You are on page 1of 55

Ensaios de Materiais

Partículas Magnéticas
END_PM_2011

Introdução
O ensaio por partículas magnéticas é utilizado na
localização de descontinuidades superficiais e sub-superficiais em
materiais ferromagnéticos.
O processo consiste em submeter a peça a um campo
magnético onde as descontinuidades existentes do material irão
causar um campo de fuga do fluxo magnético. Com a aplicação
das partículas ferromagnéticas, ocorrerá a aglomeração destas
nos campos de fuga, esta aglomeração indicará formato e a
extensão da descontinuidade.

Magnetismo
É um fenômeno de atração que existe entre esses
materiais. Os imãs podem ser naturais (“pedras-imãs”) e
artificiais, fabricados a partir de aços com propriedades
magnéticas específicas para esse fim.

Campo de Fuga
O desvio das linhas de força dá origem a novos pólos,
provocando a dispersão das linhas de fluxo magnético que dão
origem ao “Campo de Fuga”. A figura demonstra como as linhas
de força são pertubadas pela presença de uma descontinuidade
dando origem ao campo de fuga.

Técnicas de Magnetização
Magnetização Longitudinal
Método de magnetização que produz um campo magnético
longitudinal na peça fechando o circuito através do ar. É
recomendado para a detecção de descontinuidades transversais
na peça, onde a magnetização é obtida por indução de campo de
bobinas ou eletroimãs.

.Magnetização Circular Neste método. É usada para a detecção de descontinuidades longitudinais. que pode ser tanto por indução quanto por passagem de corrente elétrica através da peça . as linhas de força que formam o campo magnético que circulam através da peça em circuito fechado. não fazendo uma “ponte” através do ar.

que permite observar. Algumas normas recomendam o uso de corrente trifásica retificada de onda completa para magnetização nesta técnica. portanto. É. as descontinuidades com diversas orientações. . de uma só vez. é um método em que simultaneamente são aplicados na peça dois ou mais campos magnéticos: um pelo método longitudinal e o outro pelo método circular. a combinação de duas técnicas que produzem um vetor rotativo.Magnetização Multidirecional Também conhecida como combinada ou vetorial.

Exemplo .

As vantagens da técnica de Magnetização Multidirecional: · Na inspeção de componentes seriados onde se reduz substancialmente o tempo de inspeção. observa-se ao mesmo tempo. · Menor possibilidade de erros por parte do inspetor. · Rapidez no ensaio por partículas magnéticas · Grande produtividade . · Economia de partículas magnéticas. uma vez que. tanto as descontinuidades longitudinais quanto as transversais. · Cada peça ou componente é manuseado apenas uma vez.

Exemplo .

A magnetização simultânea possibilita menor tempo de execução trazendo como benefício maior produção. Contudo. . é limitada pelo ajuste da intensidade dos campos magnéticos que é necessário para obtenção de uma resultante capaz de detectar adequadamente as descontinuidades nas duas direções da peça em ensaio (longitudinais e transversais).

maior sensibilidade para descontinuidades superficiais. consequentemente.Tipos de Corrente Elétrica A escolha do tipo de corrente influência diretamente no ensaio. . conforme demonstrado na relação abaixo: Corrente Alternada Maior mobilidade das partículas. Corrente Continua Pouca mobilidade das partículas e com isso detectam mais facilmente as descontinuidade sub-superficiais.

e que na prática não é aplicável em processos industriais. .Corrente Contínua (CC) Somente obtida através de baterias.

as linhas de força são mais concentradas na superfície e portanto é mais recomendada para a detecção de descontinuidades superficiais.Corrente Alternada (AC) Usada para detecção de descontinuidades superficiais. tem pouca penetração. devido ao ciclo alternado da corrente. promove maior mobilidade às partículas. A corrente alternada . .

o que na prática representa poucos milímetros de profundidade. .Corrente Retificada de Meia Onda Usada para detecção de descontinuidades subsuperficiais. O uso de algumas técnicas pode representar até 6 a 10 mm de profundidade .

o que na prática representa poucos milímetros de profundidade. O uso de algumas técnicas pode representar até 12 mm de profundidade .Corrente Alternada Retificada de Onda Completa Usada para detecção de descontinuidades subsuperficiais. .

