You are on page 1of 10

m   



     
     
   !
"
! j    
 
    
  



 
     j   
 
 

 
      
 
    
  
 
 
 
 

 

 
 

 



! 
  
 
 

    
 
 


!     "
  
   

  
 

   
   
 
       
        
   
 


      
  
 
    

 
O       
 
  #    
 
  
  


 
  
  

 

    $
! 
         
  #  


 
     $
!

 


   
   #
  
 #
 # 


  %
   


 
  &
 
    

O  ! 
  
   


  
  
  
o homem não é um ser abstracto, isolado do mundo. O homem é o mundo dos
homens, o Estado, a sociedade´  '()* '*+,
- 


 
   

   !  
 !  . 

  j
!
&  
   

 . 
  /  

 0  

  


 
!
 

 
4  1    

 
 
  

 
 
 


 
    $
   
2  

 
   



2

2  
! 

 
    
     1 
      




3 
 
  


 
    
  
   & 
        
 
 &  
 
  
    

4   !   




 
   
456-$ 



 
  
 !
  2


  
 


     
     
   
7
  
!    #


    


O / 
 
       

 
   
    

 

 

    

 



     
  
 

   

    
  
  
 

2

     
!  

 
1    
   
  !    # 

  
   
  &

 1     8  # 

 8
 
 2   
  
2
         


2
 
    

O 
   
  
  


 
  
 




 

 $ 


  
    #
   
   
 

 

 
! 

 
 #  !
    
 



O ÷

    2   
    
 r     

.   

 !  
 2
.  
   
 


  
 
  
  
    
, 

  
, 

 
   
9





  
 

 

O /


 

 !    #
  
  
 

     
 
   ! ! 

O /    


 
 
  

 

   
 


  
 1    
 $  
 
 :  

 
 
  

   

 
  .    
 
   
   
 

 

 1     


&   ÷

  !   
 



  



O m 
 3 
rEm geral, as colisões da velha sociedade favorecem de diversas maneiras o
desenvolvimento do proletariado. A burguesia vive em luta contínua: no
início contra a aristocracia; depois, contra as partes da própria burguesia
cujos interesses entram em conflito com os progressos da indústria; e
sempre contra a burguesia dos países estrangeiros. Em todas essas lutas,
vê-se obrigada a apelar para o proletariado, a solicitar o seu auxílio e a
arrastá-lo assim para o movimento político. A burguesia mesma, portanto,
fornece ao proletariado os elementos de sua própria educação, isto é,
armas contra si mesma´ (Marx & Engels, 1988, p. 75).

O  
   

 
   
 



  
 
 0  
 



O / 
       
 
   
 




   
   
    
  
 
1 

& 


 
  
  

 


   
   


 

  &
      

  
 
    

  !
 

  1 

   

  
 ;


  


 

 
 

O /  
    

 
 
  
  


 

 .   
 
  


  ÷


  
 
  
 
   . 
 

 
 
1 
 1  
 

  


 
    
 

1
 




    #   . 
 1 
 

 

    


O /<</=j/j$ j>? m/@<3A=9 /6istória da Pedagogia. Vol. 2, Lisboa, 6orizonte,'()'

O 9/jj$6j 9 A Atitude Não-Diretiva de Carl Rogers. Lisboa, 6orizonte, 1980.

O /AB CA Miséria da Filosofia. Biblioteca Ciência e Sociedade, publicações escorpião, 1974.

O $DE3A/j 5

O Existencialismo @ F=3-$3 /Problemas Filosóficos. 2a edição,
Lisboa, Prelo, 1974.

O A$=3Am 7Ãornar-se Pessoa. Lisboa, Moraes, 1973.

O m679$-$@mC <
A Pedagogia e as Grandes Correntes Filosóficas. 3a edição,@ 
 
9
 #
 '()G

 
O @ F=3-$3 /Problemas Filosóficos. 2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.

O A$=3Am 7Ãornar-se Pessoa. Lisboa, Moraes, 1973.

O m679$-$@mC <
A Pedagogia e as Grandes Correntes Filosóficas. 3a
edição, @ 
 9
 #
 '()G