You are on page 1of 52

ESTUDO DA RETA
Equações

Equação da reta que passa por
dois pontos
Considerando os pontos A(x1, y1) e B(x2 , y2 ) e P(x,y)
um ponto genérico do plano cartesiano vamos
estabelecer uma relação entre x e y que nos garanta
que esse ponto pertença a reta que passa por AB ou
seja que esses pontos sejam colineares.

Sejam os vetores

AP  ( x  x1 , y  y1 )

e

AB  ( x2  x1 , y 2  y1 )

Como eles estão sobre a mesma reta eles são paralelos, então:

x  x1
y  y1

x2  x1 y2  y1

Equação da reta que passa por

2 pontos, pois Como A( x1 , y1 ) e B ( x 2 , y 2 ).
Escreva a equação da reta que passa pelos pontos A( 2 ,-3 ) e B(-1,2 ).

x  x1
y  y1

x2  x1 y2  y1

x-2
y3

1 2 2  3

x2 y3

 5( x  2)  3( y  3)
3
5
5 x  10  3 y  9  5 x  3 y  10  9  0  5 x  3 y  1  0

Desenvolvendo a equação da reta que passa por dois pontos.

x  x1
y  y1

x2  x1 y2  y1
( x  x1 )( y2  y1 )  ( x2  x1 )( y  y1 )
y2 x  y1 x  x1 y2  x1 y1  x2 y  x1 y  x2 y1  x1 y1
y2 x  y1 x  x1 y2  x 1 y 1  x2 y  x1 y  x2 y1  x 1 y 1
y2 x  y1 x  x1 y2  x2 y  x1 y  x2 y1  0

( y2  y1 ) x  ( x1  x2 ) y  x2 y1  x1 y2  0

 A  y2  y1

Fazendo :  B  x1  x2
 Cx y x y
2 1
1 2

temos : Ax  By  C  0

Eq. Geral da reta

x 1 y  3 x 1 y  3    4 1 5  3 3 2 2( x  1)  3( y  3) 2x  2  3y  9 2x  3y  2  9  0 2x  3y  7  0 .EXEMPLOS: 1) Equação geral da reta: 2x + 3y – 8 = 0 2) Escreva a equação da reta que passa pelos pontos A(1.3) e B(4.5).

4+7=0 -2 – 12 + 7 = 0 -7 = 0 (F) .3) e (-1. logo o ponto pertence a reta. 6) Qual será o ponto da reta 5x + 3y – 8 = 0 que possui abscissa igual a ordenada . 2.3+7=0 2-9+7=0 0 = 0 (V) . Basta substituir o ponto na equação da reta.3) Verificar se os pontos (1. 5) Determine o ponto em que a reta 3x – 2y – 6 = 0 corta o eixo das ordenadas. 2(-1)-3.4) pertence a reta anterior.1 -3. logo o ponto não pertence a reta 4) Determine o ponto em que a reta 2x – 3y – 6 = 0 corta o eixo das abscissas.

0) e (5.2) e (2.. ..3) e (2.2) 2) Uma reta é dada pela equação 2x + y – 6 = 0 . 4) Determine a equações das retas r. -7) b) (4. s.EXERCÍCIOS: 1)Determine a equação da reta que passa pelos pontos: a)(.4) e (3.2) pertença a essa reta. Determine o valor de m para que o ponto P(m-1. -2) d) (0.3) c) (3. t e u na figura.1. 3) Determine a intersecção da reta 2x + y – 4 = 0 com os eixos coordenados.

Representação cartesiana de uma reta Seja a reta x  2 y  4  0 Fazendo : Fazendo : x  2  2  2 y  4  0 x  4  4  2 y  4  0 2 y  2  4 2y  2 2 y   y 1 2  2.4 .1 2y  4  4 2y  8 8 y  y4 2   4.

4)    (2.y   (4.1)  x              .

y   (4.1)  x              .4)    (2.

EXERCÍCIOS: 1)Represente graficamente as retas: a) x + y – 1 = 0 b) 2x – y + 2 = 0 2) Achar os pontos de intersecção da reta 2x – 3y – 12 = 0 com os eixos coordenados e construir a reta. .

