais: Hemoglobina (Hb) Transporte de Oxigênio Tecido eritroblástico Variantes: HbA.

no sangue circulante.Exames Laboratoriais Eritrograma Parâmetros Laboratoriais: Hematócrito (%) Representa a proporção de eritrócitos em relação ao plasma. .

Exames Laboratoriais Eritrograma Índices Hematimétricos Volume corpuscular médio (VCM) Hemoglobina corpuscular média (HCM) Concentração de hemoglobina corpuscular média (CHCM) Amplitude de distribuição dos eritrócitos (ADE) .

16 Hct (%) 40 .Exames Laboratoriais Eritrograma Eritrócitos.5 Hb (g/dL) 13 .41 36 .5 4.0 – 5.0 4.1 4.18 11 . 2003 .50 33 .16 11 – 13.1 – 5. Hct Homens Mulhere s 5 anos 70 anos Eritrócito s (M/µL) 4.50 FAILACE. Hb.5 11 .55 36 .5 – 6.o – 5.

98 HCM Concentr. Nº Eritrócitos pg 27 .Exames Laboratoriais Eritrograma Índices Hematimétricos Numerador Denominador Unidade Valor (Normalidad e) VCM Hct Nº Eritrócitos fL (fentolitros ) 80 . 2003 . Hb.32 CHCM Concentr. Hb. Hct % 33 .41 FAILACE.

Exames Laboratoriais Eritrograma Alterações morfológicas Macrocitose Microcitose Anisocitose Hipocromia Policromacitos e Pecilocitose Rouleaux FAILACE. 2003 .

2003 regenerativas .Exames Laboratoriais Alterações do Eritrograma ANEMIA Classificaç ão Biometria do eritrócito: -Microlíticas -Normolíticas -Macrolíticas Patogênese: Hiporregenerativa s -HiperFAILACE.

2003 .Exames Laboratoriais Alterações do Eritrograma ANEMIA Concentração de HEMOGLOBINA <13g/dL no homem adulto 6 meses e 6anos: <11g/dL <12g/dL na mulher adulta <11g/dL na mulher grávida 6 e 12 anos: <12g/dL FAILACE.

Exames
Laboratoriais

Alterações do Eritrograma
ANEMIA
SINAIS E SINTOMAS

 Hipocromia hemática (palidez)
 Hipóxia tecidual:
-SNC: irritabilidade, cefaléia, lipotímia, insônia, escotoma
-Muscular: fatigabilidade, dores na musculatura inferior
-SCV: dispnéia de esforço, taquicardia, palpitações, dor
angiosa, IC
 Hipercinese circulatória (sopro anorgânico)

FAILACE, 2003

Exames
Laboratoriais

Alterações do Eritrograma
ANEMIA
FERROPÊNICA
Etiologia: necessidade, diminuição da oferta ou
absorção, perda de Fe
Manifestações Sistêmicas: unhas quebradiças,
delgadas, estrias longitudinais, depressões
proximais (unhas em colher), cabelo quebradiço,
cefaléias, neuralgia e dormência dos membros,
perversão do apetite.

FAILACE, 2003

Exames
Laboratoriais

Alterações do Eritrograma
ANEMIA
FERROPÊNICA

Manifestações Bucais: Quelite Angular, Glossite
Atrófica, palidez das mucosas

TOMMASI, 2002

Exames
Laboratoriais

Alterações do Eritrograma
ANEMIA
FERROPÊNICA

Diagnóstico Laboratorial:
 Eritropenia

Hgb e Hct

 Microcitose
 Hipocromia
FAILACE, 2003

blogspot.br/ .com.Exames Laboratoriais Alterações do Eritrograma ANEMIA FERROPÊNICA http://medgen-medicinaegenetica.

Exames Laboratoriais Velocidade de Hemossedimentação VSH Valores de referência Mm/1 hora Homens 0 a 15 Mulhers 0 a 20 Homens acima de 50 anos 20 Mulheres acima de 50 anos 30 TOMMASI. . FAILACE. 2002.

2002. . colagenoses. anemias • Radioterapia TOMMASI.Exames Laboratoriais Velocidade de Hemossedimentação VSH Valores de referência aumentados • Síndrome nefrótica • Pós-operatório e convalescência de infecção • Menstruação • Gravidez • Reumatismo. FAILACE. tuberculose.

