You are on page 1of 38

Curso de Engenharia Civil

Campus VIII – Araruna PB
Disciplina: Materiais de Construção II Período –
2015.2

• Notas de Aula: Aglomerantes – A Cal
• Prof.: Daniel Baracuy da Cunha Campos
• E-mail: danielbaracuy@yahoo.com.br

Definição
Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral
pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que
promove a união entre os grãos do agregado. São
utilizados na obtenção das argamassas e concretos, na
forma da própria pasta e também na confecção de natas.

Classificação dos Aglomerantes
HIDRÓFILOS
Aplicação
sobretudo em
argamassas

Aglomerantes
HIDRÓFOBOS
Aplicação sobretudo em
impermeabilizações e pavimentos

Aéreos: Ex: cal aérea,
gesso (não resiste à água)

Hidráulicos: Ex:
cal hidráulica, cimento
portland
(resistente à água)

Poliméricos : Ex: alcatrão
e asfaltos; resinas (materiais
plásticos ou sintéticos).

Hidráulicos: são os aglomerantes que endurecem pela ação exclusiva da água.Classificação dos Aglomerantes o Os aglomerantes podem ser classificados. . o cimento Portland. Aéreos: são os aglomerantes que endurecem pela ação química do CO2 no ar. em: a. Exemplo: polímeros e asfalto. Poliméricos: são os aglomerantes que tem reação devido a polimerização de uma matriz. quanto ao seu princípio ativo. b. etc. c. Este fenômeno recebe o nome de hidratação. como por exemplo a cal hidráulica. como por exemplo a cal aérea e gesso.

Conceitos • As pastas são. Podem ser utilizadas nos rejuntamentos de azulejos e ladrilhos. • O concreto é um material de construção heterogêneo resultante da mistura de um aglomerante hidráulico com materiais inertes e água. misturas de aglomerante com água. • As natas são pastas preparadas com excesso de água. . São pouco usadas devido aos efeitos secundários causados pela retração.

obtidos a partir da mistura homogênea de um ou mais aglomerantes. por exemplo. • A Pega é a perda de fluidez da pasta. que dão origem à formação de compostos. até que deixe de ser deformável para pequenas cargas e se torne rígida. que aos poucos. . com propriedades de aderência e endurecimento. começam a ocorrer reações químicas de hidratação. água a um aglomerante hidráulico.Conceitos • As argamassas são materiais de construção. Ao se adicionar. podendo conter ainda aditivos e adições minerais. vão fazendo com que a pasta perca sua fluidez. agregado miúdo (areia) e água. depois de certo tempo.

Conceitos • Início de pega de um aglomerante hidráulico é o período inicial de solidificação da pasta. Esse fenômeno é caracterizado pelo aumento brusco da viscosidade e pela elevação da temperatura da pasta. É contado a partir do lançamento da água no aglomerante. entretanto. não significando. que ela tenha adquirido toda sua resistência. o que só será conseguido após anos. até ao início das reações químicas com os compostos do aglomerante. • Fim de pega de um aglomerante hidráulico é quando a pasta se solidifica completamente. .

• Classificação dos cimentos brasileiros quanto início de pega: Tipo Início de Pega Cimentos de pega normal T > 60 minutos Cimentos de pega semirrápida 30 minutos < T < 60 minutos Cimentos de pega rápida T < 30 minutos .Conceitos • Importância de Início e Fim de Pega: ideia do tempo disponível para trabalhar. bem como transitar sobre a peça. regá-los para execução da cura. transportar. lançar e adensar argamassas e concretos.

 Cal hidráulica de rochas calcárias a .Classificação  Cal:  Produto obtido pela calcinação temperaturas elevadas. • Cal hidratada.  Cal aérea: • Cal virgem.

• Após endurecimento. forma uma pasta com propriedades aglomerantes. com constituintes minerais. não resiste satisfatoriamente quando submetido à ação da água. como resultado da reação com o gás carbônico (CO2) presente na atmosfera. produzidos a partir de rochas calcárias.Classificação Cal: • É um aglomerante inorgânico ou mineral. • É utilizado na forma pulverulenta. composto basicamente de cálcio e magnésio. isto é. . quando misturado com água.

obtendo-se óxido de cálcio (cal viva). . com desprendimento de gás carbônico. já preparado. a temperaturas que chegam a 1200ºC.Fabricação Calcinação: • O processo de calcinação consiste em submeter o calcário – CaCO3.

• Durabilidade. • Economia.Principais Requisitos • Adesividade. • Resistência mecânica. . • Trabalhabilidade.

• Aglomerante resultante da calcinação de rochas calcárias (CaCO 3) numa temperatura inferior a de fusão do material (850 a 900 0C). Ca CO3 + calor (>900 0C) ⇒ Ca O + CO2 Calcário + calor ⇒ cal virgem + gás carbônico .Tipos de Cales Cal virgem: • Constituída predominantemente de óxidos de cálcio e magnésio. • Também pode ser obtida a partir de resíduos de ossos e conchas de animais.

