You are on page 1of 42

MARCOS MELO FERREIRA

ELETRÔNICA E SISTEMAS
EMBARCADOS
ARQUITETURA DE SISTEMAS EMBARCADOS

SÃO LUIS
2016

TÓPICOS

Arquitetura de Sistemas Embarcados;

Modelos de Desenvolvimento de aplicativos
embarcados;

Implementação e Programação.

INTRODUÇÃO

Sistemas Digitais: Sistemas que processam,
armazenam e transmitem sinais digitais;

Sistemas Embarcados: Sistema
microprocessado no qual o computador é
completamente encapsulado ou dedicado
ao dispositivo que ele controla.

Características
Circuito eletrônico com capacidade
computacional;
 Realiza um conjunto de tarefas prédefinidas com objetivos específicos;
 O projeto é otimizado, com redução de
recursos computacionais, tamanho e custo
do produto;
 Reconfigurável via software.

microcontrolador.  Sistema Reativo de Tempo Real.  Firmware: programa que controla o sistema e é executado repetidamente. possibilitou a difusão dos SE.  Várias arquiteturas disponíveis.  .Características A integração de vários componentes em um mesmo CHIP.

máquinas de lavar. geladeiras.Áreas de Aplicações  Produtos de consumo: ◦ Câmeras digitais.  Escritórios: ◦ Scanners.  Eletrodomésticos: ◦ Microondas.  Automóveis: ◦ Injeção eletrônica. MP3 player. calculadoras. impressoras. Freio ABS. .

Ex: vídeo games. Ex: Automóveis.  . Ex: telecomunicação. mas em embalagens embarcadas.  Processamento de sinais: grande volume de informação processada.  Sistemas de controle: controle em malha fechada com realimentação em tempo real.Tipos de Aplicações Propósito Geral: semelhantes a computadores.

Arquitetura  Arquitetura de Hardware: ◦ comunicação com o ambiente. memórias. entrada e saída.  Arquitetura de Software: ◦ Camada de aplicação: inicializa o hardware. . ◦ Processador. ◦ Sistemas operacionais de tempo real (RTOS): gerenciar os recursos de software e hardware do sistema.

scribd.Arquitetura Figura 1: Elementos da Arquitetura de Sistemas Embarcados Fonte: https://pt.com/doc/251405694/Sistemas-Embarcados .

Mercado O mercado de sistemas embarcado está em crescimento.  O projetista deve levar em consideração:  ◦ ◦ ◦ ◦ ◦ Desempenho Custo de desenvolvimento Custo de produção Flexibilidade Tolerância a falhas .  A maioria dos processadores fabricados são para sistemas embarcados.

 . Processadores de propósito geral  Processadores embarcados.  Propósito único: executam um único algoritmo.  ASIP: processadores para aplicações específicas.Tecnologia Empregada  Processadores ◦ Dispositivos usados para transformar ou mover dados e tomar decisões sobre ações.

.Tecnologia Empregada  ASIC.  FPGA.  Microcontroladores.

Displays.Tecnologia Empregada  Memórias. ◦ Teclados.  . RS485.  Bluetooth. USB. ◦ Volátil ◦ Não volátil  Interface Homem Máquina. Interfaces seriais: RS232.  Interface ethernet.

Tecnologia Empregada  Transdutores ◦ Convertem um tipo de energia em outro. .  PWM.  Conversor AD e DA.

Figura 2: Arquitetura Básica Fonte: http://slideplayer.br/slide/1610674/ .com.FPGA  Field Programmable Gate Array.

org/wiki/Field-programmable_gate_array .wikipedia.FPGA Figura 3: FPGA Altera e Xilinx https://en.

 Programação em HDL.  .  Entradas e Saídas: comunicação com ambiente externo.FPGA Bloco Lógico: possui um número de I/O e implementam uma função lógica.  Bloco de Conexão: possui swtiches programáveis que permitem que os blocos lógicos se conectem de formas diferentes.

Linguagem EmpregadaFPGA Hardware  Linguagens de descrição de Hardware:  ◦ Permitem descrições em termos estruturais e comportamentais de circuitos.  VHDL  Verilog .

 Concorrência.  Níveis de Hierarquia. .  Fabricação de CI ou programação de PLDs.  Trabalhos em diferentes níveis de abstração.Linguagem VHDL  Descrição do comportamento e estrutura de hardware.

. 2013. Corrêa.VHDL Figura 4: Código VHDL Fonte: Andrade.

 Possibilita trabalhos em diferentes níveis de abstração.  Semelhante a linguagem C. .Linguagem Verilog  Descrição do comportamento e estrutura de hardware.  Fabricação de CI ou programação de PLDs.

