UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

ESCOLA DE ENGENHARIAS
ENGENHARIA GEOLÓGICA
MECÂNICA GERAL

QUARTA AULA

ESTÁTICA DA PARTÍCULA
Diagrama de Corpo Livre da Particula
Eng. Elet. Amilcar Oliveira Barum

2016/2

Condições de equilíbrio do corpo rígido
Na figura ao lado podemos ver que o
corpo está sujeito a um sistema
externo de forças e momentos
binários que é resultado dos efeitos
das forças gravitacionais, elétricas e
magnéticas causadas pelos corpos
adjacentes.
Como já vimos, o sistema de forças e
momentos de binários que atuam
sobre um corpo podem ser reduzidos
a uma força resultante e um
momento
de
binário
resultante
equivalentes em um ponto qualquer
O, que é arbitrário e pode ser
localizado dentro ou fora desse corpo.
E como também já vimos, se essa
força
e
momento
de
binário
resultantes são ambos iguais a zero,
então dizemos que o corpo está em
equilíbrio.

Condições de equilíbrio do corpo rígido
Como já vimos na aula anterior, matematicamente, o equilíbrio de um
corpo é expresso como:

Essas duas equações não são apenas necessárias para o equilíbrio;
elas são também suficientes.

Reações relativas ao tipo de apoio
Existem várias formas de apoiarmos uma estrutura. Cada tipo de
apoio gera um tipo de reação distinta. Vamos analisar os vários tipos
de reações que ocorrem em apoios e pontos de contato entre corpos
sujeitos a sistemas de forças coplanares.
Regra geral:
• Se um apoio impede a translação de um corpo em uma determinada
direção, então, uma força é desenvolvida no corpo nessa direção.
• Se a rotação também é impedida, um momento de binário é
exercido sobre o corpo.
Vamos considerar três formas na qual um membro horizontal, como
uma viga, é apoiado na sua extremidade.
 No primeiro caso, a viga é apoiada em um rolete ou cilindro. Como
esse suporte apenas impede que a viga translade na direção vertical,
o rolete só exercerá uma força sobre a viga nessa direção.

=

No segundo caso a viga pode ser apoiada de uma forma mais
restritiva através de um pino, por exemplo.

Nesse caso, o pino pode impedir a translação da viga em qualquer
direção ϕ e, portanto, o pino deve exercer uma força F sobre a viga
nessa direção (não impedindo a rotação)

= . geralmente é mais fácil representar essa força resultante F por suas duas componentes retangulares Fx e Fy.Para fins de análise.

. A terceira forma consiste de uma maneira mais restritiva de apoiar a viga que seria utilizar um apoio fixo (engastamento). uma força e momento de binário devem ser desenvolvidos sobre a viga em seu ponto de conexão. Para fazer isso. Esse apoio impedirá tanto a translação quanto a rotação da viga.

Abaixo mostraremos algumas dessas formar .Formas de Conexão Existem várias formas de sustentar uma estrutura qualquer.

.

.

.

.

A seguir são apresentados diferentes tipos de suportes para corpos rígidos sujeitos a sistemas de forças bidimensionais Tipo de Conexão incógnitas Reação Número de .

Tipo de Conexão incógnitas Reação Número de .

Tipo de Conexão incógnitas Reação Número de .

elas não criam um efeito externo sobre o corpo. como essas forças se cancelam mutuamente. . É por essa razão que as forças internas não devem ser incluídas no diagrama de corpo livre se o corpo inteiro precisa ser considerado.Forças internas Todos os corpos possuem forças internas que atuam entre partículas adjacentes em um corpo sempre ocorrem em pares colineares de modo que tenham a mesma intensidade e ajam em direções opostas (terceira lei de Newton). Entretanto.

. permitindo movimentos globais de corpo rígido.Estaticidade de um Arranjo Estrutural Estrutura Hipostática: O arranjo apresenta uma insuficiência na vinculação. possibilitando o equilíbrio apenas de sistemas de forças particulares.

sendo as reações de apoio determinadas exclusivamente através das equações globais de equilíbrio. .Estruturas Isostáticas: O arranjo apresenta uma vinculação mínima suficiente para impedir qualquer movimento global de corpo rígido.

. não sendo possível a determinação de todas as reações de apoio exclusivamente através das equações globais de equilíbrio.Estruturas Hiperestáticas: O arranjo apresenta uma vinculação mais do que o suficiente para não permitir movimentos globais de corpo rígido.