500 – 7.50 1.000 Eosinófilos 1-7 50 .70 1.500 Basófilos 0-3 0 .600 .200 FAILACE.Exames Laboratoriais Leucograma Valores de referência % Nº/mm³ Leucócitos - 3.000 Linfócitos 20 . 2003 .11.10 100 – 1.000 – 4.000 Monócitos 2 .000 Neutrófilos 40 .

Exames Laboratoriais Leucograma Alterações Quantitativas LEUCOCITOSE NEUTROFILIA LINFOCITOSE EOSINOFILIA Infecções bacterianas Infecções virais Parasitismos Processos alérgicos Trauma. hemorragia Pós-vacinação Leucemias Neoplasias Corticoterapia Intoxicações Doenças vesículo bolhosas .

Exames Laboratoriais Leucograma Desvio à Esquerda Quantidade maior de neutrófilos jovens no sangue periférico (infecção aguda) Desvio à Direita Quantidade maior de neutrófilos segmentados no sangue periférico (infecção crônica) TOMMASI. 2002. . FAILACE.

radiação ionozante. exposição química Classificação  Defeito primário mielóide  Comportamento: aguda ou crônica TOMMASI. FAILACE. .Exames Laboratoriais Leucograma LEUCEMIA Etiologia  Proliferação de células hematopoiéticas alteradas com distúrbio na diferenciação. regulação e apoptose celulares  Diminuição na contagem das células vermelhas  Infecção viral. 2002.

úlceras  Fatores locais irritativos  Linfadenopatia generalizada. anemia TOMMASI. febre. petéquias. FAILACE.Exames Laboratoriais Leucograma LEUCEMIA Manifestações Clínicas  Tumefação gengival e palatina  Sangramento gengival  Púrpuras. 2002. .

Exames Laboratoriais Leucograma http://diariodebiologia.com/2009/06/como-interpretar-um-exame-de-hemogramacompleto/ .

FAILACE. 2002. .Exames Laboratoriais Leucograma Alterações Quantitativas LEUCOPENIA NEUTROPENIA LINFOPENIA EOSINOPENIA Infecções bacterianas Infecções virais Estresse Agranulocitose Estresse Corticoterapia Corticoterapia Quimioterápicos Neutropenia clínica TOMMASI.

br201010serie-exames-descomplicando-o- .Exames Laboratoriais Leucograma LEUCOPENIA httpdesbaguncando.com.blogspot.

000 – 400.000 50. .000/µL Nº/µL > 100.000 < 50.Exames Laboratoriais Plaquetograma 150.000 Características Assintomático Sangramento após traumatismo grave Sangramento após pequenas intervenções em mucosas Sangramento espontâneo TOMMASI. 2002.000 < 20.000 – 100. FAILACE.

AIDS. hemorragias graves  Infecções viróticas: EBV. . FAILACE. Dengue  Neoplasias: Leucemias e Linfomas  Fármacos: diuréticos de alça.Exames Laboratoriais Plaquetograma Trombociopenia  Fisiológica: gravidez (10% no 3º trimestre). anti-hipertensivos. 2002. Hepatite C. antibióticos  Aplasia da medula óssea TOMMASI.

. 2002.Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos Hemostasia  Fatores Plaquetários  Fatores de Coagulação  Fatores Vasculares TOMMASI. FAILACE.

FAILACE. 2002.Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos Hemostasia Aspectos Fisiológicos  Vasoconstricção  Primária: tampão plaquetário  Secundária: fibrina TOMMASI. .

2002. FAILACE.Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos Hemostasia Avaliação Quantitativa  Fatores Plaquetários Contagem de plaquetas Tempo de Sangramento: 5 a 10 min. .  Fatores de CoagulaçãoTempo de Protrombina: 11 – 15 seg. Tempo de Trompoplastina: 25 a 40 seg. TOMMASI.

2002.Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos COAGULOGRAMA I Pacientes cirurgia submetidos sem história a de pequena doença hemorrágica COAGULOGRAMA II Pacientes submetidos a procedimento cirúrgico com hemorrágica história de doença TOMMASI. FAILACE. .

.Tempo de sangria (TS) Fator I e V .Tempo de coagulação (TC) .Prova de atividade de protrombina (PT) TOMMASI.Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos • COAGULOGRAMA I . FAILACE.Prova do laço (fragilidade capilar) . 2002.

FAILACE.Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos • COAGULOGRAMA II .Retração do coágulo TOMMASI.Tempo de trombina . . 2002.Tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPA) .