Tipos de Cales .

podendo em alguns casos a temperatura atingir 400 0C). que ainda não é o aglomerante usado em construção.cal extinta ou cal queimada. se dá com grande desprendimento de calor (250 cal/g. O óxido deve ser hidratado para virar hidróxido de cálcio Ca(OH)2 .Tipos de Cales Cal virgem: • O produto da calcinação do carbonato de cálcio – cal virgem. . ou cal viva (CaO). CaO + H2O ⇒ Ca (OH)2 Cal virgem + água ⇒ Cal extinta + calor • O fenômeno de transformação de cal virgem em cal extinta é exotérmico.

antes de ser utilizado na obra. • As pedras são colocadas em tanques onde ocorre a sua extinção ao se misturarem com a água. .Tipos de Cales Cal virgem: • O processo de hidratação da cal virgem é executado no canteiro de obras. • Após a hidratação das pedras. o material deverá descansar por 48 horas no mínimo.

Ca (OH)2 + CO2 ⇒ CaCO3 + H2O Cal extinta + gás carbônico ⇒ Carbonato de cálcio + água • A cal viva ou cal virgem é distribuída no comércio em forma de pedras. voltando ao seu estado inicial de carbonato de cálcio. presente na atmosfera (cal aérea).Tipos de Cales Cal virgem: • As argamassas de cal endurecem por recombinação do hidróxido com o gás carbônico. . como saem do forno ou mesmo moídas e ensacadas.

Tipos de Cales Cal virgem: • Classificação quanto ao teor de óxido de cálcio: → Cal cálcica • Teor de CaO ≥ 90% → Cal magnesiana • 65% ≤ Teor de CaO < 90% → Cal dolomitica • Teor de CaO < 65% .

com elevada finura. hidróxido de magnésio e óxido de magnésio. constituído essencialmente de uma mistura de hidróxido de cálcio e hidróxido de magnésio. • ABNT NBR 7175: Pó obtido pela hidratação da cal virgem. ou ainda. por ser um produto pronto. constituída essencialmente de hidróxido de cálcio ou de uma mistura de hidróxido de cálcio e hidróxido de magnésio. sob a forma de pó seco branco. eliminando do canteiro de obras a operação de extinção. • Maior facilidade de transporte e armazenamento. .  Vantagens da Cal Hidratada em relação a cal virgem: • Maior facilidade de manuseio. hidróxido de magnésio e óxido de magnésio. obtida pela hidratação adequada de cal virgem. de uma mistura de hidróxido de cálcio. de uma mistura de hidróxido de cálcio.Tipos de Cales Cal Hidratada: • Cal. ou ainda.

Tipos de Cales Cal Hidratada: • Classificação quanto ao grau de hidratação: → CH – I – Cal hidratada especial • Óxidos totais (na base não volátil) > 96.8% e CO2 no máximo 5% → CH – II – Cal hidratada comum • Óxidos totais (na base não volátil) > 88% e CO2 no máximo 5% → CH – III– Cal hidratada comum com carbonatos • Óxidos totais (na base não volátil) > 88% e CO2 no máximo 13% .

Tipos de Cales Processo de fabricação: .

Tipos de Cales Ciclo da Cal: .

sendo posteriormente. • As misturas de cal com pozolonas ou escória de altoforno podem ser consideradas como cal hidráulica.SiO2).Fe2O3) e cal hidratada. . • Contém compostos hidráulicos – silicato dicálcico (2CaO. aluminato tricálcico (3CaO. substituído pelo cimento Portland. e foi muito utilizado nas construções mais antigas.Al2O3) e ferrita (4CaO. • Este aglomerante endurece pela ação da água.AL2O3 .Tipos de Cales Cal Hidráulica: • Produto industrial oriundo do calcário argiloso. que se hidrata de maneira semelhante ao cimento.

• Aumento de plasticidade. permitindo que elas tenham maiores deformações. . devido à elevada finura de seus grãos (2 μm de diâmetro). • Durabilidade. • Menor suscetibilidade à fissuração. evita a formação de trincas por retração da massa. sem fissuração.Função da Cal nas Argamassas e Pastas: • Proporciona fluidez e coesão. • Retenção de água.

As tintas de cal. efeito asséptico. devido a sua alta alcalinidade (PH alto). • Estabilização de solo em obras de pavimentação (Base. misturada ao cimento Portland. Sub-base e reforço do Subleito. além do efeito estético. blocos sílico/calcário e cimentos alternativos. têm. . • Utilização em pinturas (caiação). também.Aplicação da Cal • A cal pode ser utilizada como único aglomerante em argamassas para assentamento de tijolos ou revestimento de alvenarias ou em misturas para a obtenção de blocos de solo/cal.3 gramas por litro de água (nata de cal). na proporção de mais ou menos 1. • Atualmente o maior emprego da cal se dá.

Aplicação da Cal .

Aplicação da Cal Ilha de Mykonos .Grécia .

.Comercialização da Cal NBR 7175: Esta Norma especifica os requisitos exigíveis no recebimento da cal hidratada a ser empregada em argamassas para a construção civil.

