Escrita

dimensão textual

FORMADORA RESIDENTE HELENA
SILVA

EXPRESSÃO ESCRITA

FUNÇÕES DA ESCRITA

IDENTIFIC
AR ALGO
OU
ALGUÉM

• MOBILIZA
RA
ACÇÃO

FUNÇÕES DA ESCRITA

PARA
RECORD
AR

PARA
REFLEC
TIR

FUNÇÕES DA ESCRITA

• PARA
SATISFAZE
R PEDIDOS
OU
EXIGÊNCIA
S

PARA
APRENDE
R E CRIAR

A ACÇÃO SOBRE O CONTEXTO DEVE
ATENDER ÀS DIFERENTES FUNÇÕES DA
ESCRITA

MODOS DE ACÇÃO
DIDÁCTICA

FINALIDADE
GERAL

Escrever para
produzir diferentes
textos (para
mobilizar algo ou
alguém, para
mobilizar a acção,
para recordar, para
satisfazer pedidos,
para convencer…)

Sequência
didáctica.

Apropriação de
critérios de
construção de
diferentes géneros
textuais.

Escrever para
aprender (para
tirar
apontamentos,
para resumir, para
sintetizar, para
explicar, para
informar)

Ciclo de escrita

Autonomia na
construção de um
texto a partir de
um tema.

Escrever para
criar(registar e

Caderno de escrita

Desenvolvimento
de uma relação

FUNÇÕES DA
ESCRITA

FUNÇÕES DA
ESCOLA

A escrita
na aula de Português

«A prática escolar mais frequente pode ser resumida nas
etapas seguintes: o professor solicita um trabalho, o
aluno produz o texto pedido, entrega-o ao professor, este
corrige-o, classifica-o e devolve-o ao aluno. Por vezes
chama a atenção para um ou outro erro mais grave,
geralmente ortográfico ou sintáctico, faz um elogio
genérico aos trabalhos melhores, e o aluno guarda o
texto, quantas vezes sem ter lido sequer com atenção as
anotações ou correcções do professor que, ao fazê-las,
teve um trabalho insano totalmente inútil. Tudo termina
aí até uma próxima oportunidade, que se desenrolará em
moldes semelhantes». (Cf. CABRAL, 1994).

• A consideração do modelo tradicional da
redacção justifica-se, pois, antes de mais, pelo
seu estatuto de contra-exemplo às novas
propostas de ensino e aprendizagem da escrita.
• Este não-ensino da escrita é visível, desde logo,
na própria tipologia de exercícios propostos aos
alunos, os quais não pressupõem nunca uma
reflexão sobre a tarefa a levar a cabo. As
estratégias de aprendizagem reduzem-se, na
maioria das vezes, à imitação e à repetição (Cf.
PEREIRA, 2000).

• Por que os alunos
não aprendem a
escrever? Atrevo-me
a responder (...) pela
simples razão que,
na escola, não se
ensina a escrever
(FONSECA, 1994).

• Quem ensina uma criança a
escrever? E quem ensina um
adolescente? E um jovem?
Quem lhes explica que há regras
de organização das ideias e de
articulação das frases? Grande
parte dos professores apenas
corrige,
muitos
deles
contentam-se com riscar. Poucos
são os que enfrentam o risco de
ensinar (ADRAGÃO, cit. por
TORRES, 1988).

?

o modelo de Flowers &
Hayes (1981) constitui
um marco de referência
na investigação sobre a
problemática da escrita:

O processo de escrita envolve três subprocessos:
a planificação,
a redacção
a revisão
A planificação consiste na construção da
representação interna do saber; a
redacção é a transformação das ideias
em linguagem visível; a revisão, a
análise do texto já produzido e a sua
eventual transformação.

MARIANA PINTO

A escrita como processo
Três componentes
Planificação

• Que tipo de texto vou escrever?
• Para quem vou escrever?
(destinatários)
• Que objectivos quero atingir?
• Registo de algumas ideias para o
meu texto.