 Cada módulo deve ser nomeado. .  Definir entradas e saídas.  Descrever funcionalidade.Estrutura da Linguagem  Linguagem estruturada em módulos com relação hierárquica.

pt/~aja/PSDI_200708/slides/slidesPSDI200708_HDLVerilog.up.pdf .  Always: bloco de instruções.fe.  Figura 5: Exemplos com assign e always Fonte: https://web.Verilog Assign: atribuição contínua.

FPGA x ASIC  Relação custo x Produção: Figura 6: Custo x Produção Fonte: Introdução aos Sistemas Embarcados. UFPE .

UFPE . memória e periféricos de entrada e saída. Figura 7: Arquitetura uC Fonte: Introdução aos Sistemas Embarcados.Microcontrolador  Computador em um único circuito integrado que contém um núcleo de processamento.

 Arquitetura:  ◦ ◦ ◦ ◦  CPU. Memória de Dados.  Flexibilidade nos projetos. Memória de Programa. Entrada e Saída. . Programável em Assembly e Linguagem C.Microcontrolador System on Chip (SoC).

Modelos Figura 8: Modelos PIC Fonte: Microchip .

Figura 9: Arquitetura HCS08 Fonte: Freescale .

Linguagem Empregada uC  Software ◦ ◦ ◦ ◦  Assembly C Basic Pascal Os compiladores permitem o uso de mais de uma linguagem. o que aumenta a eficiência do código. .

Linguagens  Assembly x C Figura 10: Linguagens Fonte: Microchip .

Metodologia do Projeto  Três fases: ◦ Análise  Definir objetivos e restrições do projeto. ◦ Design  Especificar Arquitetura do SE ◦ Implementação  O sistema é construído e testado. .

. ◦ Verificação da análise. orçamento. memória. etc). linguagem.Análise  A análise pode ser dividida em 5 etapas principais: ◦ Especificação do problema. ◦ Especificação das restrições. Prazos. ◦ Especificações do usuário. ◦ Previsão de hardware e software (processador. etc.

 Modelos adotados:  ◦ Arquitetura Mono-Processador: possui um processador principal e outros componentes de hardware (ASICs). . ◦ Arquitetura Multi-Processador: possui vários processadores trabalhando em paralelo.Especificação do SE Escolha do tipo de design.

Co-Design  Modelo tradicional: hardware primeiro. software depois.  Co-Design: Diminuição de tempo e custo no desenvolvimento do projeto. . ◦ Disfunções descobertas na fase de prototipagem.

UFPE .Co-Design Figura 11: Metodologia de Hardware e Software Co-Design Fonte: Introdução aos Sistemas Embarcados.

 .  Protótipo.  Descrição de H/S: comparação entre tecnologias existentes.  Co-simulação: validação do sistema.  Co-síntese: síntese de hardware.Etapas Particionamento em H/S: seleção dos componentes da arquitetura e divisão da funcionalidade. software e interface.

Domínios Descrição dos sistemas pode ser feita em três domínios: comportamental.  Comportamental: resultados esperados diante de valores de entrada.  Estrutural: quais componentes serão usados e como serão conectados. estrutural e físico.  .  Físico: característica física dos componentes.

Figura 12: Níveis de Abstração Fonte: Introdução aos Sistemas Embarcados. UFPE .Abstração  Diagrama Y: a abstração aumenta do centro para a periferia.

.  Os sistemas também devem ser tolerantes a falhas.Sistemas de Tempo Real Sistemas reativos ao ambiente e com tempo de resposta determinado.  Classificação:  ◦ Hard Real Time. ◦ Soft Real Time.

 Tempos de resposta ao ambiente definem deadlines (tempo máximo para conclusão de uma tarefa). Tarefa: segmento de código cuja execução possui atributo temporal.  . ◦ Tarefas definidas pelo ambiente. ◦ Geralmente os sistemas não tem como limitar esses estímulos.Sistemas de Tempo Real  Fluxo de controle definido pelo ambiente.

◦ É necessário garantir requisitos temporais ainda no projeto.Criticidade  Hard real time system ◦ As tarefas tem Hard Deadline. ◦ A tarefa pode ser terminada mesmo com atraso . ◦ Perda de deadline tem consequências críticas.  Soft real time system ◦ O requisito temporal descreve o comportamento desejado.

. UFPE. Disponível em: http://ww1. MICROCHIP TECHNOLOGY. PIC24H Family Data Sheet.microchip. Specification and Design of Embedded Systems. NARAYAN. VAHID.com/downloads. Prentice Hall.D. Introdução aos sistemas embarcados.. S. F. 1994.REFERÊNCIAS    GAJSKI D. GONG. 2006. J.. .. 1ª edição.