Comercialização da Cal • Embalagens de 20Kg • Embalagens de 8Kg .

e verifica-se quanto de material ficou retido em cada peneira.  Finura: Neste ensaio faz-se um peneiramento das amostras. Se tem boa trabalhabilidade. Norma: NBR 9289:2000.Ensaios Físicos  Os ensaios físicos verificam: • • • Processo de fabricação (se a cal foi bem moída). Se a argamassa desta cal retém a água da mistura ou a perde para a parede onde a argamassa foi assentada. por que quantidades maiores significa que a cal não foi bem moída. Cal hidratada para argamassas determinação de finura Peneiras: nº 30 (600μm) e nº 200 (75μm) . em duas peneiras diferentes. A norma especifica um valor máximo para estas quantidades.

Série de Peneiras .

Ensaios Físicos  Plasticidade: • • Este ensaio avalia se a argamassa feita com a amostra de cal está bem trabalhável. Norma: NBR 9290:1996 Cal hidratada para argamassas determinação de retenção de água . a argamassa poderá apresentar pequenas rachaduras. comprometendo a beleza da argamassa colocada na parede. A água utilizada na argamassa não deve ser rapidamente perdida para os tijolos ou para a estrutura de concreto. depois de seca. pois facilita o trabalho do pedreiro. Uma mistura com boa plasticidade permite uma maior qualidade no serviço. se tem uma boa plasticidade. caso contrário. ou seja. Norma: NBR 9206:2003 .Cal hidratada para argamassas .Determinação da plasticidade  Retenção de Água: • • Este ensaio avalia a capacidade da cal reter água.

Ensaios Físicos  Incorporação de Areia: • • • Este teste verifica se a quantidade de areia incorporada na argamassa atende a um valor mínimo. sem prejudicar seu desempenho. água e cal hidratada. Se o pedreiro puder acrescentar mais areia na argamassa.Cal hidratada para argamassas . o que proporcionará uma mistura mais econômica. Norma: NBR 9207:2000 .Cal hidratada para argamassas Determinação da capacidade de incorporação de areia no plastômetro de Voss  NBR 14399:1999 . . A argamassa é constituída de areia.Determinação da água da pasta de consistência normal.

Cal hidratada para argamassas Determinação da estabilidade .Ensaios Físicos  Estabilidade: • Verifica se há presença de substâncias expansivas na cal hidratada. o que pode causar uma expansão de volume dos grãos da argamassa e descolamento de pedaços de argamassa da parede. essas substâncias podem reagir depois que a argamassa já está colocada e seca na parede. • Norma: NBR 9205:2001 .

Ensaios Físicos  Massa específica (ME): • É a relação entre a massa e o volume de sólidos. • Norma: NBR 12127. • Norma: NBR NM 23. excluindo os vazios.Determinação das propriedades físicas do pó . Cimento portland .Determinação e massa específica  Massa unitária: • É a relação entre a massa e o volume de sólidos. incluindo os vazios.Método de ensaio . Gesso para construção .

Quanto maior a porcentagem de impurezas. óxido de cálcio total. anidrido fosfórico e óxido de cálcio disponível em cal virgem e cal hidratada. anidrido carbônico. anidrido sulfúrico. pode-se verificar a existência de impurezas na matéria prima da cal hidratada.  A partir desses ensaios. menor será a quantidade de cal que o consumidor estará efetivamente comprando. óxido de alumínio.Ensaios Químicos  NBR 6473: Cal virgem e Cal hidratada. sílica mais resíduo insolúvel. óxido férrico. óxido de manganês total. . perda ao fogo. óxido de magnésio total. Análise química Esta Norma prescreve os métodos para as determinações de umidade.

. • Serve para verificar. ou gás carbônico. • A determinação da quantidade de dióxido de carbono na cal hidratada tem como função verificar se o minério foi bem calcinado ou se ficou parte sem reagir. também. diminui o seu poder de "cola“.Ensaios Químicos  Determinação da quantidade de dióxido de carbono (CO2): • O dióxido de carbono. neste ensaio "queima-se" a cal e verifica-se o quanto de gás carbônico foi liberado. é liberado na queima das rochas que formarão a cal virgem. anidrido carbônico. • Se a rocha que deu origem à cal foi pouco "queimada". Logo. se aconteceu uma carbonatação no armazenamento da cal hidratada por contato com o dióxido de carbono do meio ambiente.

menor será a fração de óxidos totais. menor a fração de cal hidratada efetivamente no produto final e. Pode-se dizer então que este ensaio verifica a qualidade da matéria prima utilizada na fabricação da cal hidratada. Esse ensaio também verifica se há possibilidade de ocorrer o surgimento de pequenas "bolhas" na parede.  Óxidos Totais: • Quanto maior for a fração de impurezas presentes na amostra.Ensaios Químicos  Óxidos Não Hidratados: • Este ensaio avalia a quantidade de cal virgem que não hidratou com a água. na parede. quanto menos cal hidratada. menor o poder de "colar" a argamassa terá. que podem surgir na argamassa depois de seca. Quanto maior essa quantidade. .