Corrente Trifásica pode ser utilizada na forma retificada de meia onda ou onda completa. A corrente elétrica trifásica retificada de onda completa é a que mais se aproxima às características de uma corrente contínua. .

permitem a passagem de corrente elétrica pela peça. Em geral estes valores são tabelados e disponíveis nas normas técnicas de inspeção aplicáveis ao produto ensaiado. O campo magnético criado é circular. também conhecidas como pontas que quando apoiadas na superfície da peça.Técnica dos Eletrodos Técnica de magnetização que utiliza eletrodos. . A técnica dos eletrodos induz um campo magnético que é dependente da distância entre os eletrodos e a corrente elétrica que circula por eles.

.

Aparelho_Fonte .

Técnica de Contato Direto Também conhecida como magnetização por placas ou cabeçotes de contato. Devido sua aplicação maior ser através de máquinas estacionárias. para inspecionar barras. pois é aplicável em sistemas de inspeção automáticos ou semiautomáticos. . é definida como sendo a técnica de magnetização pela passagem de corrente elétrica de extremidade a extremidade da peça. principalmente nas indústrias automobilísticas ou em fabricas de produtos seriados de pequeno porte. Esta técnica se difere da técnica por eletrodos descrita. eixos. parafusos. O campo magnético formado é circular.

.

que originam o campo magnético de intensidade que dependerá da corrente elétrica que passa pela bobina e o número de voltas que o enrolamento da bobina foi formado (ampères-volta) . A bobina ou solenóide é formada por um enrolamento de fios condutores da corrente elétrica alternada ou contínua. ocorrendo um campo longitudinal na peça.Técnica da Bobina Nessa técnica a peça é colocada no interior de uma bobina ou solenóide.

.

. em forma de "U" invertido. gerado por um eletroimã. Pelo eletroimã circula a corrente elétrica alternada ou contínua.Técnica do Yoke É a técnica de magnetização pela indução em campo magnético. que é apoiado na peça a ser examinado. É gerada na peça um campo magnético paralelo a linha imaginária que une as duas pernas do Yoke .

.

Yoke Via Seca_Uso de Pêra de Borracha .

tais como: flanges. permitirá induzir um campo magnético circular na superfície interna e/ou externa da peça Assim sendo. anéis . e outras. deve ter geometria circular.Técnica do Condutor Central É caracterizada pela passagem de um fio condutor ou conjunto de cabos condutores pelo centro da peça a inspecionar. a peça a ser inspecionada por este processo. A passagem da corrente elétrica através do condutor. . porcas.

.

Métodos de Magnetização .

Indicações .

.

.

Exemplo .

para uma perfeita rastreabilidade entre o documento e a peça. . como também a localização física destas na peça ensaiada. • Fita Transparente. • Processo fotográfico. não somente a forma geométrica das indicações deverão ser registradas no relatório .Registro das indicações O registro da indicações produzidas por partículas magnéticas quando é requerido por especificações ou procedimento escrito. • Spray Plástico. As formas recomendadas pela norma ASTM E-1444 : • Escrita.

Prioriza-se usar uma partícula que tenha uma cor que produza um bom contraste. vermelha e preta (Partículas para observação sob luz natural ou branca). nas cores: branca. temperatura da superfície. cinza. podem ser utilizados líquidos de contraste. via seca. Apresentam-se nas cores amarelo-esverdeado ou alaranjado. Existem também as partículas fluorescentes (Para observação sob luz ultravioleta ou negra). . amarela. Encontramos as partículas.Tipo de Partícula A escolha da cor das partículas é definida em função da cor da superfície da peça em exame. posição da peça. para maior sensibilidade visual.

Exemplo .

Métodos de Ensaio As partículas magnéticas podem ser fornecidas na forma de pó. . Via ou veículo é o meio no qual a partícula está sendo aplicada. forma. A temperatura é um parâmetro para opção entre partículas via seca ou via úmida. densidades e cor adequados ao exame. em pasta ou dispersas em líquido. Em todos os casos. as partículas se constituem de um pó ferromagnético de dimensões.

São utilizados aplicadores de pó manuais ou bombas aspesoras que pulverizam as partículas na região do ensaio. São mais sensíveis na detecção de descontinuidades próximas a superfície. Não requerem preparação . É importante que tenham a granulometria adequada.Via Seca Quando aplicadas a seco. mas não para pequenas descontinuidades. mas é possível a reutilização das partículas. O consumo de particulas é maior.