Ordenação das ideias
Introdução: O quê? Quando? Onde? Perspectiva
em que é abordado o tema

Desenvolvimento:
Porquê?
Como?
Consequências?
Discute-se ou explica-se o tema, podendo ser
subdividido em subtemas .

Conclusão: Síntese das ideias, tomada de posição,
indicação de pistas de acção...

Textualização (redacção)
A redacção de um texto, é um processo moroso, pois
é comum os autores escreverem e
rescreverem várias vezes
os seus originais, sempre eliminando,
acrescentando e aperfeiçoando passagens.





Características de um texto bem escrito:
Clareza;
Precisão;
Comunicabilidade;
Consistência.

Revisão
Leio o texto com atenção e vejo se:
• Há palavras repetidas, erros ortográficos;
• As frases estão claras e os parágrafos bem
estruturados;
• Posso enriquecer as frases;
• A pontuação está de acordo com o que
quero transmitir;
• A ligação entre as frases está bem feita?
Releio o texto todo, se possível em voz alta, e
mantenho-me atento(a) ao que poderá estar
menos bem. Esforço-me por aperfeiçoar o
meu texto.

Desempenho
de funções
Revisão

Mobilização do
conhecimento

do texto
Ciclo de escrita:

prévio

Escrever para
aprender

Redacção
do texto
Organização
da informação

Recolha e
selecção da
informação

O Ciclo de escrita possibilita o
recurso
sistematizado
às
componentes do processo de
escrita. Desenvolve-se ao longo
de várias fases: mobilização do
conhecimento prévio, recolha e
selecção
da
informação,
organização da informação em
função da instrução de escrita,
redacção do texto solicitado e
correspondente revisão de acordo
com as funções a desempenhar
pelo texto produzido.

A componente de planificação, no início do ciclo, encontra-se subdividida
nas fases de mobilização ou activação do conhecimento prévio, recolha e
selecção de informação e respectiva organização. Este entendimento da
planificação enfatiza a ligação entre o processo de escrita e a integração
de saberes.

Planificação do Texto Narrativo

• Trabalho sobre os aspectos
discursivos e textuais:

MARIANA PINTO

*

*

*

Era uma vez um palhaço que vivia sozinho numa pequena cidade.
Um dia, quando era ainda rapazito, olhou o espelho do seu quarto e disse
para
a figura que o espelho reflectia:
- Tenho tanta graça!...
Em seguida deitou-se a sonhar.
No dia seguinte, pegou numas calças velhas, num casaco de quadrados
encarnados e verdes, nuns sapatos muito grandes e numa luvas enormes.
Saiu de casa e foi ao circo. Não bateu à porta porque o circo era de lona.
Resolveu bater as palmas para chamar alguém.
Passado algum tempo, veio o dono do circo, o senhor Forças, que tinha
uns bigodes muito grandes.
- Que quer o menino?
- Não sou menino. Sou já um homem que quer trabalhar. Quero ser
palhaço e fazer rir as crianças.
Finalmente, o pequeno palhaço consegui realizar o seu sonho… fazer rir as
crianças.
Matilde Rosa Araújo

SUGESTÕES DE MARIANA PINTO

Era uma vez um palhaço que vivia sozinho numa pequena cidade.

Quando?
Quem?
Onde?

Introdução

Ficha de Auto-avaliação de um texto narrativo
1. Segui o plano da narrativa:

a) na introdução
- referi “onde”, “quando” e “quem”?
- utilizei adjectivos para descrever os espaços e as
personagens?

Era uma vez um palhaço que vivia sozinho numa pequena cidade.
Um dia, quando era ainda rapazito, olhou o espelho do seu quarto e disse para
a figura que o espelho reflectia:
- Tenho tanta graça!...
Em seguida deitou-se a sonhar.
No dia seguinte, pegou numas calças velhas, num casaco de quadrados
encarnados e verdes, nuns sapatos muito grandes e numa luvas enormes.
Saiu de casa e foi ao circo. Não bateu à porta porque o circo era de lona.
Resolveu bater as palmas para chamar alguém.
Passado algum tempo, veio o dono do circo, o senhor Forças, que tinha uns
bigodes muito grandes.
- Que quer o menino?
- Não sou menino. Sou já um homem que quer trabalhar. Quero ser palhaço
e fazer rir as crianças.
Finalmente, o pequeno palhaço consegui realizar o seu sonho… fazer rir as
crianças.
Matilde Rosa Araújo

