Imunohematologia – Sistema ABO

Imunohematologia – Sistema ABO

Curso Técnico de Biotecnologia
Imunologia, Parasitologia e Hematologia
Prof. Juliana Coelho e Juliana Barbosa

INTRODUÇÃO- CONCEITOS IMPORTANTES
• Imunohematologia:
compreende
classificação

o

estudo
dos

e

a

grupos

sanguíneos e a ocorrência de
reações

transfusionais

entre

antígenos e anticorpos

Fonte: http://byoline.com.br/site/tag/imunohematologia acesso 13/03/2015

INTRODUÇÃO- CONCEITOS IMPORTANTES
• Antígeno:

Toda

molécula

reconhecida como estranha pelo
organismo – interage com Ac.
• Anticorpos: imunoglobulinas, do
tipo

glicoproteínas

de

formato

globular secretadas por Linfócitos B
que conferem a característica de
especificidade da Resposta Imune
Fonte: www.nlm.nih.gov, acesso 13/03/2015

INTRODUÇÃO- CONCEITOS IMPORTANTES
• Anticorpos:
o

Anticorpos naturais: anticorpos formados
contra

antígenos

não

presentes

no

organismo e sem necessidade de contato
prévio.
Ex: ac sistema ABO

o Anticorpos

irregulares:

anticorpos

formados a partir da exposição a um
antígeno . Ocorrência não esperada.
Ex: aloimunização pelo sistema Rh
Fonte: www.nlm.nih.gov, acesso 13/03/2015

o SECUNDÁRIA: efeitos imediatos desta ligação. o PRIMÁRIA: ligação ag-ac. como a precipitação ou a aglutinação dos complexos. o TERCIÁRIA: compreende-se os efeitos biológicos gerados. secundária e terciária.CONCEITOS IMPORTANTES • Interação Antígeno-Anticorpo: tradicionalmente classificada em primária. como o processo inflamatório iniciado pela ativação do sistema complemento ou pela degranulação de mastócitos e basófilos. Fonte: LABIMUNO UFBA. acesso 13/03/2015 .INTRODUÇÃO.

CONCEITOS IMPORTANTES Ligação do Antígeno ao Anticorpo A ligação entre Ag e Ac é resultado da conformação do Ag e do sítio receptor do Ac e das interações químicas entre eles Fonte: LABIMUNO UFBA. acesso 13/03/2015 .INTRODUÇÃO.

CONCEITOS IMPORTANTES Ligação do Antígeno ao Anticorpo. usualmente por moléculas de Ac que se ligam a Ag na superfície de partículas adjacentes.INTRODUÇÃO. Luiz Carlos de Mattos. Fonte: Prof.Reação de aglutinação • É o agrupamento de partículas. Hemocentro de São José do Rio Preto . Laboratório de Imunogenética Molecular. Dr.

Figura: http://pt.MEMBRANA PLASMÁTICA • Definição: filme muito fino. pois.org/wiki/Membrana_plasm%C3%A1tica acesso 13/03/2015 . 2009. Fonte: Jali Santos. ela mantém as diferenças essenciais entre os meios intra e extracelular.wikipedia. composto de lipídeos e proteínas que permanecem unidos por interações não covalentes. • A membrana plasmática é importante para a vida da célula. além de englobar e definir seus limites. Curso de Imunohematologia.

. 2009.Fonte: Jali Santos. Curso de Imunohematologia.

Curso de Imunohematologia. 2009. .Fonte: Jali Santos.

2009.Fonte: Jali Santos. Curso de Imunohematologia. .

MEMBRANA ERITROCITÁRIA • Os eritrócitos são altamente deformáveis a fim de poderem circular através de vasos capilares cuja luz é bem inferior ao seu próprio diâmetro. mas readquirem depois nos maiores vasos seu diâmetro inicial (7μm).8% de carboidratos – esses últimos presentes no lado extracelular da bicamada lipídica.5% de proteínas o 35. 2014 . Hematopoese.1% de lipídeos o 5. que contém: o 39. • A capacidade de deformação dos ER decorrem da estrutura anatômica muito especial de sua membrana complexa. Eles passam apertados por esses capilares. Fonte: Julianan Barbosa.

de acordo com as leis mendelianas e os genes que os transmitem são dominantes. logo. • São aloantígenos e são transmitidos hereditariamente e independentes uns dos outros. sendo os mais importantes o ABO.ANTÍGENOS ERITROCITÁRIOS • As proteínas e glicoproteínas da superfície dos ER funcionam como antígenos. Hematopoese. sendo conhecido mais de 250 tipos diferentes. Rhesus e o MNS. • Estes antígenos se agrupam em 29 sistemas. o antígeno se expressa. quando um gene está presente. 2014 . Fonte: Julianan Barbosa.

