You are on page 1of 26

RELATÓRIO DAS

ATIVIDADES 7- 9
Bárbara
Saulo

LABORATÓRIO 07
BER –PSK e QAM

Atividade 1: Simulação BER M-PSK .

• Na teoria. as probabilidade de erro de bit para o BPSK e QPSK são iguais. Já para BER próximo a 10-5 há diferença pois as chances de ocorrer o evento são pequenas e seria necessário uma maior quantidade de amostras. Há uma pequena melhora na simulação para Eb/No entre 0 e 4. devido a aproximação utilizada em que considera que quando se erra. entretanto para essa faixa é comum que o erro não esteja em algum dos vizinhos. erra apenas um bit (codificação Gray). deve-se aumentar a SNR para se obterem erros menores. o que pode ser visto pela simulação.Atividade 1: Simulação BER M-PSK • Para M=2 (BPSK) e M=4 (QPSK). Aumentando a quantidade de bits por símbolos (M). as curvas de BER são semelhantes entre si. .

Para a modulação QPSK faça também a simulação de Pb .

Atividade 2: Simulação BER M-QAM .

.Atividade 2: Simulação BER M-QAM • As mesmas comparações são feitas em relação ao MPSK para a região Eb/No entre 0 e 4 e para BER próximos de 10-5. o erro aumenta conforme se aumenta o M. • Aumentando-se a quantidade de bits por símbolos (M). deve-se aumentar a SNR para se obterem erros menores. ou seja.

Atividade 3: Geração das Constelações 16 – QAM SEM RUIDO .

Atividade 3: Geração das Constelações 16 – QAM Es/No = 10 dB .

Atividade 3: Geração das Constelações 16 – QAM Es/No = 20 dB .

Atividade 3: Geração das Constelações 16 – QAM Es/No = 30 dB .

pois sinais com mais ruído tendem a se concentrar próximos aos símbolos. Com o aumento da potência transmitida. conforme a relação vai aumentando pode-se observar os símbolos. • Nas imagens que representam as constelações. a interferência do ruído torna-se menos significativa.Atividade 3: Geração das Constelações Analise o efeito do ruído no processo de detecção das diferentes modulações. ou seja. pode-se observar que o ruído aumenta as chances de erro na decisão. a probabilidade de erro cai. . Na simulação com Es/No = com 10dB não pode-se distinguir os símbolos. com uma relação sinal-ruído maior.

(ANSI/IEEE. Isso permite manter a BER constante. • O WiMAX adota um esquema de modulação adaptativa. 16-QAM e 64-QAM. além de produzir melhor eficiência espectral média do que as técnicas de modulação fixa. objetivando a seleção de modulação a ser utilizada na camada física que em seu padrão IEEE 802.16d utiliza Q-PSK. 2009). • LTE: 16-QAM. • Net Digital: 256-QAM. .Tarefa Liste alguns padrões de comunicações que usam modulações M-PSK e M-QAM (indique o padrão de comunicação e o tipo da modulação M-PSK ou M-QAM usada por ele). 64-QAM. a partir do nível da relação sinal-ruído presente no receptor.

. onde cada sub portadora é modulada em BPSK. ele também é a propriedade para receptores sem lio de baixo custo e é utilizado nos padrões RFID que é adotado para passaportes biométricos. • QPSK é utilizado nas redes sem fio para velocidades de 5.5Mbits/s e 11 Mbits/s.Tarefa Liste alguns padrões de comunicações que usam modulações M-PSK e M-QAM (indique o padrão de comunicação e o tipo da modulação M-PSK ou M-QAM usada por ele). a modulação OFDM é utilizada. Para padrões de LAN sem fio de alta velocidade. • Devido a simplicidade do BPSK.

Especialmente em sistemas embarcados em satélites. A vantagem do PSK sobre o QAM é que. Entre as exceções a esta tendência. ele normalmente é omitido dos padrões. Assim. como a informação esta na fase.Tarefa Liste alguns padrões de comunicações que usam modulações M-PSK e M-QAM (indique o padrão de comunicação e o tipo da modulação M-PSK ou M-QAM usada por ele). tem-se aHugherNet Satélite ISP. • Como a performance de erro do 8-PSK é muito próxima da do 16-QAM. Embora ele utilize mais banda que o QAM. . os projetos tendem a saltar do QPSK para o 16-QAM. as vezes a amplificação pode ser vantajoso. que usa a modulação 8-PSK. ele não necessita de amplificação linear.

.Tarefa Gere a forma de onda de uma transmissão 16-QAM e de uma transmissão 16-PSK para uma sequência de 10 ou mais bits (com e sem portadora).

LABORATÓRIO 08 BER –FSK .

Atividade 1: Simulação BER M-FSK .

já que as bases são todas ortogonais. podendo diminuir a SNR sem aumentar os erros.Atividade 1: Simulação BER M-FSK • Aumentando-se a quantidade de bits por símbolos (M). • Aumentando M. aumenta-se o nível de energia por símbolo e a distância entre eles continua a mesma. o que faz com que a probabilidade de erro diminua. a curva de BER melhora. • Como obter a BER a partir da SER? .

modulações em termos de BER. .Atividade 2 .

modulações em termos de BER.Atividade 2 . .

Atividade 2 .modulações em termos de BER. .

• A modulação MQAM tem menor influência no aumento da probabilidade de erro em função de M se comparado com a MPSK. pois no MPSK a distância entre os símbolos diminui de forma considerável a medida que M aumenta.modulações em termos de BER. • A modulação MFSK. é a única que apresenta diminuição na probabilidade de erro com o aumento de M. ao contrário das outras modulações analisadas.Atividade 2 . .

. em que a B = Rs. Seu valor é dado por: B = M*Rb/(2*log2(M)).modulações em termos de eficiência espectral • Ao contrário das modulações tipo QAM. o que implica em B = Rb/log2(M). a banda ocupada por uma modulação M-FSK sempre será M/2 vezes maior que a banda utilizada por uma modulação M-QAM ou M-PSK. a QPSK.Atividade 2 . a banda para a modulação FSK é maior quando comparada com o mesmo M. Assim.

. Isso implica na não utilização dos blocos de formatação de pulso.Atividade 3 • Compare a sua simulação do PSK e do QAM com o diagrama de blocos de um TX/RX operando em fase e quadratura A simulação foi feita em banda base com um modelo discretizado. inserção da portadora. detecção da portadora e filtro casado. não foram inseridas portadoras no sinal.

• A simulação não é invalidada pois o fato de se assumir o uso de um receptor coerente. • o detector no receptor. inserção da portadora.Atividade 3 • Que blocos estão implementados na simulação? • o modelo canal AWGN . • Que blocos não estão? Por que? Isto invalida a simulação? • Não foram utilizados os blocos de formatação de pulso. detecção da portadora e filtro casado. . que já conhece a frequência e a fase da portadora.