Palavras ou Expressões para ligar Frases ou Iniciar Parágrafos

Ligar

Encadeamento

Temporalmente

(Ruptura)
acontecimento

Oposição/
Pelo contrário
Neste caso
Todavia
Apesar de

Naquele momento...
No dia seguinte...
Um dia...
De seguida...
...

Em primeiro lugar
e...
depois
em seguida
finalmente

De repente

Concluir

Ligar
Espacialmente

Explicitar/

Em conclusão
Finalmente
Em consequência
Finalmente
...

À frente
Atrás
Ao lado de
Sobre
...

Isto é
Quer dizer
Por outras palavras
Então
...

Causa

Exemplificar

Porque
Visto que...
...

Assim
Por exemplo
...

subitamente

Contraste

Consequência

Clarificar
Por isso
Portanto

Ficha de Auto-avaliação de um texto narrativo
1. Segui o plano da narrativa:
a) na introdução
- referi “onde”, “quando” e “quem”?
- utilizei adjectivos para descrever os espaços e as personagens?
b) no desenvolvimento
- referi o que se passa ou o que aconteceu às personagens?
- porquê?
- como se começa a resolver a situação?
c) na conclusão
- apresentei o final da história?
- o final da história está de acordo com o “problema” apresentado no
desenvolvimento?

2. Na escrita do texto:

- não repeti as palavras que ligam as frases ou que iniciam os
parágrafos?
- cada parágrafo apresenta uma ideia diferente?
- coloquei correctamente os sinais de pontuação?
- escrevi sem erros ortográficos?
- tive cuidado com a ortografia e apresentação?

Reli o texto com atenção antes de o entregar?

Sug e

stões

FORMADORA RESIDENTE HELENA
SILVA

VAMOS MOSTRAR-TE A
FORMA COMO PODES USAR
AS FICHAS DE PLANIFICAÇÃO
E DE REVISÃO

VAMOS ESCREVER?
Tema proposto

Um problema ambiental

Comecemos por pegar nas fichas
de planificação e sigamos as
sugestões

Ficha Planif.1

Que tipo de texto vou escrever?

NOTICIAR UM INCÊNDIO
Então, preciso de
objectividade

clareza

prestar atenção
ao 1º
parágrafo

Ficha Planif. 2

Quem serão os destinatários do
meu texto?
Os leitores do jornal regional: pessoas mais
velhas do que eu (famílias dos meus amigos,
comerciantes, emigrantes, reformados...)

então

Não devo usar uma linguagem
demasiado juvenil

Ficha Planif3
Que objectivos é que
pretendo atingir?
INFORMAR sobre o que aconteceu

A APELAR ao cuidado a ter com o
ambiente

Ficha Planif.4
Registo algumas ideias para
o meu texto
UM INCÊNDIO

A Natureza e os
Causas
animais
A saúde
Consequências
Medidas a
tomar
Estas ideias estão, para já, todas
desordenadas, mas não me preocupo com

Ficha Planif.5
Agora, ordeno as ideias
1. Introdução: o quê, quando e onde
que registei
2.Desenvolvimento

e ui a
d
.
x
E no.g
Pla

2.1. Causas do incêndio
2.2. Como se propagou
2.3.Consequências
: - a Natureza e os animais
- a saúde
3. Conclusão: medidas a
tomar

Ficha Planif.5 (cont.)
Agora, ordeno as ideias
que registei
Desenvolvimento
Conclusão
Ex.
a
m
e
u
q
s
E
Introdução
Consequências
Medidas a
tomar

Causas

O quê?

Onde?

Quando?

Forma de
propagação

A saúde
A Natureza
e os animais

Ficha Planif.6
E pronto, a planificação
está esboçada. Passo agora às
fichas de revisão.
• Vou agora começar a escrever o meu texto.