ABO • O sistema ABO foi descoberto em 1900 por Landsteiner.GRUPO. 2014 antígenos específicos localizados na . Fonte: Julianan Barbosa. • Nesses experimentos. verificou-se que ocorria uma aglutinação dos glóbulos vermelhos devido à fixação de anticorpos aos membrana. • Em 1902. Hematopoese. Von de Castello e Sturli descobriram o grupo AB.

ABO Fonte: Aula do Professor Herlei Ribeiro. Sistema ABO.GRUPO. .

GRUPO. • Relação de codominância: A e B. 2014 . • Os dois genes herdados se expressam igualmente • Gene O é considerado silencioso pois não expressa nenhum Ag detectável pois a enzima produzida não é funcional Fonte: Julianan Barbosa.ABO • Os antígenos A e B podem aparecer isolados ou juntos e definem os tipos sanguíneos. Hematopoese.

Hematopoese.GRUPO. o O alelo i não produz antígeno. Fonte: Julianan Barbosa.ABO • No sistema ABO existem 2 tipos de proteínas atuando como antígenos conhecidos como Aglutinogênio e Aglutinogênio Tipo Genótipo (na membrana sanguíneo das hemácias) A IA IA ou IA i A B IB IB ou IB i B AB IA IB AB O ii Ausência são determinados por um alelo. o Aglutinogênio (Antígeno) A é determinado por alelo IA . o Aglutinogênio (Antígeno) B é determinado por alelo IB . 2014 .

Tipo O Tipo A Tipo B Fonte: Jali Santos. Curso de Imunohematologia. . 2009.

• Anticorpos anti-A e anti-B dos indivíduos B e A.ABO • Os anticorpos dos indivíduos que expressam os aglutinogênios são denominadas Aglutininas.GRUPO. Fonte: Aula do Professor Herlei Ribeiro. são em sua maioria de classe IgM . • Os anticorpos anti-AB de indivíduos do grupo O são de classe IgG e podem presentes em altos títulos.br/site/tag/imunohematologia acesso 13/03/2015 estar .com. respectivamente. Sistema ABO. Figura: http://byoline.

GRUPO. IB . • Quando um individuo recebe uma transfusão de sangue de um tipo diferente do seu não compatível ele produzirá anticorpo contra o antígeno que eritrocitário dará uma estranho.ABO • AGLUTININAS Os genótipos são manifestados por três alelos: IA . reação antígeno/anticorpo violenta. • I deve-se à palavra Isoaglutinação.com. Fonte: http://byoline.br/site/tag/imunohematologia acesso 13/03/2015 . i.

depois é acrescentado um pouco de soro Anti-A e um pouco de soro Anti-B sem misturar os dois.TIPAGEM SANGUÍNEA . • Sendo assim. • O teste consiste em colocar em uma lâmina um pouco de amostra de sangue da pessoa. reagirão ao soro Anti-B. . é o inverso. Pessoas com os dois antígenos A e B reagirão aos dois soros e aqueles sem nenhum antígeno não apresentarão qualquer reação. pessoas com antígeno A apresentarão reação de aglutinação quando acrescentado soro Anti-A. Já nas pessoas com antígeno B.ABO • Esse teste é feito para se descobrir qual o tipo sanguíneo de uma pessoa.

ABO .GRUPO.

Hematopoiese. 2014 .GRUPO.ABO FonteJuliana Barbosa.

GRUPO.ABO .

Fonte: Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia . O anticorpo criado na cobaia foi denominado Anti-Rh. essas produziam anticorpos. a MACACA Rhesus (macaca reso). • Esses anticorpos foram devolvidos ao sangue do macaco e ocorreu a coagulação. • Pesquisadores verificaram que ao injetar sangue do macaco em cobaias.GRUPO Rh • Esse sistema sanguíneo recebeu esse nome por ter sido o resultado de pesquisas feitas com uma espécie de macacos. • Chegaram à conclusão que no sangue do macaco existia um fator (antígeno) e chamaram de fator Rh.