2002. . FAILACE.Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos Manifestações Clínicas TOMMASI.

FAILACE. 2002. .Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos Desordens da Hemostasia Congênitos  Hemofilia A: Fator VIII  Hemofilia B: fator IX  Doença de von Willebrand TOMMASI.

FAILACE. .Exames Laboratoriais Disturbios Hemorrágicos Desordens da Hemostasia Congênitos Hemofilia A: Fator VIII  Hemostasia Normal: mínimo de 25%  Doença Grave: <1% sangramento a pequenos traumatismos  Doença Moderada: 1 – 5%  Doença Leve: >5% hemorragias incomuns TOMMASI. 2002.

p. n. 2004 ..Exames Laboratoriais R./jun. Salvador. 3. biol. v. méd. 1. Ci. jan. 60-68.

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Estuda o metabolismo dos elementos químicos presentes no sangue. Dosagem de cálcio Dosagem de fósforo Dosagem de fosfatase alcalina Dosagem de proteínas totais Dosagem de creatinina Dosagem de ferro Dosagem de glicose .

 Coagulação do Sangue e  Formação do ossos.Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Cálcio (Calcemia) Os íons cálcio são essenciais para a função de todas as células do corpo: diminuição da permeabilidade membranas celulares e ativação de enzimas. das .  Coração. Efeitos dos Íons Cálcio:  Sistema Nervoso.

. anorexia.Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Cálcio (Calcemia) Hipercalcemia  Repercussões gastrintestinais. Hipocalcemia  Parestesia periférica e perioral. confusão mental e coma.  Casos mais graves: Laringoespasmo.D ispepsia. polidpsia e nefrocalcinose.  Manifestações neurológicas. convulsão.Dificuldade de concentração.  Manifestações cardiovasculares. sonolência. cãibra.Hipertensão arterial e alterações do ritmo cardíaco.  Sintomas urinários. constipação. tetania e até o óbito. náusea e vômito.Poliúria.

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Cálcio (Calcemia) Hipercalcemia  Hiperparatireoidismo.Tumor marrom  Doenças malignas  Hipervitaminose D Hipocalcemia  Deficiência de secreção ou resistência do paratormônio (PTH)  Alterações de síntese de vitamina D  Drogas .

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Cálcio (Calcemia) .

Funções do Fósforo:  Manutenção do pH.  Armazenamento de energia (ATP) e  Ativação de diversas reações enzimáticas .Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Fósforo Gêmeo metabólico do Cálcio Cerca de 90% do fósforo encontra- se nos ossos.

2004) .Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Fósforo Insuficiênci a Renal Crônica Retenção de Fósforo Hiperparatireoidismo (Romão Júnior et al.

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Fosfatase Alcalina Indica a atividade do processo de formação da matriz óssea. Níveis alterados:  Fraturas  Doença de Paget  Escorbuto .

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Fosfatase Alcalina .

.Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Proteínas Totais Funções das proteínas:  Enzimas  Hormônios  Neurotransmissores  Transportadores através das membranas celulares Útil na avaliação e acompanhamento das patologias que levam a deficiência na síntese protéica.

1 g/dL .4 a 8.Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Proteínas Totais Causas de alterações da dosagem:  Mieloma múltiplo  Desnutrição  Neoplasias  Queimaduras Valor de referência: 6.

Produção de energia oxidativa. .Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Ferro O Ferro faz parte de proteínas e enzimas importantes no: Transporte de oxigênio.  Síntese de DNA. Respiração mitocondrial e Inativação de radicais livres.

independentemente do estrato socioeconômico do indivíduo. é a mais comum de todas as anemias. Manifestações orais:  Atrofia das papilas filiformes  Candidíase orofaríngea .Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Ferro A anemia ferropriva.

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Ferro Exames relacionados:  Determinação da capacidade total de ligação do ferro  Índice de Saturação da transferrina  Dosagem de ferritina  Hemograma .

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Ferro .

2007) . Possui baixa sensibilidade.Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Creatinina Avaliação e monitoramento da função excretora renal. devendo ser associado a outros exames:  Depuração de creatinina  Dosagem de uréia  Estimativa da taxa de filtração glomerular  Exame de urina de rotina (Burmeister et al.

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Creatinina .

Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Glicose Glicose de jejum e pós-prandial Teste oral de tolerância a glicose Avaliação do controle glicêmico do paciente diabético:  Dosagem de hemoglobina glicada  Proteína glicosada (Frutosamina)  Avaliação da glicemia com fitas  Medida da glicose na urina  Medida de corpos cetônicos na urina .

8 mmol/L) para o valor de glicemia duas horas após sobrecarga com 75 g de glicose.Exames Laboratoriais Bioquímica do sangue Dosagem de Glicose Glicemia pós-prandial: < 140mg/dL Diabetes Gestacional: > ou = a 110 mg/dL (6.1 mmol/L) para a glicemia de jejum > ou = a 140 mg/dL (7. .

Antibiograma .Analisa a resistência/sensibilidade de cepas de bactérias frente aos antibióticos.Identifica o microrganismo causador da infecção.Exames Laboratoriais Cultura e Antibiograma Cultura. .

• Utilização dos discos de antibióticos • Cultura e identificação dos microrganismos presentes • Coleta do material Laboratóri o Laboratóri o Consultóri o Cultura e Antibiograma Exames Laboratoriais .

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Principais exames sorológicos solicitados em odontologia: Sífilis Tuberculose Hepatite AIDS Mononucleose infecciosa .

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Sífilis Agente etiológico: Treponema pallidum. Transmissão:  Via sexual (sífilis adquirida)  Verticalmente (sífilis congênita)  Tríade de Hutchinson : Dentes de Hutchinson  Surdez  Queratite intersticial  .

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Sífilis Evolução da Sífilis adquirida: Recaída CANCRO Doença 1a semanas Ausência lesões Latência semanas Erupção cutânea Condiloma Placas Mucosas Doença 2a semanas a meses Ausência lesões Latência meses a anos Neurossífilis Cardiovascular Gomas Doença 3a .

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Sífilis Testes sorológicos não-específicos:  VDRL (Veneral Disease Research Laboratory)  RPR (Rapid Plasma Reagin) Testes sorológicos específicos  FTA-Abs (Fluorescent Treponemal Antibody Absorption)  TPHA (Treponema Pallidum Hemagglutinatio Test)  Teste imunoenzimático (ELISA) .

Transmissão:  Gotículas de saliva  Início da infecção no pulmão .Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Tuberculose Infecção granulomatosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis.

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Tuberculose Tuberculose primária  Nódulo de Ghon no local de entrada do microrganismo  Linfadenopatia regional  Lesão bucal ulcerada (rara) Tuberculose secundária  Sintomas sistêmicos  Úlceras que não cicatrizam  Tecido de granulação na base da língua .

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Tuberculose Diagnóstico  Teste tuberculínico cutâneo (PPD)  Colorações especiais para o microrganismo  Cultura  Radiografia de tórax .

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Hepatite Processo inflamatório agudo do fígado provocado por diferentes vírus.D . Maneira de transmissão:  Fecal-oral.Vírus B.C.Vírus A e E  Parenteral .

Hbe Anticorpos anti-HBs e anti-Hbe Antígenos  Hepatite Anticorpo  Hepatite C anti-HCV D  Antígeno (HDV)  Anticorpo anti-HDV  Hepatite  E Anticorpo anti-HEV Avaliação da soroconversão: Anti-HBsAG ≥10 UI/ml .Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Hepatite  O diagnóstico se dá por meio dos marcadores sorológicos:  Hepatite A Anticorpos anti-HAV  Hepatite B HBs.

2000) .Exames Laboratoriais Reações Sorológicas AIDS Vírus HIV Associação de doenças oportunistas Manifestações orais (Souza et al.

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas AIDS Diagnóstico:  Teste Elisa  Teste western blot  Teste de imunofluorescência indireta para o HIV-1 .

Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Mononucleose Infecciosa Vírus Epstein-Barr “Doença do Beijo” Transmissão pelo contato com a saliva .

linfadenopatia e hepatoesplenomegalia. desenvolvimento de anticorpos anti-vírus Epstein-Barr (EBV).  Achados hematológicos:  Linfocitose (mais de 50%) com alterações atípicas em grande número.Exames Laboratoriais Reações Sorológicas Mononucleose Infecciosa  Diagnóstico  Achados clínicos:  Amigdalofaringite.  Achados sorológicos:  Desenvolvimento de anticorpos heterófilos. .

.Exames Laboratoriais “O poder de resolução do exame clínico.). plano terapêutico e proservação do paciente (. isto é. prognóstico.” TOMMASI. é limitado aos sinais e sintomas (. sua possibilidade de permitir a elaboração de um diagnóstico definitivo. sendo os exames complementares recursos auxiliares ao diagnóstico.. Contudo.. 2002 .)..