Não me vou
esquecer que...
... sempre que acabar uma frase, irei
ler as sugestões das FICHAS DE
REVISÃO

grande

frase:
No Domingo, houve um incêndio na Serra

d’Arga.

entre Moledo e Caminha

Rev1: Verifico se há palavras repetidas

Rev2: A frase está bem clara?
Rev3: Posso enriquecer a frase?
Rev4: A pontuação está de acordo
com o que quero transmitir?
Rev5: Existe ligação entre esta frase e as
anteriores?

Não há

É melhor ser mais específcio no
local.
Vou caracterizar melhor o
incêndio.
Sim
Sim


frase:

nessa
zona

impensadamente

No Domingo, houve um grande incêndio na

Serra
d’Arga, entre Moledo e Caminha.// Alguém fez
porque
um
piquenique na serra.
Rev1: Verifico se há palavras repetidas
Rev2: A frase está bem clara?
Rev3: Posso enriquecer a frase?
Rev4: A pontuação está de acordo
com o que quero transmitir?
Rev5: Existe ligação entre esta frase
e as anteriores?

Repeti «serra». Vou
substituir.
Sim

Posso pôr mais informação
junto do verbo.
Sim
Vou pôr mais clara a
ligação.

propagou-se

No Domingo, houve um grande incêndio na Serra
frase:

d’Arga, entre Moledo e Caminha, porque alguém fez,
impensadamente, um piquenique nessa zona.// O fogo
espalhou-se rapidamente tendo destruído muitos
hectares de floresta.

,

A vírgula aqui
Não há

Rev1: Verifico se há
palavras repetidas
Parece-me que sim
Rev2: A frase está bem clara?
Rev3: Posso enriquecer a frase?
Rev4: A pontuação está de acordo
com o que quero transmitir?

Posso usar um verbo mais
expressivo
Vou colocar uma vírgula
Sim

Rev5: Existe ligação entre esta frase e as anteriores?

E vamos parar por aqui
pois já viste como podes
trabalhar com as fichas
que recortaste.

E, para terminar, clica
aqui para veres o último
diapositivo

«Tenho as mãos tão quentes,
quentes de amassar o poema»
• Quem disse isto foi Eugénio de Andrade, um
dos maiores poetas portugueses.
• Aquece também as tuas mãos nas letras,
nas sílabas, no ritmo e, quem sabe, talvez
venhas a ser um grande escritor...

Rosa Maria Pires

DA ESCRITA COMO PRODUTO À
ESCRITA COMO PROCESSO

proposta de trabalho
(Adaptado de Rosa Maria Pires)

Ficha de
Planificação nº 1
(frente)

Que tipo de texto
vais escrever?

Ficha de Planificação nº 1
(verso)

Esta questão é muito importante pois
cada tipo de texto tem as suas características.
Por exemplo, uma notícia não se escreve da
mesma maneira que uma carta.
Se não estiveres bem certo das características
do teu texto, informa-te junto do teu professor
ou faz uma pesquisa.

Ficha de Planificação
nº 2
(frente)

Quem vai ser o
destinatário do teu
texto?

Ficha de Planificação nº 2
(verso)

Esta é outra questão fundamental
porque não podes usar a mesma linguagem
se escreveres a um colega ou se escreveres ao
Presidente da Câmara do teu município, não é?
Também tens que ter em atenção que o
destinatário pode não saber as mesmas coisas
que tu sabes e, por isso, tens de explicar tudo
direitinho para que se perceba bem o que fores
escrevendo.

Ficha de Planificação nº 3
(frente)

Que objectivos é que
pretendes atingir?

Ficha de Planificação nº 3
(verso)
Quando escrevemos alguma coisa,
fazemo-lo sempre com alguns objectivos:
informar, alertar, pedir, exprimir sentimentos...
Por isso, a forma como escrevemos tem de estar
de acordo com essas intenções. Se quiseres fazer
uma notícia, terás de usar uma linguagem
objectiva e muito clara mas se pretendes alertar
alguém para o perigo do tabaco, por exemplo, tens
de ser apelativo e usar argumentos que convençam.