GRUPO Rh Fonte: Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia .

verificando esses pesquisadores que ele obedece às leis da hereditariedade. sendo o Rh positivo um fator dominante em relação ao Rh negativo.GRUPO Rh • Existem seis tipos comuns de Rh. • O indivíduo que apresenta o antígeno C não tem o antígeno c e vice-versa. Rr Rh- rr . E. e. d. Fonte: Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Rh+ RR. classificados como C. D. • Fenótipos Genótipos O antígeno D é o mais prevalente na população e é considerado o mais antigênico dentre todos os fatores Rh. c. • O fator Rh é encontrado nas hemácias.

o gene RHD é deletado. deleções parciais e recombinações. • Em indivíduos Rh negativos é necessária a pesquisa da variante fraca do antígeno Rh(D). .GRUPO Rh • Em caucasóides. Em negros e outras populações. chamada variante DU. através de reação de Coombs para DU. foram descritas mutações pontuais. • No antígeno D fraco (DU) há uma redução quantitativa do número de sítios antigênicos. nos indivíduos Rh negativos.

O organismo materno inicia a produção de aglutininas anti-Rh pela exposição ao Rh do feto. caracterizada pela destruição das hemácias do feto ou do recém-nascido • A mãe Rh-negativa e o pai Rh-positivo.ERTROBLASTOSE FETAL • Uma doença provocada pelo fator Rh é a eritroblastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido (DHRN). . tendo o feto herdado o Rh-positivo do pai.

as quais em seguida se hemolisam. porém as crianças que sobrevivem podem apresentar retardo mental permanente ou lesões nas áreas motoras do cérebro em razão da deposição da bilirrubina convertida através da hemoglobina liberada pelas hemácias hemolisadas. . • Na maioria dos casos a anemia da DHRN resulta em morte do feto.ERTROBLASTOSE FETAL • As aglutininas atravessam a placenta. o que tem como consequência a aglutinação das hemácias do feto.

lookfordiagnosis.com acesso em 03/03/2015 .Fonte: www.

• Aproximadamente 3% dos segundos filhos apresentam sinais de DHRN. Assim. • Na preservação pode ser utilizado o antissoro anti-Rh (+). . e esta proporção aumenta de forma progressiva com as gestações subseqüentes.ERTROBLASTOSE FETAL • As mães Rh-negativas na primeira gravidez geralmente não desenvolvem aglutininas anti-Rh suficientes para causar danos ao feto. é fundamental saber o tipo sanguíneo do pai. sempre que a mãe apresentar sangue Rh.

. • Essa substância provocará o bloqueio do processo de síntese de anticorpos contra o sangue Rh+ do feto. que mãe produza anticorpos permanentes. A mãe recebe uma dose passiva temporária de anticorpos que destruirá as células encontradas na corrente sanguínea que sejam Rh+.ERTROBLASTOSE FETAL • Para prevenção numa segunda gestação recomenda-se a administração endovenosa de gamaglobulina anti-Rh. logo após o nascimento do primeiro bebê. impossibilitando. deste modo.

TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA • Importância do estudo dos antígenos o Incompatibilidades transfusionais o Incompatibilidades Materno fetal o Transplantes .

TAD o Teste de coombs indireto – TAI  Painel de hemácias • Prova cruzada maior e menor .TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA • Tipagem ABO – doador e receptor o Direta o Prova reversa • Tipagem Rh o Pesquisa de D fraco • Pesquisa de anticorpos irregulares o Teste de coombs direto.

TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA ABO • Testes diretos – ABO e Rh o Verificam a presença do antígeno eritrocitário o Utilização das hemácias do doador e receptor • Podem ser realizados em :  Tubo  Lâmina  Gel de centrifugação .

. anti-B): pesquisa a presença de antígenos na membrana de eritrócitos.TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA ABO • Tipagem direta – hemácias (paciente) x soro comercial (anti-A. • Tipagem reversa – plasma ou soro (paciente) x hemácias a 5% fenotipadas (A1 e B): pesquisa a presença de anticorpos.

4. Pingue uma gota de aglutinina em cada gota de sangue na seguinte ordem: Anti-A. 3. Observe a presença ou não de aglutinação. A D B 2. Com ajuda do aglutinoscópio ilumine abaixo da lâmina. . Anti-D e Anti-B. Com o auxílio de uma lanceta fure o dedo do colega e pingue uma gota de sangue em três áreas sobre a lâmina.A) Em lâmina 1.