O sistema de forças pode ser reduzido a uma única força resultante que age em um ponto específico. e a posição de seu ponto de aplicação. cada uma de suas partículas possui um peso específico. . Essa força resultante é chamada de peso W do corpo.O peso e o centro de gravidade Quando um corpo está dentro de um campo gravitacional. de centro de gravidade.

de modo que a seleção do tipo de apoio. que seja correspondente e que fornecerá resultados que se aproximam o máximo possível da situação real. . o comportamento do material e as dimensões do objeto possam ser justificados. Para isso. ele considera um modelo analítico ou idealizado. é necessário que façamos escolhas cuidadosas.Modelos idealizados Quando realizamos uma análise de força em um objeto qualquer.

 Se um suporte impede a translação de um corpo em uma determinada direção. a fim de considerar todas as forças e momentos de binário que atuam sobre o corpo. mas opostos e. já que são vetores livres.  Estude os suportes da tabela  As forças internas nunca são mostradas no diagrama de corpo livre. portanto.  O peso de um corpo é uma força externa e seu efeito é representado por uma única força resultante que atua sobre o centro de gravidade G do corpo. então o suporte exerce um momento de binário sobre o corpo.Procedimentos para análise  Desenhamos o esboço que representa a forma  Mostramos todas as forças e momentos de binário  Identificamos cada carga e cada uma das dimensões Pontos importantes a serem considerados  Nenhum problema de equilíbrio deve ser resolvido sem antes desenhar o diagrama de corpo livre. já que são vetores .  Se a rotação é impedida. Momentos de binário podem ser colocados em qualquer lugar no diagrama de corpo livre. As forças podem agir em qualquer ponto ao longo de suas linhas de ação. se cancelam. já que elas ocorrem em pares colineares iguais. então o suporte exerce uma força sobre o corpo nessa direção.

B e C não estejam na mesma linha. .Equações de equilíbrio (Relembrando) As condições para o equilíbrio em duas dimensões são: ΣFx = 0 ΣFy = 0 ΣMO = 0 Um conjunto alternativo de três equações de equilíbrio independentes é (onde a linha que passa pelos pontos A e B não deve ser paralela ao eixo y): ΣFx = 0 ΣMA = 0 ΣMB = 0 Um segundo conjunto alternativo de equações de equilíbrio é: ΣMA = 0 ΣMB = 0 ΣMC = 0 Aqui é necessário que os pontos A.

O vão AB mede 20 m. da direita para a esquerda.EXEMPLOS E1 . Determine as reações nos suportes A e B.Uma estrutura em arco treliçado é fixa ao suporte articulado no ponto A. e situa-se a 4m acima de A horizontalmente. O peso próprio da estrutura é de 100 kN. e sobre roletes em B num plano de 30º com a horizontal. . A força resultante dos ventos é de 20kN.

Imposição do Equilíbrio no Ponto B Rx = 0∴RB cos 60o + HA − 20= 0 Ry = 0∴RB sin 60o −100+VA = 0 Mz = 0∴−100⋅10+VA ⋅ 20+ 20⋅ 4= 0 .

0 kN RB = 62.5 ⋅ RB + HA = 20 0. respectivamente.2 kN VA = 46.Um letreiro é pendurado por duas correntes no mastro AB.4 kN E2 .866 ⋅ RB + VA = 100 20⋅VA = 920 HA =−11.0. . determine a tração no cabo BC e a reação na articulação em A. O mastro é articulado em A Sabendo que os pesos do mastro e do letreiro são 1000 N e 800 N.

2o = 0 Ry = 0∴VA −1000− 800 +TBC sin 171.2o = 0 Mz = 0∴−1000⋅1.8o ⋅ 2.26− 800⋅1.8o ⋅ 0.52= 0 .36+ TBC sin 8.41+TBC cos 8.Imposição do Equilíbrio no Ponto A RX = 0∴HA +TBC cos171.

. L e k que deve ser satisfeita quando a barra está em equilíbrio. P. está presa a dois blocos A e B que se movem em guias lisas. Desprezando o peso dos blocos.153⋅TBC = 1800 0.HA − 0.Uma barra delgada AB. de peso P. A constante da mola é k.7 N E3 .741⋅TBC = 2388 HA= 3184 N VA= 1306. como ilustrado. e a mola não está esticada quando AB está na horizontal.9 N TBC = 3222. deduza uma equação para θ.988⋅TBC = 0 VA + 0.

substituindo o resultado na terceira e trazendo o valor de FM chega-se a.Imposição do Equilíbrio no Ponto A Rx = 0∴ HA − FM = 0 Ry = 0∴ FM − P+ VB = 0 Mz = 0∴−P (L/2) cosθ + FM Lsinθ + VB Lcosθ = 0 Isolando VB na segunda equação. P/2 cosθ+ kL(cosθ+ sinθ−1 )(sinθ− cosθ ) = 0 .

agir em direções opostas e ter a mesma linha de ação direcionada ao longo da linha que une os dois pontos onde essas forças atuam. . as duas forças agindo sobre o membro precisam ter a mesma intensidade.Sistemas de duas e três forças  Duas forças Um membro de duas forças possui forças aplicadas em apenas dois de seus pontos.  Membros de duas forças Para que qualquer membro de duas forças esteja em equilíbrio.