Ficha de Planificação nº 4
(frente)

Agora que já pensaste no tipo de
texto, no destinatário e nos
objectivos, começa a registar aquilo
que irás escrever.

Ficha de Planificação nº 4
(verso)

Lembra-te que não deves escrever já o
teu texto mas deves apenas registar os
tópicos que queres desenvolver. Vai
colocando essas ideias conforme te vão
surgindo e não te preocupes, para já,
com a sua organização. Se não tiveres
muita informação sobre o tema,
deves, primeiramente, fazer uma pesquisa
(nas Enciclopédias, em livros, na Internet...).

Ficha de Planificação nº 5
(frente)

Agora ordena as
ideias que registaste.

Ficha de Planificação nº 5
(verso)
Num texto, as ideias têm de ficar bem
desenvolvidas, para não haver repetições
ou saltos entre elas. Assim, das ideias que
tiveste, pensa o que fica bem na Introdução
e na Conclusão. Depois ordena os assuntos
a colocar no Desenvolvimento. Podes fazer
um plano-guia ou um esquema, por
exemplo, pois são óptimas estratégias de
ordenação dos assuntos.

Ficha de Planificação nº 6
(frente)

Ah! Não te esqueças de usar
as fichas de revisão.

E pronto! A tua
planificação está
esboçada. Podes
passar agora à escrita
do teu texto.

Ficha de Planificação nº 6
(verso)

Claro que, à medida que fores
escrevendo, vais ver que novas ideias te
vão aparecendo e que outras que achaste
interessantes agora não encaixam bem e
vais ter que ir reformulando o plano
inicial. Não te preocupes com isso, porque
escrever bem não é escrever o que nos
vem à cabeça. Escrever bem é
transformar, reformular, alterar...

Ficha de Revisão nº 1
(frente)

Verifica se há
palavras repetidas.

Ficha de Revisão nº 1
(verso)

É claro que, às vezes, as repetições até
ficam bem mas outras vezes não. Tens
que ver o tipo de texto que estás a fazer e
sentir se isso está bem ou não. Se
precisares de substituir a repetição, podes
usar um sinónimo, um pronome, uma
expressão equivalente ou, simplesmente,
retirar a palavra repetida.

Ficha de Revisão nº 2
(frente)

A frase está bem
clara? Quem for ler,
perceberá bem o
queres transmitir?

Ficha de Revisão nº 2
(verso)

Ao escreveres, faz um esforço para te
colocares no lugar de quem vai ler.
Lembra-te que o destinatário não te vai
poder fazer perguntas para pedir
esclarecimentos. Não te esqueças também
de que há coisas que tu podes saber e que
o leitor do teu texto não e, por isso,
deverás explicar tudo direitinho.

Ficha de Revisão nº 3
(frente)

A frase está
demasiado
simplista?
Poderia ser
enriquecida?

Ficha de Revisão nº 3
(verso)
Há muitas maneiras de tornar uma frase
mais agradável: colocar um adjectivo,
utilizar um advérbio expressivo, recorrer
a uma comparação ou a uma metáfora...
É claro que a utilização desses recursos
depende do tipo de texto que estás a
escrever. Assim, num texto expressivo,
isso é mais importante do que, por
exemplo, num texto de carácter
informativo.

Ficha de Revisão nº 4
(frente)

A pontuação
está de
acordo com o
que queres
transmitir?

Ficha de Revisão nº 4
(verso)

Quando falamos, damos entoação às
frases e o nosso ouvinte percebe se
estamos a fazer uma pergunta ou a dar
uma ordem, por exemplo. Quando
escrevemos, isso não acontece e essa
entoação tem de ser substituída pelos
sinais de pontuação e, por isso, é muito
importante ver se eles estarão de acordo
com aquilo que queremos transmitir.

Ficha de Revisão nº 5
(frente)

Existe ligação entre
a frase que acabaste
de escrever e as
anteriores?

