Noemi Nascimento Ansay

Sur dez : Inc lus ão Social e Educacional
Educação do Aluno com Necessidades Educacionais Especiais: Pressupostos e Possibilidades

Su rd ez: in clu sã o socia l e edu ca cional  Deficiência & Diferença - Conceitos & Pré-conceitos  Panorama das Políticas de atendimento educacional a pessoa surda ou deficiente auditiva.  Filosofias educacionais para a pessoa surda ou deficiente auditivo .  Inclusão social e educacional do surdo ou deficiente auditivo.

De fic iê ncia & Dif erença Co nceito s & Pr éconceito s

Decreto Federal n° 5 626/2005

Surdo

Considera-se pessoa surda àquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experiências visuais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Língua Brasileira de Sinais-Libras. ().

Secretária d e Ed ucação do Pa raná 2004

Surdo

Pessoa surda é aquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experiências visuais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Libras

Surdo
Dic ionário U niversal

Aquele que não ouve, que ouve mal, que ouve com dificuldade, que não soa, secreto. Fig. implacável, inflexível, que não se comove.

Surdo
Glá dis Pe rlim *

O Surdo tem diferença e não deficiência.

* surda mestre em Educação pela UFRGS

Surdo

Ser

humano

complexo,

totalmente

biológico e totalmente cultural, sujeito histórico, sujeito de aprendizagem, uma pessoa e um cidadão.

Defi ci ênci a Audi ti va

Decreto Federal n° 5 626/2005

Considera-se deficiência auditiva a perda bilateral, parcial ou total de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500 Hz, 2000 Hz e 3.000 Hz - surdez moderada, severa e profunda.

Panorama das Polí ti cas de atendi mento educaci onal a pes soa sur da ou defi ci ente audi tiv a.

Pa norama At ual
       A Libras foi oficializada no Brasil em 24 de abril de 2002 pela Lei Federal 10436. O Decreto Federal n° 5626/2005 regulamenta a Lei Federal 10439. Neste decreto é estabelecido um prazo inicial de 1 ano para adequações imediatas e de até 10 anos para total aplicação. O Paraná foi um dos primeiros Estados a oficializar a Libras pela Lei 12.095/98. As crianças surdas têm assegurado o direito a uma educação bilíngüe, isto é, aprender a Libras e a Língua Portuguesa na escola. O alfabeto manual é apenas um recurso utilizado para soletrar nomes próprios e empréstimos lingüísticos do português. As pessoas surdas têm direito a um intérprete na escola, nos hospitais, nos órgãos públicos, etc.

Indicativos do Censo escolar (2004)
Entre 1998 a 2004  Decréscimo de 21,4% de matrículas do Ensino Especial para o Ensino Regular.  O número de escolas públicas que atendem o ensino especial aumentou 3.8 % e no ensino privado houve uma diminuição também de 3,8 % .  Em 1998 haviam matriculado 337.326 alunos no Ensino Especial / Classes Especiais e Ensino Regular / Classes Comuns.  Em 2004 foram matriculados 566.763 mil alunos. Houve um acréscimo de 229.427 mil alunos.  As matrículas da Educação Especial em 2004 no Ensino Superior totalizaram em 5.078 alunos, sendo que 73% em Instituições Privadas e 27% em Instituições Públicas.

Def ici entes no Bras il - 2000 Censo Demográfico
Tipo de deficiência Visual Motora Auditiva Mental Física Total de deficiências

Homem

7.259.074

3.295.071

3.018.218

1.545.462

861.196 15.979.021

Mulher

9.385.768

4.644.713

2.716.881

1.299.474

554.864 18.601.700

Total

16.644.842

7.939.784

5.735.099

2.844.936

1.416.060 34.580.721

Fi losof ias Educacionai s para a pes soa sur da ou defi ci ente audi ti vo

Fil osofias Ed ucacio nais
 Oralismo  Comunicação total  Bilingüismo

Or alis mo
 Defende o aprendizado da língua oral, com o objetivo aproximar o surdo do modelo ouvinte  Tem como métodos o uso de protetização, da leitura labial e demutização.

Co munic ação Total
 Defende o uso de todos os recursos disponíveis para que haja comunicação  Utiliza métodos com uso da fala, Leitura labial, lingua de sinais, alfabeto manual e português sinalizado.

Bil in güism o
 Defende o ensino e aprendizado da Libras como primeira língua e da Língua Portuguesa como segunda língua.  Existem duas abordagens, Bilingüismo Sucessivo e Bilingüismo Simultâneo.

In clu sã o so cia l e educa cio na l d o su rd o o u d eficie nte auditiv o.