BELLINE J. MIGUEL P. 2003. 36(3/4):90-95. Jacques (2009). 2005 jul-set. Ribeirão Preto. VAZ FAC. . CANÇADO RD. GARCIA LYC. SOUZA RS. Brasília WALLCH. Ouvir o paciente: a anamnese no diagnóstico méd. Guanabara Koogan. clínico. metabólicas e nutricionais. Pediatria (São Paulo). Bras. Hemoter. MELO JAJ.31(3):192-202. abr. TERADA CT. 36: 370374. 20(2) : 112-125. VILLALBA H. ODONE FILHO V. Rev Inst Ciên Saúde. Tratamento da hipercalcemia e hipocalcemia. Rio de Janeiro/RJ. Anemias carenciais na infância. Rev.Exames Laboratoriais Referências SANTOS./dez. GIOVANI EM. SANTOS PCJL. Tumor marrom do hiperparatireoidismo dos maxilares. 1998 PAULA FJA e FOSS MC. Interpretação de Exames Laboratoriais. 1999. Hematol. capítulo I. MOTA ACA. 23(3): 227-30. Medicina. 2009.8 ª edição. TORTAMANO N. Simpósio: urgências e emergências endócrinas. João Barberino. Alterações moleculares associadas à hemocromatose hereditária. GUERRA-SHINOHARA EM.

Porto Alegre. Osteonecrose da mandíbula em paciente portador de mieloma múltiplo – patologia secundária ao uso do pamidronato . ROMÃO JUNIOR JE.27(3):221-222. CASTRO MCM. MARCONDES M. Fósforo: função. 2007. ABENSUR H. BASTOS MR. Considerações Sobre os Marcadores Bioquímicos do Metabolismo Ósseo e sua Utilidade Prática. T.Março de 2004. FERRABOLI R. creatinina plasmática normal significa função renal normal? Revista da AMRIGS. bras. 1999 MELO AC. VIEIRA JGH.C. v. 1. nº6. ELIAS RM. LOUREIRO AS. 2005. Arq Bras Endocrinol Metab vol 43. abr. LUDERS C. metabolismo e recomendações. J Bras Nefrol Volume XXVI – nº 1 . Nutrir Gerais. Rev Dig Nutr. CAMPOS BM. BURMEISTER JE. Rev.Exames Laboratoriais Referências OLIVEIRA. BASTOS M. hematol. Ipatinga.-jun. ARAÚJO SS. Alterações de Cálcio e Fósforo Séricos e Hiperparatire o i d i s m o na Insuficiência Renal Crônica Incidente. hemoter. 51 (2): 114120. 2007. MILTERSTEINER DR. AGNOLIN R. COSTA MG. HAIASHI AR. .

. L. 1999 . Vol. SOUZA. L.. MEDEIROS. A. NADAL SR. Rev bras Coloproct.aids. PEREIRA PINTO. Bras. Interpretação das Reações Sorológicas para Diagnóstico e Seguimento Pós-Terapêutico da Sífilis. Nº 4. & da Silveira. F. M. 1. R.Exames Laboratoriais Referências AVELLEIRA JCR. B. FRAMIL VMS. 2006. J.. T. BOTTINO G. jan. Jornal de Pediatria . Mononucleose infecciosa. MESQUITA. tratamento e controle./mar.T.Vol. 79-85. X. Sífilis: Diagnóstico. 2004. Epidemiol.gov. doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais ( http://www. Ministério da Saúde: Portal sobre aids. 7. 2000. ARAÚJO Jr.R. 2007. n. C. 27(4): 479-482. Pesq Odont Bras. Supl. p. An Bras Dermatol. Ferreira..1. v. 14..br/pagina/tipos-de-exames) Carvalho LHFR. Manifestações orais em pacientes com AIDS em uma população brasileira. O.81(2):111-26. Hepatites virais: aspectos da epidemiologia e da prevenção Rev. 75. C. .

Hemograma : manual de interpretação. AF. Porto Alegre : Artmed. 2002. São Paulo. SP. ED. . Renato. 3ª edição.Exames Laboratoriais Referências TOMMASI. Pancast Editorial.: Diagnóstico em patologia bucal. 2003. 4. FAILACE. ed.