: 2 y  8  0 2y  8 8 y  y4 2 y40 Reta paralela ao eixo dos X .Casos particulares Anulamento dos coeficientes da equação Dada a equação na forma geral Ax + By + C = 0 (1) Sendo A  0 e B  0  C  By  C  0 Ex.

C  0 e B  0 By  0  y  0 É a equação do eixo dos X .(2) Sendo A  0.

(3) Sendo B  0 e A  0  C  Ax  C  0 Ex. : 2 x  6  0 2 x  6 6 x  x  3 2 x3 0 Reta paralela ao eixo dos Y .

C  0 e A  0 Ax  0  x  0 É a equação do eixo dos Y .(4) Sendo B  0.

(5) Sendo C  0 e A  0  B Ax  By  0 Ex.(1) y  2x Reta que passa pela origem . : 2 x  y  0  y  2 x.

Reduzida da reta .Equação reduzida da reta Considerem os a reta r : Ax  By  C  0 note que : By   Ax  C A C y  x B B A Fazendo :   a B teremos : y  ax  b e C  b B  Eq.

coeficiente angular a  tg .Coeficientes da equação reduzida y  ax  b Os coeficientes a e b da equação reduzida são: a. onde  é a inclinação da reta (ângulo que a reta faz com o eixo dos X b – coeficiente linear b  ordenada do ponto onde a reta corta o eixo dos Y. ^    Xr  agudo ^   Xr  0 ^ a  tg  0 a  tg  0   Xr  obtuso a  tg  0 .

^   Xr  agudo a  tg  0 ^ ^   Xr  0 a  tg  0   Xr  obtuso a  tg  0 .

coef linear b  1 2) y = . coef linear b  1 .2x + 1 Coef angular a  2.EXEMPLOS: 1) y = 3x + 1 Coef angular a  3.

2) 2  3 1 a  tg   1 1 2 1 .: Calcule o coeficiente angular da reta que passa pelos pontos A(2.Cálculo do coeficiente angular da reta que passa por 2 pontos y2  y1 a  tg  x2  x1 Ex.3) e B(1.

y2  y1 ) AP  ( x  x1 . y  y1 ) x2  x1 y2  y1  x  x1 y  y1 ( x2  x1 )( y  y1 )  ( x  x1 )( y2  y1 ) ( y2  y1 ) y  y1  ( x  x1 ) ( x2  x1 ) y2  y1 como a  então : y  y1  a( x  x1 ) x2  x1 .Equação da reta que passa por um ponto conhecendo-se o coeficiente angular AB e AP AB  ( x2  x1 .

b) A(-5.2) e B(0. para cada uma das retas dadas pelas equações abaixo: a)y = 2x + 3 b) y + x = 0 c) y + 2 = 0 d) 2x – 3y + 1 = 0 e) x – 3 = 0 .3) c) A(1. 6)Determine o coeficiente angular e a ordenada do ponto onde a reta corta o eixo dos Y. 4) Escreva a equação da reta que passa pelo ponto P(-3.-5).EXERCICIOS:1) Escreva a equação reduzida das retas que passa pelos pontos: a) A(2. 5) Escreva a equação que passa pelo ponto P(-2.-3) e tem coeficiente angular 5.7) e B(-1.2) e não tem declive.-3) e tem coeficiente angular nulo. 3) Escreva a equação da reta que passa pela origem e tem coeficiente angular -1.9) 2) Escreva a equação da reta que passa pelo ponto P(2.1) e B(-1.

7) Que representa m as equações : a ) y  1 b) x  3 c) 3 y  2  0 d) y  o e) x  0 f )2 x  1  0 g) y 1  0 2 h) x  4 i) y  3 y  2  0 2 j) x  5x  6  0 k )( y  1)(2 y  1)( y  3)  0 l )( x  2)( x  1)(2 x  3)  0 2 2 .