 Membros de três forças O equilíbrio de momentos pode ser satisfeito apenas se as três forças formarem um sistema de forças concorrentes ou paralelas. .

igual linha de ação e sentidos opostos. . as duas forças devem ter igual intensidade.Situações Particulares de Equilíbrio em Duas Dimensões Corpo sujeito à ação de duas forças: Se um corpo sujeito à ação de duas forças está em equilíbrio.

Corpo sujeito à ação de três forças: A condição necessária para que um corpo sujeito à ação de três forças esteja em equilíbrio é que as linhas de ação das três forças sejam concorrentes. .

.Exemplo : E4 -Uma chave é utilizada para girar um eixo. Um pino ajusta-se no furo A. Se uma força P de 250 N de intensidade for aplicada ao ponto D da chave determine as reações do eixo sobre a chave nos pontos A e B. e uma superfície plana e sem atrito apoia-se no ponto B do eixo.

.

.

Equilíbrio em três dimensões  Reações de apoio As forças reativas e os momentos de binário que atuam em vários tipos de suportes e conexões quando os membros são vistos em três dimensões são relacionados na tabela a seguir. .

.

.

Equilíbrio em três dimensões .

.

.

.

Por exemplo. ou seja. A .Restrições e determinação estática Restrições redundantes Quando um corpo possui suportes redundantes. ele se torna estaticamente indeterminado. B e C ) e 3 equações e no encanamento temos 8 incógnitas para 6 equações: . na viga temos 5 incógnitas (M . A . mais suportes do que o necessário para mantê-lo em equilíbrio.

neste caso as forças reativas são concorrentes em A. . um corpo estará incorretamente restrito se as linhas de ação de todas as forças reativas interceptarem um eixo comum. e a força P fará girar a barra (levemente) Em três dimensões. Por exemplo. Por exemplo.Restrições impróprias Ter o mesmo número de forças reativas desconhecidas que equações de equilíbrio disponíveis nem sempre garante que um corpo será estável quando sujeito a uma determinada carga.

Restrições impróprias Outra maneira em que a restrição imprópria leva à instabilidade ocorre quando as forças reativas são todas paralelas. Exemplos bi e tridimensionais (não há como equilibrar a componente x): .

pode-se escolher um eixo em qualquer direção arbitrária para somar forças e momentos.  Não é necessário que o conjunto de eixos escolhido para a soma de forças coincida com o conjunto de eixos escolhido para a soma de momentos. Para a soma de momentos. caso contrário. escolha a direção de um eixo de modo que este intercepte as linhas de ação do maior número possível de forças conhecidas.Procedimentos para análise Equações de equilíbrio  Se as componentes de força e momento x. use as equações vetoriais. aplique as seis equações de equilíbrio escalares. y. . z parecem fáceis de determinar.  Na verdade.

Determine as componentes vertical e horizontal da reação no pino A e a tração desenvolvida no cabo BC utilizado para sustentar a estrutura de aço. . Perceba que os momentos de forças passando por pontos nesse eixo e os momentos de forças que são paralelas ao eixo serão zero. então o sentido é oposto ao considerado no diagrama de corpo livre. EXEMPLO E5 .  Se a solução das equações de equilíbrio produz um escalar negativo a uma intensidade de força ou momento de binário.

.

z da reação na base fixa O do poste .O poste de uma linha de transmissão elétrica está sujeito a duas forças de 300 N do cabo. y. determine as componentes x. situadas em um plano paralelo ao plano x-y. Se a tração no fio tirante AB é 400 N.E6 .

.

EXERCÍCIOS PROPOSTOS EP1 .y. determine as componentes x.O transformador elétrico de 1500 N com centro de gravidade em G é sustentado por um pino em A e uma sapata lisa em B. Determine as componentes horizontal e vertical da reação no pino A e a reação da sapata B sobre o transformador EP2 .z da reação na junta esférica A e a tração em cada um dos cabos .Se a carga tem um peso de 200 kN.

Determine as reações nos apoios A e B da estrutura .EP3 .

Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e B.EP4 . EP5 .Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e C. .

Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios.EP6 . EP7 . .Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e C.

. EP9 .Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e B.Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e B.EP8 .

Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e C.Para a estrutura mostrada na figura determine as reações nos apoios A e B. EP11 . .EP10 .