You are on page 1of 26

Doença de Alzheimer

ODONTOGERIATRIA
Unesp SJC – 22/04/2014

Dr. Oswado Couto Junior
Membro da Academia Brasileira de Neurologia

DC Neurologia Cognitiva e do
Envelhecimento da ABN

Doença de Alzheimer
Epidemiologia, diagnóstico e tratamento

1906, A.A.

1911,

Distrofia do Neurônio e morte
celular

DEMÊNCIA
Modificado Golde 2007

Demência e Faixa Etária

Slide 5

1980

Pirâmide etária brasileira

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/piramide/piramide.shtm

2009

Pirâmide etária brasileira

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/piramide/piramide.shtm

2050

Pirâmide etária brasileira

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/piramide/piramide.shtm

de 1980 e 2050
Comparação das pirâmides etárias

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/piramide/piramide.shtm

Prevalência de demência
por faixa etária

Catanduva (SP)

Idade (anos)

Herrera et al., 2002.

Prevalência de demência
por faixa etária

Catanduva (SP)

1656 indivíduos  65 anos
118 casos de demência (7,1%)

Doença de Alzheimer

Demência vascular

Doença de Alzheimer + doença cerebrovascular

Outras causas

Diagnóstico indeterminado

Doença de Alzheimer
Forma mais freqüente de demência (> 50 % dos
casos); isolada / associada a doença vascular cerebral.
Causa desconhecida
Fatores de risco: idade avançada, genéticos (história
familiar ), traumatismo craniano, baixa escolaridade,
outros.
Longa evolução (média de 8-9 anos, mas com sobrevida
cada vez maior).

Dez sinais sugestivos de
demência
– Perda de Memória
– Dificuldade na
execução de tarefas
familiares
– Problemas com a
linguagem
– Desorientação no
tempo e no espaço

Dez sinais sugestivos de
demência
– Problemas com
pensamento abstrato
– Perda de objetos
– Mudanças no humor e
comportamento
– Mudanças na
personalidade
– Perda de Iniciativa

Fonte: Alzheimer’s Association 2002

Demência Vascular
D e m e n c ia V a s c u la r
D e m e n c ia p ó s -A V C
i n f a r t o e s t r a t e g ic o
D e m e n c i a m u lt ip lo s - I n f a r t o s
d e m e n c ia p o s - h e m o r r a g i a

D e m e n c ia v a s c u la r s u b -c o r tic a l

DA+ DV

in fa r t o s

l e s a o d e s u b s t a n c ia b r a n c a
la c u n a s

in fa r t o s e m s u b s t a n c ia b r a n c a
p a t o lo g i a D A

le s a o p a r e d e v a s c u l a r /
m e c a n is m o v a s c u la r

Fase inicial

Quadro clínico da DA

(DA leve)

• Alterações predominantes de memória episódica
(autobiográfica) para fatos recentes
• Desorientação têmporo-espacial leve
• Dificuldades de acesso lexical
• Dificuldades de planejamento e execução de tarefas
(ex: gerenciamento de finanças, uso de
eletrodomésticos)
• Apatia, perda de iniciativa.
• Exame neurológico sem anormalidades.

Fase intermediária

Quadro clínico da DA
(DA moderada)
• Acentuação do comprometimento de memória episódica.
• Prejuízo de memória semântica.
• Alterações de linguagem (anomia evidente: perda de
significado).
• Maior grau de disfunção executiva.
• Alterações do comportamento mais freqüentes: apatia,
depressão, irritabilidade, agitação, alucinações e delírios,
alterações do ciclo vigília-sono.
• Prejuízo no desempenho em atividades básicas de vida
diária (auto-cuidado).

Fase avançada

Quadro clínico da DA(DA grave)
• Não reconhece mais os próprios familiares
• Linguagem oral muito comprometida
• Dependência funcional total
• Dificuldade para deambular
• Dificuldade à deglutição
• Perda de controle esfincteriano
• Exame neurológico: sinais parkinsonianos;
mioclonias

Quadro clínico da DA

Fase Terminal

• Abulia cognitiva
• Paciente acamado em postura flexora
universal
• A dor pode ser representada por um
sorriso
• Sinais clínicos de infecção, escaras ,
broncoaspiração

Diagnóstico ambulatorial da DA
• Anamnese com o familiar: sintomas
cognitivos e comportamentais, desempenho
funcional
• Avaliação cognitiva e funcional breves
• Exames laboratoriais e de neuroimagem
estrutural
• Diagnóstico ainda é de exclusão, porém
pode ser bastante acurado.

Avaliação cognitiva e funcional
breves
• Testes de avaliação cognitiva breve
– Mini-exame do Estado Mental (MEEM)
– Teste de memória (ex: lista de palavras do
CERAD, figuras)
– Teste de fluência verbal (ex: animais)
– Desenho do relógio

• Teste
NEUROPSICOLÓGICO

Testes de funções cognitivas
individualizadas





Déficit atencional
Depressão
Esquizofrenia
TCE
Tumores cerebrais
Hematomas
intracranianos
• Distúrbios de sono
• Delirium
• TCE








Demências
Desmielinizantes
Extra-piramidais
Vasculares
Epilepsias
Infecciosas
HIV
Deficiencia de vit.
B12
• Medicamentos
22

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO
medicina baseada em evidência
Inibidores de acetilcolinesterase
• Galantamina
• Donepezil
• Rivastigmina
Antagonista glutamatérgico
• * Memantina

Tratamento odontológico
Possível na FASE INICIAL ( DA leve )
Pouco provavel na FASE
INTERMEDIÁRIA
( DA moderada )
Apenas sob anestesia geral ( hospital ),
na FASE AVANÇADA ( DA grave )

Obrigado,
coutojr@globo.com