Ficha de Revisão nº 5
(verso)

Um texto tem de estar coeso, ou seja, com
as ideias bem ligadas entre si. Por isso,
não te podes esquecer daquelas palavras
ou expressões, a que às vezes se chama
«articuladores», que estabelecem a
ligação entre as ideias. Lembra-te que
escrever bem não é, simplesmente,
colocar frases umas ao lado das outras. É
preciso que haja um encadeamento entre
elas.

Ficha de Revisão nº 6
(frente)

Já acabaste de escrever? Relê o
texto todo, se possível em voz alta, e
mantém-te atento ao que poderá
estar menos bem.

Ficha de Revisão nº 6
(verso)

Sabias que, ao lermos em voz alta, nos
apercebemos
mais
facilmente dos
aspectos que não estão bem?
Durante a revisão, não te prendas apenas
aos erros de ortografia. Procura manterte também atento à construção das frases
e ao encadeamento das ideias. Não tenhas
receio de riscar e fazer emendas.

Descritores de desempenho
1º e 2º ano






Redigir textos:
- de acordo com o plano previamente elaborado em colaboração com o
professor
- respeitando as convenções gráficas e ortográficas e de pontuação
- evitando repetições
Utilizar materiais de apoio à produção escrita (4).
Escrever pequenas narrativas.

Elaborar uma descrição – de uma cena, objecto, paisagem, personagem
(5).
Elaborar um pequeno texto informativo-expositivo.
Escrever pequenos textos instrucionais.
Escrever uma curta mensagem – recado, aviso, nota, correio electrónico.
Rever os textos, com apoio do professor:
- identificar erros
- acrescentar, apagar, substituir a informação
- reordenar o texto
Cuidar da apresentação final dos textos (7).








Descritores de desempenho
1º e 2º ano
• Escrever pequenos textos por sua
iniciativa (8).

• Escrever textos mediante proposta
do professor (9).

Descritores de desempenho
3º e 4º ano











Copiar textos, formulários, tabelas… tendo em vista a recolha de
informação:
- de modo legível e sem erros
- no computador
Escrever um texto ditado, com respeito pelas principais regras de ortografia
e pontuação, gerindo correctamente o espaço da página.
Elaborar, por escrito, de modo autónomo, respostas a questionários.
Utilizar técnicas específicas para seleccionar, registar, organizar e
transmitir
a informação.
Planificar textos de acordo com o objectivo, o destinatário, o tipo de texto e
os conteúdos (10):
- recolher a informação em diferentes suportes
- organizar a informação em gráficos, mapas, tabelas…

Descritores de desempenho
3º e 4º ano









Redigir textos (de acordo com o plano previamente elaborado;
respeitando
as convenções (orto)gráficas e de pontuação; utilizando os
mecanismos de
coesão e coerência adequados (11).
- construir narrativas, no plano do real ou da ficção, obedecendo à
sua
estrutura…
elaborar uma descrição – de uma cena, objecto, paisagem, pessoa ou
personagem (12)
- elaborar um texto informativo-expositivo – relativo a uma
experiência/observação, explicação de um fenómeno, uma viagem,
desenvolvimento de um tema…

Descritores de desempenho
3º e 4º ano













- redigir uma notícia breve ou um pequeno artigo (13)
- escrever uma curta mensagem – recado, aviso, nota, correio
electrónico
- redigir uma carta, com intenção específica
- elaborar um texto instrucional
- elaborar um texto integrando situações de diálogo (banda desenhada,
entrevistas…)
- dar continuidade a textos dramáticos
• Resumir textos.
• Rever os textos com vista ao seu aperfeiçoamento (14):
- identificar erros
- acrescentar, apagar, substituir
- condensar, reordenar, reconfigurar
- efectuar eventuais correcções ou reformulações
• Cuidar da apresentação final dos textos.

Descritores de desempenho
• Escrever textos por sua iniciativa.
• Escrever diferentes textos mediante
proposta do professor.
• Explorar a escrita de poemas.

Referências:
Mariana Oliveira Pinto
Rosa Maria Pires
Programas de Português do
Ensino Básico