Preparação da solução de hemácias .

Ressuspender delicadamente o botão de hemácias e examinar a presença ou não de aglutinação.400 r. .m. Centrifugar por 15 segundos a 3.p. 3.B) Em tubo 1. 4. anti-B no 2º tubo e anti-D no 3º tubo. Identificar 3 tubos de hemólise e colocar uma gota do reagente anti-A no 1º tubo. 2. Adicionar uma gota da suspensão de hemácias 5% a cada tubo.

TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Rh • Método direto o Verificação da presença de antígeno Rh. o A reação de aglutinação positiva indica a presença do antígeno D na membrana. o Pode ser realizado em lâmina. tubos e cartão de gel. o A reação de aglutinação negativa nem sempre indica ausência de antígeno D na membrana – teste da presença de D fraco . o As técnicas são as mesmas utilizadas para verificação do sistema ABO.

500 rpm por 15’’.400 rpm – 15’’ • Ressuspender delicadamente e proceder a leitura o Teste + para aglutinação no tubo D – terminar o teste o Teste – para aglutinação no tubo D. • Adicionar duas gotas do soro de Coombs a cada um dos tubos e homogeneizar. • Centrifugar e proceder a leitura.TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Rh – teste do D fraco • Incubar os dois tubos da reação anterior por 30 minutos em banho maria a 37ºC • Centrifugar a 3.continuar o teste • Lavar as hemácias com sol fisiológica por 3 vx à 3. .

TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Soro de coombs • Anticorpo anti-imunoglobulina humana monoespecífico o Anti-gama: anti-IgG • Dirigidos contra imunoglobulinas humanas • Preparado a partir de soro de coelhos e/ou cabras imunizados à fração IgG (gamaglobulina) do soro humano. .

Ex: sensibilização materna por gravidez e prova cruzada de transfusão e doação de orgãos . que pode ser: o Coombs direto ou TAD: pesquisa de anticorpos fixos a membrana eritrocitária.TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Identificação de ac. Ex: DHRN. anemias autoimunes. irregulares • Identificação de ac irregulares realizado através do teste de Coombs. transfusões incompatíveis. o Coombs indireto ou TAI: detecta a presença de anticorpos livres no soro.

400 rpm. . • Adicionar 2 gotas de soro de Coombs e homogeneizar.TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Coombs direto (TCD) • Coleta com Edta – lavar as hemácias. • Pingar em um tubo 2 gotas da suspensão. • Proceder a leitura. • Centrifugar por 15’’ a 3. • Realizar suspensão de hemácias a 5%. decantando o sobrenadante. • Lavar mais uma vez.

. • Resultado positivo: presença de aglutinação o As hemácias estão sensibilizadas com anticorpos. realizar eluição.Interpretação • Resultado negativo: ausência de aglutinação.TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Coombs direto (TCD) . o As hemácias não estão sensibilizadas. o Para identificação do ac.

profbio.TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Coombs direto (TCD) Fonte: http://www.pdf acesso 13/03/2015 .com.br/aulas/hemato2_07.

Lavar 3x com solução salina e adicionar 2 gotas de soro de Coombs. Preparar uma suspensão salina a 5% de hemácias conhecidas quanto ao antígeno e cujo anticorpo correspondente se deseja detectar 2.TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Coombs Indireto • Pesquisa de anticorpos irregulares livres no plasma • Técnica: 1. Misturar e incubar em banho a 37º 5. Colocar 2 gotas da suspensão em um tubo e lavar 3x com solução salina. 3. Proceder a leitura . Adicionar 2 gota do soro a ser detectado 4.

blogspot.com.html acesso 13/03/2015 .br/2011/05/teste-de-coombs-indireto.Coombs Indireto Fonte: http://adamogama.

TESTES LABORATORIAIS DA IMUNOHEMATOLOGIA Prova Cruzada • Utilizada para transfusões sanguíneas ou transplante de órgãos • Finalidade de determinar a presença de anticorpos pré-formados no sangue do receptor contra as células do possível doador • Homogeneizar e submeter os tubos ao teste de Coombs indireto • Verificar a presença ou não de aglutinação .

FORÇA NA PERUCA!!!!!!! BONS ESTUDOS!!!! .