VETOR NORMAL A UMA RETA Seja uma reta r do plano cartesiano. B) -é um vetor normal a reta r . O vetor n  ( A. de equação Ax + By + C = 0 Os coeficientes de x e y são nessa ordem. as componentes de um vertor normal ( ortogonal) a reta r.

y2 )  ( x1 . ortogonal) ao vetor PQ . y2  y1 ) e P  r  Ax1  By1  C  0 I ( Vamos fazer II – I ) Q  r  Ax2  By2  C  0 ( II ) Ax2  Ax1  By2  By1  C  C  0 A( x2  x1 )  B ( y2  y1 )  0 ( A. y2  y1 )  0 n . y1) e Q(x2 .PQ  0 logo n é perpendicular ( normal. B )( x2  x1 .Se P(x1 . y2) são 2 pontos da reta temos: PQ  ( x2 . y1 )  ( x2  x1 .

Posição relativa entre duas retas .: Sendo a reta 2x – 5y + 4 = 0 (2.Ex.-5) é o vetor normal a reta.

r: Ax = By + C = 0 e s: A’x + B’y + C’ = 0 podemos reconhecer a posição das retas a partir dos coeficientes das equações.Dada as equações das retas r e s. B ' ) são vetores normais nessa ordem temos que : . Como : n  ( A. B) e n'  ( A' .

A B A B r // s  n // n'    0 A' B ' A' B' A B A B r \ S  n \ n'    0 A' B ' A' B' A B C Quando   . A' B ' C ' . as retas são paralelas distintas. as retas são paralelas coincidentes e A' B ' C ' A B C quando   .

3) e n'  (6. r e s são paralelas coincidentes.10) 2 5   n \ n'  r \ s São concorrentes.EXEMPLOS: 1) Dados r : 2 x  5 y  4  0 e s : 4 x  10 y  3  0 temos que : n  (2. 6 9 5 3) Dados r : 2 x  3 y  5  0 e s : 4 x  6 y  10 temos que : n  (2.3) e n'  (4. r e s são paralelas distintas.9) 2 3   n // n'  r // s 6 9 2 3 1   .6) 2 3   n // n'  r // s 4 6 2 3 5   . 4 6 10 .5) e n'  (4. 4  10 2) Dados r : 2 x  3 y  1  0 e s : 6 x  9  5  0 temos que : n  (2 .

PONTO DE INTERSECÇÃO: Um ponto de intersecção P ( x p .y -1  0  x y 5    x  y 1 6 2x  6  x   x  3 2 x  y  5 3 y  5 y  53 y  2 r e s são concorrentes no ponto (3. temos que :  x  y-5  0    x . : Dadas r : x  y  5  0 e s : x  y  1  0. y p ) de duas retas r : Ax  By  C  0 s : Ax' By 'C  0.2). satisfaz às equações das retas e. Ex. Toda solução ( x. então é solução do sistema  Ax  By  C  0 .  x  y  5 ()   x  y  1 . y ) de um   A' x  B ' y  C  0 sistema é o ponto de interseção das duas retas.

III. II. II.Retas paralelas distintas – O sistema não admite solução – Sistema impossível.Aplicação: Sistema de equações de duas retas Considerando que: I. concluímos que: I. Num sistema formado por equações de duas retas.Duas retas paralelas coincidentes apresentam infinitos pontos comuns. .Duas retas paralelas distintas não apresentam ponto comum. III.Retas paralelas coincidentes – O sistema admite infinitas soluções – Sistema possível e indeterminado.Duas retas concorrentes apresentam um único ponto de intersecção.Retas concorrentes – O sistema admite uma única solução – Sistema possível e determinado.

EX.: Discuta os sistemas abaixo:  2x  3y 1  0 (1)  6x  9 y  3  0  2x  3y  4  0 (2)  6 x  9 y  12  0  2x  5 y 1  0 (3)  4 x  10 y  2  0 .

 2  6   (2)  4  2 (3)  5 10  1 2 9   Sistema 12  Retas paralelas coincidentes  Sistema possível e indeterminado.2  6   (1)  3 -9  Retas concorrentes  S admite uma única solução.   Retas paralelas distintas S não admite solução  4 S admite infinitas soluções    3 impossível .  Sistema possível e determinado.