A granulometria é muito fina. sendo possível detectar descontinuidades muito pequenas (trincas de fadiga). querosene ou óleo leve .Via Úmida Quando são aplicadas em um veículo líquido. As particulas tem maior mobilidade do que na via seca. . sua escolha tem finalidades econômicas e de melhor execução do ensaio. que pode ser a água. Os aplicadores por via úmida são na forma de chuveiros ou tipo borrifadores.

Preparação A preparação é muito importante para homogeneização e dispersão das partículas após aplicação. Os fabricantes indicam os valores de concentração adequada. Não pode ser misturado de uma vez. para melhor homogeneização. . Normalmente se mistura a água ao pó.

PM_Fluorescentes .

• Interferência nos processos de Usinagem. • Interferência com Instrumentos de Medição.Desmagnetização Alguns materiais. são capazes de reter parte do magnetismo após a interrupção da força magnetizante. . devido as suas propriedades magnéticas. Conforme a aplicação subsequente destes materiais. • Interferência nos processos de Soldagem. o magnetismo residual ou remanescente poderá criar problemas. sendo necessário a desmagnetização da peça.

pela ponte de Curie. c) As peças forem novamente magnetizadas. são desmagnetizadas. b) As peças forem submetidas a tratamento térmico.A desmagnetização é dispensável quando: a) Os materiais possuem baixa retentividade. . Ao atingirem 750ºC.

Medidor típico de campo magnético utilizando a sonda de Hall. .000 Gauss. Pode medir de 10 até 30. muito útil para verificação do valor do campo magnético efetivo na peça a ser inspecionada por partículas magnéticas ou ainda campos residuais.

.Técnicas de Desmagnetização São várias as técnicas de desmagnetização sendo que todas são baseadas no princípio de que. submetendo a peça a um campo magnético que é continuamente invertido e gradualmente reduzindo a zero. após um determinado período e um número de ciclos. a peça será desmagnetizada. Isto pode ser obtido fazendo a peça passar pelo interior de bobinas percorridas por corrente alternada.

Procedimentos a) Escolha da técnica de magnetização b) Ajuste de tipo ou amperagem de corrente elétrica para magnetização c) Preparação da superfície d) Tipo de partículas magnéticas usadas e) Método de aplicação das partículas f) Método de remoção do excesso de partículas da superfície g) Intensidade mínima de iluminação h) Espessura de revestimentos . se não removidos i) Demonstração do procedimento . se aplicável j) Temperatura da superfície k) Forma e tamanho das peças a serem inspecionadas l) Equipamentos m) Técnica de desmagnetização n) Limpeza após o ensaio o) Requisitos de qualificação de pessoal ASME .

ASTM E-709. Os padrões a seguir são recomendados pelas normas ASME sec. 7 . NBR 9529 e Petrobras N1598-D. V art. ASTM E-1444. O campo magnético na área útil do ensaio será considerado adequado se aparecer uma linha claramente definida de partículas magnéticas sobre a face do indicador.Verificação de Eficiência do Ensaio A verificação da eficiência do ensaio deve ser feita no início de cada jornada de trabalho utilizando-se um indicador de campo magnético conforme as figuras seguintes. .

.

.

Bloco padrão de aferição de capacidade mínima de levantamento de massa do Yoke .

Planejamento da Magnetização da peça Escolhida a técnica de magnetização. seja realizada na mesma região. é importante ou esquematizar como será o campo magnético formado. Começamos a fazer o ensaio por um ponto e para detectar qualquer descontinuidade em qualquer orientação. defasada de mais ou menos 90° do eixo da anterior. como na figura abaixo: . uma outra varredura.

Segurança Para segurança no manuseio das partículas magnéticas. • Riscos de inalação. • Luz Ultravioleta. devemos ter a atenção voltada para algumas características ligadas à segurança no manuseio: • Inflamabilidade. secas ou úmidas. solventes. . óleo. • Riscos a eletricidade. condicionadores.

• Boa mobilidade. • As PM’s provocam uma boa permeabilidade. • Baixa retentabilidade.Vantagens e Desvantagens Vantagens • Ao contrário dos LP’s. • Só pode ser feito em materiais metálicos. • Deve-se fazer uma desmagnetização da peça após o ensaio. . Desvantagens • Não consegue detectar as descontinuidades internas. • Proporcionam alto contraste. as PM’s conseguem detectar descontinuidades subsuperficiais.

org.br/down2/apostilapm.org.abende.br/down2/down_documentos/pr_002rev2.pdf www.abende.pdf NORMAS Petrobras • N 1598-D ABNT • NBR 8990 • NBR 9529 .Bibliografia ABENDE www.