Sejam as retas :PARALELISMO r : Ax  By  C  0  n   A. B  s : A' x  B ' y  C  0  n'  ( A' . B ' ) r // s  n // n' A B A B   0 A' B ' A' B ' condição de paralelismo .

A' B. .n'  0  A.PERPENDICULARIDADE Sejam as retas : r : Ax  By  C  0  n   A. B ' ) r  s  n  n' n .B '  0 condição de perpendicularismo. B  s : A' x  B ' y  C  0  n'  ( A' .

0).2).5).3) . e)Um vetor paralelo a reta 2 x  5 y  3  0 é v  (5. c) Um vetor normal da reta x  y  1  0 é n  (2. f ) Um vetor paralelo a reta 3 x  y  1  0 é v  (1.2). b) Um vetor normal da retas 2 x  5 y  3  0 é n  (2.1).Exercícios : 1) Escreva (V) ou (F) a) Um vetor normal da reta 2 x  5 y  3  0 é n  (5. d)Um vetor normal da reta 4 x  1  0 é n  (1.

2) Dar a posição relativa de r e s nos casos : a) r : 5 x  2 y  1  0 e s : 2 x  4 y  7  0 b) r : 3 x  y  1  0 e s : 6 x  2 y  3  0 3 c)r : 8 x  4 y  6  0 e s : 2 x  y   0 2 d )r : 5 x  2 y  0 e 10 x  4 y  0 .

1).1).1). 4)Determine a intersecção das retas r : x  3 y  4 e s : 2 x  y  7. 7) Verificar se o par de retas são paralelas ou perpendiculares : a) r : 2 x  5 y  3  0 e s : 10 x  25 y  29  0 b) r : 2 x  5 y  3  0 e s : 10 x  4 y  1  0 . B (3. C (4. 2 x  y  0 e x  y  6  0.3)Determine os valores de k para os quais as retas r : kx  y  2  0 e s : 3x  6 y  2  0 são concorrentes.2) e D(3. 6)Determine os vértices do triângulo cujos lados estão nas retas x  2  0 . Achar as equações das retas AB e CDe depois obter o ponto de intersecção das duas. 5)Dados os pontos A(1.

logo r // s  a  a' Ex. .Paralelismo e perpendicularismo (y = ax + b ) Considere as retas : y  ax  b e y  a ' x  b' Se o coeficiente angular representa a inclinação. : y  3 x  5 e y  3 x  1 representam retas paralelas. retas paralelas tem a mesma inclinação.

Ex.1) (-a. : y  3 x  1 1 a3 e a 3 e 1 y  x2 3 .1).(-a' .1) y  a' x  b'  a' x  y  b'  0  n'  (a' .1)  0  aa'1  0 1 aa'  -1  a   a' O coeficiente de uma é o simétrico do inverso da outra. as retas são perpendiculares.Sendo as retas perpendiculaes y  ax  b  ax  y  b  0  n  (a.

Obtenção de uma reta paralela a uma reta dada. Ex.1). Dada uma reta r de eq. 3. toda reta paralela a r admite o vetor (A. então será Ax  By  k  0. : Escrever a equação da reta paralela a reta 3x  2 y  1  0 que passa pelo ponto P (3. A eq. Ax  By  C  0. B) como vetor normal.1) Vamos achar o valor de k.1  k  0  9  2  k  0  k  9  2  k  11 3 x  2 y  11  0 . será 3 x  2 y  k  0. como passa por P(3.3  2.

A) pois (A.-A)  AB . B)(B. será 2 x  3 y  k  0. Ax  By  C  0.AB  0. Ex. toda reta paralela a r admite o vetor (A. B) uma reta perpendicular a ela terá vetor normal (B.Obtenção de uma reta perpendicular a uma reta dada. então será Bx  Ay  k  0. como passa por P(3. .1  k  0  6  3  k  0  k  6  3  k  3 2x  3 y  3  0 . A eq.3  3. 2.1). Dada uma reta r de eq. : Escrever a equação da reta perpendicular a reta 3x  2 y  1  0 que passa pelo ponto P (3.1) Vamos achar o valor de k.

1).EXERCÍCIOS : 1) Determinar o valor de k para que as retas sejam paralelas r : kx  2 y  3  0 e s : 3x  y  k  0. 2) Determinar o valor de k que tornem as retas perpendiculares r : 2 x  ky  1  0 e s : 8 x  ky  1  0 3) Obter a equação de uma reta paralela a reta 2x  3y  1  0 que passa pelo ponto P( 5. . 4) Obter a equação de uma reta perpendicular a reta 2x  5y .1  0 que passa pelo ponto P(0.-2 ).

q )  ( p.EQUAÇÃO SEGMENTÁRIA AB  B  A  AB  (0.0)  AP  ( x  p. q ) AP  P  A  AP  ( x. y ) Como os vetores são paralelos então : x p y  p q ( x  p )q   py x y  1 3 5 qx  pq   py Ex. y )  ( p. :   1 3 5 . : qx  py  pq  pq qx py pq   pq pq pq q x p y p q    p q p q p q x y  1 p q x y Ex.0)  AB  (  p.

a) 2 x  5 y  10  0 b)  x  3 y  2  0 c)3 x  y  5  0 d )2 x  2 y  3  0 e)4 x  3 y  12  0 f ) y  2x 1 g) y  x  5 h ) y  2 x  3 i) y   4 x4 3 .Exercícios: 1) Escreva a equação das retas abaixo: 2) Escreva a equação segmentária da reta que passa pelos pontos P(2. 3) Escreva a equação segmentária das retas de cada reta.0) e Q(0.-3).

um ponto genérico P(x. Como os vetores AP e v x  x1 y  y1  a b paralelos então : Vamos igualar a um parâmetro t x  x1 y  y1  t a b  x  x1  a  t  x  x1  at   y  y y  y1  bt 1  t   b  x  x1  at   y  y1  bt Eq. um ponto A( x1 .EQUAÇÃO PARAMÉTRICA Considere a reta r. b). paramétrica . y1 ) . y)eo vetor v  (a.

EXERCÍCIOS : 1) Escreva a equação paramétrica da reta que passa pelo ponto P(2.1).3) tem direção do vetor v  (3.2) e tem vetor diretor v  (3.-1.  x  3t  x  3  2t  x  3t  x  7  t a) b) c) d)  y  1 2t  y  8  t  y  2  t  y  4t 4) Obtenha a equação reduzida de cada equação dada na forma paramétrica. 3)Obtenha a equação geral de cada equação dada na forma paramétrica.1) 2)Escreva as equações paramétricas da reta r que passa pelo ponto A(3.2.  x  1 t  x  1 3t  x  1 6t  x  3  2t a) b) c) d)  y  2  t  y  2t  y  6  t  y  2  t .

: A distância entre o ponto P (7. d d d Ax1  By1  C A2  B 2 8.3) e a reta 8 x  6 y  17  0.5 10 100 .(3)  17 8 6 2 56  18  17 64  36 2 d  55 55 d   d  5.7  6.DISTÂNCIA ENTRE PONTO E RETA Ex.

1) e r : 2 x  y  0 b) P(7.5) e r : 3 x  4 y  2 2) Calcule a distância entre o ponto P e a reta r em cada um dos casos : a) P(3.3) e r : 5 d) P(1.5) r : y  2 x  3 c) P((-2.4) e r : 4 x  3 y  20  0 c) P(2.2) e r : x  3 .4) a r : y  6 b) P(2.4) e r : 8 x  6 y  13  0 d) P(3.0) e r : 3 x  2 y  1  0 e) P(6.EXERCÍCIOS : 1) Calcular a distância entre P e r nos casos : a) P(3.

 x  1  t 3) Calcular a distância do ponto P(6.5) a reta r :   y  3  2t 4) Calcular a distância da origem a reta r : 3 x  y  1  0 .